quarta-feira, 5 de setembro de 2012

DESEJO DE MATAR (1974)


Eu devo ser muito sortudo ou muito prevenido, mas em trinta e poucos anos de vida só fui assaltado uma única vez. E nem foi em São Paulo, onde vivo desde 2009, mas, acreditem ou não, na minha pacata cidadezinha natal de 25 mil habitantes lá no Rio Grande do Sul! Eu voltava para casa por uma rua deserta, lá pelas oito da noite, quando quatro adolescentes me cercaram e atacaram à traição, com socos e um "mata-leão" para não poder reagir. Tudo isso para roubar minha carteira com míseros 20 reais e todos os documentos. Eram quatro jovens fumadores de crack bastante conhecidos na cidade, envolvidos em vários crimes semelhantes, então fui dar queixa na delegacia e na mesma noite estavam todos presos. Como dois deles tinham menos de 18 anos, ambos cumpriram aquela pena ridícula no abrigo para menores infratores e logo estavam de volta às ruas.

A verdade é que, naquela noite, eles não me roubaram apenas 20 reais, mas também a sensação de falsa segurança que eu tinha até então. E isso, amigos, não é algo que você consegue de volta. Eu sabia que tinha passado barato (podiam ter me batido muito mais, ou roubado muito mais), mas mesmo assim, durante dias, me senti humilhado e injustiçado. Porque aqueles moleques que me agrediram e me roubaram já estavam em liberdade. Porque quando eu tinha a mesma idade que eles, já trabalhava. E apesar de ser um cara pacato e que odeia a violência fora da ficção, foi inevitável: durante pelo menos uma semana, eu quis arduamente que aqueles quatro marginais morressem. Não só por mim, mas também para evitar que outras pessoas passassem pela mesma experiência, já que os rapazes estavam livres para continuar cometendo delitos. E se eu tivesse um revólver na mão, provavelmente teria feito o serviço por conta própria!


Não quero aqui fazer apologia à pena de morte nem à justiça pelas próprias mãos. Essa introdução foi apenas para tentar explicar como a vítima de crimes passa do medo ao sentimento de vingança muito rápido. E nem precisa já ter sido assaltado ou agredido - quem nunca leu/viu a notícia sobre um crime escabroso e pensou consigo mesmo: "Tem que matar quem faz uma coisa dessas?". É por isso que tanta gente se identifica até hoje com o personagem de Charles Bronson em DESEJO DE MATAR, uma pequena obra-prima do cinema policial dos anos 70, e também uma produção polêmica que deu muito o que falar na época, e permanece gerando discussão hoje.

Tudo começou com um escritor que viveu um momento de fúria bem parecido com o meu quando fui assaltado. Numa madrugada de 1971, ao deixar uma festa em Nova York, Brian Garfield descobriu que o teto do seu conversível tinha sido aberto à faca por ladrões que roubaram o rádio do veículo. Numa entrevista, Garfield relatou: "Eu sabia que eles não tinham feito nenhum dano irremediável, mas minha primeira impressão diante do ato foi que os meus limites haviam sido violados, minha propriedade invadida. 'Eles não têm esse direito, eu vou matar esses filhos da puta!'. Foi um incidente trivial, mas ficou na memória por causa daquele momento em que regredi a um comportamento primitivo. Aí eu pensei: e se alguém realmente fizesse isso - matasse os filhos da puta? Foi pensando nisso que escrevi 'Death Wish'".


O livro "Death Wish" chegou às livrarias norte-americanas em 1972. Contava a história de Paul Benjamin, um contador obeso cuja esposa e filha são atacadas por assaltantes. A esposa morre vitimada pelas agressões, e a filha, estuprada durante o assalto, fica em estado catatônico, traumatizada pela violência sofrida. Sem encontrar conforto na polícia ou na justiça, Benjamin resolve fazer justiça com as próprias mãos: armado com um revólver calibre 32, o outrora pacato contador varre as ruas de bandidos, traficantes e gangues de adolescentes. Como resultado, as taxas criminais caem e o vigilante vira herói para a população e para a própria polícia. No final aberto do livro, Paul Benjamin continuava à solta, porém cada vez mais fora de controle e sanguinário, tanto quanto os marginais que combatia.

A obra não fez grande sucesso, mas chamou a atenção de dois pequenos produtores de cinema, Hal Landers e Bobby Roberts, que compraram os direitos de adaptação no mesmo ano de 1972. O filme, entretanto, sairia apenas dois anos depois, em 1974, transformando-se imediatamente num sucesso de bilheteria.


Quando DESEJO DE MATAR chegou aos cinemas, o tema da justiça pelas próprias mãos não era mais tão novo, tendo aparecido inúmeras vezes principalmente em filmes de faroeste e horror. Dois exemplos clássicos são "Sob o Domínio do Medo" (1971), de Sam Peckinpah, e o sangrento "Last House on the Left" (1972), de Wes Craven, o primeiro sobre um pacato matemático que se vinga dos abusos sofridos pelos valentões de uma cidade, e o segundo sobre um casal de meia-idade dando o troco nos bandidos que estupraram e mataram sua filha adolescente.

A diferença de DESEJO DE MATAR para várias histórias semelhantes contadas até então é que é mais fácil identificar-se com o personagem de Bronson. Ele interpreta Paul Kersey (não Benjamin, como no livro, porque havia um ator muito popular chamado justamente Paul Benjamin naquela época), um pacato arquiteto de Nova York que dá o troco na marginália depois do violento ataque à sua família. Mas ele não sai em busca de vingança contra os homens diretamente responsáveis pelo crime; pelo contrário, Kersey nunca os encontra. Furioso com o fato de os cidadãos honestos serem prisioneiros numa sociedade dominada pelos marginais, o outrora pacato arquiteto torna-se um justiceiro que passa fogo em todo e qualquer bandido que encontre pela frente, punindo o crime em geral.


O filme começa com Kersey passando férias com a esposa, Joanna (Hope Lange), no Havaí. O clima paradisíaco e pacífico do litoral é repentimente quebrado quando os personagens voltam para a deprimente Nova York da época, representada como uma verdadeira selva de pedra dominada pelo crime. Tanto que, na volta ao emprego, Kersey recebe de um colega as "estatísticas" do dia em matéria de roubos e homicídios. "Como é voltar do paraíso para o campo de batalha?", pergunta o colega de trabalho. Mas Kersey é um cara humanitário, acredita na polícia e defende os menos favorecidos. Isso até se tornar ele próprio uma vítima do caos.

Certo dia, um trio de jovens marginais invade a casa do arquiteto, num condomínio residencial de bom nível. Além de espancar violentamente a esposa de Kersey, ainda estupram sua filha, Carol (Kathleen Tolan), numa cena brutal e realista que provocou escândalo na época de lançamento do filme.


Kersey está no trabalho e recebe um telefonema do genro, Jack Toby (Steven Keats, de "Fúria Silenciosa", que cometeu suicídio em 1994), avisando sobre a agressão. Ao chegar no hospital, descobre que a esposa morreu em consequência das agressões e que a filha ficou em estado catatônico, incapaz de superar o trauma do estupro. Ela é internada num manicômio, fazendo com que a vida perfeita de Kersey desmorone subitamente.

Mas não é neste momento que o protagonista se transforma num vingador sanguinário. Muito pelo contrário: numa abordagem bastante realista da trama, ele continua agindo como uma pessoa normal que acredita nos meios "oficiais", procurando a polícia para saber detalhes sobre a caçada aos criminosos, chorando muito ao lembrar da esposa (principalmente ao receber, pelo correio, as fotos reveladas da viagem ao Havaí) e tentando encontrar um meio de reconstruir sua vida.


Não demora para o arquiteto perceber que é inútil esperar pela polícia. Afinal, o próprio detetive que investiga o caso diz que é muito difícil que os bandidos sejam localizados. Para fugir da sensação de impotência, Kersey aceita uma viagem de trabalho ao Arizona, para supervisionar um projeto habitacional.

É na cidade de Tucson, que nasce o lado vingador do protagonista. Ele descobre que ali todos andam armados e as taxas de criminalidade são mínimas. Também visita uma típica cidade do Velho Oeste e assiste a uma encenação em que um xerife dá cabo de vários bandidos. Finalmente, é levado a um clube de tiro, onde pega numa arma pela primeira vez depois da Guerra da Coréia (em que serviu como pacifista e opositor ao conflito). Antes de voltar para casa, Kersey ganha um revólver calibre 32 do seu cliente do Arizona, e é quando ele se sente um verdadeiro "xerife" disposto a fazer justiça pela lei do revólver.


A partir de então, começa a andar sozinho - e armado - pelas ruas de Nova York, à noite, dando mole para a bandidagem. Quando é abordado por um assaltante, reage dando-lhe um tiro certeiro na barriga. Kersey foge assustado, volta para casa e, chocado com o próprio ato, vomita de asco. Depois daquilo, Paul Kersey nunca mais será o mesmo.

O protagonista se sente cada vez melhor ao matar marginais aleatoriamente pelas ruas da cidade. E o roteiro deixa isso bem claro quando, após algumas saídas noturnas e algumas sessões de tiro ao alvo em delinquentes, Kersey volta a ser um homem feliz e confiante, como se somente o sangue dos criminosos pudesse trazer a paz a alguém que sofreu uma perda como a dele.


Em pouco tempo, o "vigilante", como é batizado pela imprensa, se transforma num exemplo para os nova-iorquinos, que esperavam por alguma solução para a alta criminalidade da cidade. O ato solitário de Kersey faz com que os cidadãos também reajam e façam justiça com as próprias mãos.

Mas as ações do vigilante acabam se transformando numa ameaça política. O prefeito da cidade descobre que a criminalidade baixou em quase 50% desde que o arquiteto iniciou sua guerra contra o crime. Como não pode incentivar a justiça individual, e nem criar um mártir com a prisão do vigilante, ele exige que o detetive Frank Ochoa (Vincent Gardenia) identifique o justiceiro e "expulse-o da cidade".


DESEJO DE MATAR é um filmaço do começo ao fim, com uma narrativa lenta que se preocupa em não criar soluções bobas ou fáceis. Não é um filme de ação, como as quatro continuações que teve anos depois, nem tem grandes tiroteios, explosões ou correrias. Pelo contrário, o lado vingador e justiceiro de Paul Kersey só aflora depois dos primeiros 45 minutos de projeção, quando ele atira em seu primeiro criminoso. Até então, a transformação de um ser humano civilizado e humanista num assassino a sangue frio é lenta e gradual, com destaque para um momento hilário em que Kersey enche uma meia com moedas para agredir marginais desarmados na rua!

É interessante notar que Paul Kersey, neste filme, não é exatamente um herói, mas sim um anti-herói. Ele atira em criminosos armados apenas com canivetes ou atinge-os pelas costas quando tentam escapar. Além disso, o próprio Kersey provoca a bandidagem ao zanzar por lugares inseguros à noite, praticamente atraindo suas vítimas para a morte, numa execução premeditada que torna seu vigilante menos heróico e mais sanguinário.


Obviamente, ninguém deixará de torcer pelo personagem, ainda mais depois de testemunhar a brutal cena de violência contra sua família, e principalmente nesses tempos atuais em que a bandidagem impera - o espectador aplaude Paul Kersey como recentemente também aplaudiu o Capitão Nascimento de "Tropa de Elite".

Mas DESEJO DE MATAR nunca glorifica as ações do vigilante. Revendo-o recentemente, não pude deixar de perceber que Paul Kersey é representado praticamente como um psicopata, um homem comum que perdeu a razão na viagem ao Arizona e imaginou estar vivendo dentro de uma história do Velho Oeste, onde, como xerife, pode fazer justiça com seu revólver e defender a cidade dos malfeitores.


Em pelo menos dois momentos do filme ele demonstra estar vivendo numa fantasia de faroeste: quando pede para um marginal "sacar a arma", como num duelo para ver quem é o pistoleiro mais rápido, e quando é convidado pelo detetive Ochoa a deixar a cidade, e responde com um "Ao pôr-do-sol?", lembrando os velhos filmes de bangue-bangue.

Em pelo menos dois momentos, também, o roteiro questiona o conceito de "civilizado": quando Kersey sugere à esposa que transem na praia, durante a viagem ao Havaí, ela responde que não porque eles são civilizados; quando ele pergunta ao genro que nome dar às pessoas que, "diante de uma situação ameaçadora, não fazem nada e simplesmente correm e se escondem", o rapaz responde da mesma forma: "Civilizado?". Seria Kersey um selvagem ou os "civilizados" é que estão errados?


Além disso, repare que o "desejo de matar" do protagonista logo se transforma numa verdadeira sede de sangue, pois mesmo sendo vigiado pela polícia, Kersey dá um jeito de sair escondido do seu apartamento para matar mais bandidos pelas ruas - como se a execução dos marginais fosse uma droga em que o outrora pacato arquiteto está viciado!

Finalmente, a conclusão irônica deixa bem claro que as ações do vigilante não vão parar tão cedo: apesar de "convidado" a se retirar de Nova York, Kersey continuará matando bandidos numa nova cidade, atitude representada pela fantástica cena em que o protagonista aponta os dedos, formando um revólver imaginário, para um grupo de desordeiros. São pequenas pérolas de um filme que eu, particularmente, considero genial.


O elenco de DESEJO DE MATAR está repleto de atores que ficariam mais conhecidos nos anos seguintes, como o ator, diretor, roteirista e músico Christopher Guest, aqui em sua terceira aparição no cinema como o policial que encontra o vigilante ferido no final; Olympia Dukakis (Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por "O Feitiço da Lua" em 1988) como outra policial, e o diretor e roteirista John Herzfeld (que dirigiu, entre outros, "15 Minutos", com Robert DeNiro), como um dos bandidos mortos por Kersey no metrô.

Mas o mais impressionante é constatar que dois astros da atualidade fizeram sua estreia no cinema, ainda muito jovens, interpretando bandidos no fime. Um deles é Jeff Goldblum (à esquerda na primeira foto abaixo), que tinha apenas 22 anos e aparece mostrando a bunda como um dos criminosos que ataca a família de Kersey.

O outro, que não ganhou crédito pela participação, é ninguém menos que Denzel Washington (!!!), à época um moleque de 19 anos. Ele surge em cena apenas por alguns segundos, vestindo uma jaqueta preta e acompanhado de outros dois marginais (à direita na segunda foto abaixo). Ao contrário de Goldblum, que escapa ileso, Washington logo toma um pipoco de Kersey. Bela maneira de estrear no cinema: sendo morto por Charles Bronson!


No livro "Bronson's Loose! - The Making of the 'Death Wish' Films", o pesquisador Paul Talbot conta a complicada trajetória para transformar DESEJO DE MATAR em filme. Depois de comprar os direitos sobre o livro de Brian Garfield em 1972, os produtores Landers e Roberts contrataram o roteirista Wendell Mayes (do filme-catástrofe "O Destino do Poseidon") para escrever a adaptação, que seguia fielmente a trama do livro. O roteiro ficou pronto no mesmo ano e os produtores tentaram oferecê-lo a todos os grandes estúdios, mas a maioria recusou com medo da trama polêmica.

A United Artists foi a única a interessar-se pela ideia. Num primeiro projeto, o filme seria dirigido por Sidney Lumet, que queria fazê-lo em preto-e-branco e com Jack Lemmon no papel principal. Mas o diretor logo abandonou o barco para fazer "Serpico" (1973), e a United Artists também pulou fora. Assim, o roteiro de DESEJO DE MATAR acabou nas mãos do produtor italiano Dino De Laurentiis e do diretor inglês Michael Winner.


A dificuldade, então, passou a ser encontrar um astro para o filme. Henry Fonda, um dos primeiros nomes cogitados para o papel, recusou após ler o roteiro e taxá-lo de "repulsivo". Steve McQueen, Frank Sinatra e até Clint Eastwood também teriam recusado o papel. Winner resolveu chamar Charles Bronson, com quem já tinha feito três filmes, incluindo o ótimo "Assassino a Preço Fixo" (1972).

À época, Bronson tinha sido nomeado, pela Hollywood Foreign Press Association, o "astro número 1 do cinema mundial", pois fazia o maior sucesso na Europa, em filmes como "O Passageiro da Chuva" e "Sol Vermelho". Mas o sucesso não se repetia nos EUA, onde as obras que estrelava eram exibidas sem grande alarde, ou nem chegavam aos cinemas.


O livro de Talbot conta uma história divertida sobre o momento em que o astro foi convidado a fazer DESEJO DE MATAR. Depois de ler o roteiro, Bronson teria dito a Winner: "Eu gostaria de fazer isso". O diretor perguntou: "O quê, o filme?". E o ator emendou: "Não, atirar em marginais!".

Mas, na verdade, Bronson tinha medo de estrelar DESEJO DE MATAR, pois seu agente, Paul Kohner, argumentava que o filme tratava de uma tema muito perigoso. "Ele [Kohner] me advertiu de que o filme poderia levar as pessoas a pensar que era correto fazer justiça pelas próprias mãos. Mas, para mim, era o mesmo tema de muitos dos meus outros filmes: que a violência não faz sentido porque apenas traz mais violência. Eu não queria fazer porque achava que o papel cairia melhor para alguém como Dustin Hoffman. Mas o diretor Michael Winner insistiu para que eu fizesse o personagem", disse o astro, numa entrevista de 1974.


Quando Bronson finalmente aceitou estrelar DESEJO DE MATAR, Winner chamou seu colaborador de longa data Gerald Wilson para fazer algumas mudanças não-creditadas no velho roteiro de Mayes; afinal, era preciso "encaixar" o astro, à época com 52 anos de idade, no papel principal. Entre outras alterações, o personagem deixou de ser contador para virar arquiteto, e o excesso de violência, quem diria, foi atenuado - no roteiro original, o vigilante sempre atirava na cabeça das vítimas para certificar-se de suas mortes!

Nem o roteiro de Mayes, nem o livro de Garfield descreviam o ataque à esposa e à filha do protagonista. Mas Winner optou por mostrar a violência e a humilhação sofridas pelas mulheres por temer que, caso contrário, o espectador repudiasse o "desejo de matar" de Bronson: "Achei que era preciso motivar o público a odiar essas pessoas [os bandidos], a querer que morressem. Era preciso mostrar o ataque para que o espectador simpatizasse com Bronson quando ele começa a sair para as ruas para matar bandidos".


Outra mudança gigantesca foi na conclusão: na primeira versão do roteiro, o vigilante enfrentava os mesmos bandidos que atacaram sua família no começo do filme, mas acabava sendo morto por um deles. O detetive Ochoa encontrava o cadáver do vigilante e se apossava da arma usada por Kersey, considerando usá-la ele mesmo para continuar o trabalho do anti-herói!

Winner e Wilson resolveram deixar o vigilante vivo no final, mas a icônica cena em que Kersey aponta seu "revólver" feito com os dedos para os arruaceiros foi improvisada na hora das filmagens, provocando polêmica até no set de filmagens: o produtor De Laurentiis e o próprio Bronson achavam aquilo muito amoral, pois demonstrava que Kersey gostava de matar e continuaria fazendo vítimas. A cena acabou sendo filmada praticamente à força, quando o ator desistiu de discutir com Winner e fez a famosa "pistola de dedos" para a câmera.


Ainda segundo o livro "Bronson's Loose!", De Laurentiis cogitou mudar o título "Death Wish" para "The Sidewalk Vigilante" poucos meses antes do lançamento nos cinemas, mas resolveu manter DESEJO DE MATAR na expectativa de que atraísse também os fãs de horror! O filme estreou em Nova York em 24 de julho de 1974, com sala lotada.

A possibilidade de que o público pudesse condenar as ações do vigilante caiu por terra logo na primeira cena em que Bronson mata um assaltante: os espectadores simplesmente levantaram das cadeiras e começaram a aplaudir de pé, conforme lembrou o produtor Roberts em entrevista ao livro de Paul Talbot.

Logo, as reações pró-vigilante do público começaram a assustar os envolvidos no projeto. Depois de uma semana de exibição, e passando em apenas dois cinemas, DESEJO DE MATAR atraiu mais de 40.000 espectadores. Estes viam na tela uma resposta para a violência urbana que não encontravam no trabalho da polícia no "mundo real". Brian Garfield, autor do livro que deu origem ao filme, lembrou assustado que, na sessão de cinema em que estava, as pessoas vibravam e aplaudiam quando Bronson começava a matar bandidos, e o homem ao seu lado chegou a gritar: "Isso, mate esse filho da puta!", salivando de excitação pela execução sumária dos marginais.


A polêmica estendeu-se aos jornais e revistas, onde críticos de cinema destilavam seu horror pelo filme e pela apologia da justiça pelas próprias mãos. No jornal The New York Times, o crítico Vincent Canby iniciou uma cruzada pessoal anti-DESEJO DE MATAR, taxando-o de irresponsável: "Sua mensagem é simples: Mate. Tente. Você vai gostar", escreveu Canby em reportagem da época.

Em poucas semanas, DESEJO DE MATAR era o assunto mais comentado nos Estados Unidos. Os jornalistas começaram a questionar espectadores e os próprios realizadores do filme sobre o tema. Ao mesmo The New York Times, De Laurenttis tentou tirar o corpo fora: "Não vejo o filme como um convite para que as pessoas saiam às ruas com armas, mas sim como um pedido para que as autoridades resolvam o problema da violência urbana, e rápido". Bronson, mais polêmico, disse que acreditava na lei, mas que buscaria vingança contra alguém que atacasse sua família. Já o rival de Kersey no filme, Vincent Gardenia, foi incisivo: "Eu não aprovo o vigilantismo, mas também não aprovo que os marginais levem a melhor".


De todo modo, o monstro já havia escapado do controle: a modesta produção de US$ 3 milhões rendeu mais de 22 milhões de dólares só nos cinemas norte-americanos. Tornou-se o primeiro blockbuster de Charles Bronson nos Estados Unidos. O sucesso foi tão grande que distribuidores correram atrás de antigos filmes que Bronson fez na Europa e que não tinham sido exibidos nos Estados Unidos ainda, como o italiano "Città Violenta" e o francês "Cold Sweat" (ambos de 1970), para finalmente colocá-los em cartaz em sessão dupla com DESEJO DE MATAR.

Já a United Artists, provavelmente arrependida por ter deixado passar a galinha dos ovos de ouro, relançou nos cinemas o velho filme "Assassino a Preço Fixo" com um novo título, "King of Killers" (Rei dos Assassinos), e uma nova campanha de marketing que tentava transformar o assassino profissional vivido por Bronson em vigilante!


Ironicamente, se antes ninguém queria filmar DESEJO DE MATAR, após o sucesso de bilheteria todo mundo queria produzir seu próprio filme de vigilante. Entre as várias imitações surgidas estão "O Vingador Anônimo" (1974), de Enzo G. Castellari; "Ato de Vingança" (1974), de Bob Kelljan; "Vingador Implacável" (1975), de Edward Dmytryk; "Vigilante Force" (1976), de George Armitage; "Lipstick - A Violentada" (1976), de Lamont Johnson; "The Big Racket" (1976), também de Castellari; "Rolling Thunder - A Outra Face da Violência" (1977), de John Flynn; "O Exterminador" (1980), de James Glickenhaus, e "Ms. 45/Sedução e Vingança" (1981), de Abel Ferrara, entre outros.

Era só questão de tempo para o vigilante original, Paul Kersey, voltar para limpar as ruas da bandidagem. Mas demorou sete anos até convencerem Michael Winner e Charles Bronson a voltarem para um sequência, "Desejo de Matar 2", de 1982, já tratando o anti-herói do primeiro filme como uma figura heróica e já apelando para os tiroteios exagerados e explosões que o espectador da década de 80 pedia. A partir daí, foram feitos mais três filmes, cada vez mais exagerados e absurdos, e divertidos de certo modo. Mas o único digno da palavra "filmaço" é o original, até hoje polêmico e atualíssimo.


Uma das únicas pessoas insatisfeitas com DESEJO DE MATAR foi o autor do livro que inspirou o filme, Brian Garfield. Na época - e mais recentemente no livro de Paul Talbot sobre a série -, ele sempre fez questão de dizer que não gostou do filme, da escalação de Bronson para o papel principal e nem da direção de Winner. No livro, ele inclusive cita uma discussão que teve com o diretor na época das filmagens, porque em algumas cenas aparecem freiras caminhando pela calçada (fotos acima) e Garfield queria saber o motivo. "Winner me disse que eram símbolos. Eu perguntei o que exatamente simbolizavam, e ele respondeu: 'Nada, são apenas símbolos!'", lembrou o escritor.

O próprio Winner respondeu furiosamente quando questionado por Paul Talbot sobre a opinião de Garfield: "O livro 'Death Wish' era sobre um cara que saía matando bandidos. Depois ele reclamou que fizemos um filme violento e terrível a partir do livro. Ora, o que ele pensa que escreveu? Branca de Neve? Seu livro vendeu apenas três cópias, e todas para a mãe dele. Ele é um idiota!".


Brigas à parte, DESEJO DE MATAR realmente provocou reações perigosas nos meses e anos que se seguiram ao seu lançamento, como temiam os realizadores e os críticos do filme. O livro "Bronson's Loose!" cita algumas delas: em Redondo Beach (Califórnia), um homem carregando uma TV foi confundido com um ladrão e linchado pela população, que alegava ter se inspirado nas ações de Paul Kersey; o problema é que o homem era o próprio dono da TV e estava levando o aparelho para o conserto! Já em Chicago, um motorista de ônibus matou um assaltante desarmado e também disse ter tirado a inspiração do filme.

E quanto àqueles quatro marginais que me assaltaram, e que eu citei no começo do texto, lembra? Bem, é claro que eu nunca virei vigilante fora dos meus delírios de vingança, portanto eles saíram ilesos. E pelo menos um deles, ainda menor de idade, envolveu-se em outros dois assaltos em que duas vítimas foram mortas a tiros. Será que essas pobres vítimas estariam vivas hoje caso eu tivesse encarnado Paul Kersey durante os meus dias de fúria pós-assalto?


FICHA CRIMINAL:
* Pessoas ligadas a Kersey agredidas: esposa (morta) e filha (estuprada)
* Armas usadas pelo vigilante: revólver Colt Police Positive .32, meia cheia de moedas
* Contagem de cadáveres: 11 (Kersey 10 x 1 Marginais)

Trailer de DESEJO DE MATAR



*******************************************************
Death Wish (1974, EUA)
Direção: Michael Winner
Elenco: Charles Bronson, Vincent Gardenia, Hope Lange,
Steven Keats, William Redfield, Stuart Margolin, Jeff Goldblum,
Christopher Guest e Kathleen Tolan.

23 comentários:

Marcelo Gama disse...

Filmaço e entra fácil no meu top 5 do Bronson! Vi esse filme inúmeras vezes, mas sempre me pego vibrando quando o velho Charles mata um meliante, é inevitável! Mate todos, Charles!

O que me deixava louco, apesar de ser um detalhe realista, é que ele nunca pega os três vagabundos que atacaram a mulher e a filha. Mas como alguém já disse aqui na net, pelo menos Bronson se vinga, dando um pipoco em Jeff Goldblum em CINCO DIAS DE CONSPIRAÇÃO, dois anos depois, hahaha!

Em tempo: a Flashstar lançou DEZ MINUTOS PARA MORRER (já peguei o meu), e em breve, lançará ROBUR, O CONQUISTADOR DO MUNDO!!!

Attila disse...

Filme genial e texto genial, cara. Parabéns!!

Esse sem sombra de dúvidas é um dos melhores filmes do Bronson.

Anônimo disse...

Ótima análise do filme. Filmaço!!

Gosto como o carater do Pual vai degenerando ao longo do filme. O cara começa a ter prazer de matar. A cena final, com aquele sorriso malicioso dele, é muito boa e resume essa idéia de anti-herói.

Álvaro Borges disse...

Parabéns Guerra,
Tu foi muito feliz com a tua analise do filme, é impossível não ler o teu texto e pensar no impacto de um filme como esse nos anos 70 e compará-lo com um Tropa de Elite nos 2000.
O primeiro Desejo de Matar faz uma construção de personagem fantástica, depois dele é difícil não pensar no Bronson e lembrar de Paul Kersey e vice-versa.
O final aberto de Desejo de Matar é uma sacada genial, e as sequências são como uma caricatura, um rascunho do primeiro filme. E como subproduto (não vejam como algo negativo!) são geniais, pensem na lógica: aproveitando o sucesso do gênero vingador urbano quem melhor para fazer o papel de "Charles Bronson" do que o próprio "Charles Bronson"!
Não quero me alongar tanto, mesmo porque esse é um dos meus filmes favoritos.
Grande abraço

Daniela Monteiro disse...

Texto genial sobre um dos meus filmes favoritos. Parabéns!
PS: Flashstar lançou Dez Minutos Para Morrer? Que demais! Amo muito esse filme!

elemesmo disse...

OFF TOPIC: Felipe, quando que vc vem para Guarulhos filmar de novo com o Rubens Mello? Tua participação em "Vermibus" ficou muito boa!

Paulo Kersey disse...

Em 1975 o B Garfield escreveu uma continuaçao, 'Death SEntence', filmada pelo J Wan ("Saw') em 2007

Felipe M. Guerra disse...

Na atualização de amanhã falaremos sobre "Death Sentence", mas o filme não tem nada em comum com o livro além do título. ;-)

celio ishikawa disse...

revi uns velhos posts do blog e num deles você diz que um dia contaria sobre o convivio de alguns dias com Mark Goldstein, alguma chance?

Felipe M. Guerra disse...

Caramba, como é que você foi desenterrar esse sujeito, CELIO?

Anônimo disse...

Ótimo filme, excelente resenha.

Paulo Geovani

Aky1980 disse...

Felipe, ótimo texto.

Quando pequena, eu via minha mãe vendo os dirty harrys, chuck norris, steven seagal, sabe as prateleiras de filmes de ação e eu odiava... nessa coloquei desejo de matar na sacola dos não vi e não gostei, filme violento, só tiro e pá..

Dois anos atrás me deu vontade de ver... e achei genial como você relatou aqui... Matar por matar mas ao mesmo tempo uma catarse praqueles que se sentem impotentes e ao mesmo tempo uma sensação sádica/prazerosa ao ver a história. Porque sim, eu ri muito do filme. Saber as histórias dos bastidores foi um plus. Valeu. Agora quem sabe meu marido topa ver comigo hahahha

PS: Sugestão de resenha: The Adventures of Buckaroo Banzai Across the 8th Dimension. Nunca vi inteiro, me dá vergonha alheia, mas sou paixonada pela música final e pelo Perfect Tommy. :)

Kurt Breichen disse...

Excelente resenha. Tenho que tomar partido do Winner: nunca entendi por que o Garfield teve tanta frescura em relação à suposta "apologia ao crime" do filme. O livro, em minha opinião, apesar de aparentar ficar em cima do muro, incentiva muito mais a justiça com as próprias mãos que o filme. É cheio de dados e estatistícias que parecem dizer "o jeito é matar essas porras mesmo".

Anônimo disse...

Ricardo Lira

Tem também o recente filme "Valente" com a Jodie Foster que tem uma temática muito, mas muito parecida com a desse filme (quase uma cópia xerox). Ah! Mas é a Jodie Foster vencedora de dois oscars, diretora e tals... Na época em que "Valente" foi lançado (eu posso estar errado, me corrijam se for o caso) não me lembro de nenhuma crítica ou resenha associando os dois filmes.
Enfim só para constar...

Felipe M. Guerra disse...

RICARDO LIRA, não lembro o que a crítica especializada escreveu sobre "Valente", mas na época do lançamento (2008), escrevi uma resenha para o meu extinto Multiply onde comparava ele com o "Desejo de Matar", sim. Você pode ler o texto neste link: http://martindolman.multiply.com/reviews/item/68?&show_interstitial=1&u=%2Freviews%2Fitem

laurindo big boss disse...

Laurindo Big Boss: Amigo Felipe, acompanho a carreira de Charles Bronson(Buchinski) a mais de 30 anos, tenho ampla filmografia do ator, alem de trilhas sonoras de seus filmes, bem como livros e materias vastas sobre o mesmo(a sua disposição caso precise). DESEJO DE MATAR,faz parte da trinca dos tres melhores filmes de
Bronson, na minha opinião: PASSAGEIRO DA CHUVA(Fase Europeia) e LUTADOR DE RUA(para mim o melhor). Gostaria que em uma oportunidade próxima, voce possa comentar esses filmes...Quanto ao Bronson(descanse em paz), o cinema de ação, com seus herois quase assexuados e sempre justiceiros(Stallone,Norris,Willis,Arnold,Seagal,entre outros), deve ao mítico Charles, um tributo, por ser o mesmo o precurssor, na minha opinião daqueles que no cinema de ação, fazem sua justiça com as próprias mãos(armas também),sem interfeências, na base do olho por olho,dente por dente, vida por vida. Parabéns pela otima resenha e ate a próxima...Um abraço Laurindo junior.

Anônimo disse...

Ricardo Lira

Felipe eu estou tentando acessar o link que você passou, mas está dando erro: 502 Proxy Error, mais tarde eu tento acessar de novo. Voltando rapidamente ao assunto eu procurei umas revistas SET velhas que tenho aqui em casa (tudo bem que SET, Preview e afins não servem de muita referência mas...)e eles associam o filme ao "Tropa de Elite", não há nada falando sobre "Desejo de Matar" como já era de se esperar.

PS. Até rimou rsrsrrrssssss

Anônimo disse...

Ricardo Lira

Consegui acessar pelo internet explorer, é que eu uso o firefox... Quando eu ouvi o diálogo do 'tamanho do pinto''sem antecedentes' no SBT eu pensei que era mais uma zoação na tradução da emissora do Sissi que antigamente dublava os episódios do "Chaves", "Spectreman" e outros, realmente hilário.

João Ferreira disse...

As resenhas sobre a Pentalogia "Desejo de Matar" me animaram a (re)ver os filmes do bom e velho Charles Bronson. Nem lembrava de mais nada do primeiro DM, mas o filme continua ótimo. A sequência do ataque dos marginais a mulher e a filha do Kersey impressiona até hoje. Só acho que o roteiro do filme deveria ter mostrado pelo menos uma ceninha com o Kersey tentando contratar (inutilmente) detetives para investigar o caso antes de tentar resolver com as próprias mãos. Aliás, um detalhe muito interessante do longa é que ele realmente não encontra os marginais, mas ele acaba descontando em qualquer meliante que encontra, hehehe...

Leonardo disse...

filmaço!!!

na minha opinião, os melhores filmes de Charles Bronson são "Desejo de Matar" e "10 Minutos Para Morrer"

tenho "Desejo de Matar" em DVD, lançado pela Columbia, comprei o Box q veio junto com o segundo, ontem eu li o artigo de "Desejo de Matar 2" e tive vontade de assistir os dois de novo, eu queria ver o terceiro também, mas o único DVD q tem disponível para alugar foi o da Flashstar, q cortou descaradamente 20 minutos do filme

Anderson "ANDF" Ferreira disse...

Assisti no DOMINGO MAIOR. O curioso foi que: nas chamadas, usaram a parte em que Paul Kersey atira num rádio. Nais tarde, soube que era trecho do 2º filme, onde um dos marginais (Laurence Fishburne) usou o aparelho pra proteger a cabeça!

Não funcionou!! Hahaha!!!

juliano Nascimento disse...

Melhor filme que já assistir 1,2,3,4,5 muito bom ali tem justiça de verdade

juliano Nascimento disse...

Melhor filme que já assistir 1,2,3,4,5 muito bom ali tem justiça de verdade