sexta-feira, 4 de junho de 2010

Ainda mais resenhas curtinhas para analfabetos funcionais

RAMPAGE (2009, Canadá/Alemanha. Dir: Uwe Boll)
Já faz algum tempo que o alemão Uwe Boll escapou do estigma de "pior cineasta moderno". Primeiro porque tem gente bem pior que ele por aí (e com as benesses dos grandes estúdios); e segundo porque Boll tem feito alguns filmes muito interessantes, como "Tunnel Rats". Quem ainda torce o nariz para o diretor-chucrute vai ter que "destorcê-lo", pois sua nova obra é digna de elogios e de recomendação. "Rampage" reaproveita elementos de três filmes bem conhecidos: "Clube da Luta", "Targets" e "Um Dia de Fúria". Há um pouco de cada um deles na história do rapaz sem perspectivas que, prestes a ser expulso de casa pelos pais, resolve vestir uma armadura indestrutível para espalhar o caos pela sua cidade, saindo numa "rampage" que inclui o extermínio de várias vidas inocentes - principalmente balconistas abusados que o trataram mal na véspera. A situação não é exatamente nova (tinha um sujeito com armadura parecida no início de "Máquina Mortífera 4"!), mas Boll filmou a coisa toda com certo estilo, mostrando que aprendeu alguma coisa dos pavorosos "House of the Dead" e "Seed" pra cá. E mesmo com defeitos óbvios (o filme fica um tanto repetitivo depois que o massacre começa, principalmente porque vários "inserts" dele foram exibidos no início), "Rampage" nunca perde o interesse ou cai de nível. Até porque, nestes tempos politicamente corretos, Uwe Boll é um caso digno de estudo. O sujeito já fez até piada com o 11 de setembro (em "Postal"), e aqui passa uma "mensagem" (sobre "limpar o mundo") ainda mais perigosa, principalmente num país em que os jovens já têm naturalmente o hábito de pegar fuzis para exterminar pessoas inocentes nas suas escolas ou bairros. Para piorar (na questão do "politicamente correto"), o filme não faz nenhum julgamento moral na conclusão. Por isso, e pela historinha bem contada, surpreende. É o melhor trabalho de Boll - o que também não quer dizer muita coisa...


O ESCRITOR FANTASMA (The Ghost Writer, 2010, França/Alemanha/Reino Unido. Dir: Roman Polanski)
Nestes tempos malditos em que Paul Greengrass é o maior exemplo de "suspense" no cinema, Zack Snyder e Rob Zombie são "visionários" e Brian DePalma há tempos não acerta uma, ainda bem que sobrou o Polanski para ensinar para a molecada como se faz um filme de suspense decente e à moda antiga. "O Escritor Fantasma" deve ser o suspense mais "hitchcockiano" das últimas décadas, e é o melhor trabalho do polonês no gênero desde "Busca Frenética" (e lá se vão mais de 20 anos). Quanto menos se souber da trama, melhor. Dizem que é fácil matar a charada, mas eu confesso que o final me pegou direitinho. E isso que os diversos diálogos aparentemente inofensivos entre os personagens ao longo da trama realmente levam àquela revelação... Polanski, como que rindo da cara desses farsantes contemporâneos, dá uma aula de como criar suspense e tensão sem correria nem sangue, e sem tremer a câmera, preferindo longos planos-seqüência onde mal se percebe o movimento da câmera. O suspense e a tensão surgem naturalmente pela angústia do que virá (e não pela barulheira ou tremedeira), graças ao roteiro bem amarrado que vai soltando as pistas devagarzinho, criando várias possibilidades e teorias conspiratórias. Há ecos de outros Polanskis, especialmente de "O Inquilino" (o protagonista assumindo o lugar e a vida de um falecido) e "O Último Portal" (o livro misterioso que traz um segredo mortal). O próprio personagem de Pierce Brosnan parece um alter-ego do polêmico diretor (como Polanski, ele também é acusado de um crime e não pode voltar ao seu país temendo ser preso). Mas o filme tem vida própria, e não pode ficar de fora de nenhuma lista de melhores de 2010. Como bônus, além do fantástico elenco principal, temos pontas de gente como James Belushi (em "momento Lex Luthor", segundo Leandro Caraça), Eli Wallach e um irreconhecível Timothy Hutton. Imperdível!


A ESTRADA (The Road, 2009, EUA. Dir: John Hillcoat)
Poucos filmes dos últimos anos me provocaram sentimentos tão diferentes quanto este "A Estrada", adaptação de um livro de Cormac McCarthy que, confesso, não li. Lado a lado, há esperança e desesperança; ternura e tragédia; horror e sobrevivência; humanidade e monstruosidade. Uma linha tênue divide heroísmo e vilania, e o próprio protagonista anônimo (Viggo Mortensen) não é flor que se cheire, fazendo de tudo - e tudo mesmo - para salvar seu filho num tenebroso mundo pós-apocalíptico em que a maior parte dos sobreviventes rendeu-se ao caos e ao canibalismo. É o típico filme que, desde o começo, você já imagina como vai terminar, mas mesmo assim passa os minutos angustiado torcendo pelos seus personagens. A desesperança é total, mas o pai e seu filho sabem que precisam seguir em frente ou parar e morrer. É o extremo oposto da maioria dos filmes pós-apocalípticos, como "Mad Max" ou o recente "O Livro de Eli", que trazem um herói bem-definido como símbolo da esperança da reconstrução de uma sociedade justa. Não há muita violência ou cenas gráficas, mas algumas imagens escabrosas - como o porão repleto de humanos aprisionados como gado para virar refeição de uma família - chocam e não saem da cabeça por vários dias. Enfim, "A Estrada" é um pesadelo dramático e ao mesmo tempo uma história de coragem e amor. E tirando Charlize Theron, que aparece bonita mesmo sem maquiagem e destoa do resto do elenco, os atores estão praticamente irreconhecíveis. Tanto que eu só descobri que Robert Duvall e Guy Pearce estavam no filme ao ver os créditos finais! Nestes tempos de "sobreviventes pós-apocalípticos de butique", que parecem ter acabado de sair do cabeleireiro, é outro ponto positivo. Também vai direto para a lista dos melhores do ano.


THE HUMAN CENTIPEDE - FIRST SEQUENCE (2009, Holanda. Dir: Tom Six)
A internet ao alcance da mão e uma idéia absurda na cabeça. Foi mais ou menos assim que o projeto "The Human Centipede" ganhou corpo e também uma legião de fãs apaixonados antes mesmo de começar a ser filmado, num fenômeno internético semelhante ao de "Serpentes a Bordo" e "Atividade Paranormal", para citar dois exemplos recentes. A verdade é que a idéia do cientista louco que resolve ligar três pessoas pelo seu aparelho digestivo, para criar uma "centopéia humana", é tão insana que cada pessoa acabou imaginando o seu próprio filme antes de ver o que o diretor-roteirista Tom Six realmente filmou. Para muitos foi até uma decepção, já que "The Human Centipede" não pega tão pesado no sangue nem na nojeira, embora tenha algumas cenas de lascar (só imagine como é a "alimentação" das partes posteriores da centopéia). Confesso que gostei justamente pelo resultado ser menos hardcore do que eu esperava. Se tivesse sido feito por um daqueles cineastas malucos do Japão, por exemplo, sai da frente - imagine Takashi Miike com o mesmo roteiro nas mãos! Porém Six, mais sutil, dá uma de Cronenberg em tempos de "Calafrios" e "Enraivecida na Fúria do Sexo", preferindo chocar mais com os detalhes sórdidos do que mostrando escancaradamente a nojeira. O resultado é "palatável" (não acredito que escrevi isso sobre ESSE filme), embora caia nas armadilhas de toda obra que gera grande expectativa. Por exemplo, demora uns bons 40 minutos para que aconteça algo realmente interessante, e os personagens são estupidamente estereotipados. Entretanto, cumpre o que promete (o título NÃO é propaganda enganosa) e garante uns bons (?) pesadelos. Só não gosto da idéia de uma continuação, já em pré-produção. Vai parecer piada contada pela segunda vez. Para quem quiser ver na tela grande, "The Human Centipede" é uma das atrações do Fantaspoa - Festival de Cinema Fantástico de Porto Alegre, em julho.


TRIANGLE (2009, Reino Unido/Austrália. Dir: Christopher Smith)
Venho acompanhando atentamente os trabalhos do inglês Christopher Smith desde "Plataforma do Medo", e até agora o homem não me decepcionou. Depois de "Severance/Mutilados", um slasher divertidíssimo e sangrento, seu novo trabalho, "Triangle", é bem mais sério - um verdadeiro pesadelo que começa meio "Navio Fantasma", meio "O Iluminado", mas logo envereda para uma criativa e intrincada trama envolvendo universos paralelos. Dizem que tal trama seria plágio do filme espanhol "Los Cronocrímenes" (cujo DVD está na minha cada vez mais numerosa pilha de "filmes para ver"). Entretanto, o próprio diretor deste, Nacho Vigalondo, abafou o caso, dizendo que se trata apenas de um raro caso de idéias bastante parecidos desenvolvidas ao mesmo tempo. E "Triangle" também é outro exemplo de filme que você precisa ver sabendo o mínimo possível sobre a história. O que posso dizer, sem estragar surpresas, é que o argumento tem alguns assustadores toques Lynchinianos (dos tempos em que David Lynch ainda fazia algum sentido...), e imagens tétricas como a da moça arrastando-se para a morte e encontrando dezenas de clones na mesma situação - versões dela saídas de realidades paralelas! Essa história de múltiplas versões dos personagens lembra o péssimo "Cubo 2 - Hipercubo", mas aqui a situação é muito melhor aproveitada, com um enredo circular que "fecha o ciclo" no final arrepiante, explicando as pontas soltas. Original e bastante criativo, "Triangle" é aquele filme que, infelizmente, os fãs de horror acabam deixando passar em meio à quantidade absurda de remakes ruins. E será que alguém sabe me explicar por que Christopher Smith ainda não ganhou o merecido respeito por parte dos fãs de horror, enquanto fanfarrões como Rob Zombie e Alexandre Aja colhem os louros de "mestres" contemporâneos?


A HORA DO PESADELO (A Nightmare on Elm Street, 2010, EUA. Dir (?): Samuel Bayer)
Falando em remakes ruins, não dá pra deixar passar umas linhas sobre a pior refilmagem dos últimos tempos - e olha que de remakes ruins o inferno, os cinemas e as videolocadoras estão cheios de uns tempos pra cá. Pensa comigo: você tem um filme de 1984 para refilmar em 2010, nestes tempos de tecnologia assombrosa, e esse filme é sobre um assassino que ataca nos sonhos, o que permite mil-e-uma possibilidades para usar tal tecnologia ao seu alcance. Pois o que o estreante "diretor" Samuel Bayer fez? Estragou toda e qualquer cena feita no improviso lá atrás em 1984, mesmo contando com mais recursos e muito mais dinheiro para refazê-las direitinho ou até melhor. A verdade é que direção ruim somada com roteiro ruim e elenco ruim e sem carisma ninguém conserta, e "A Hora do Pesadelo" é um desastre completo. O casal central parece clone do casalzinho da série "Crepúsculo", o que só aumenta a náusea de quem cresceu vendo o filme de Wes Craven. Já Freddy Krueger deixou de ser assassino de crianças para virar pedófilo (mas, estranhamente, não é padre!), e também ganhou uma maquiagem tosca sobre o rosto do indicado ao Oscar Jackie Earle Haley (que, neste momento, deveria estar demitindo os agentes que lhe convenceram a encarar essa bomba). Quando parece que não pode ficar pior, o "diretor" Bayer torra a paciência do espectador jogando um pesadelo na tela a cada cinco minutos e um susto movido pelo aumento da trilha sonora a cada dois minutos; mas tudo tão falso e artificial que dá vontade de dormir e sonhar com o Freddy "de verdade". Destaque, ainda, para as "sonecas" que os personagens tiram a qualquer momento, mesmo quando estão caminhando ou até nadando (!!!), e para a tonelada de furos de roteiro (como o sujeito que filma a própria morte e o vídeo é misteriosamente "uplodeado" em seu blog). Pelo menos o título nacional não é enganoso: é uma hora e lá vai pedrada de um verdadeiro pesadelo! E o que mais assusta é perceber que a molecada está curtindo, mesmo que essa bomba tenha tornado o original ainda melhor em sua simplicidade...


HOMEM DE FERRO 2 (Iron Man 2, 2010, EUA. Dir: Jon Favreau)
Poucos adaptações de super-heróis dos quadrinhos para o cinema deram tão certo quanto o "Homem de Ferro" em 2008. Não vou entrar naquela velha discussão de "fidelidade entre as mídias", pois eu gosto do filme do Demolidor mesmo com as toneladas de alterações feitas (se bem que o herói merecia um "reload"). Já "Homem de Ferro" foi bem-sucedido mesmo com uma soma de elementos que tinham tudo para dar errado: um humorista com pouca ou nenhuma experiência na direção de blockbusters (Jon Favreau), um ator famoso com a carreira praticamente destruída por escândalos envolvendo uso de drogas (Robert Downey Jr.) e um super-herói menos popular que o Homem-Aranha ou os X-Men. A explicação para o sucesso está na mistura bem dosada de ação e efeitos especiais com uma boa história ("pequeno detalhe" geralmente esquecido em filmes do gênero), e também personagens carismáticos, além de um tom de humor muito bem-vindo. Pois estes mesmos ingredientes estão de volta na segunda parte, que ainda traz um vilão de respeito para encarar o herói: Mickey Rourke! Tudo bem, no original tínhamos o Jeff Bridges, mas ele estava dentro de um robô gigante à la Transformers, enquanto o Rourke encara o Homem de Ferro no peito e na coragem no melhor momento do filme, durante uma corrida em Mônaco! Seu vilão é a grande razão de ser deste filme e quase rouba o espetáculo (a exemplo do que acontece nas aventuras do Batman). Sorte que Downey Jr. volta a entregar uma performance cínica e simpática de Tony Stark/Homem de Ferro, lembrando todo mundo de quem é o astro do show. Para completar, um elenco de peso que traz de volta diversos personagens do original e ainda acrescenta novos, como a deliciosa Viúva Negra de Scarlett Johansson. Talvez o grande problema seja o roteiro fraco do incompetente Justin Theroux, que inclui todos os chavões do gênero e ainda desperdiça um belo arco de histórias do herói nos gibis ("O Demônio na Garrafa", sobre o alcoolismo de Tony Stark). Também não gostei do rumo dado ao personagem de Jim Rhodes (até o ator foi substituído), e em alguns momentos me pareceu estar diante de um remake disfarçado de "Robocop 2". Não foge à regra: o primeiro é melhor, mas este também é muito bom. Ah, se toda adaptação de super-heróis dos quadrinhos fosse divertida assim!


HELLBENT (2004, EUA. Dir: Paul Etheredge)
Eis algo que definitivamente não se vê todos os dias: um slasher movie gay! Homofóbicos, tremei: o filme acompanha quatro amigos homossexuais, com os hormônios em ebulição, durante uma animada festinha GLS de Halloween, quando um psicopata mascarado (vestido como diabo!) resolve matá-los para colecionar suas cabeças. Um belo título alternativo seria "Pânico em Brokeback Mountain". Piadas infames à parte, e descontando a opção sexual dos personagens, "Hellbent" tem muito mais em comum com o clássico "Halloween" de John Carpenter do que aquele pavoroso remake feito pelo Rob Zombie há alguns anos. Compare: temos aqui um assassino que escolhe aleatoriamente um pequeno grupo de vítimas (como Michael Myers lá em 1978) em pleno Dia das Bruxas (hehehe), e passa o restante do filme espreitando seus alvos antes de matá-los (e, ao contrário do açougueiro do remake do Zombie, não mata mais ninguém além daqueles que elegeu como vítimas). Passado o choque inicial de perceber que a única diferença para os slashers tradicionais é a falta de loiras peitudas peladas, "Hellbent" revela-se um horror interessante e bem divertido, com cenas bastante violentas e dois momentos arrepiantes envolvendo "violência ocular" (um deles estampado até no pôster). Claro, se você também for hetero, fica difícil não estranhar os vários amassos entre rapazes, ainda mais quando se está acostumado aos "slashers heteros". Mas não há nada de muito explícito, e tais cenas dificilmente chocarão alguém - mesmo os homofóbicos mais radicais. Valeria só pela curiosidade da idéia, mas também é um bom filme de horror - ainda mais considerando os slashers medíocres produzidos de 2004 pra cá!

30 comentários:

Mila Corr disse...

Ufa! Li tudo! Escreveu pra caramba hein Sr.Guerra?
Mas então esse Rampage fiquei com uma vontade louca de assistir. Entrará na minha lista.
O escritor fantasma também me parece ser coisa boa. Também vai pra fila,
The Road, concordo com o que você escreveu. Mas como escrevi no meu blog, achei um tédio a maior parte dele.
Eu também não via necessidade em uma sequencia da Centopéia Humana. Me pergunto ql será a historia por trás do próximo, pois além desse primeiro já ser um absurdo. O segundo deve ser ainda mais cretino.
Ahhhhh mais alguém que gostou de Triangle. É o tipo de filme que faz com que vc não consiga piscar, pra não perder nenhum detalhe, e te deixa confuso e abismado. Eu adorei...mas ainda não vi o tão famoso que foi copiado. Mas ja baixei.
O Freddy nem me darei o trabalho de falar sobre. Tenho náuseas só de lembrar. Aliás ontem mesmo deu saudade e vi alguns dos antigos. Saudades do Freddy.

É isso ai Guerra.
Beijão

Thomas Alex disse...

Gostei das resenhas, mas você não conseguiu me convenser a assistir Homem de Ferro 2, detestei o primeiro que fez tantas reinvenções de roda, que parece que no segundo também repetiram as mesmas cagadas.
Concordo em genero, numero e grau quanto ao Remake de A Hora do Pesadelo, outro lixo supervalorisado por marvetinhos alprados, decerrebrados e burros.
Gostaria de saber sua opinião sobre o Remake de Sexta - Feira 13?

Felipe M. Guerra disse...

Eu até gostei do remake do Sexta-feira 13 quando vi no cinema, mas não sei se é um filme que eu veria de novo... Tem algumas coisas boas e outras coisas muito ruins. Não concordo com essa mania de anabolizar os vilões do cinema atual (o Jason parece um marombeiro), e acho que o grande problema do filme é a falta de mortes exageradas e mais sangrentas, os caras levaram a coisa muito a sério.

Allan Veríssimo disse...

Ué, Felipe, fiquei surpreso em te ver chamando o Alexandra Aja de fanfarrão. Você não tinha gostado bastante do Haute of Tension e Viagem Maldita?

Felipe M. Guerra disse...

E tem alguma outra forma de chamar alguém que estréia com um filme muito bom e depois parece que só sabe fazer remakes, sem mostrar nenhuma idéia nova - e SUA?

Allan Veríssimo disse...

Entendo.

>Nestes tempos malditos em que Paul Greengrass é o maior exemplo de "suspense" no cinema,

Pois é. E o pior é que o máximo que o cara fez na trilogia Bourne e no United 93 é ficar mostrando os personagens correndo sem parar, montagem confusa e camêra tremendo. Se fosse qualquer outro seria criticado, mas como é o Greengrass, vale até indicação ao Oscar de Melhor Diretor...

Matheus Ferraz disse...

Vou repetir um comentário que eu fiz no fórum do IMDB sobre A Hora do Pesadelo:

"Hollywood está certa! Os pedófilos são MALIGNOS! Não é uma doença ou um problema psicológo complexo, é só MALDADE! Tanto que, apesar de não matarem ninguém, eles tem luvas com lâminas. Tanto que, depois de mortos, eles voltam para matar vadias apáticas e emos idiotas, mesmo que eles já tenham passado da idade de ser alvo para pedófilos.

Sinceramente, quem poderia simpatizar com Jackie Earle Haley como um pedófilo? (PECADOS ÍNTIMOS)"

Só acho um milagre que as fãs do feioso não tenham caído em cima dele, afinal, ele não fez nem mais nem menos do que lhe garantiu uma ovação no papel do Roschach: uma voz sinistra e a avacalhação de um ícone.

Rudemangueboy disse...

òtimas críticas como sempre Felipe. mas para acrescenter, se não me engano o Freddy realmente era pedófilo desde a série original. Só que além disso ele também matava as crianças. Tanto que uma das discussões no Freddy VS. Jason era quem devia ganhar:O pedófilo assassino (Freddy) ou o Assassino moralista que mata quem bebe e trepa antes do Casamento (Jason)?

Felipe M. Guerra disse...

Claro, o Freddy sempre foi pedófilo, mesmo que isso não fosse escancarado na série antiga. A diferença é justamente o fato de que ele matava as criancinhas. O novo Freddy, que é simplesmente pedófilo, não tem razão lógica para possuir uma luva de navalhas se não a utilizava para esquartejar os pobres infantes, não concorda?

Jack, The Ripper disse...

Des de que o filme foi anunciado, "O Escritor Fantasma" foi um dos filmes de suspense que mais empolguei-me a ver. E com essa e outras críticas, fiquei morrendo de vontade de ver a obra prima de Polanski.

E cassete! Em alguns anos atrás a população nunca iria imaginar que um Headbanger barbudo (Rob Zombie) e um diretor de video-clipes (Zack Snyder) seriam considerado visionários.

Quanto "A Hora Do Pesadelo (2010)" não tenho nem coragem de ver, não quero destruir todas as lembranças que tinha de Freddy quando era menor.

Não sei porque, mas achei o segundo filme do "Homem de Ferro" bem melhor que o primeiro. De certo estava com um humor melhor quando fui ao cinema assistir ao segundo filme.

Rudemangueboy disse...

Concordo inteiramente Felipe. Putz, quer dizer que ele não matava as crianças nessa refilmagem? vou passar longe...

Felipe M. Guerra disse...

O Freddy Krueger do remake é partidário daquela campanha do Maluf, do "Estupra, mas não mata".

AdrianO)))Garcez disse...

SPOILERS ABAIXO!




PORRA! Que filme foda! Hoje de madrugada eu assisti Triangle e estou com um nó na minha cabeça até agora. Eu entendi consideravelmente bem o filme, e por causa daquele acontecimento no fim do filme, a Jess entra em um loop temporal. De repente, se ela desistisse de salvá-lo e "deixá-lo ir", ela se livraria desse tormento.

POrém algo não bate muito bem. No final do filme percebemos que ela tem plena consciência do que está fazendo, mas no começo do filme vemos que não. Senão ela não teria uma simples sensação de deja-vu ao entrar no navio. A única explicação que achei foi que, depois de ter dormido, ela tenha perdido a memória recente. Afinal, ela sofreu um acidente e provavelmente bateu a cabeça. Aí que ela fica presa no loop mesmo.


Um dos filmes mais loucos que assisti. Sempre gostei dessas teorias de viagem no tempo, e um filme de terror sobre isso só une o útil ao agradável.

Fotografia maravilhosa.

Filme nota 10!


Agora falta assistir Rampage, que peguei junto com Triangle. Pelo que vi, parece ser bom, apesar da direção documentarista que não sou muito fã - exceto por raras excessões.

pseudo-autor disse...

Será que o Uwe Boll aprendeu a fazer cinema de fato? o único dele que vi foi Em Nome da Honra, com o Jason Statham (aquele cara do Carga Explosiva). Amei A Estrada, odiei A Hora do Pesadelo e estou doido pra ver o novo do Polanski e esse A Centopéia Humana (que eu já li uns 5, 6 posts falando bem dele.

Cultura? O lugar é aqui:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Ibertson Medeiros disse...

Bela coleção de filmes para essas resenhas rápidas.
Fiquei com vontade de ver Rampage, mesmo o Boll sendo um mala de marca maior.
A Estrada é excelente. The Ghost Writer está na minha lista de prioridades cinematográficas nos próximos meses. The Human Centipede é no mínimo curioso, pela sua trama bizarríssima.

Também gosto muito dos trabalhos do Christopher Smith, apesar de não ter gostado tanto assim desse Triangle (Mesmo sendo um filme bem interessante). Quero mesmo é ver o seu próximo filme: Black Death. Tem tudo para ser um filmaço!

Homem de Ferro 2 é quase no mesmo nível do primeiro, o que é muito bom. Esse remake de A Hora do Pesadelo, por mim, não verei nunca.
E esse Hellbent já tinha ouvido falar há um tempo.

marallo disse...

Caro Guerra,

Todas as críticas que li, sobre os filmes que ambos vimos, concordo em gênero , número e grau ("A Hora do Pesadelo" e "Homem de Ferro 2").
Porém, relacionado a "The Road", acheio o filme deveras "arrastado". Mas arrastado até demais. Não via a hora de terminar o filme para poder colocar outro a rodar no PC.
Mas gostos são gostos. Boas dicas de outros filmes, já estou providenciando os downloads para me interar nos filmes destas novas críticas, inclusive o do Uwe Boll (pensei que depois de "Postal" não iria assistir a mais nada, mas seus comentários me deixaram esperançoso).

Uma pergunta não relacionada aos posts: quanto ao "FantasPOA", além dos filmes da mostra do Cozzi e do "Human Centipede" que mencionastes aqui, terá alguma coisa recente e inédita??

Felipe M. Guerra disse...

Alô Marallo! Vai ter muita coisa nova. Nem eu sei a programação completa, que deve ser publicada no site do Fantaspoa ainda esta semana, mas uma das estréias em Porto Alegre é o novo filme do veterano Herschell Gordon Lewis, chamado "The Uh-oh Show".

Fábio P disse...

Agora deu pra defender Uwe Boll! É um cagalhão mesmo!

Zebu disse...

Ah, Rampage é um filme bem comum. Câmera epilética, edição porca... Acho que o seu Felipe Guerra deve estar ficando meio gagá pra recomendar filme do Uwe Boll! =P
Tunnel Rats, ok, mas elogiar Rampage é meio forçado. =D

Felipe M. Guerra disse...

O cara recomendou "Survival of the Dead" e depois eu que estou gagá... ;-)

Zebu disse...

> O cara recomendou "Survival of the Dead" e depois eu que estou gagá...

Viram só?

NO ROMERO, YES UWE BOLL!

Tá perdendo os critérios. =P

Felipe M. Guerra disse...

Hahahaha!

Filme bom é filme bom, filme ruim é filme ruim, não importa o nome no cartaz!

Daniel disse...

A premissa desse Rampage me lembra o filme Laserblast, do produtor Charles Band, onde um garoto problemático descobre uma arma laser deixada por extraterrestres no planeta e começa a explodir todo mundo.

Aliás, esse é um filme que seria legal ver uma resenha feita pelo Felipe.

Higor Rocha disse...

Desculpa pessoal por descordar mas quando guerra fala bem de rampage, acredito eu, é levando em conta o resto dos filmes do boll e devo dizer que perto dos outros como o horrivel postal, é fantastico... por outro lado o novo filme do romero ficou incrivelmente abaixo do esperado chegando a ser chato em algumas horas... e sem sentido pois a ideia era que os zumbis estavam assim a tanto tempo que adquiriram inteligencia, como mostrado em terra dos mortos, mas em survival eles morrem e automaticamente estão espertos pelo que entendi...
triangle é otimo adorei e a parte de ela não saber nada no começo eu entendi que foi pelo choque de ver a morte do filho que apesar de brigar tanto com ele, ela amava demais...otimo filme, gostei muito do navio bem feito demais...
Gostei muito do the road mas achei muito triste... deve ser não só pelo que acontecia, mas também pela fotografia, que te leva para esse sentimento...
the human sentipede, pra mim foi um gore seção da tarde.... acompanhei os acontecimentos da net e me decepcionei um pouco... mas mesmo assim vale a pena assistir...
hellbent me surpreendeu tb, se vc não lçigar para as cenas homo, se torna um otimo slasher melhor que muito lixo lançado por ai... agora ironman2 esperarei o dvd e a hora de pesadelo, por ser fã ferforoso, para vcs ter ideia assisti a versão 3d no cinema e tenho os oculos de papelão em algum lugar aqui em casa, ignorarei por completo.....

AdrianO)))Garcez disse...

SPOILERS!


Procurei mais na internet sobre o filme TRIANGLE, e descobri que na verdade a garota está no inferno. No final do filme a vemos "empurrar a rocha morro acima só pra vê-la rolar morro abaixo novamente". Por isso ela perde a memória, justamente pra repetir esse sofrimento eternamente.

Seiler disse...

A respeito do filme "Hellbent" não entendi o comentario
"Piadas infames à parte, e descontando a opção sexual dos personagens, "Hellbent" tem muito mais em comum..."
como assim, descontando a opção sexual?
Ai Meu Deus!!!

Felipe M. Guerra disse...

"Descontando a opção sexual dos personagens" porque eu estou comparando as semelhanças entre Hellbent e Halloween, e não há nenhum personagem homossexual no filme de John Carpenter. Por isso, "descontando a opção sexual dos personagens", os dois filmes têm muito em comum.

Só isso.

Anônimo disse...

Guerra,em primeiro lugar,obrigado.
Por recomendar e me fazer assistir um dos filmes mais inteligentes dadecada(talvez o melhor) TRIANGLE, ja li quase todos seus artigos,tanto daki como la do Boca,entao sempre uso como referencia,e triangle mesmo que a ideia ja nao seja assim tao nova,eh aproveitado com uma narrativa totalmente nova e que foge das conclusoes obvias de filmes similares,e sem querer ser chato,gostaria que voçe postasse um de seus estudos matematicos sobre esse filme(resenha curta eh legal,mais seus longos textos exploram bem melhor)e escrevesse sua interpretaçao sobre esse filmaço!!
Vlw!

Marco disse...

Guerra to no seu orkut,mas nem te conheço, mas acho vc um baita de um critico de cinema, e olha que me arrisco nesta area, mas se eu fosse 10 por cento do que vc é, estaria contente, mas vc pegou pesado no péssimo Homem de ferro 2, Deus que melivre, do ersto das suas criticas estão 10

Filmes quase clássicos disse...

Ta certo, quanto ao "hora do pesadelo" foi a gota, vou ficar um bom tempo sem assistir uma refilmagem, saudades do bom e velho freddy, quando a equipe metia a mão na massa mesmo, odeio computação grafica em filme de terror. No mais, filmes novos são uma porcaria mesmo. Aproveitando o comentário vou dizer q sou seu fan,você é um cara que entende do assunto.Abraço.