segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

GOLPE MORTAL (1982)


Quando GOLPE MORTAL chegou aos cinemas, Chuck Norris estava em plena escalada rumo ao posto de grande astro do cinema de ação: em poucos anos, já havia estrelado um grande sucesso de bilheteria ("Octagon"), um ótimo filme policial ("Ajuste de Contas") e até uma mistura de aventura com ficção científica e horror ("Fúria Silenciosa", em que enfrenta um pseudo-Michael Myers).

Não por acaso, esta aqui foi a sua produção mais caprichada até então, com uma major por trás (o filme foi produzido pela MGM) e um diretor que já havia trabalhado duas vezes com Clint Eastwood (James Fargo, de "Sem Medo da Morte" e "Doido para Brigar... Louco para Amar"). Funcionou, e no ano seguinte Norris estouraria de vez com "McQuade, O Lobo Solitário".


Infelizmente, GOLPE MORTAL acabou se tornando um capítulo meio obscuro na trajetória do astro, talvez por ter ficado "ensanduichado" bem no meio de dois puta filmes ("Fúria Silenciosa" e "McQuade").

Pura injustiça: é uma aventura boa pra caramba, e eu inclusive colocaria tranquilamente num Top 3 dessa primeira fase da filmografia de Chuck (logo abaixo dos dois já citados).

Antes de partirmos para a resenha, faça um intervalo de dois minutinhos, vá até o final do texto e assista o trailer do filme para pegar o espírito. Vai lá.

...

...

...


E aí, já assistiu? Então vamos combinar: do "mapa de ferimentos do corpo" à profissão semelhante do herói, GOLPE MORTAL não parece ter sido a inspiração para "Matador de Aluguel", aquele filmaço de 1989 estrelado por Patrick Swayze como um leão-de-chácara bom de briga?

Eu achei as duas obras tão parecidas, em história e proposta, que o personagem de Chuck aqui bem que poderia ser o pai do personagem de Swayze em "Matador de Aluguel". Ambos têm profissões bem semelhantes, ambos têm um rígido código de honra, e ambos buscam evitar a briga até o último momento. Claro, ambos também são lutadores furiosos daquele tipo com o qual você não quer comprar briga...


Norris interpreta Josh Randall, um veterano do Vietnã que trabalha em Hong-Kong como segurança e "cobrador de dívidas de jogo" no cassino do pai adotivo oriental, Sam Paschal (David Opatoshu). O lugar é administrado pelo seu meio-irmão, David (Frank Michael Liu), que reprime violentamente caloteiros e ladrões.

O problema (sempre tem um) é que uma rede criminosa chamada Osiris está fazendo pressão para comprar o Lucky Dragon, o cassino da família Paschal. Todos os outros estabelecimentos de jogo da cidade já estão sob controle da organização, que quer construir uma nova Las Vegas em Hong-Kong, mas cobrando "proteção" dos proprietários de cassinos.


Obviamente, o velho Sam - que tem muito orgulho por ter começado seu negócio do zero - recusa-se a vender o cassino e fazer parte da mutreta. Até porque é um sujeito honrado (embora explore jogo ilegal e extorsão), e não quer saber de envolvimento com a bandidagem.

Na mesma noite, Sam e David são assassinados numa emboscada, e Josh descobre que um empresário inescrupuloso ligado à Osiris e ao ramo de cassinos, o almofadinha Stan Raimondi (Michael Cavanaugh), colocou sua cabeça a prêmio.


Agora, ele precisa lutar para sobreviver nas perigosas ruas de Hong-Kong, e também proteger a única sobrevivente do clã Paschal, Joy (Camila Griggs), herdeira do Lucky Dragon por direito, e portanto na mira dos vilões.

Sobra também para a sua própria namorada, a gostosona Claire (Mary Louise Weller), que corre risco de vida apenas por estar ligada ao herói (e em filmes nunca é seguro namorar com Chuck Norris ou Charles Bronson, como todos sabemos...).


Lançado em VHS no Brasil pela Video Arte como GOLPE MORTAL, mas exibido na TV com uma tradução literal e bem mais apropriada do título original ("Vingança Forçada"), este trabalho da primeira fase da carreira de Chuck Norris é obrigatório para quem gosta de filmes de ação descerebrados, principalmente porque o astro mantém (e leva adiante) aquele tom fanfarrão e brincalhão que começou a demonstrar em "Ajuste de Contas".

Novamente com seu característico bigodão, e usando chapéu de cowboy 24 horas por dia - apesar de estar em Hong-Kong, e mesmo quando veste smoking!!! -, Norris está perfeito como Josh Randall, personagem por quem o espectador simpatiza desde a sua primeira aparição em cena.


Isso acontece quando vemos Randall cobrando uma dívida de jogo nos Estados Unidos. O caloteiro recusa-se a pagar, dizendo que "dívidas de jogo são ilegais", mas o herói responde: "Bem, eu não sou advogado". Um guarda-costas do sujeito tenta intervir, e primeiro Randall tenta contê-lo "na boa"; quando o grandalhão passa dos limites, é chegada a hora de dar um corretivo à la Chuck Norris, o que inclui muitos sopapos e chutes giratórios. Desnecessário dizer que o caloteiro opta por pagar a dívida depois de ver seu segurança ser moído na pancada...

Por sinal, desde esta primeira cena o filme já dá o tom do personagem: Randall sempre fica puto quando os inimigos aprontam com seu chapéu (o que acontece com bastante frequência), e um close do seu punho cerrado é a senha para o início da pancadaria, quando ele percebe que não conseguirá resolver a situação só na conversa.


Josh Randall também é um dos personagem mais "humanos" que Norris interpretou em toda a sua filmografia. Se nas aventuras anteriores ele fez indestrutíveis mestres do karatê, policiais durões e veteranos do Vietnã, Randall é um personagem mais verossímil, que, embora bom de briga, tenta escapar do confronto sempre que possível e tem medo por si mesmo e pelas pessoas ao seu redor (algo que não acontece, por exemplo, em "Octagon").

Randall também apanha muito, algo difícil de ver nos filmes de Norris (geralmente ele bloqueia os golpes dos inimigos, ou então bate primeiro). Diretor e roteirista parecem querer mostrar a todo momento que o herói é de carne e osso, desde o exame médico em que ele revela o corpo cheio de cicatrizes até a luta em que Randall sangra aos borbotões a cada golpe que leva (outra coisa difícil de acontecer nas aventuras do astro).


Entretanto, embora mais "frágil", o personagem não deixa de fazer gracinhas e piadinhas a todo momento, um lado fanfarrão que Norris começou a explorar em "Ajuste de Contas". Numa cena hilária, Randall percebe que está sendo seguido por um brutamontes. Para evitar o confronto direto, ele belisca a bunda de uma bela garota à sua frente e diz que o culpado foi o sujeito no seu encalço. Dito e feito: a moça parte para cima do bandido e Randall tem tempo para contra-atacar!

E tem um momento à la "Os Caçadores da Arca Perdida" em que um rapaz armado de nunchaku cruza o caminho do herói fazendo malabarismos, como se fosse o guerreiro mais fodão de Hong-Kong. Pois Chucko simplesmente saca seu revólver e o sujeito sai correndo apavorado!


Finalmente, também tem uma cena em que o herói está no cassino quando o sujeito com quem ele joga dados (guarda-costas do vilão Raimondi) dá um tapa na cara de uma garota que puxou conversa. Sem titubear, nosso herói devolve um tapa na cara do sujeito mal-educado, e ainda pergunta: "Não foi legal, não é?".

O protagonista narra o filme em primeira pessoa, mas nada a ver com aquela narração afetada e redundante de "Octagon". Pelo contrário, a narração em off em GOLPE MORTAL permite até que o herói faça mais algumas piadinhas, como "Nunca entregue uma arma à sua namorada", após quase ser morto por um tiro disparado acidentalmente por Claire.


Mas vale destacar que, embora seja um sujeito brincalhão e divertido durante a maior parte do tempo, Randall também sabe ser fodão quando necessário - até ameaça queimar vivo o amante de um dos vilões para obter informações sobre quem são as pessoas à sua caça.

Na conclusão, depois que os bandidos forçam a barra para cima dos seus amigos, o herói resolve partir para a guerra literalmente, inclusive vestindo seu velho uniforme dos tempos do exército para atacar Raimondi e sua turma, num final eletrizante.


Curioso é que o roteiro - redondinho e bem bolado - foi escrito por um sujeito chamado Franklin Thompson, que não teve outras oportunidades no mundo do cinema (pelo contrário, só trabalhou em um telefilme e em episódios de dois seriados!). Enquanto isso, malas como Akiva Goldsman ganham Oscars...

Claro que não há nada de shakesperiano em GOLPE MORTAL, uma típica aventura de Chuck Norris, que, como tal, mostra o herói tentando evitar os problemas até que os bandidos começam a ameaçar sua família e amigos.


Tem até um amigo veterano do Vietnã (Bob Minor, de "Comando Para Matar") que aparece brevemente só para morrer. Outros detalhes da trama repetidos das aventuras anteriores do ator são a família adotiva de origem oriental (como em "Octagon") e um empresário almofadinha como grande vilão (como em "Ajuste de Contas"); mas, ao contrário de Christopher Lee no outro filme, aqui o bandidão luta, e até faz Norris suar para conseguir vencê-lo!

E tem também um capanga gigantesco do vilão que dará muita dor de cabeça a Randall, na mesma linha do Professor Toru Tanaka em "Ajuste de Contas". Ele é interpretado por Seiji Sakaguchi, campeão japonês de luta livre que mede impressionantes 1,96m de altura!


O combate final entre Seiji e Chuck é memorável: ao som da ótima trilha composta por William Goldstein, que dá um tom épico ao confronto, os dois parecem se matar de verdade, arrebentando móveis, portas e janelas como se fossem de papel.

Digno de registro: o grandalhão é um dos raros oponentes a tirar MUITO sangue de Norris numa luta cinematográfica, e seu destino gorezento lembra o desfecho do vilão de "Ghost - Do Outro Lado da Vida".


E os clichês acabam ficando em segundo plano graças à direção eficiente e estilosa de Fargo. Ele nunca deixa o ritmo cair (e nem o espectador pensar muito), aproveitando bem as locações em Hong-Kong - principalmente quando Randall, Claire e Joy precisam fugir dos homens de Raimondi por umas vielas apertadas e superlotadas de pessoas, onde o perigo pode estar em cada esquina.

Estilosos também são os créditos iniciais do filme, que mostram apenas as silhuetas de Chuck Norris lutando, em câmera lenta, com um adversário anônimo em frente a um grande letreiro luminoso de cor vermelha. Infelizmente, a mesma cena é repetida mais tarde no filme, em velocidade normal, tirando parte do seu impacto (e tornando questionável sua utilização anteriormente).


Se GOLPE MORTAL tem menos atores conhecidos do que outras obras do astro, pelo menos marca a estréia no cinema do ator chinês Tony Leung, em pequena participação. Nos anos seguintes, Leung se transformaria num grande astro, aparecendo em filmaços como "Fervura Máxima", "Herói", "Conflitos Internos" e "Amor à Flor da Pele".

Também se repete aquele clima familiar de outros trabalhos de Chuck, com participações de seu irmão Aaron Norris (como coordenador dos dublês), de seu filho Mike (numa ponta) e de Richard Norton. Ele foi dublê do astro e faz uma ponta, em que aparece com cabelo e bigode bem semelhantes a Norris, já que o substituía nas cenas mais delicadas.


Mas se há alguém que merece destaque em GOLPE MORTAL além do astro é seu par romântico, a gata Mary Louise Weller, provavelmente uma das mais lindas atrizes a contracenar com Chuck em toda a sua filmografia.

Mary Louise infelizmente não aparece tanto na trama, mas tem um belíssimo par de peitos que é de parar o trânsito. Aqui eles só aparecem de relance, mas foram exibidos em toda a sua glória na comédia "Clube dos Cafajestes", onde a moça interpretou Mandy Pepperidge (dá uma olhada na imagem aí embaixo, taradão!).


É uma pena que a moça tenha abandonado o cinema ainda lá atrás, na metade dos anos 1980, para investir na criação de cavalos, privando-nos do seu talento dramático (e da sua comissão de frente). Esta aventura com Chuck Norris acabou sendo um de seus últimos trabalhos.

GOLPE MORTAL também é um dos últimos filmes em que Norris prefere resolver os conflitos no karatê, e não com armas de fogo. A partir do ano seguinte, em "McQuade", ele já apareceria exterminando bandidos com revólveres, rifles, metralhadoras e até bazucas, o que se repetiria nas séries "Braddock" e "Comando Delta".


Claro, em todos estes filmes ele continuou distribuido seus chutes giratórios e sopapos. Mas sua trajetória como "indestrutível mestre das artes marciais que usa os punhos e pernas como armas" terminou por aqui. Afinal, os tempos eram outros, graças a produções como "Rambo" e o posterior "Comando Para Matar"...

Mais um motivo para redescobrir GOLPE MORTAL, que merece inclusive uma Sessão Dupla com "Matador de Aluguel" - dois filmaços que dão um laço na maioria dos filmes de ação recentes que eu assisti!

PS: "Bem-vindo à Selva" (2003), de Peter Berg, traz The Rock na pele de um personagem "cobrador de dívidas" bem parecido com Josh Randall. Não sei se é plágio ou homenagem, mas o filme não chega aos pés desse aqui, mesmo tendo Christopher Walken como vilão e trama ambientada no Brasil.

Trailer de GOLPE MORTAL



*******************************************************
Forced Vengeance (1982, EUA)
Direção: James Fargo
Elenco: Chuck Norris, Mary Louise Weller, Camila Griggs,
Michael Cavanaugh, David Opatoshu, Seiji Sakaguchi,
Frank Michael Liu e Bob Minor.

15 comentários:

Anônimo disse...

Ótima idéia Felipe, fazer uma resenha sobre "Matador de Aluguel". Podemos esperar essa resenha?

Anônimo disse...

Realmente Felipe, este filme é tão bom quanto Ajuste de contas! O que mais aprecio nos filmes de Norris é que a coreografia é menos marmelada do que os filmes de Hong Kong!

Você fará post do Comando Delta? Outro filmão (onde Norris contracena com Lee Marvin)!

Anônimo disse...

Certa vez, a Morte teve uma experiência de quase-Chuck Norris.

Felipe M. Guerra disse...

A resenha de "Matador de Aluguel" está na lista. Revi o filme tempos atrás e achei ainda melhor do que quando vi na Globo lá pela década de 90.

"Comando Delta", só numa futura segunda parte da Maratona Chuck Norris, já que esta se encerra amanhã com o último filme pré-Cannon Films, "McQuade, O Lobo Solitário".

Anônimo disse...

Felipe, quero dar três sugestões de filmes que você têm que resenhar: "A noite dos Coelhos" (Night of the Lepus, 1972);
"Trash - Náusea Total" (Bad Taste, 1987) e Frankenhooker (1990). Valeu.

Juninho disse...

Ja vi esse filme, só pela cena naquele letreiro vermelho.
Sempre gostei dos filme do Chuck Norris e esse não era exceção. Muito interessante.

Henrique disse...

BAIXANDO!

robert disse...

Análise bacana Felipe. Vi esse filme inumeras vezes em VHS, bons tempos, rsrs. Só Pra constar tem uma cena que acho que o Chuck refez posteriormente em Bradock 2. É uma cena em que ele salta de um lugar alto e cai com o pé no peito de um cara e logo em seguida começa a lutar com outros caras no local dando chutes giratórios em todos eles. Uma ótima coreografia do astro.

Viana disse...

"Norris interpreta um veterano do Vietnã..."
Quantas resenhas de filmes de Norris começam com essa frase hein...

Robson disse...

Boa resenha como sempre!!!Esse filme simplesmente é o melhor filme do Norris na minha opinião, gosto muito das lutas, principalmente da luta Final!!!Obs: acho que a cena do cara chinês com o nunchaku foi uma desforra do Norris contra um tal Bruce Lee hahaahahah

Marco Antonio disse...

Eu conheci na década de 90, na saída de um cinema de arte de Los Angeles exibindo A GRANDE ARTE (lá chamado EXPOSURE)de Walter Salles Júnior-ainda o melhor longa dele, na minha opinião-Lloyd Kino, o ator japonês que nesse filme interpreta o chinês(!), ´Inspetor Chen´ (ele tbm fez um monge no péssimo MORTAL KOMBAT com o Chris Lambert e uma ponta em O PENTELHO, onde aparece dançando na famosa cena de karaokê...gente finíssima (ele me disse que tem familiares no Paraná!). Assistindo ao filme tbm estava o diretor Robert Wise.
Vale dizer que o diretor desse filme com o Norris é o competente artesão Jim Fargo, um ex-´protegido` de Clint Eastwood (realizou o bom DOIDO PARA BRIGAR, LOUCO PARA AMAR e aquele que é um dos mais fracos épisódios´ da saga sobre o detetive depolícia Dirty Harry, SEM MEDO DA MORTE)...depois de anos sem filmar, Fargo está voltando em breve com BORN TO RIDE,um longa rodado há cerca de um ano e meio que parece ser uma volta a aqueles filmes de ´gangues de motoqueiros´, tão populares nos anos 70, muitas vezes com o Peter Fonda e/ou o Adam Roarke.

atelierdotecido disse...

Amei seu blog. Já está nos favoritos.
carolsrs@gmail.com
Estou precisando de algum programa pra me ajudar a listar todos os filmes que já vi...você conhece algum?
Abs
Carolina

Felipe M. Guerra disse...

CAROLINA, só conheço o site Filmow, onde você pode marcar os filmes que viu e avaliá-los com estrelinhas e comentários. Só não pode ser do tipo que se estressa fácil, porque tem cada opinião por lá...

O link é http://filmow.com.

Augusto Cezar Lima Queiroz disse...

Nos créditos finais do filme "Braddock - O Super Comando" aparece o nome de Jean-Claude Van Damme (como "stuntman": dublê), o nome de Ice-T como cantor de uma das músicas de rap do filme, e o de Rod Stewart como autor de uma letra de outra canção do filme de Norris.

Klyus Vieira disse...

Chcuck Norris?!?!?!
Conheçam Singham!!!
Felipe, este filme é imperdível e tem que ser analisado por você. Abraço!

http://www.youtube.com/watch?v=gmKbejCVLLs