quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Cada vez mais resenhas curtinhas para analfabetos funcionais

KARATE KID (2010, EUA. Dir: Harald Zwart)
Quando você tem um filme chamado "Karate Kid" e o seu herói não aprende a lutar karatê, mas sim kung-fu, a coisa já começou mal. E eu jurava que este remake de "Karate Kid - A Hora da Verdade" seria a bomba do ano. Talvez até por isso acabei me surpreendendo positivamente. Eu confesso que nunca achei o original um grande filme - no máximo, uma divertida e emocionante Sessão da Tarde. E, de fato, foi na Sessão da Tarde que ele encontrou seu público, através de infinitas reprises. Sendo assim, essa nova versão da mesma história nada mais é do que uma Sessão da Tarde para a nova geração. Não é uma daquelas refilmagens cena a cena, mas uma readaptação da história. O herói e seus "bullies" não são mais adolescentes, mas sim crianças (uma das mudanças que achei mais forçadas, diga-se de passagem). O cenário não é mais os Estados Unidos, mas a China. Sai "Daniel San" e entra "Xiao Dre", interpretado pelo filho do Will Smith (meio irritante, mas coerente com a nova proposta). E sai o Sr. Miyagi, o sábio velhinho japonês interpretado por Pat Morita, para dar espaço ao Sr. Han, um envelhecido Jackie Chan, talvez a melhor coisa dessa refilmagem. Chan tem uma única cena para mostrar seus dotes de lutador, quando enfrenta a criançada e faz um pirralho bater no outro de maneira cômica. Mas os americanos ainda não aprenderam a dirigir o astro, picotando a cena e usando recursos como câmera lenta e "efeitos Matrix" (até parece que o acrobata Chan precisa disso). O mais surpreendente é que, sem lutar, Jackie tem a oportunidade de mostrar como é bom ator, especialmente numa brilhante cena dramática em que revela uma perda do passado. Sem pieguice, a cena é muito bonita, fazendo de "Karate Kid", ironicamente, a melhor atuação de Jackie num filme ocidental. Assim, o Sr. Han agora funciona mais como a figura paterna ausente para seu pupilo (inclusive disciplinando-o para obedecer a mãe) do que como mestre em artes marciais. O resto é a mesma coisa do filme de 1984, embora a trama "peixe fora d'água" do garoto americano na China lembre mais "Karate Kid 2" (em que Ralph Macchio ia para o Japão). Como acontecia no original, o roteiro tenta escapar da armadilha "A violência é a solução para tudo" com a justificativa de que "não existem maus alunos, e sim maus professores". Mesmo assim, é impossível não torcer para que Xiao Dre encha de pancadas aquelas pequenas máquinas de matar mirins. É uma pena que as cenas finais de luta caiam na besteira pós-moderna de câmera epilética e edição frenética (o original, com suas lutas de câmera parada, parece ainda melhor), além de trazerem acrobacias anatomicamente impossíveis. É uma pena, também, que o treinamento comandando por Chan não seja tão divertido quanto o "Wax on, wax off" do saudoso Morita. Mesmo assim, o novo "Karate Kid" é um bom passatempo "censura livre" e está aprovado para passar na Sessão da Tarde daqui uns anos - ainda que que as 2h20min de duração sejam um exagero.


CENTURION (2010, Inglaterra. Dir: Neil Marshall)
Longe de mim comparar o inglês Neil Marshall a Quentin Tarantino, mas ambos dividem o mesmo gosto por fazer filmes que parecem colchas de retalhos de cenas e personagens das obras cinematográficas que eles mais gostam. Marshall já havia mostrado isso muito bem no seu trabalho anterior, "Doomsday - Juízo Final" (que eu adorei, mas acho que só eu), misturando elementos de filmes como "Mad Max" e "Fuga de Nova York". Agora, em "Centurion", o diretor criou um amálgama de diversos filmes capa & espada e épicos medievais, ora lembrando o clima sanguinário do neo-clássico "Conquista Sangrenta", de Verhoeven, ora parecendo uma sátira a "300", do Zack Snyder (o comandante romano lembra os trejeitos do espartano vivido por Gerald Butler, e até tem visual semelhante). A história sobre soldados romanos que sobrevivem ao massacre do seu pelotão e são obsessivamente perseguidos pelos inimigos não é exatamente nova, mas Marshall conduz a narrativa tão bem, deixando pouco espaço para o espectador respirar, que é possível até perdoar a falta de novidade. Michael Fassbender ("Bastardos Inglórios") e Olga Kurylenko ("Quantum of Solace") estão ótimos como presa e caçadora, respectivamente. Muda, a bela Olga rouba a cena como uma perseguidora implacável que não desistirá enquanto não exterminar todos os seus alvos. Como bônus, "Centurion" é tão sangrento que o espectador quase se sente sujo de sangue também - com direito a uma infinidade de cabeças decepadas a espadadas e machadadas. No fim, como eu já escrevi, não tem absolutamente nada de novo, e nem é um grande filme. Mas com certeza diverte e vale o tempo gasto diante da tela. Diferente de coisas recentes na mesma linha, como "Gladiador", "Robin Hood", "Rei Arthur", "300" e por aí vai. Aliás, "Centurion" poderia muito bem ser vendido como "300" para gente grande. Desligue o cérebro, tome umas cervejas e divirta-se - até porque isso aqui certamente vai ser muito melhor que a nova aventura do Conan, atualmente nas mãos do incapaz do Marcus Nispel!


OPSTANDELSEN (2010, Dinamarca. Dir: Casper Haugegaard)
Durante um velório, zumbis vindos sabe-se lá de onde invadem uma velha igreja e promovem uma chacina. Os três únicos sobreviventes se escondem numa cripta, nos subterrâneos da igreja, e passam o resto do filme tentando se defender dos mortos-vivos. O ponto de partida é bom, mas o resultado final de "Opstandelsen", filme de zumbis dinamarquês, fica bem abaixo da média. Um ponto positivo é a generosa quantidade de sangue, já que os três sobreviventes passam o filme todo banhados em vermelho-tinto. Outro ponto positivo é que o filme tem apenas 50 minutos, embora o ritmo arrastado faça com que estes 50 minutos pareçam duas horas. O diretor Casper Haugegaard falha desde o começo em deixar vivos três personagens que o espectador não conhece e com quem não se importa (não há qualquer desenvolvimento prévio além do fato de um deles ser viciado em cocaína). Depois, como em um filme do Bruno Mattei, as situações vão mudando conforme a necessidade de cada cena: às vezes os zumbis correm, às vezes andam lentamente; às vezes gritam e gemem como uma gata no cio; às vezes atacam silenciosamente vindos da escuridão; às vezes morrem com uma estaca no coração (?), às vezes só se atingidos na cabeça, e por aí vai. Desse jeito, não há sangue que salve (e sangue o filme realmente tem de sobra). Sem boas situações (ou pelo menos situações diferentes), "Opstandelsen" logo torna-se repetitivo e redundante, igual a centenas de outros filmes baratos de mortos-vivos. Nem mesmo a ambientação claustrofóbica (a cripta da velha igreja) é utilizada a contento. Sobra, assim, um rascunho para o que pode ser um belo filme, desde que a produção seja mais caprichada e o roteiro passe por uma revisão total. Não é de todo desprezível, mas também não traz nada de novo, e por isso parece durar muito mais do que deveria, mesmo não tendo nem uma hora de duração! Visto no Cine Fantasy.


O ÚLTIMO MESTRE DO AR (The Last Airbender, 2010, EUA. Dir: M. Night Shyamalan)
Depois de escrever e dirigir alguns ótimos filmes sem pirotecnias, que funcionavam apenas pelas boas histórias ("O Sexto Sentido", "Corpo Fechado", "Sinais" e "A Vila"), a máscara do indiano Shyamalan finalmente caiu: como Peter Jackson, ele quer ser Steven Spielberg. Mas não o Spielberg dos bons tempos, que fazia muito com muito pouco, e sim o Spielberg "digital" dos anos 90 para cá, que substitui conteúdo por enfeite. Este novo filme do Shyamalan é justamente o que o "King Kong" foi para Jackson e o "Guerra dos Mundos" foi para Spielberg: não exatamente descartável, nem de todo ruim, mas uma obra impessoal, barulhenta, exagerada e cansativa, onde a história é atropelada pelos efeitos de computador e personagens e atores são deixados em segundo plano. Perdido no meio da barulheira, o espectador não consegue se emocionar nem se envolver com o que está acontecendo. É como um show de fogos de artifício: durante uns 10 minutos, é muito bonito; mas durante uma hora não dá para agüentar. O pior é que "O Último Mestre do Ar" PARECE ter uma trama interessante, baseada no desenho animado chamado "Avatar: The Last Airbender", que eu nunca vi. Uma das críticas que se lê pela internet é que o grande problema do filme é tentar resumir toda uma temporada do desenho em 100 minutos. Parece que o objetivo de Shyamalan não é o de contar uma história, mas sim criar o maior espetáculo pirotécnico possível. Resultado: com o excesso de informação e de efeitos, entre explosões, lutas, cenários e criaturas fantásticas, você nunca se importa com os personagens e nem com o que acontece com eles, mesmo quando um dos heróis se sacrifica "pela sua fé" (mensagem meio perigosa nesses tempos de extremismo religioso). "Quem está brigando com quem? E por quê?". São perguntas freqüentes para quem não conhece a fonte de inspiração da obra. E quando um filme de ação com lutas a cada 15 minutos é chato, algo de MUITO errado há! Até a idéia dos personagens que dominam os quatro elementos é sub-aproveitada, já que eles se limitam a soltar fogo ou água sobre os adversários, em cenas sem inspiração. Para piorar, a história conclui com uma daquelas batalhas épicas em que você nem consegue distinguir quem está apanhando de quem, e já deixando as portas escancaradas para a continuação da história - que não termina aqui, pois a idéia é fazer uma trilogia. Pelo que eu vi, não deu a menor vontade de assistir os dois futuros episódios. E, sinceramente, não faria a menor diferença se todos os personagens se explodissem no final. Melhor sorte na próxima, Shyamalan - e deixa o "Quero ser Spielberg" pro Peter Jackson, que já virou até parceirão do homem!


O APRENDIZ DE FEITICEIRO (The Sorcerer's Apprentice, 2010, EUA. Dir: Jon Turteltaub)
Momento de confissão: nunca vi nenhum filme do Harry Potter (li o primeiro livro e não gostei). Esse "O Aprendiz de Feiticeiro" me pareceu um "Quero faturar em cima da onda Harry Potter", mas um pouco menos pretensioso que o bruxinho dos ovos de ouro, e sem muita intenção de virar série, ou "saga épica". É apenas uma divertida aventura infanto-juvenil de feitiçaria, redondinha e fechada (até podem fazer continuação, mas não precisa), interessante para crianças e engraçadinha também para os marmanjões. Parte do mérito é do diretor Jon Turteltaub, uma espécie de Spielberg dos pobres, cujos filmes, completamente descartáveis, fazem o padrão Sessão da Tarde ("A Lenda do Tesouro Perdido" é um deles). Nicolas Cage até está engraçado como um bruxo com milhares de anos que precisa ensinar as artes mágicas para um pupilo do século 21, descendente direto do Mago Merlin, e que tem papel fundamental naquele bla-bla-bla típico de salvar a humanidade de uma grande calamidade. Claro, porque há um feiticeiro malvado na jogada, encarnado por Alfred Molina no piloto-automático. A italiana e deusa Monica Bellucci é chamariz para a macharada, mas só aparece em destaque no cartaz, pois no filme tem uma participação minúscula no começo e no final, como interesse romântico de Cage. E Jay Baruchel está muito divertido como bruxo iniciante, especialmente na melhor cena do filme, em que imita Mickey no segmento "O Aprendiz de Feiticeiro" do desenho animado "Fantasia", dando vida a vassouras e escovas para que limpem seu apartamento, com resultados calamitosos, é claro (a citação ao desenho animado é tão boa que usa até a mesma música). Mas apesar dos ótimos efeitos especiais, das boas piadas e das boas cenas de ação, "O Aprendiz de Feiticeiro" sempre parece aquém do seu potencial. Na cena em que um motorista mal-educado buzina para o bruxo malvado, por exemplo, o vilão se limita a matá-lo com um raio, quando um roteirista criativo pensaria em mil outras formas de resolver a mesma situação. Isso faz do filme aquela voltinha de montanha-russa: vale o ingresso, vale o passeio, mas pouco tempo depois você nem lembra do que se passou, e nem tem muita vontade de repetir a experiência.


KICK ASS - QUEBRANDO TUDO (Kick Ass, 2010, EUA. Direção: Matthew Vaughn)
Eis uma rara adaptação de quadrinhos em que todas as "liberdades poéticas" em relação ao material original foram decentes e só melhoraram ainda mais o que já era ótimo. "Kick Ass", a HQ de Mark Millar, é fantástica e recentemente saiu num encadernado aqui no Brasil, para que todos possam conhecer. Já o diretor Matthew Vaughn, na minha modesta opinião, é um dos grandes diretores da nova geração (ainda quero estar aqui para ver o injustiçado "Stardust", seu filme anterior, tornar-se um clássico do gênero). Ao contar a história de um garoto nerd e punheteiro que resolve tornar-se super-herói, mesmo não tendo super-poderes (ha!), Vaughn não está apenas fazendo uma ode apaixonada aos leitores de gibis do gênero (como Millar fez na HQ), mas também aos fãs de filmes de super-heróis - aquelas crianças que viram o "Superman" do Christopher Reeve e um dia sonharam poder voar como ele. A verdade é que, em tempos passados, todo mundo já quis ser um pouco Kick Ass, vestir uma fantasia estúpida e sair combatendo o crime - hoje eu não sei, porque essa garotada anda com umas idéias muito idiotas. "Kick Ass" é a realização desse sonho infanto-juvenil levado a sério, e sem desprezar as doses cavalares de sangue e violência existentes na HQ (os produtores devem ter arrancado os cabelos tentando suavizar as cenas enquanto o diretor colocava mais e mais sangue). Engraçado foi ver a hipócrita crítica brasileira reclamando da Hit-Girl, melhor personagem da HQ e do filme - uma inocente menininha que sai retalhando bandidos com sua espada -, num país em que crianças fumam crack e pegam em armas na vida real (e não lembro de ninguém ter reclamado das crianças assassinas de "Cidade de Deus"). A única mudança que eu achei meio forçada foi em relação ao interesse romântico do Kick Ass, que tem um desenvolvimento totalmente diferente da HQ (mas todo filme precisa de um pouco de romance, não é mesmo?). As outras foram para o bem da adaptação (a verdadeira identidade do pai da Hit-Girl não iria colar fora dos quadrinhos). E à adaptação inspirada somam-se momentos de puro delírio cinematográfico, representados por cenas de ação e violência cada vez mais absurdas e explosivas - o final é um banho de sangue. Que "Kick Ass" ganhe uma continuação no mesmo nível para mostrar que filmes de super-herói não precisam ser "censura livre" e nem bobinhos e infantilóides para fazer sucesso de bilheteria.


ROBIN HOOD (2010, EUA/Inglaterra. Dir: Ridley Scott)
Depois de ter suportado corajosamente as 2h20min do filme do Ridley Scott numa desconfortável poltrona de cinema, lembro que a primeira coisa que passou pela minha cabeça foi: "O que é que eu estou fazendo aqui?". Poucas vezes tive uma sensação tão grande de tempo perdido como em "Robin Hood": o filme não fede e nem cheira, os acontecimentos se sucedem sem conquistar a atenção do espectador, os personagens são tão mal-desenvolvidos que chega a dar vergonha, Russel Crowe está gordo que nem um porco, as motivações do seu herói são estúpidas e inconsistentes, os vilões são caricaturais, as cenas de batalha são idênticas às dos "épicos" hollywoodianos modernos (quem viu um, viu todos), e por aí vai. Um desastre completo que eu até entenderia nas mãos de um cabeça-de-bagre qualquer, mas que parece ainda mais lamentável por ter o nome de Ridley Scott nos créditos - comprovando a decadência, a olhos vistos, do cineasta. Lembro de ter visto o trailer do filme e pensar: "Parece 'Gladiador 2', e não Robin Hood". Dito e feito: o roteiro tenta ser uma prequel das aventuras do Príncipe dos Ladrões, e por isso não traz nada que lembre o personagem como o conhecemos de inúmeros outros filmes (aqui ele raramente dispara uma flecha, ou "rouba dos ricos para dar aos pobres"). Em compensação, as atitudes e maneirismos de Crowe lembram tanto o pobre gladiador Maximus que o filme poderia muito bem ter sido vendido como "Gladiador - O Início". Talvez o resultado fosse menos vergonhoso, considerando que o "Gladiador" original já era fraquinho. Do jeito que está, o resultado é de dar dó. E ainda consegue a façanha de fazer o Robin Hood do Kevin Costner, que era apenas razoável, parecer MUITO MELHOR! Difícil é segurar a vontade de mandar tudo à merda e sair do cinema (ou dar stop no DVD) em cenas como as do Frei Tuck (que parece saído de um filme dos Trapalhões) ou as do Príncipe John (que parece saído daquele famoso desenho da Disney). Será injustiça dizer que o último filme BOM de Ridley Scott é do começo dos anos 90?


THE POSSESSION OF DAVID O'REILLY (2010, Inglaterra. Direção: Andrew Cull e Steve Isles)
Eu não vi "Atividade Paranormal", grande sucesso do ano passado. Mas agora que me disseram que este "The Possession of David O'Reilly" é melhor, decidi que jamais verei o longa de Oren Peli. Afinal, essa cópia genérica inglesa é horrível, então imagino quão ruim deve ser a sua fonte de inspiração. A idéia é parecida (fenômenos sobrenaturais num apartamento), mas a execução é diferente, sem câmera "realista" estilo falso documentário. Na verdade, este é o típico filme que você pode ver apenas os 10 minutos iniciais e os 10 minutos finais, pois nada acontece no restante do tempo. É mais um caso de curta-metragem esticado para longa, e bem daquele jeito que torra o saco do espectador. Afinal, uns 50% dos acontecimentos se desenrolam com as luzes apagadas, mergulhando a tela toda numa escuridão total, permitindo que o espectador ouça apenas a voz dos atores (algo que não é mais novidade desde "A Bruxa de Blair", uma década atrás). E toda a execução é primária: os três únicos personagens passam o tempo todo trancados num apartamento escuro sem que ninguém tenha a idéia de se mandar dali (mesmo quando o dia chega e a luz do sol dá certa tranqüilidade à situação). Com meia hora de filme, a gritaria, a escuridão e a inexistência de um perigo real e palpável (já que o espectador não vê absolutamente NADA) começam a cansar, e as olhadas para o relógio tornam-se cada vez mais constantes. Mas o filme não dá trégua e continua martelando sua escuridão barulhenta por mais uma hora, numa tortura mais implacável que o ataque dos supostos espíritos que aterrorizam o apartamento. E os diretores Andrew Cull e Steve Isles ainda desperdiçam toda e qualquer boa idéia que por ventura tentem desenvolver, da mensagem estilo "tábua Ouija" num jornal aos vídeos filmados misteriosamente pela webcam do apartamento (que nem ao menos são mostrados, quando poderiam revelar a chave do mistério!). Uma total perda de tempo, que só assusta mesmo pela ruindade. Visto no Cine Fantasy.

(PS: Este é o 150º post deste blog! Quem diria, hein?!?)

25 comentários:

Cesar Almeida disse...

"Será injustiça dizer que o último filme BOM de Ridley Scott é do começo dos anos 90?"

Na minha opinião, o último filme bom do Ridiculey Scott foi "Blade Runner". E o melhor dele é provavelmente "Os duelistas".

Artur disse...

não vou passar nem perto deste Karate Kid, sobre o Robin Wood ainda não vi, também pensei a mesma coisa do "adiador 2" gostei até de gladiador, acho Blade Runner muito bom, também gostei do Robin Wood do Kostener, quero ver o Giuliano Gemma

Alexandre disse...

atividae paranormal é ruim que doi
prefiro mil vezes rec

Léo Castelo Branco disse...

Felipe,

"Karate Kid", na minha singela opinião, é uma draga. Eu já odeio remakes, ainda mais uma bizarrice dessas, a qual não vejo nenhum propósito sinão ganhar em cima.

Porque mudar toda a história? A localização, a faixa etária dos personagens e mostrar Chan como uma babá?

Entendo que você tenha achado a sua atuação (dramática) a melhor de sua carreira, pode até ser, mas usar ele apenas com esse propósito não seria um disperdício?

Essa obra (posso chamar assim!?) foi feita para quem não teve nenhum contato com o filme anterior, um remake não deveria partir daí, deveria sim também causar nostalgia no espectador, além claro de prospectar novos.

Saudade de Ralph Macchio e Pat Morita.

Abraço

Estranhezas Cinematográficas:
estranhocinema.blogspot.com

(ps:parabéns pelo post de 150, muito sucesso!!!)

Allan Veríssimo disse...

>e deixa o "Quero ser Spielberg" pro Peter Jackson, que já virou até parceirão do homem!

Com um pouco de sorte, vai ser um parceiro melhor do que o George Lucas!

Vagno Fernandes disse...

Concordo com o Léo Castelo sobre o novo Karatê Kid, não consegui gostar em nada dese filme, lutinhas pífias, atores sem carisma nenhum! O filho do Will Smith é muito chato esse muleque. Por incrível que pareça, nunca tinha visto o de 84, hehe (vi esta semana e também não gostei).

Sobre o Último Mestre do Ar, só digo o seguinte, o Shymalan tem algumas idéias que deveriam ficar guardadas pra ele mesmo. É a mesma coisa que os criticos fizeram no começo da carreira do Sommers (A Múmia), colocaram o cara num pedestal, e taí, o cara agora só faz porcaria.


Centurion não vi, mas o Conquista Sangrenta é foda pra caralho.

Esse Possession também não vi, mas porra esses filmes sobre espíritos já tá enchendo o saco, não aguento mais sinceramente.

Gostei do kick Ass, mas não tanto assim pra querer fazer todo mundo que conheço assisti-lo, hehe. Tem umas cenas muito legais (aquela entrada da Hit Girl dentro do prédio no final é totalmente Matrix), mas achei que o filme foi completamente estragado com a morte do Big Dadi. A fita vem toda num ritmo de zuera, aí do nada tentam dar um tom de drama matando alguém importante, porra, justamente o artificio mais usado na industria das HQs para revitalizar algum personagem (lembram da morte do Super-Homem e tantos outros), golpe baixo. Mas é legal sim, dá pra assistir sussegado.

Lucas disse...

Primeiramente parabéns pelo 150º post Felipe! Sempre leio seu blog mas na maioria das vezes esqueço de comentar.

O 'Karate Kid' vou passar longe, eu assumo que gosto muito do orginal e não gostei nem quando anunciaram esse projeto de merda. Fiquei curioso com o 'Centurion'e infelizmente não assisti 'Kick-Ass' mas considero Matthew Vaughn um diretor do caralho mesmo, 'Stardust' é uma jóia rara.
O filme da possessão não vi, e concordo quanto ao 'Robin Gordo Hood' lembrando que o Ridley Scott tá cada vez pior com seus épicos, anos antes ele dirigiu aquela bomba chamada 'Cruzada' também!

Abraços.

Mim disse...

Parabéns pelo Blog. Realmente concordei na boa atuação do Chan, primeira vez que não tentam botá-lo como o oriental que faz gracinhas (para abrangir um público maior) enquanto luta. Mas é sessão da tarde, logo, weak sauce. Robin Hood eu nem tive coragem, Shyamalan com seus últimos 3 filmes só fez besteira...

Gélikom disse...

Parabéns pelo 150º post. Não em mexe em obra sagrada portanto Karate Kid, por melhor que seja, nunca vai superar o original.

Daniel I. Israel disse...

"Extrema Uncao" KKKKKKKKKKK!!!!!!!!!!!

Marcelo Miranda Lamy disse...

Parabéns pelo 150º post !
Abraço

Pedro Henrique disse...

Claro que um filme que leva a batuta de ser “um filme de Ridley Scott” tende a ser pomposo. O cara é um publicitário fervoroso – você entende do negócio, afinal. O problema nesse filme do diretor é que ele parece tão disposto a embelezar sua imagem – cada quadro – com tantos detalhes que acaba esquecendo que o importante ali é a saga do (anti?)herói. O casal protagonista é show, dois ótimos atores, além pequeno prazer de ver Max Von Sydow. Gosto das cenas de guerra, ele filma muito bem, é um senhor diretor de centenas de figurantes, mas sabe quando tu desembrulha um ovo de chocolate é descobre que ele está todo despedaçado? Essa é a sensação de assistir Robin Hood. A embalagem é linda, mas o prazer de comer fica aos pedaços. Ele cria uma grande expectativa pra revelar um vazio.

pseudo-autor disse...

Por incrível que pareça, o melhor dessa lista toda (dos que eu vi) foi Kick-Ass. Estou curioso pra ver esse Centurion. Já conferi o trailer algumas vezes e parece promissor. Já o Karatê Kid, que nunca foi obra-prima (até porque sempre desconfiei da masculinidade do Ralph Macchio) eles conseguiram melhorar muita coisa!

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

vitor disse...

Felipe, oq vc achou de ninja assassino?

Takeo Maruyama disse...

Pois é, os fãs do Karate Kid original têm tanto apego sentimental pelo seu clássico da infância que sequer querem assistir o remake pra ver se ele é realmente tão ruim quanto eles querem que seja. Vide alguns comentários acima.

Gosto muito do original (apesar de, assim como você Felipe, reconhecer que é apenas um filminho de Sessão da Tarde)e achei uma piada de mau gosto quando anunciaram que iam fazer um remake. Mas depois de ver o primeiro teaser no começo desse ano, já vi que não ia ser tão ruim quanto parecia. E no fim das contas, achei-o muito bom também. Muito mais longo do que o necessário, mas de forma alguma é desprezível.

Líryan Kawsttryänny disse...

Sabe, até gostei do "Karate Kid", achando-o melhor que o original, o que na verdade não é exatamente um grande mérito.

Num aspecto geral o filme é bastante divertido e atraente, uma pena, mesmo, a moda de lutas entre pés e mãos e apenas os pontos onde eles acertam.

Quando aos demais não vi, e acredite "Atividade Paranormal" não vale o tempo que se perde. Tudo bem que não terminei de ver, por ser chato, muito chato, mas mesmo assim, não vale a pena.

Talvez a "pena" toda disso tudo seja o "The Last Airbender" cujo desenho que inspirou é realmente interessante. Mas a história no desenho se desenrola em três (ou quatro) temporadas o que dá tempo aos personagens se firmarem e comporem a história.

Laura disse...

oi, Felipe! atividade paranormal é muitas vezes melhor do que "a possessão de david" (o que não é difícil, convenhamos).

então, mesmo que você não goste do filme (eu gostei), não tem o menor cabimento comparar. pode acreditar! hehe

Felipe M. Guerra disse...

LAURA, eu não vi o Atividade Paranormal. Quem tem comparado os dois filmes são os críticos sem-noção que a gente encontra pela internet. Disseram, inclusive, que o Possession of Fulano de Tal "mostra tudo o que Atividade Paranormal não mostrou". E como é tão ruim, dá até medo de ver o outro, né? hahahaha.

Daniel I. Israel disse...

que "Atividade Paranormal" que nada. O negocio eh "Extrema Uncao" isso eh que eh filme de fantasmas!

Anônimo disse...

Na minha opnião, essa nova versão do Karate Kid está excelente! Muito melhor que a primeira, mais divertido e emocionante, melhor que muito filme mais bombástico por aí.

Aqueles que dizem que Katare Kid é uma droga e tal, deveriam dar no mínimo uma conferida nessa readaptação, que ficou bem mais carismática. O ator mirim, apesar de ser filho de quem é não está ali atoa... ele atua muito bem e nos tira algumas gargalhadas e até lágrimas para os mais fracos!

Só pude ler sobre o Karate Kid, mas logo volto pra ler os outros. Gostei do blog.

Fernando Morelli

Beatriz Saldanha disse...

Você é bem produtivo, hein? Quem dera eu tivesse esse pique. Parabéns pelo blog! :)

Felipe M. Guerra disse...

Produtivo para uns, prolixo para outros! Valeu BEATRIZ! hahahaha.

Anônimo disse...

Sobre O Último Mestre do Ar.

A Princesa que se mata,pelo que acredita e ...POR SEU POVO!Pois a manutenção do espírito da lua era equivalente a sobrevivência de sua gente,esta longe de transmitir a idéia de "extremismo religioso".Você viu chifres em cabeça de cavalos.

A idéia é mais messiânica,do "morrer para salvar",não "morrer para destruir".Algo ao estilo Armagedon,onde o Bruce Willis lá se mata.

E o extremismo religioso tem fins seculares muito bem definidos.

O ideologismo religioso serve só como respaldo,apoio moral...para uma causa mais ou menos justa.

O que foi feito com o Wolrd Trade Center não é ABSOLUTAMENTE NADA,nem cosquinha,perto do que os EUA fizeram,só citando um exemplo, com o Iraque.

Anônimo disse...

Sobre o Aprendiz de Feiticeiro:

"É apenas uma divertida aventura infanto-juvenil de feitiçaria, redondinha e fechada (até podem fazer continuação, mas não precisa), interessante para crianças e engraçadinha também para os marmanjões."

Isto é o que dá não assistir os filmes até depois dos extras.

Depois de todos as informações pertinentes a produção do filme,aquelas que vão subindo e tem o nome de todo mundo...

...Aparece um chapéu numa redoma de vidro...bem similar ao do Mickey no Fantasia...

E numa mesa tem um chapéu-coco...reparou que o personagem do Alfred Molina,Maxim Horvath,simplesmente desaparece depois que o personagem principal retira a bengala de poder dele com plamas?

Ai aparece uma mão e ela pega este chapéu-coco.Acho que já deu para entender.

Guilherme disse...

O Ùltimo filme bom de Ridley Scott foi nos anos 90 ? , como assim , Gladiador , Falcão Negro em Perigo , Cruzada , O Gangster , e " ROBIN HOOd" , todos foram ótimos , na minha concepção , e , além do mais esse é um Robin baseado em ivestigaço~es mais atuais sobre o personagem e não numa história inventada , numa lenda.