quinta-feira, 25 de agosto de 2011

DEUS OS CRIA... EU OS MATO! (1968)


E hoje o FILMES PARA DOIDOS traz mais um western spaghetti, porque a última resenha de filme do gênero foi publicada há quase um ano ("O Dólar Furado", em setembro de 2010). Para compensar a ausência dos cowboys da Terra da Bota aqui no blog, nada melhor do que falar um pouco (ou um muito) sobre um dos meus westerns preferidos: DEUS OS CRIA... EU OS MATO!

Começo explicando que esse filme não é um clássico do gênero, nem tem nada muito diferente de outros tantos westerns produzidos na Itália naquele período. Por que, então, é um dos meus preferidos entre tantos outros melhores?


Em primeiro lugar, pela nostalgia. Foi um dos primeiros westerns italianos que eu assisti, numa sessão de filmes de bangue-bangue que a Bandeirantes exibia semanalmente no começo da tarde, logo depois do almoço (alguém lembra o nome disso?).

Em segundo lugar, porque na minha modesta opinião esse western tem um dos melhores títulos da história do cinema: como resistir à tentação de ver um filme chamado DEUS OS CRIA... EU OS MATO!, mesmo sabendo que ele não tem nenhuma relação com a história?

E em terceiro lugar... Bem, eu já chego lá!


Dirigido por Paolo Bianchini em 1968, DEUS OS CRIA... EU OS MATO! traz o cantor de rock norte-americano Dean Reed no papel de um caçador de recompensas chamado Slim Corbett. Ele é contratado pelas lideranças de Wells City, uma pequena cidade na fronteira com o México, para desbaratar uma misteriosa quadrilha que tem esvaziado o banco local com bastante regularidade, sempre fugindo sem deixar pistas.

O espectador já sabe desde cedo que os responsáveis pelos crimes são o xerife de Wells City, Lancaster (Piero Lulli, de "Mata, Bebê, Mata"), e um poderoso fazendeiro mexicano da região, Don Luis (Pietro Martellanza, de "A Cruz dos Executores"). Para que o recém-chegado Corbett não mele a lucrativa parceria, eles resolvem incriminá-lo. Só que o herói foge da cadeia para um sangrento acerto de contas.


À primeira vista (ou lida), a trama do filme não tem nada de novo ou revolucionário, certo? Então o que faz de DEUS OS CRIA... EU OS MATO! um faroeste tão memorável para que eu o inclua entre os meus preferidos do gênero, além do fator nostalgia e do título, já citados?

Vamos por partes: o roteiro é de Fernando Di Leo, um dos grandes roteiristas do faroeste italiano - ajudou a escrever "Por um Punhado de Dólares" e "Por uns Dólares a Mais", embora não tenha recebido crédito -, que depois mostraria muito talento também no cinema policial (escreveu "Uomini si Nasce, Poliziotti si Muore", de Ruggero Deodato, e dirigiu "La Mala Ordina" e "Milano Calibro 9").


Pois Di Leo deu um ar absurdo de história em quadrinhos a uma trama originalmente chinfrim, fazendo com que DEUS OS CRIA... EU OS MATO! às vezes pareça uma sátira do gênero, embora seja um filme "sério" a maior parte do tempo.

Slim Corbett, o herói interpretado por Reed, certamente é um dos personagens mais excêntricos do western spaghetti - e olha que estamos falando de um ciclo de filmes que deu origem a todo tipo de herói bizarro, como Django, Trinity, Sartana e Aleluia!

Diferente de seus "colegas de tiro", sempre homens durões e de poucas palavras, sujos, vestindo roupas em farrapos e com barba por fazer, Corbett é um verdadeiro almofadinha, que se veste com trajes sob medida feitos pelos melhores alfaiates com os melhores tecidos, carrega maletas feitas de "tapeçaria francesa", come ostras, tem uma afeminada charrete com bar embutido (!!!) e é um exímio dançarino de valsa.


Se sujeitos como Django ou o Homem Sem Nome que Clint Eastwood interpretou na Trilogia do Dólar falam muito pouco, e apenas o necessário, Corbett não pára de falar um minuto sequer; e enquanto seus colegas estão sempre sérios e carrancudos, nosso herói vive com um sorriso estampado na sua carinha lisa de bunda-de-bebê...

Entretanto, é só os revólveres começarem a cuspir chumbo para Corbett mostrar que, apesar de tanta viadagem, é um pistoleiro tão bom quanto os anteriormente citados. Às vezes até mais cruel, já que tem o costume de executar inimigos desarmados e até atirar pelas costas! Portanto, embora pareça uma sátira aos cowboys bonitões e bem arrumadinhos dos faroestes norte-americanos, o personagem não brinca em serviço quando saca a arma.


(Confesso que já fiquei imaginando um encontro de Slim Corbett com um desses pistoleiros durões tipo Django. Quem sacaria primeiro? Talvez Corbett fosse alvo fácil ao demorar muito para atirar porque estava ocupado arrumando o cabelo. Por outro lado, imagino o rival morrendo de rir das frescuras de Corbett e virando alvo fácil do pistoleiro mauricinho. Taí um duelo que eu queria ver...)

E não pára por aí: DEUS OS CRIA... EU OS MATO! também tem um ótimo vilão de história em quadrinhos, o tal Don Luis, que, como Zorro, ostenta o sobrenome "de la Vega". Martellanza (usando o pseudônimo Peter Martell) está a cara do Kevin Kline, e parece se divertir muito como ricaço sádico que leva sempre consigo uma bengala cheia de gadgets escondidos (isqueiro, punhal retrátil na ponta...), e tem como capanga, acredite, um anão bom de tiro!


Aqui entre nós, não parece um filme do James Bond situado no Velho Oeste? Pois eu acho que é por aí mesmo. Inclusive Slim Corbett antecipa o 007 de Roger Moore em cinco anos (já que a primeira aventura do inglês como Bond foi "Com 007 Viva e Deixe Morrer", de 1973).

Dean Reed não só é muito parecido fisicamente com Roger Moore, como ainda demonstra certas peculiaridades que caracterizariam o Bond do ator inglês anos depois, como as tiradas bem humoradas e o ar bonachão ao mesmo tempo em que é frio e fulminante com os inimigos quando necessário.

Numa cena, por exemplo, o pistoleiro enfrenta quatro valentões, e, embora apenas um deles saque seu revólver, Corbett simplesmente executa todos a sangue-frio, mesmo aqueles que estão desarmados! Em outra, diz para três capangas do vilão levarem um recado seu para o patrão. Então corrige: "Pensando melhor, só um de vocês pode levar o recado", e mata os outros dois sem cerimônia!


Para ficar ainda mais parecido com um 007 do Velho Oeste, Slim Corbett também passa a maior parte do filme seduzindo a mulherada (ele traça umas quatro ou cinco, e toda garota que cruza seu caminho se apaixona na hora, como acontece com as "bond girls"). Perto do final, protagoniza até uma daquelas "cenas de cassino" tão comuns nas aventuras de James Bond, quando o herói joga pôquer com o grande vilão!

(A destacar: uma das "bond girls", ou "corbett girls", é a linda de rosto e de nome Linda Veras, que também apareceu nos westerns "Face a Face" e "Corri Uomo Corri", de Sergio Sollima.)


DEUS OS CRIA... EU OS MATO! foi belissimamente fotografado em widescreen por Sergio D'Offizi, que depois trabalhou com Lucio Fulci e Ruggero Deodato (foi o diretor de fotografia do clássico "Cannibal Holocaust").

D'Offizi ajudou o diretor Bianchini a conseguir alguns inusitados ângulos e movimentos de câmera, mas é claro que torna-se obrigatório ver o filme na sua versão original. Quem lembra dele da TV, ou das fitinhas VHS em tela cheia, precisa revê-lo em widescreen, pois a fotografia perdeu muito com aqueles cortes laterais da TV e do VHS.


Milagrosamente, o DVD lançado no Brasil pela Ocean está em widescreen. Entretanto, a distribuidora cometeu duas heresias imperdoáveis: mudou o maravilhoso título original para um absurdamente genérico ("Sua Vida Me Pertence"), e colocou um selinho com o logotipo da empresa aparecendo no canto da tela a cada 15 minutos, como se fosse um filme gravado da TV (sinceramente, o que esses caras têm na cabeça quando fazem tais idiotices?). Por conta disso, eis mais um título para a gigantesca lista "Melhor baixar do que comprar"!

Pesquisando enquanto me preparava para escrever esta resenha, descobri que o galã Dean Reed era um cantor de baladinhas muito popular nos anos 60 (não sabia disso, e ele também canta a música-tema do filme, "God Creates Them, I Kill Them"). O curioso é que as suas canções faziam muito mais sucesso fora dos Estados Unidos: consta que, na América do Sul, ele era mais conhecido que um certo Elvis Presley (até apresentava um programa de TV em Buenos Aires). Seu grande hit por aqui era "Our Summer Romance".


Porém, na metade dos anos 60, certas atitudes "humanitárias" do músico, como cantar gratuitamente em bairros pobres e presídios ou participar de protestos anti-guerra, deram-lhe fama de comunista. Reed foi deportado da Argentina em 1966 e acabou em Roma, onde virou astro de westerns a partir de 1967 (antes só tinha feito alguns musicais).

No livro essencial "Dizionario del Western All'Italiana", o autor Marco Giusti entrevistou o diretor Bianchini, e este lembrou-se de uma história fantástica: numa folga das filmagens de DEUS OS CRIA... EU OS MATO!, ele e Reed foram para o centro de Roma participar de um dos primeiros protestos anti-Guerra do Vietnã realizados no país. Pois ambos acabaram presos! Enquanto o ator saiu da cadeia rapidinho, por ser americano e muito mais famoso, Bianchini teve que amargar quase uma semana no xadrez antes de ganhar a liberdade e voltar ao trabalho!


Reed construiu uma sólida carreira com músico, ator e até diretor na Europa. Mas sempre lamentou o fato de ser praticamente desconhecido nos EUA, onde ainda era acusado de ser comunista (chegou a escrever uma canção chamada "Nobody Knows Me Back in My Hometown").

Em 1985, começou a cogitar um retorno oficial à América, e anunciou que seu próximo projeto seria dirigir um filme sobre a Guerra Fria. Em 13 de junho de 1986, uma semana antes do início dos trabalhos, Reed foi encontrado morto num lago próximo à sua casa, em Berlim. A versão oficial foi suicídio, mas os familiares juram que ele foi morto numa conspiração envolvendo a KGB (o serviço secreto soviético)!


Enfim, a vida de Dean Reed (sobre a qual eu praticamente não sabia nada até escrever esta resenha, confesso) é tão interessante que Tom Hanks já cogitou dirigiu um projeto chamado "Comrade Rockstar", sobre a carreira do cantor-astro de western spaghetti!

Fofocas à parte (e nesse momento me sinto meio Nelson Rubens), DEUS OS CRIA... EU OS MATO! é uma bela recomendação para todo fã de western spaghetti, e mesmo para quem não tem muita familiaridade com as produções do ciclo e quer começar por algum lugar. Embora o início seja meio lento, com excesso de papo furado, o ato final reserva muita ação e violência, inclusive um grande massacre na fortaleza do vilão, com direito ao belo tiroteio entre Corbett e Don Luis.


Finalizando, anuncio que gosto tanto do título deste western que batizei com esse mesmo nome o meu sonhado roteiro de um faroeste sul-brasileiro, cuja trama se passa na época da imigração italiana no Rio Grande do Sul. É um projeto que tento viabilizar há uma década e que espero um dia conseguir tirar do papel.

E se o Tarantino pôde se apropriar do título de um filme de Enzo G. Castellari ao fazer "Bastardos Inglórios", eu faço questão de homenagear o western spaghetti em geral pegando emprestado esse belíssimo título DEUS OS CRIA... EU OS MATO! Com o diferencial que, no meu roteiro, a frase tem mais relação com a trama do que aqui.

PS: O diretor de segunda unidade é Tonino Ricci, que a partir do ano seguinte (1969) começaria a dirigir suas próprias obras. Ricci assinou algumas tranqueiras divertidíssimas, como o filme de monstro "Pânico", com David Warbeck e Janet Agren, e a aventura "Thor, o Conquistador", uma das muitas cópias italianas de "Conan".

Trailer de DEUS OS CRIA... EU OS MATO!



*******************************************************
Dio li Crea... Io li Ammazzo! /
God Made Them... I Kill Them (1968, Itália)

Direção: Paolo Bianchini
Elenco: Dean Reed, Pietro Martellanza (aka Peter
Martell), Piero Lulli, Agnès Spaak, Linda Veras,
Ivano Staccioli e Fidel Gonzáles.

6 comentários:

Pedro Pereira disse...

Está na lista companheiro, está na lista.

Acho que o único filme com Reed que assisti foi ADIOS SABATA, em que não está nada mal.

--
Pedro Pereira

http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
http://auto-cadaver.posterous.com
http://filmesdemerda.tumblr.com

Fernando disse...

Que ideia estapafúrdia foi essa de mudar o título!

Esse título abrasileirado "Sua vida me pertence" faz pensar que estamos diante de um novelão mexicano.

Francamente!! "Deus os cria... Eu os mato" é um título muito mais legal!

Júlio César da Assunção Pedrosa disse...

Olá! Esse blogue é muito legal!
Se não me engano, uma sessão de westerns da Band se chamava "Chaparral". Havia também o "Bang-Bang à Italiana", mas não me lembro se era no mesmo canal.
Mas essas sessões de bangue-bangue existiram até o início dos anos 1980.
Lembrei também da sessão "Poltrona 7" (acho que era na TV Record), mas não me lembro se passava bangue-bangues.
Obrigado.

Anônimo disse...

A Band teve várias "sessões" que possuem vasto material para esse blog (vide "Sessão Kickboxer" e o "Cine Trash")

Arthur disse...

Sessão Kickboxer não perdia uma sessão, quant ao filme resenhado em questão só vi da metade pro final quando eu descobri que estava passando no Novo Canal peka internet, o filme parece ser bacana mas eu vou assisti-lo todo primeiro antes de formular uma opinião.

Raimundo Balby disse...

Western de rotina.O toque de beleza na trilha sonora fica por conta do pistonista(Michele Lacerenza?) nas cenas iniciais. O coadjuvante Ivan G. Scratuglia,recordista em filmes do gênero está no duelo final ao lado de Peter Martell.