quinta-feira, 29 de setembro de 2011

STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA (1994)


Pelo menos uma vez por ano ("pelo menos", mas geralmente é bem mais do que isso), os engravatados de Hollywood gostam de dar uma prova incontestável de que não entendem porra nenhuma de porra nenhuma, principalmente quando tentam adaptar quadrinhos, super-heróis ou videogames para o cinema. Que o diga o pobre espectador que viu "A Liga Extraordinária", "Jonah Hex", a "Mulher-Gato" da Halle Berry, e por aí vai (a lista é extensa).

Pois anos antes do alemão Uwe Boll se especializar em adaptações ruins de videogame para o cinema (com os famigerados "House of the Dead" e "Alone in the Dark"), foram os grandes estúdios que demonstraram sua total incapacidade de transpor uma mídia para a outra em duas legítimas bombas atômicas.


A primeira foi "Super Mario Bros." (1993), que enterrou a promissora carreira do casal de cineastas ingleses Annabel Jankel e Rocky Morton. E como Hollywood nunca aprende com seus erros, já no ano seguinte (1994) saiu a outra, STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA.

Eu não vou gastar tempo e parágrafos explicando a importância e a fama do jogo de fliperama "Street Fighter 2", produzido pela Capcom em 1991 e até hoje uma referência em games de luta. Saibam apenas que torrei muitas horas (e muita grana) da minha pré-adolescência trancado num fliperama escuro e esfumaçado, disputando partidas de "Street Fighter 2" com meus amigos ou com adversários anônimos.


Portanto, lembro até hoje o quanto estava decepcionado ao sair do cinema depois da sessão de STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA: como fã do jogo de videogame, me senti traído porque aqueles caras tinham destruído a história e os personagens de que eu tanto gostava.

Agora, quase 20 anos depois, mais velho e maduro (cof, cof), fui tentar rever o filme com outros olhos, para ver se algo se salva nessa bagunça no final das contas.

Veredicto: não, não se salva. Aliás, não convence nem mesmo como "filme de ação" para alguém que jamais tenha visto ou jogado "Street Fighter 2". O resultado é tão ruim, tão patético, tão ridículo, tão frustrante e tão idiota que poucas obras fazem jus ao nome deste blog tanto quanto esta. Afinal, é preciso ser muito, mas muito doido para ver STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA (e doente mental para gostar, o que, pelo menos dessa vez, não é o meu caso).


Se no ano anterior "Super Mario Bros." enterrou a carreira da dupla Jankel & Morton, STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA fez o mesmo "favor" a Steven E. De Souza. Até então, ele era o roteirista dos ovos de ouro em Hollywood: escreveu sucessos como "48 Horas", "Comando para Matar", "Duro de Matar" 1 e 2, "O Sobrevivente" (com Schwarzenegger), "Um Tira da Pesada 3"...

Com esse cacife e mais um único crédito como diretor (no excelente episódio da série "Contos da Cripta" em que Kyle McLachlan enfrenta abutres famintos no deserto), De Souza ganhou 35 milhões de dólares para escrever e dirigir a adaptação do famoso jogo de videogame da Capcom, então no auge do sucesso. O resultado foi desastroso.


Para entender porque STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA não funciona, vamos analisar a lógica de "Street Fighter 2", o game. Como o nome já diz, trata-se de uma briga de rua em que oito personagens excêntricos e de diferentes nacionalidades se enfrentam até restar apenas um; então, o vencedor enfrenta três "sub-chefes" até ganhar o direito de participar do confronto final com o grande vilão M. Bison, um ditador asiático com poderes sobrenaturais (capaz de voar e disparar rajadas de energia).

Tá, pensa comigo: o que qualquer ser humano normal e racional iria esperar de um filme baseado em "Street Fighter 2", principalmente se este ser humano normal e racional tivesse jogado "Street Fighter 2" pelo menos uma vez na vida?


No mínimo, muita porrada e lutas pra lá de exageradas (o orçamento de 35 milhões era uma fortuna na época), e que as cenas de ação não deixassem de lado os poderes especiais dos personagens e as suas características, certo?

Certíssimo! Inclusive eu, se fosse roteirista de um filme sobre "Street Fighter 2", nem iria inventar muito: manteria a idéia de um campeonato mundial de briga de rua, manteria a idéia de que alguns personagens seriam vencidos ao longo do caminho (e sumiriam da trama), e até colocaria uma cena em que lutadores destruíssem um carro na pancada, em homenagem a um dos mais populares estágios de bônus do jogo.


Enfim, qualquer diretor-roteirista minimamente consciente do material que tinha nas mãos iria torrar metade desses 35 milhões de dólares contratando coreógrafos de Hong-Kong, da Coréia, da Tailândia e do Japão para cuidarem das cenas de luta, certo? Certíssimo!

Então agora eu pergunto: no que exatamente pensavam os coiós que fizeram essa bomba se não tiveram nenhuma dessas idéias tão básicas que estão sendo jogadas ao léu aqui, num blog chamado FILMES PARA DOIDOS?

Enfim, eu não sei no que eles pensavam (e provavelmente NÃO pensavam), mas STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA consegue a façanha de ser uma adaptação de game de luta... hã... SEM lutas!!!


Se no jogo os personagens principais são os karatekas Ken e Ryu, no filme a honra coube ao militar Guile (coronel aqui, capitão no fliperama), interpretado pelo belga Jean-Claude Van Damme em sua escalada ao posto de astro do cinema de ação.

Van Damme é a primeira escolha equivocada do elenco, já que fisicamente não se parece nada com Guile, nem sequer pensou em cultivar uma cabeleira parecida com a do personagem. Dolph Lundgren seria uma opção muito mais acertada, enquanto Van Damme talvez pudesse ser encaixado como Ken.


No roteiro escrito por De Souza, Guile comanda um pelotão das Nações Aliadas (uma ONU fictícia) enviado ao igualmente fictício país asiático de Shadaloo para enfrentar o general M. Bison, um louco ditador que aprisionou diversos cidadãos norte-americanos, e que exige um resgate absurdo de 20 bilhões de dólares para livrá-los da execução.

Se Van Damme é a primeira escolha equivocada do elenco, certamente não é a última e nem a maior. Essa "honra" cabe ao porto-riquenho Raul Julia como M. Bison, o GRANDE VILÃO de um filme de pancadaria, logo ele que sempre foi baixinho e raquítico!


Inclusive o pobre Raul morreu poucos meses depois das filmagens por complicações decorrentes do tratamento de câncer no estômago. É até indigno, para um ótimo ator como Raul Julia, despedir-se do cinema com um filme tão ruim quanto STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA (se não tivesse batido as botas, ele faria o papel de Joaquim de Almeida em "A Balada do Pistoleiro", de Robert Rodriguez, uma despedida bem melhor, por assim dizer).

Pois enquanto no jogo de videogame M. Bison é um vilão gigantesco e ameaçador, com porte e músculos de respeito, no filme o personagem não passa de uma caricatura. Não dá nem para esconder como o ator estava doente, magro, "seco". Sua roupa parece até ter enchimentos para tentar dar-lhe um pouco mais de músculos e "tamanho", mas não adianta: o M. Bison cinematográfico é um vilão patético, digno de pena até.


Só que "Street Fighter 2" não era apenas sobre Guile e Bison, e De Souza sabia que precisaria colocar todos os outros personagens no filme também, caso contrário os fãs do game iriam chiar.

O problema foi a forma que ele escolheu para fazer isso...

No jogo, todos os oito lutadores têm seus próprios motivos para participar do torneio de briga de rua e vingar-se do ditador Bison.


OK, então se eu fizesse um filme sobre "Street Fighter 2", simplesmente usaria uns flashbacks de no máximo três minutos para demonstrar o passado e as intenções de cada um, sem enrolar muito, partindo direto para a pancadaria.

Afinal, ninguém iria ao cinema ver um filme sobre "Street Fighter 2" esperando um grande roteiro ou muito tempo perdido com "desenvolvimento de personagens", não é verdade? Bem, acredite se quiser, foi EXATAMENTE ISSO que De Souza fez: gastou o tempo das lutas tentando contar uma história mirabolante e desenvolvendo os personagens! E olha que estamos falando do mesmo sujeito que escreveu "Comando para Matar", caramba!


De Souza perde um tempão introduzindo cada personagem e dando-lhe um "background" elaborado, como se, de repente, "Street Fighter 2" fosse Shakespeare, e não um simples joguinho de pancadaria. E além dos personagens originais, sabe-se lá porque ele resolveu introduzir também três lutadores de uma versão posterior (Cammy, Dee Jay e T. Hawk, de "Super Street Fighter II", lançado em 1993), e ainda criar um personagem totalmente novo exclusivamente para o filme (o capitão Sawada)!

É aí que os problemas se acumulam de vez. Pô, é gente demais para filme de menos! Se tivéssemos apenas uma sequência de lutas, como todo fã do game esperava, talvez funcionasse. Mas como esse montão de gente aparece e fala pra caramba, não demora nadinha para o filme ficar chato e enrolado.


Além disso, com muita gente para apresentar em pouco tempo, o desenvolvimento de personagens é quase nulo. Quem nunca jogou "Street Fighter 2" vai ficar boiando sobre quem são aquelas pessoas e quais são as suas motivações, até porque o roteiro é muito, mas muito fraco.

Não bastassem todos esses erros, o maior problema de STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA é que o diretor-roteirista De Souza parece nunca ter gastado uma única ficha jogando "Street Fighter 2". Os personagens que ele escreveu para o filme só têm o nome dos personagens do jogo, no máximo o figurino parecido. Fora isso, são completamente diferentes em habilidades, motivações e até importância na trama.


Alguém em sã consciência saberia explicar, por exemplo, por que Dee Jay e Zangief (do time dos heróis no game) aparecem no filme como capangas do vilão Bison, enquanto Balrog, que no jogo é vilão, aparece como um dos mocinhos?

Alguém saberia dizer quem foi o cabeça-de-bagre que inventou um Dhalsim cientista, que em nada lembra sua versão no jogo (e nem estica os braços e pernas, características fundamentais do personagem do fliperama)? E quem foi que transformou o japonês lutador de sumô E. Honda em um balofo samoano?


Aliás, se Raul Julia como M. Bison já era piada de mau gosto, o que dizer do baixinho e mirradinho Wes Studi como Sagat, que é um gigante de quase dois metros em "Street Fighter 2"? Será que os caras que escolheram o elenco deram pelo menos uma olhada no jogo, ou simplesmente fizeram "uni-duni-tê" para decidir quem interpretaria cada personagem?

Os únicos personagens do filme bem parecidos com suas versões digitais são Zangief (interpretado pelo futuro Leatherface do remake de 2003, Andrew Bryniarski) e Vega (Jay Tavare). E enquanto esse segundo tem uma luta interessante contra Ryu, o pobre gigante russo é reduzido a alívio cômico, e completamente desperdiçado.


O mesmo pode-se dizer de Ryu e Ken (lembre-se, eles eram os personagens principais do jogo) e do pobre Blanka, o monstruoso lutador brasileiro, cuja origem (argh!) é explicada aqui.

(Chega a ser irônica a falta de respeito dos realizadores com os personagens porque eles se dão ao trabalho de citar CENÁRIOS do game o tempo todo, então obviamente tinham certa familiaridade com o assunto...)

E por falar em "explicar", o roteiro de STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA teima em não assumir-se como a aventura absurda que é; pelo contrário, De Souza tenta explicar tudinho de maneira racional e quase científica, do surgimento do monstrengo Blanka aos poderes "sobrenaturais" de Bison (o vilão chega a dar uma aula de física para Guile, dizendo que usa propulsores magnéticos semelhantes aos que impulsionam o trem-bala no Japão!!!). Até mesmo a "ressurreição" de Bison após o nocaute é justificada graças à aparelhagem de suporte de vida que o ditador veste sob o uniforme!


Se já não bastassem tantos problemas, imbecilidades e equívocos, STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA afunda de vez quando, depois de looooongos minutos de bla-bla-bla, finalmente chega às cenas de ação.

(Sempre lembrando que você está adaptando um jogo de luta, e teoricamente só precisaria mostrar uma pancadaria a cada cinco minutos que tudo estaria perfeito!)

Pois nessa bomba atômica baseada num game de LUTA, os personagens raramente lutam entre si, preferindo dar porrada em vilões secundários (anônimos capangas de Bison e Sagat, por exemplo). E quando finalmente se pegam entre eles, as lutas são rápidas e sem interesse, sonolentas até. Me dei ao trabalho de marcar no relógio, e a primeira vez em que um personagem do jogo luta contra outro personagem do jogo acontece APENAS aos 51 minutos, quando Chun Li dá uns tabefes em Bison! Pode?


De Souza desperdiça até os clássicos confrontos Ryu x Vega e Ken x Sagat, e os golpes mais famosos de ambos (o hadouken de Ryu e o shoryuken de Ken) são usados gratuitamente.

Resta, então, o grande confronto entre Guile e Bison, a única coisa próxima de uma luta de verdade que vemos no filme. Pena que ver Van Damme bater em Raul Julia seja como testemunhar alguém batendo num bêbado, ou chutando um cachorro morto, já que o ator porto-riquenho está frágil demais para convencer como um adversário à altura do herói, e não consegue nem ficar de pé direito.

Mas a única coisa boa do filme todo acontece durante essa luta: Guile usando seu flash kick (o popular "facão") duas vezes contra Bison, e de maneira idêntica ao game, como você pode ver nas imagens abaixo! É o mais perto de "Street Fighter 2" que De Souza conseguiu chegar em 102 minutos.


O restante é um desperdício. O personagem de Chun Li é tão apagado que depois tentaram até fazer um filme só com ela ("Street Fighter: A Lenda de Chun-Li", de 2009), mas dizem que o resultado é ainda pior (esse eu nem quis ver). Os personagens de "Super Street Fighter", que à época não eram tão conhecidos quanto os originais, não acrescentam nada: Cammy, que tem maior tempo em cena, é interpretada por Kylie Minogue (ela tinha uma cena de luta com Chun Li que foi cortada!); T. Hawk não fede e nem cheira, e Dee Jay não dá um único golpe o filme todo!

E o nosso pobre representante brasileiro Blanka passa o filme todo aprisionado, e por isso não luta contra nenhum dos personagens principais, muito menos usa seus poderes elétricos do jogo. Uma frustração!


Como escrevi no começo, qualquer idiota saberia fazer um filme minimamente divertido sobre "Street Fighter 2". Bastaria filmar um montão de cenas de luta. Bastaria usar as características e golpes principais dos lutadores, como Dhalsim esticando braços e pernas na hora da porrada (tem um lutador que estica os braços na aventura oriental "O Mestre da Guilhotina Voadora", feito vários anos ANTES do jogo).

Bastaria dar uma atenção especial à coreografia das pancadarias ao invés de ficar mais preocupado com tiroteios e explosões, como Steven De Souza faz nesse filme lamentável.

Para ter uma idéia do que estou falando, comparem com o resultado muito mais positivo desse fan film abaixo, dirigido por Joey Ansah e Owen Trevor, que mostra um combate super-estilizado entre Ryu e Ken, com direito a todos os golpes que os lutadores usam no jogo. Em apenas 3min12s, esse fan film é melhor que o longa de 1994 INTEIRINHO!!!

Uma adaptação decente de "Street Fighter 2"



No ano seguinte (1995), Paul W.S. Anderson fez o filme que STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA deveria ter sido: "Mortal Kombat". E usando exatamente esta estrutura simplíssima do torneio de artes marciais, com uma luta seguida de outra luta. Só frustrou o público por não usar a violência explícita que era a principal característica do jogo. Anderson devia ter adaptado "Street Fighter 2", e não De Souza.

Embora não tenha sido exatamente um fracasso de bilheteria, como o anterior "Super Mario Bros.", STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA CONSEGUIU enfurecer tanto críticos quanto o público. Fãs do jogo não engoliram as mudanças radicais da adaptação cinematográfica, enquanto quem não conhecia o game simplesmente não conseguiu embarcar na proposta do filme, que, por si só, é bem fraquinho.

O resultado negativo arranhou tanto a imagem do outrora promissor diretor-roteirista que sua carreira desceu ladeira abaixo. Ele só dirigiu outro filme em 2000 (uma produção para a TV), e seu último crédito expressivo como roteirista é de 1998 ("Golpe Fulminante", um filme menor do Van Damme)!


Já o astro belga tentou, durante algum tempo, tirar do papel uma continuação direta deste filme, onde, quem sabe, seriam corrigidos os seus principais problemas, como a falta de pancadaria. Existe até uma cena depois dos créditos finais mostrando que Bison não morreu no confronto com Guile e poderia voltar para a revanche, quem sabe interpretado por um ator mais apropriado dessa vez. Mas como o primeiro filme fracassou, a idéia da sequência também morreu na praia.

Por pior que seja (e é realmente MUITO RUIM), pelo menos STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA escapou do título de pior adaptação de videogame de todos os tempos. Afinal, no mesmo ano de 1994, James Yukich conseguiu estragar outro jogo de pancadaria bem simples ao transformá-lo num filme muito, mas muito pior.

É claro que estou falando daquele lixo chamado "Double Dragon", com Robert Patrick, Mark Dacascos, Scott Wolf e Alyssa Milano, que do jogo só tem mesmo o nome.


Tanto STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA quanto "Double Dragon", adaptações de jogos de luta que quase não têm lutas, são argumentos inquestionáveis do quanto os executivos de Hollywood não entendem porra nenhuma de porra nenhuma.

Seria melhor se dessem os 35 milhões para seus filhos fazerem filmes baseados em games, pois eles pelo menos entenderiam um mínimo sobre o assunto.

Aliás, que filme que nada: antes dessem esses milhões para a molecada torrar no fliperama mesmo, um programa muito mais divertido do que suportar essas "adaptações" até o fim...

Trailer de STREET FIGHTER - A ÚLTIMA BATALHA



*******************************************************
Street Fighter (1994, EUA)
Direção: Steven E. de Souza
Elenco: Jean-Claude Van Damme, Raul Julia, Ming-Na,
Damian Chapa, Kylie Minogue, Roshan Seth, Wes Studi,
Byron Mann e Andrew Bryniarski.

41 comentários:

Underbeatz disse...

Caramba, me lembro da espectativa e da como fiquei puto com esse filme. Seria necessário 24 hs comentando os defeitos! Na minha opinião, é a pior adaptação de games de todos os tempos. Double Dragon e Mario Bros tb são dignos de resenhas aqui. Parabéns pelas resenhas,abraço!
...E sabe q ainda conseguiram repetir repentinamente o msm erro do Street Fight? Já assistiu as adaptações pro cinema de "Tekken (resenha, please!) e "The King of Fighters"?

Thiago disse...

Esse Filme é realmente sofrível. Até aquela paródia de Street Fighter que Jackie Chan fez em City Hunter ficou melhor que essa porcaria de filme.
E se alguém quiser saber sobre o que se trata Street Fighter II eu sugiro o anime Street fighter II - Victory.

Anônimo disse...

O pânico na TV também fazia uma paródia da destruição do carro, que era melhor que esse filme...

Fernando

Kubota disse...

Realmente, foi uma época punk de adaptações! Lixo atrás de lixo! Quanto a parte de coreografia, o culpado foi Benny Urquidez, que lutou contra o Jackie Chan no filme Detonando em Barcelona (1984). Acredito que a falta de fidelidade é graças ao pseudo-intelectualismo (que ainda existe) nos produtores, em querer passar coisas "inteligentes" ao público. Retórica vazia!

Quanto a escolha de Guile, além do Lundgreen, poderia ter sido o Gary Daniels, astro c de filmes da Band que saiu em Mercenários!

Há dois anos, também protestei sobre este lixo!

http://curiosomundodocinema.blogspot.com/2009/09/filme-maldito-do-mes-street-fighter.html

Tiago/Sumaré disse...

Concordo com meu xará, uma adaptação fiel e divertiva de Street Fighter é o anime Street fighter II - Victory. Só achei estranho o Guerra não falar nada do Ken do filme, tão patético quanto os que ele citou.

Péricles disse...

quando garoto tinha um amigo meu que havia gravado numa cassete e certa vez aluguei esse filme , o filme realmente é uma porcaria porém é aquele tipo de filme que sempre assisto com gostinho de saudade. graça a deus não tentaram adaptar cadillacs and dinossaurs( pelo menos assim espero).

Bernardo disse...

o Zangief é tão imbecil que, para mim, é a grande estrela do filme.


ZANGIEF: Aonde você vai DJ? O Comandante Guile e os inimigos da liberdade estão atacando o General Bison!

DJ: Você ficou maluco cara? O General Bison é o inimigo da liberdade. O Comandante Guile e os outros vieram pra pegá-lo. Eu vou vou fugir com o que puder já que ele não vai ter mais como pagar a gente.

ZANGIEF: Ele PAGAVA você?

J. Verneti disse...

O Gary Daniels participou do Tekken (filme muito ruim também) interpreando o Bryan Fury,outro que dá as caras é Cary-Hiroyuki Tagawa, o Shang Tsung de Mortal Kombat.

qualquergordotemblog disse...

SEMPRE disse que o Lundgren deveria ter feito o Guile. Desde que eu vi Rocky IV pela primeira vez que eu digo isso. JCVD deveria ser o Johnny Cage do "Mortal Kombat" (o personagem é inspirado nele. Acho que ofereceram p/ele e não aceitou).

Além dele acho que o Stallone deveria ter sido o Bison. Repara no queixo dos dois. Repara no Stallone vestido de Judge Dredd (me lembra o segundo uniforme do Bison).

E o Mark Dacascos daria um ótimo Ryu (ou o Brandon Lee caso tivesse vivo)

No site Muita Pimenta, o Tiago Poison Heart deu sugestões para o elenco

http://muitapimenta.com/um-novo-elenco-para-o-filme-do-street-fighter/

Thiago disse...

Gary Daniel fez o Ken em City hunter :)

Péricles disse...

Na real é que nenhuma obra cinematográfica até hoje criada fez jus aos jogos. Alguém ai lembra de algúm filme que tenha ficado legal?

Luciano Milhouse disse...

Wes Studi não é baixinho não... de acordo com o IMDB ele tem 1.83m... se for ver assim, eu, com 1.78, sou um pigmeu, rsrsrsrsrsrsrsrs!!

Vitor disse...

Rachei de rir com o texto,muito bom! Felipe vc poderia também escrever sobre Mortal Kombat e Double Dragon.

JFelippe Mac Bastos disse...

Me lembro que na epoca dessa tranqueira tbm tavam numa febre besta por Jurassic Park que eu sempre abominei. tipo... dinossauro pra mim naquela epoca ja era como circo - ja nao dava mais. ate msm pq o meu negocio sempre foi msm foi tubarão, minha febre de infancia juntamente com Mad Max e a franquia Sexta Feira 13.

Anônimo disse...

O Raul Julia poderia estava realmente debilitado na época das filmagens, mas baixinho ele nunca foi! O homem tinha 1.88 de altura.

Filme ruim danado.

Anônimo disse...

Wes Studi também não é baixinho cara, veja ele em fogo contra fogo, ele é gigante perto do Al Pacino, tendo provavelmente 1.82.

Mas o review está ótimo.

Rodrigo disse...

Felipe, já assistiu o anime do Street Fighter 2 que passava no sbt? Aquilo sim é uma obra de arte.

Carlos André Krakhecke disse...

Raul Julia pagou com a vida por ter feito esse filme.

Felipe M. Guerra disse...

Gente, eu quis dizer que o Raul Julia e o Wes Studi são baixinhos perto dos personagens do game que ambos interpretam. Comparem a altura do Sagat do game com o Studi no filme, o cara parece um anão! Comparem o porte e a altura do M. Bison com o Raul Julia, que parece que vai cair no chão só um com um sopro do Guile!

J, Verneti disse...

Felipe,quanto ao SF: A Lenda de Chun~Li, a coisa só piora. Aqui Bison (Neal McDonough) é um gangster engravatado que pretende destruir a periferia de Bangcok para dar lugar a empreendimentos de sua organização. Seu poder deriva de um ritual mistico no qual se desfaz de sua bondade.
Do SF2,além dos dois,há apenas Balrog (Michael Clarke Duncan) e Vega(Taboo do Black Eyed Peas),os outros três são do SF ZERO, totalmente descaracterizados.
O ritmo do filme é lento e com poucas lutas.

Luciano Milhouse disse...

Ah, Felipe, mas se for ver assim, de acordo com o manual de instruções do cartucho de Super Nintendo (que eu tenho até hoje), Sagat tem 2.26!!! Quem poderia interpretá-lo?? Shaquille O' Neil?? Rsrsrsrsrs!

Abs!

doggma disse...

Fora o lance que o Bernardo citou, o Zangief também teve outra tirada ótima, quando a caminhonete vai colidir com a base e ele diz "Rápido! Mudem de canal".

Junior disse...

Esse episódio do Contos de Cripta citado pelo Felipe é o melhor da série

Victor Ramos (Jerome) disse...

Puff..

Lembro que eu assistia esse aí antigamente, quando gostava de qualquer merda com luta no meio. Já hj, nem sei se gostaria de uma asneira dessa...

Abs!

André e seus Caldos de Cana disse...

vc conhece um filme chamado "minha noiva é um cadáver", em que um cara casa-se com uma mulher morta, e vão passar a lua de mel num cruzeiro. ao longo da viagem, o corpo apodrece, e o cara continua com a mulher, tomando sol, essas coisas. esse filme fazia parte do acervo de uma locadora em minha cidade, nos anos 1980. eu assisti uma vez e gostaria de saber mais sobre esse filme para doidos.

Anônimo disse...

Pô,o o Raul Julia tá parecendo o José Serra nesse filme...

Felipe M. Guerra disse...

ANDRÉ, até onde eu me lembro, essa cena que você citou não é um filme inteiro, mas uma piada da comédia "Loucademia Funerária", em que o diretor da escola se apaixona pela cadáver de uma adolescente e começa a "namorar" com ele, sendo que a relação é obviamente prejudicada pela decomposição. Em breve essa tranqueira estará aqui no FILMES PARA DOIDOS.

Pintopix disse...

Irado mesmo é o Street Fighter - The Later Years.

Tem no you tube pra quem não conhece.

Mestre M. disse...

Só um detalhe Felipe, apesar de o filme do Double Dragon ter menos a ver com o jogo do que o Filme do que este filme do Van Danme, o filme do Double Dragon, fez sim um razoavel sucesso ( maior que o do filme do Mario e do Street), tanto que em 1995 foi lançado um jogo novo da serie, totalmente nos moldes do filme, que apesar do fracasso, rendeu uns trocados para a SEGA...

Luiz André disse...

A maldição dos filmes adaptados de games talvez tenha começado por estes anos de entre o início e o fim da década de 1990. Lembro que a gurizada da minha sala na época foi ver em massa o filme e eles adoraram cada cena. Fui ver e não achei nada demais. Se pegar um filme de ação genérico produzido na década de 1980, ainda teria mais valor e relevância que este Street Fighter que, por sinal, não mostra nenhuma briga de rua. Acho que dos poucos filmes baseados em game que vingaram foram Mortal Kombat (o primeiro filme, já o segundo é uma correria só), Terror em Silent Hill (suspense bastante interessante com alguns toques de crueldade em nome da fé) e o outro ainda estou pensando...

Anônimo disse...

Felipe Guerra, discordo que Double Dragon foi pior que Street Fighter. Double Dragon como filme de aventura é até assistível (embora seja horroroso no conjunto da obra). Mas Street Fighter nem como filme em si (de nenhum gênero) serve. E apesar de Street Fighter ser um lixão, ainda fiquei e fico mais revoltado com as adaptações de Resident Evil. Porque os filmes fugiram completamente do que é o game em termos de horror, e até os games de Resident Evil a partir de Resident Evil 4 parecem que receberam influência dos filmes pois deixaram o terror em segundo plano pra se tornar um game de ação pura. E Resident Evil que tem uma trama fantástica nos games conseguiu virar filmes de ação que qualquer sessão da tarde neste planeta passaria. A melhor adaptação de game feita com atores reais até hoje para o cinema foi Silent Hill. Mas Silent Hill tem uma desculpa satisfatória para ser fiel... nenhum dos games de Silent Hill tem um padrão de história única. Cada game usa personagens diferentes, histórias diferentes e nenhum personagem ou história tem conexão com o game anterior da franquia. Ou seja, você pode criar o personagem que quiser para o cinema, basta colocar-lo na cidade de Silent Hill sob as mesmas condições do game e fica perfeito, e foi isso o que fizeram no filme.

jonathan ribeiro disse...

Me lembro de assistir Double Dragon e esse Street Fighter muitas vezes na infância e como criança não tem um senso crítico muito apurado eu gostava desses lixos,hoje com 20 anos vejo que esses filmes são umas piadas de mal gosto,eu sou fã de animes e jogos de lutas,adoro Street Fighter,por isso até crie meus próprios heróis das artes marciais e decepcionado com essas adaptações crie roteiros do que seriam filmes decentes de Street Fighter,Double dragon,The king of Fighters e também Dragon Ball(que é um anime como todos sabem)
farei faculdade de cinema e espero um dia me tornar um diretor e conseguir realizar esses filmes.
eu assistir "A Lenda de Chun-li" e ele só consegue ser pior que A última Batalha,e também já conseguia esse fã filme do Street,mas não curti muito,eles colocaram as sobrancelhas grossas que Ryu e Ken tem no jogo nos atores e isso fez eles parecerem com Cosplayers e também tem o lance dos Hadoukens infinitos,isso é comum no joo,mas em uma transposição para o Live-Action,deveriam fazer que sua execução não é assim tão fácil é rápida um bom exemplo disso é essa cena desse grande anima do Street chamado,Street Fighter 2 Victory(que já foi exibido no SBT)
em que o Ryu faz um grande esforço pra utilizar o Hadouken.
olhem aí.
http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=QChTjLUHEeQ

Esse anime tinha algumas diferenças em relação ao enredo oficial do game mas mesmo assim era bom.

Ezequiel disse...

Que filme de bosta mesmo! A situação foi tão ruim quando ví no cinema que na metade o filme trancou velho... mais ou menos uns cinco minutos... a galera começou a gritar, filho da puta, filho da puta, filho da puta. kkkk
A gente tava tão alucinado pelo filme, público que em média tinha uns 10, 12 anos, não entendíamos que o filme era uma bosta, a gnt gritava, vibrava a cada cena, quando o guile deu os dois pente no bison então... beii... foi demais! Coisa de guri, mas vendo hoje...

caio disse...

Acha o filme ruim tem que ver essa pérola onde o astro Jackie Chan imita os personagens do jogo de luta para derrota o Ken no filme City Hunter:
http://www.youtube.com/watch?v=h5d0oCysFLY

Azrael_I disse...

Caio, acho que a homenagem do Jackie Chan em City Hunter vale muito mais do que todo o "Batalha Final"...

Felipe, já há algum tempo venho acompanhando seu blog, mas só resolvi comentar agora justamente por ter assistido novamente esse filme de Street Fighter (eu gostava mais da dublagem antiga, que tinha alguns dos dubladores do anime); é como você disse, eu tb não entendo qual era a dificuldade de fazer um filme baseado na história do game, ou seja, um torneio de super lutadores ao redor do mundo... não, o diretor TINHA que dar a sua "visão artística" e enfiar uma mini-guerra (pra justificar o Guile/Van Damme no papel de herói principal da história, em vez do Ryu, talvez?) e alterar completamente os personagens... por que o Dee Jay é vilão e o Balrog é um dos heróis sendo que no jogo é o contrário? A audiência americana não aceitaria um compatriota vilão (como se isso não fosse totalmente possível na vida real...)? Por que não um E.Honda japonês em vez de um havaiano? Ou a Chun Li agente da Interpol em vez de repórter (mas sejamos francos, a Ming Na Wen até que ficou bem no papel, né)? E o Ryu e o Ken brincando de Didi e Dedé? Enfim, são mesmo tantos furos que nem dá pra apontar aqui. Só vou citar mais um bem engraçado: na cena em que Chun Li, Balrog e E.Honda capturam Ken e Ryu (logo após o show de mágica), Chun Li aponta uma faca pra Ken, que vira o corpo pra olhar pra ela e a faca DOBRA ao tocar nele, mostrando claramente que é de borracha! À propósito, a primeira cena em que um dos protagonistas bate no outro acontece antes da luta da Chun Li com o RAUL BISONHO: na prisão, Ryu acerta um golpe no braço do Vega para quebrar as garras improvisadas.

Enfim, parabéns pelo blog e continue trazendo mais desses clássicos da tosqueira! Se for possível fazer pedidos, eu gostaria de saber a sua opinião sobre o filme "Zang, o Bárbaro", com o Jet Li, de longe o filme mais tosco que Jet li já fez.

P.S.: No meu Blog, o Museum dos Games, também resenhamos alguns filmes baseados em games (pretendo fazer uma de Street Fighter tb), e gostaria, se você tiver tempo, que desse uma olhada.

Cinema é a Minha Religião disse...

Felipe, tu já assistiu "Ninja Assasino", produzido pelos Wachowski e escrito pelo quadrinista J. Michael Straczinski?
Pretendes resenhá-lo algum dia?
Abraços!

Anônimo disse...

Eu nao achei o filme ruim nao e que todo mundo gosta de ver so o defeito lado ruim e nao o que prestou no filme. é uma boa diversao a quem pode assistir. querer que os atores pareçam com os personagens é coisa de retardado me diz um filme que o ator parecia com o personagem dos games.

Anônimo disse...

Cara, para de falar merda! Bison tem 1,82m de altura. Raul Julia tinha 1,88m.

Marc disse...

Bastava adaptar o longa animado japonês de 1994(chegou a passar nos cinemas brasileiros e foi exibido no SBT e na Record) para uma versão live-action, e teríamos um filme bacana de Street Fighter.

eduardo disse...

Foi só eu que ouvi gritos do Godzilla na luta entre o samoano e Zangief enquanto destruiam a maquete de Bisonopolis ?

Leonardo Peixoto disse...

A resenha ficou ótima :) Ainda estou esperando as de Super Mario Bros e Double Dragon :)