quarta-feira, 16 de março de 2011

EMOÇÕES SEXUAIS DE UM JEGUE (1986)


(Esta resenha é dedicada ao grande cinéfilo Hugo Malavolta, leitor contumaz do blog que foi iniciado, segunda-feira, no estranho mundo de Sady Baby, e justamente com esse filme aqui!)

Segundo o jornalista Gio Mendes, um dos seus biógrafos oficiais, o cineasta brasileiro maldito Sady Baby nunca ouviu falar no Marquês de Sade. Ironicamente, o célebre escritor do século 18 cuja obra cunhou a palavra "sadismo" e o ex-jogador de futebol gaúcho que virou diretor de cinema pornô têm muito, mas muito em comum.

Como Sade, Sady (nome de batismo: Sadi Plauth) também tem uma obra cult marcada pelo sexo e pela violência, em que o prazer anda lado a lado com a dor, a humilhação e o sofrimento do parceiro. O próprio cineasta, estrelando seus filmes, costuma interpretar um personagem sádico (ou, nesse caso, "sádyco"), geralmente um perigoso bandido ou vingador, que estupra as mulheres, pratica assassinatos violentos ou força pessoas a fazer sexo contra a vontade.


O cinema de Sady Baby é apenas para estômagos fortes. Em "A Máfia Sexual", por exemplo, ele obriga um casal de irmãos a fazer sexo sob a mira do seu revólver; em "No Calor do Buraco", mata uma garota, faz sexo com o cadáver e fala, diretamente para a câmera: "Dar uma trepada com uma pessoa morta é uma sensação arrepiante!".

É por isso que eu falo para os cinéfilos que babam ovo de supostos "filmes extremos" recentes, como "Irreversível" e "A Serbian Film": assistam as obras do Sady Baby que ele já fez quase tudo antes. E pior.


Porém, de tão fragmentados, absurdos, inesperados, extremos e amalucados, os filmes de Sady acabaram se tornando algo difícil de definir - algo numa fronteira bastante tênue entre a completa loucura e uma genialidade bem particular. Suas obras podem ser consideradas FILMES PARA DOIDOS por excelência, com cadeira cativa nesse blog (e se não aparecem por aqui com frequência, é justamente pela dificuldade de escrever sobre filmes TÃO doidos!).

Conhecedores da sua filmografia alegam que "No Calor do Buraco" é o seu melhor filme. Mas para o próprio Sady Baby e para mim particularmente, o "grande momento" do diretor é EMOÇÕES SEXUAIS DE UM JEGUE, que provavelmente também é sua obra mais divertida e mais fácil de acompanhar, narrativamente falando.


Produzido em 1986 (embora o site da Cinemateca Brasileira informe o ano de 1987), o filme parece uma tentativa de aproveitar o sucesso da obra anterior de Sady, o pornô zoófilo "Emoções Sexuais de um Cavalo", estrelada pela célebre "Cicciolina do Bexiga" Makerlei Reis. E, como na maioria das suas produções, Sady não apenas estrela como divide direção e roteiro com o amigo Renalto Alves.

Este pornô, que é bem menos "zoófilo" do que o título anuncia, foi produzido em plena era do medo da AIDS, quando pouco se sabia sobre a doença além do fato de ela ser mortal. Nada mais certo, portanto, que Sady Baby explorasse esse medo de forma sensacionalista: Gavião, seu personagem na trama, é um presidiário que fugiu da cadeia e é portador do vírus HIV por, segundo o próprio, ter dado a bunda na prisão.


Logo na cena inicial, já apresentando o clima tosco e pobre que permeia o filme, Gavião caminha por uma floresta e, faminto, disputa um osso com um cachorro. A cena não tem cortes: Sady realmente tira um osso roído da boca de um cachorro e come o pouco de carne que ainda resta nele!

Em seguida, uma garota loira (interpretada por X-Tayla, figurinha carimbada nos pornôs do diretor) caminha inocente pela floresta e é agarrada por Gavião, que resolve estuprá-la para satisfazer seus desejos carnais há muito refreados no presídio.

Num caso clássico de contraste entre o som (dublado) e a imagem, as falas de Gavião ("Eu não vou te machucar! Eu não vou fazer nada contigo!") se sobrepõem a essa cena aí embaixo, o que já provoca as primeiras gargalhadas!!!


Gavião leva a loirinha até um caixão (feito visivelmente de papelão!) e segue-se um dos primeiros diálogos geniais da película: "Esse é o caixão do amor", declara o presidiário aidético. "Aqui eu faço sexo. Eu tô com fome de sexo! Eu vou comer seu cu dentro desse caixão!". Bizarramente, a moça fica excitada (!!!) e aceita participar de uma cena de sexo (simulado, sem penetração) dentro do caixão!

Acredite: esse é um dos momentos mais "normais" do filme!!!


Pulando as inevitáveis cenas de sexo explícito sem conexão com a trama que se seguem (conforme comentarei mais adiante), EMOÇÕES SEXUAIS DE UM JEGUE continua com Gavião voltando para casa e encontrando sua esposa, Cocota, grávida. Hora do segundo diálogo genial do filme:

- O que é isso, Cocota?
- É... É um tumor!
- Isso é gravidez! Além de presidiário agora eu sou otário? Um chifrudo? Eu sou um corno? Engraçado: pra ajudar não tem ninguém, agora pra botar no rabo dos outros...



Em meio à sua fúria, Gavião descobre que o responsável por engravidar a esposa foi seu próprio pai, sogro da moça, conhecido apenas pelo apelido de "Velho Paçoca". Ele resolve se vingar do progenitor e vai até a casa da família, onde encontra a irmã mais nova (rápida participação de Makerlei Reis) também grávida do velhote! Segue-se novo diálogo antológico:

- Quem é o pai da criança?
- É o pai!
- Que pai?
- Nosso pai!
- Não... Velho fedido! Eu vou comer o cu daquele velho filho da puta!


Cada vez mais descontrolado, Gavião volta para sua própria casa e começa a socar a barriga da esposa, na tentativa de provocar-lhe um aborto involuntário. Depois, arranca-lhe das mãos uma banana que ela está comendo, e berra: "Você não vai comer porra nenhuma! Você vai morrer de fome!".


Mas no momento seguinte ele muda de ideia: ao invés de esperar que Cocota morra de fome, Gavião resolve queimar a esposa viva, incendiando o próprio barraco!!!

A partir de então, EMOÇÕES SEXUAIS DE UM JEGUE divide-se em três segmentos distintos: a busca de vingança de Gavião contra seu pai, o Velho Paçoca; a fúria do presidiário aidético contra a humanidade em geral, pelo fato de ele estar contaminado pelo HIV e sofrer preconceito (momento "crítica social" do roteiro); e, finalmente, uma suruba caligulesca que ocupa meia hora da narrativa.


Entre os momentos que fazem parte dessa subtrama da AIDS, estão as melhores cenas do filme.

Na primeira delas, Gavião invade o consultório do dr. Chabú (!!!) para vingar-se do médico, que supostamente teria lhe vendido um remédio para curar a AIDS (!!!) sem nenhuma serventia, óbvio. O protagonista dispara um quase-monólogo entre gritos e ameaças que é de deixar qualquer um chorando de rir:

"Você me enganou, médico trambiqueiro! Tu pediu grana pra me salvar, e eu fui na tua conversa, meu! Tu falou que tinha remédio pra AIDS, cara! Eu acreditei nisso, cara! Por que você fez isso comigo, médico filho da puta? Eu vou comer seu cu, cara! EU VOU COMER SEU CU, CARA!!! Olha aqui pra mim! Olha pra dentro dos meus olhos! Eu tô podre, cara! EU TÔ PODRE, CARA!!!" (Você pode ver esse lindo momento clicando aqui!)


Revólver em punho, Gavião primeiro estupra a secretária do dr. Chabú (outra cena implícita protagonizada pelo próprio Sady), sem que a moça proteste muito. Pelo contrário, ela até parece gostar - e a moça é a única razoavelmente gatinha no elenco, o que é um verdadeiro alívio depois de tantas caras feias vistas até então.

Depois, diante do olhar perdido da garota, o bandido força o "médico trambiqueiro" a sugar o sangue de uma ferida no seu braço. Ato feito, o ator que interpreta o doutor, no auge da sua interpretação forçada de galã de quinta categoria, declara, com os lábios ainda ensanguentados: "Sou um homem contaminado!", enquanto Sady, claro, gargalha maleficamente!!!


A outra melhor cena do filme acontece quando Gavião é expulso de uma boate por um grupo de homossexuais quando as bibas percebem que ele é aidético. Furioso, o bandido irrompe no local com uma motosserra (!!!) e mata violentamente uma das bonecas, serrando-lhe o torso!!!

A cena, realista e bastante sangrenta, foi feita com Sady realmente serrando o peito do sujeito, onde foi amarrada uma chapa de metal que protege o corpo do ator! Revelando todo seu "sadysmo", Gavião acaba com o rosto todo vermelho por causa do sangue que jorra durante a mutilação, enquanto ri e berra alucinado: "Hahahaha! Sangue! SANGUE!!!".


Já a busca do protagonista pelo pai garanhão encerra com um dramático reencontro dos dois. Ferido por um tiro, Gavião diz ao progenitor: "Ah, Velho Paçoca... Meu grande pai... Meu grande filho da puta!!! Vai comer capim, velho!!!".

Todas essas cenas sem-noção fazem de EMOÇÕES SEXUAIS DE UM JEGUE um filme simplesmente incrível, inacreditável até, daqueles em que você não sabe se ri ou chora, e em que um momento bizarro é seguido por outro ainda mais escalafobético.


Infelizmente, este também é um filme pornográfico produzido na Boca do Lixo. E, como tal, traz um montão de cenas de sexo porcas, mal-filmadas e protagonizadas por pessoas feias e peludas (com "nomes artísticos" do calibre de Rui Taradão, Rinaldo Pilantra e Cilene Bucetão!!!).

Quem já viu algum pornô da Boca sabe o que esperar, mas os filmes de Sady Baby descem a um nível de feiúra e vulgaridade ainda mais abominável do que a média. É simplesmente a maior reunião de gente feia e desdentada fora de um filme do Fellini ou do Pasolini! E o pior: esses caras e barangas geralmente estão pelados e trepando!!!

Sady provavelmente contratava mendigos da Rua do Triunfo a preço de cachaça e colocava-os para protagonizar, sem muita distinção, cenas homossexuais ou de zoofilia!!!


Uma curiosidade: nem todos os pornôs brasileiros daquele período eram exclusivamente "heteros", como os estrangeiros. Se hoje você entra numa videolocadora e escolhe um filme só com lésbicas, só com gays, só com travecos ou só com dupla penetração anal, na época era comum ter tudo isso misturado no mesmo balaio - e mais zoofilia, no caso das obras da Boca do Lixo!!!

É o caso aqui, onde há diversas cenas gays protagonizadas por homens barrigudos e peludos. Numa delas, um policial leva um casal homossexual para um matagal e obriga ambos a fazerem sexo com ele. Enquanto é sodomizado por um e chupa o outro, grita: "Você não é estuprador? Então me estupra!". Mais adiante, outros dois homens transam ao som da Marcha Nupcial (!!!) e da música-tema de "Carruagens de Fogo" (!!!).


E há a gigantesca orgia de meia hora no bar, detalhe característico da maioria dos filmes de Sady (quando a narrativa é interrompida para uma grande suruba entre vários atores e atrizes). Sem distinção entre gays, lésbicas e simpatizantes, o povo transa animadamente e até um cavalo entra na jogada.

Com a boca cheia de iogurte ou leite, homens e mulheres aplicam um singelo boquete zoófilo no equino e simulam a ejaculação do animal - uma cena que só lembro de ter visto "de verdade" no igualmente inacreditável "Experiências Sexuais de um Cavalo", de Rubens Prado.

Destaque para o "cardápio" do bar, que anuncia "buceta ao molho" como prato do dia e opções do tipo "sopa de menstruação", "rolê de rola" (!!!) e até "feijoada de cu"!!! A "imaginação" de Sady e sua trupe realmente não tinha limites...


E por falar nisso, ainda nessa cena da suruba, Sady inseriu um momento que é absolutamente genial: sem poder colocar uma câmera dentro da vagina da atriz (lembre-se que eles ainda filmavam com enormes câmeras de película, e não existiam microcâmeras de vídeo, como hoje), o diretor simulou um plano "por dentro da perereca" simplesmente dando um close no pinto do "ator" enquanto ele penetra um pedaço de bife até a ejaculação!

(É uma pena que esse blog seja "respeitável" e eu não possa publicar fotos desse momento maravilhoso de criatividade cinematográfica aqui...)


Mas péra lá: e onde entra o jegue do título nessa história? Bem, na verdade o jegue faz uma minúscula participação especial só para justificar o nome do filme, quando X-Tayla encontra o animal e simplesmente fica se esfregando pelada nele, mas sem muita ousadia, o que pode frustrar quem foi atrás do filme APENAS para ver as emoções sexuais do tal jegue!!!

(E é claro que, como em quase todos os pornôs da Boca, o jegue "pensa alto", como o Garfield, enquanto X-Tayla sensualiza com ele...)


O resultado é que EMOÇÕES SEXUAIS DE UM JEGUE é um filme inclassificável, em que momentos de extrema violência (como o esquartejamento com motosserra) aparecem depois de diálogos cômicos e nonsense, mas também estão separados por intermináveis trepadas literalmente nojentas entre homens e mulheres, homens e homens e ambos os sexos com animais!

Não foge à regra: como a maior parte dos pornôs da Boca, este também ficaria muito mais divertido (e fácil de assistir) SEM o sexo explícito, que aqui é tão excitante quanto se masturbar assistindo "Os Dez Mandamentos" (se bem que no filme do Cecil B. De Mille até aparecem umas figurantes bonitinhas com pouca roupa, enquanto no do Sady Baby todo mundo é feio e asqueroso, fora, talvez, a secretária do dr. Chabú!).


Se você nunca viu um filme de Sady e pretende começar a conhecer sua insólita filmografia, EMOÇÕES SEXUAIS DE UM JEGUE é uma boa opção: traz tudo aquilo que caracteriza o cinema do sujeito (frases de efeito, personagem "sádyco", violência explícita e sexo nojento) de uma forma menos insuportável e desconexa que as suas outras obras. Até existe uma história e uma trama para seguir, mesmo que na maior parte do tempo as cenas apenas se sucedam sem muito critério e praticamente no improviso.

Afinal, de que outra maneira você consegue encarar a despedida entre Sady e X-Tayla na história, quando ele entrega dezenas de fotos para a garota e diz: "Quero que você faça um favor para mim, porque eu estou morrendo. Eu quero que você trepe com todos!"?!?

Um momento insólito que só poderia ter saído da cabeça do nosso "Marquês de Sady", um dos "artistas" mais estranhos dessa miríade de bizarrice chamada "cinema pornô nacional dos anos 80"...


*******************************************************
Emoções Sexuais de um Jegue (1986, Brasil)
Direção: Sady Baby e Renalto Alves
Elenco:Sady Baby, X-Tayla, Renalto Alves,
Neilton Mofarrej, Kátia Bokão, Makerlei Reis,
Feijoada e Karla Karbley.

41 comentários:

Daniela Monteiro disse...

Nossa, agora fiquei curiosa com a cena do bife.
Ah, em Saló(do Pasolini) aparecem uns figurantes feios trepando tb! ;)
Excelente, seu moço. Deixou muitos com vontade de assistir ao filme!

Daniela Monteiro disse...

Ps: a secretária é bem gata mesmo!

Anônimo disse...

o Sady muito doido mesmo, assisti somente o Onibus da Suruba que ele enfia a cara de uma freira em um vaso sanitário e obriga um cara a defecar pela janela do ônibus em movimento (sim o cidadão defeca de verdade).
De restante só vi cenas exparsas da filmografia do cineasta, confesso não ter muito estomago para suas cenas de sexo.

Queria saber a respeito da veracidade do suicidio do Sady, se alguém sabe se ele morreu de verdade ou tá escondido por aí.

Quilômetros-a-Pé disse...

FILME TENSO PRA CARALHO SÓ DE LER A RESENHA!!!!

*baixando imediatamente mode on*

Já sou seguidor e já acompanho teu blog!



att,
Quilômetros-a-Pé
dono do http://mundodoeuvadio.blogspot.com/

Wendell Borges disse...

clássico nacional da boca do lixo!

Anônimo disse...

Este filme eu não conhecia ... mas assisti no cinema, o filme "Meu marido, meu cavalo" ... que tinha uma cena com duas moças alisando um cavalo (como não havia penetração, não sei se dá para classificar como zoofilia) ...

Geraldo

Valter Noronha disse...

Esse é o filme mais linear de Sady Baby. Digamos que seja para iniciantes (claro que estou sendo bem flexível!). Depois ele só foi ficando mais pirado, mais sádico e mais noção. Os filmes desse maluco dariam uma bela tese de Doutorado, com páginas e páginas de psicologia profunda indo de Freud a Kant sem cerimônia. Um caso raro, pra não dizer único, na cinematografia mundial.

Eu quero ver é vc analisar "A Máfia Sexual", esse é um verdadeiro desafio! hehehe

Dariane Daniela disse...

gente, que filme maravilhoso! e eu que pensava que "Amarelo Manga" era um exemplo de arte cinematográfica nua e crua...

A propósito, alguém sabe aí se é verdade a história de que o Sady Baby e uma equipe de "atores e atrizes" viajavam pelo Brasil em um ônibus fazendo exibições ao vivo repletas de sacanagem e putaria?

José Guilherme Wasner Machado disse...

Simplesmente hilário! Tenho que ver essa pérola!

Gio Mendes disse...

Belo texto, Guerra. Um dos meus filmes preferidos do Sady.

Sim, Dariane. O Sady viajava pelo Brasil com um ônibus lotado de atores e atrizes, entre eles um anão chamado Joãozinho Terremoto. Ele encenava peças eróticas nas cidades que visitava. Inclusive ele percorreu países da América Latina com seus espetáculos.

Quem curtir o trabalho desse louco, dá uma visitada no meu blog e clique no marcador Sady Baby: http://www.mundo-cane.blogspot.com/

Guigo disse...

Muito legal o texto! Acho que esse é o filme mais doido que tu “ever” já escreveu! E como diria João Canabrava: “Oh povo feio!”

Vitor disse...

A cena do consultório é realmente hilária! Eu já vi umas 15 vezes desde ontem e todo vez que eu vejo me mijo de rir

Renan disse...

É, Gio, vc e o Fausto Salvadori são grandes admiradores do Sady. A resenha dá uma boa idéia do que é o filme. Pelo jeito supera de longe até o Visitor Q do Miike.

Felipe M. Guerra disse...

RENAN, perto de Sady Baby, o Miike é moleque!

Thiago Luiz disse...

Puta que Pariu!Mas que porra de filme, eu quero já assistir

Ricardo Leitão disse...

Maravilha de filme! Até agora, infelizmente, só pude assistir ao NO CALOR DO BURACO... e achei trabalho de mestre! Aquele tal de Sarampo é o personagem mais absurdo que já vi num filme, transando com porcos, mamando leite sem parar e falando um monte de gororoba com voz esganiçada! Meu palpite é de que Sady Baby está vivinho da silva por aí, aprontando das suas!

Daniela Monteiro disse...

Visto.
Algumas considerações:
1- Estupenda trilha sonora, que contém desde canções regionais gaúchas a sucessos do ABBA, Elton John e outros. Toca até Pink Floyd na cena do bife! O_o
2- Há uma cena memorável onde uma garota dá um "thumbs up" pro diretor(ou câmera)logo após o "orgasmo" do cavalo;
3- Impressionante a quantidade de pessoas horrendas que o Sady consegue reunir em apenas uma cena!
4- A "vingança" contra o Paçoca deixou a desejar, visto que pouco tempo antes o Gavião havia matado uma pessoa com motosserra sem motivo relevante;
5- Não quero saber de iogurte tão cedo. Que nojo!
Conclusão:
Já estou atrás de mais um filme do Sady para ver! \o/

PAULO HENRIQUE DE DEUS disse...

Esse filme deve ser uma tranqueira doida mesma, já to baixando, esse e mais outras tranqueiras como Onibus da Suruba e Emoções Sexuais de um Cavalo. Agora, se esse filme for mesmo tão grotesco e brutal como "Irreversível" e "A Serbian Film", ou umas doideras japonesas que eu vi, então Sady Baby deve ser o maior "gênio" do grotesco que o cinema brasileiro já viu.

Anônimo disse...

Adoro este filme. Quem gostou dele, não pode deixar de conferir Ônibus da Suruba. Felizmente, neste não há cenas homossexuais e as mulheres são até melhorzinhas. Destaque para a antológica cena em que Cascão(o próprio Sady) comanda a maior putaria no ônibus.

Anônimo disse...

Daniela, sugiro ver máfia sexual, no calor do buraco e ônibus da suruba. Filmes que, felizmente, vc consegue encontrar facilmente na internet.

Anônimo disse...

Felipe, falta agora vc escrever sobre o "Cidadão Kane" da pornochanchada brasileira: Oh Rebuceteio!

Maurício disse...

Gente, que maluquice!
Esse filme parece uma mistura de tudo com tudo!rsrs E eu que pensava que aquele Fantasias Sexuais de Um Cavalo é que era misturado assim... Até porque lá tem uma mulher que chupa o pau de um cavalo e depois vai chupar o do Oasis Miniti! Mas esse aqui parece mais barra pesado ainda!
Bem, mudando um pouco de assunto, sobre filmes de terror, você conhece um filme chamado The Cyclops, de 1957? Eu vi um post recentemente sobre ele no site ULTRA CECG&B e achei que é um trash bastante curioso, apesar de antigo (e preto e branco!).

ACONTECE disse...

Adorei o jeito como vc descreve os filmes e o diretor.
Vim parar aqui porque estava procurando uma critica para o ridículo a possessão de david o´reilly e vc resumiu tudo que achei do filme. Ainda bem que não gastei meu tempo indo ao cinema e pude ver o filme com o controle remoto na mão e fiz exatamente como vc disse, assisti os 10 minutos iniciais e os 10 minutos finais.

Anônimo disse...

E esse sady realmente e ingrivelmente genial ,ele e o cara .Tomara q nao tenha morrido e esteja reservando alguma surpresa para nos .

Claudio Oliveira disse...

Esse Cara é Completamente Maluco, chegou a filmar cenas de sexo Explicito com a propria Filha, que era Menor de Idade, a Fita foi apreendida pela Policia federal, então ele esperou ela atingir a maioridade e fez outro Filme com Ela, se eu não me engano o nome do Filme é " A Filha do Diretor "

Anônimo disse...

Pô, deve ser ele então que fez aquele filme do garoto que vai trabalhar no escritório do pai e a secretária transa com o muleke? O detalhe que o garoto parecia ser menor de idade!!! o_O.
Depois o garoto aparece em outras cenas bem mais velho. Trocaram o garoto no meio do filme! Deve ser o mesmo caso. Primórdios selvagens e grotescos do pornô nacional.

Luciana morask disse...

Eu vi varios filmes do SADY BABY um + louco q o outro mas no Paraiso da Sacanagem tem uma cena de sexo no capo do carro num rio e muito legal ,quanto ao SADY ta num pais vizinho preparando sua estrutura q o investimento nao e pequeno e sera uma grande surpresa uma revolucao no erotismo vai ser um delirio para os punheteiros e tambem p/ as curiricas .
Final de 2012 deve estar no Brasil e o mundo saberá disso .
Achei a idéia genial Aguardamos !

Odete Azambuja disse...

Foi no filme Praia da Sacanagem que uma mulher sendo chupada ela de quatro deu um jato de coco na cara do amante a grande cagada ,mas o que gostei tambem foi uma cena de sexo com o Goiabinha diretor do SBT o cara tem uma vara enorme ,pena que nao vi mais ele em outro Filmes.Tambem assisti o espetaculo de Sexo Explicito em Pelotas na minha terra com o Sady Baby e sua equipe o cinema lotado maioria homens pensei que fosse-nos estrupadas eu e a minha amiga que pena que nao fomos mas foi muito bom divertido e excitante ,quem sabe um dia ele volta pra estrada .

RODRIGO disse...

tava kerendo né Odete kkkkk

Antonio Luiz Marcon. disse...

Trabalhei viajando com a equipe do Sady Baby comi muitas bucetas nas cidades q passamos era muito divertido o Sady era alegre de bom humor um cara mais legal q trabalhei eu cuidava do onibus um dia o Sady chegou no onibus eu estava com duas garotas achei q ele iria brigar q nada fizemos uma suruba ,fiquei muito triste ao saber do suicidio ,mas ainda acho q nao .

Antonio Luiz Marcon.
(Magrao )

Farofa disse...

Eu assisti a esse filme e é uma verdadeira perola como voce disse.

Agora, tem cena , como a do jegue "pensando alto" e do jegue na suruba sendo chupado que não vi na minha versão... será que foi cortada? ahahaha

Anônimo disse...

Os filmes nacionais da boa época são muito bons.Sady Baby é um gênio,admiro muito o trabalho dele e suas loucuras no ''país da liberdade''.

Anônimo disse...

Procurei no elenco, mas se não estou enganado, a secretaria do Dr é a Renata Angel.

Rodrigo disse...

Não é a Renata, é bem parecida. Esse filme é meio antigo. Mas quero saber o nome real da secretária, se fez outros trabalhos no cinema. Uma mulher muito bonita e gostosa...

Anônimo disse...

"[Sady Babi] Foi encontrado e preso em 25 de fevereiro de 2013, em uma barreira da Polícia Rodoviária Federal na BR-116, em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha. O ator e diretor portava documentos falsos em nome de um morador do Paraná. Sady Baby e Patrícia, sua namorada, teriam aberto contas em bancos da região para receber os talões e cartões. Os cheques eram usados em restaurantes, hotéis, mercados e lojas, entre outros. A suspeita é de que o casal aplicou golpe em vários estabelecimentos nos últimos meses. Foi preso por estelionato."

Anônimo disse...

Eu queria achar o filme Troca de Óleo do Sady Baby.

Filme Lixo disse...

O filme Troca de Óleo tem aqui

http://filmelixo.blogspot.com.br/2013/06/meninas-virgens-p.html

Anônimo disse...

Filme Lixo valeu pelo filme.

Anônimo disse...

Sim eu vi quando fizeram varias apresentacoes lotadas em porto alegre. Sexo ao vivo....

Silvino Abraao disse...

Então Zé do Caixão tem um discípulo dos filmes “adultos” , que bom saber, os filmes que eu possuo de BDSM são europeus, estava a procura de algum nacional.

Roberto Wolf disse...

Não gosto desse Sady Baby. Os seus 'filmes' são apenas repulsivos e nada mais. Do mesmo período eu gosto dos filmes do italiano Antonio D'Agostino, o inventor do subgênero 'pornô cômico' ao realizar o filme Bathman dal pianeta Eros (1982), uma adaptação pornográfica do Batman estrelado pelo Mark Shannon (de "Porno Holocausto" de Joe D'amato). Os filmes do D'Agostino eram bizarros e criativos...