quinta-feira, 10 de junho de 2010

AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO (1985-87)


Despeçam-se dos seus neurônios, caríssimos leitores e leitoras, porque hoje o FILMES PARA DOIDOS pega pesado na sua heróica missão de valorizar as obras mais bizarras do cinema mundial. Hoje falaremos de uma obra-prima que já foi chamada de "o filme mais débil-mental de todos os tempos". É claro que só pode ser AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO, e com um título desses você já imagina o que vem pela frente...

Sergio Mallandro hoje é uma personalidade "cult-trash". Mas na década de 80 e começo dos anos 90, Mallandro (nome de batismo: Sérgio Neiva Cavalcanti) era uma verdadeira celebridade. Reza a lenda que quando foi contratado pelo SBT, nos anos 80, Silvio Santos dispensou uma certa loirinha que em pouco tempo seria mundialmente conhecida pela alcunha de Xuxa.

Durante a cultuada década de 80, Serginho invadiu os televisores do país inteiro como jurado do Show de Calouros (programa obrigatório nos lares da família brasileira no domingo à noite, rivalizando diretamente com o Fantástico). Costumava azucrinar Silvio Santos, os calouros e até os outros jurados com seu jeito malucão. Era tão popular que chegou a ganhar vários Troféus Imprensa na emissora do ex-patrão.


E foi mais ou menos nessa época que Mallandro estrelou o filme com seu nome, AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO. Antes, já havia aparecido como figurante em outras produções, inclusive uma comédia ao lado de Renato Aragão, "O Trapalhão na Arca de Noé" (da época em que Didi brigou com os outros três Trapalhões, Dedé, Mussum e Zacarias).

No fim dos anos 80, Mallandro virou apresentador infantil, comandando o clássico "Oradukapeta" (que concorria diretamente com o "Xou da Xuxa" nas manhãs de segunda a sexta-feira). Era a vitrine perfeita para esta figuraça, que criou, entre outras brincadeiras, a famigerada "Porta dos Desesperados". Para quem não lembra, as pobres criancinhas precisavam escolher uma entre três portas coloridas para ganhar um brinquedo. Uma era premiada, mas nas duas outras havia figurantes vestidos como monstros. Mallandro, que nunca parava quieto, perguntava 200 vezes para os infantes: "Você está desesperado? Está desesperado? Então grita!!! Ahhhhhh!!! Grita mais alto, mais desesperado... AAAAAHHHHHH!!!!". Muitos destes pobres fedelhos devem ter crescido para se tornar adultos traumatizados...


No começo dos anos 90, Mallandro era um astro. Ganhou até revista em quadrinhos com seu nome (e histórias simplesmente ridículas, ainda mais quando relidas nos dias atuais). Alguns números do gibi acompanhavam a famigerada "Sacola do Mallandro", um monte de quinquilharias de papel vagabundo para a criança montar com tesoura e cola (dado, carrinho, óculos...), e que se desfaziam poucas horas depois.

Foi aí que o pobre Serginho fez uma troca que não lhe foi proveitosa, saindo do SBT para assumir um programa infantil matinal na Globo. Mas não repetiu o mesmo sucesso, e logo a sua atração global foi cancelada. Neste período, fez alguns filmes com o "padrão Globo de qualidade", todos eles muito ruins, e que nem de longe fazem justiça ao escalafobético e "independente" AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO.


Mas agora chega de flashback que isso aqui não é o "Almanaque dos Anos 80"!

Voltemos ao filme, ou ao "filme mais débil-mental de todos os tempos". Ele não é apenas ruim; se fosse, logo acabaria esquecido entre outras tralhas nacionais dirigidas ao público infanto-juvenil, como os filmes da Xuxa.

Na verdade, AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO é tão ruim, tosco, debilóide, louco, absurdo e bizarro que se torna algo, digamos, especial. E hipnótico.

Por exemplo: aos 15 minutos de tempo corrido, eu me contorcia desconfortável no sofá; aos 30, ria sozinho e descontroladamente a cada bobagem; ao final dos 85 minutos, eu clamava desesperado por uma camisa-de-força.


AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO é, sem discussão, o filme mais sem pé nem cabeça de todos os tempos, possivelmente o maior trash do cinema brasileiro! (Menos generosa, a crítica da época taxou-o de "o pior filme de todos os tempos", fazendo Mallandro rivalizar com Ed Wood pelo título!)

Há divergências quanto ao ano de produção. O IMDB informa que é de 1985, mas o site da Cinemateca Brasileira diz que o ano de lançamento foi 1987. É possível que tenha sido filmado em 1985 e engavetado pelos próximos dois anos por problemas diversos. Até porque várias partes da trama são narradas com a ajuda de desenhos, talvez porque as "cenas de ligação" nunca foram filmadas.


Querer falar sobre o roteiro num filme chamado AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO é uma tarefa tão inglória quanto desnecessária, mas vamos tentar: um anão alienígena chamado Superpoderoso ("interpretado" pelo palhaço Rolinha, e por favor não maliciem com o nome do pobre anão!) vem à Terra para entregar a algum ser humano o poder de "fazer o bem".

Quando o ET vê Sergio Mallandro no "Show de Calouros" (e é claro que Serginho interpreta ele mesmo, o que você esperava?), decide por algum motivo inexplicável que aquele é o melhor candidato para virar super-herói alienígena. Antes, porém, Sergio precisará cumprir uma missão: recuperar o chimpanzé de estimação de Tininha (Carla Prestes), que foi roubado.

Mas a tarefa não será das mais fáceis. Primeiro porque nosso herói não investiga porcaria nenhuma o filme inteiro, preferindo fazer palhaçadas e trapalhadas com seu inseparável amigo Zé Cocada (Cosme dos Santos). E segundo porque um outro alienígena, Dom Pedro (Pedro de Lara!!!!), também cobiça o tal poder, e para isso tenta atrapalhar Mallandro de todas as formas para que ele não consiga concluir sua missão.


Ainda aqui? Ótimo.

Os créditos iniciais de AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO informam que o filme foi escrito por Carlos Aquino e dirigido por Erasto Filho (em seu segundo e último filme, o que é plenamente justificável). Esqueça, porém, que Carlos Aquino e Erasto Filho existem: seus nomes só estão nos créditos por pura formalidade. É óbvio que este é um filme DE Sergio Mallandro, e ponto final.

Mallandro é "indirigível". Você até pode dirigir Marlon Brando e Robert DeNiro, mas não Serginho Mallandro. Lembra da animação "Os Sem-Floresta", que trazia um esquilo hiperativo que estava sempre a mil por hora? Pois Sergio Mallandro é este mesmo esquilo depois de 12 latas de Red Bull, um quilo de cocaína e um choque de 100 mil volts, tudo isso durante um ataque epilético.

Mallandro não é um ser humano normal, é uma força da natureza. O que ele faz em AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO é inacreditável: pula, grita, corre, sobe em cima e/ou pisoteia os outros atores, estraga maquiagens e figurinos do resto do elenco (como ao arrancar o bigode falso de um figurante) e faz micagens O TEMPO INTEIRO.


Enfim, é uma performance tão intensa que o espectador chega a cansar, quase suar, só de ver o Mallandro em ação - o sujeito não pára nunca!!!

A mesma coisa vale para o roteiro: esqueça que um sujeito tentou escrever um roteiro e talvez até os diálogos de Mallandro, porque é óbvio que o incansável Serginho improvisou 200% do que se vê na tela.

Na cena final, por exemplo, nosso herói pede Tininha em noivado e, feliz da vida, cumprimenta seus sogros. No papel, isso deve ter sido explicado em duas ou três frases. No filme, entretanto, Mallandro deita e rola: sobe na mesa, abraça os atores, pisoteia a atriz que interpreta sua sogra, tira a peruca do ator que interpreta o pai da sua noiva e coloca na própria cabeça, enquanto se joga por cima dos outros atores e grita descontrolado: "Meu sogro é careca! Meu sogro é careca!". É impossível não dar risada...


E são estes "improvisos" que valorizam o filme. Todas as piadinhas "feitas", que você nota que foram escritas e ensaiadas, são totalmente sem graça. Entre elas, Mallandro chamando o Superpoderoso de "Super Bota-ovo" em toda oportunidade que o encontra, ou confundindo o sobrenome da mãe de Tininha, que é Carneiro, com Cabrito, Cavalo, Camelo, etc etc... Risadas amarelas ecoam pela sala de cinema ou da casa.

Mas no momento em que o hiperativo Serginho começa o seu "one-man show", é sai da frente que atrás vem gente. Numa cena, ele chega a dar uma bolacha na cara do Pedro de Lara para depois derrubá-lo abruptamente no chão - e não duvide que isso foi puro improviso, pela cara de surpresa do coitado do Pedro!


Tentar analisar AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO como filme é uma tarefa inglória, já que o "roteiro" se apresenta como uma série de pequenas confusões porcamente relacionadas por um fio condutor (a busca pelo macaco).

Assim, são todos os momentos absurdos e inexplicáveis da película que valem o espetáculo. No mais hilário deles, Mallandro está atravessando a rua, fugindo dos vilões, quando é atropelado e cai estatelado na calçada. Ouve-se a marcha fúnebre, e o narrador anuncia: "Será este o fim da aventura?". Close na cara imóvel de Serginho "morto", que, de repente, abre os olhos, vira diretamente para a câmera, e para o público, e começa a gargalhar. Uma autêntica (e inexplicável) "Pegadinha do Mallandro"!

(Para ver esse momento mágico da sétima arte no Brasil, espere carregar o vídeo abaixo e então tente sobreviver até os 6min20s, quando rola o hilário e injustificável atropelamento seguido da ressurreição do Mallandro!)

Rááááá! Pegadinha do Mallandro


Em outro momento que é quase inenarrável (existe esta palavra?), Mallandro veste-se de mulher para escapar de Dom Pedro e seus comparsas. Topa, então, com Alexandre Frota "interpretando" ele mesmo - na época em alta graças às novelas "Roque Santeiro" e "Sassaricando".

Frota se apaixona pela "Mallandra" e tenta agarrá-la, mas nosso herói foge pela praia e se esconde atrás de uma prancha de surfe. Subitamente, coloca a mãozinha para fora do esconderijo para fazer seu tradicional "glu-glu"! Genial...


Muitos comparam o "humor" de Sergio Mallandro com o de Renato Aragão. Mas na verdade não tem nada a ver: Mallandro faz um humor físico e careteiro, com uma persona insana que destoa radicalmente do calmo e controlado Didi Mocó. Eu compararia Mallandro neste filme com Jim Carrey em seus primeiros trabalhos, principalmente "Ace Ventura": os dois atores estão absurdamente exagerados e caricaturais, e simplesmente não conseguem ficar parados em cena!

Sergio Mallandro nunca mais conseguiria repetir o mesmo clima de insanidade em seus trabalhos posteriores. Talvez porque eles foram produzidos pela Globo, e fica evidente que tentaram "controlar" o incontrolável Mallandro. Isso explica porque obras como "Lua de Cristal", "Sonho de Verão" e especialmente "Inspetor Faustão e o Mallandro" (argh!) são tão ruins: Serginho parece engessado e desconfortável em cena, obviamente travado por diretores e roteiros que não aproveitaram todo o potencial da sua maluquice.


Pelo contrário, neste seu primeiro trabalho solo, é nítido que nosso herói está "ligadão" o tempo inteiro. Ironicamente, uma das músicas que o Mallandro cantava na época, "Farofa", começava assim: "Comprei um quilo de farinha...". Isso explica muita coisa! (Farinha era uma das gírias mais populares da cocaína na época.)

E se tudo isso que você leu não é motivo suficiente para ver ou rever AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO, vale destacar a pequena participação de "ícones trash" dos anos 80 em momentos completamente dispensáveis. Entre os "convidados" estão Sylvinho e a Banda Absyntho (tocando, claro, o seu único hit, aquele do "ursinho Blau-Blau") e a desaparecida Mara Maravilha (que era mesmo uma gatinha!).


Na trilha sonora, também toca um dos grandes clássicos de Mallandro, "Vem Fazer Glu-glu", aquela impagável composição cujo refrão diz: "Vem, meu amor, vem fazer glu-glu/Mon amour/Vem, meu amor, vem, meu chuchu/Vem bem pertinho fazer glu-glu".

A verdade é que eu até tentei, mas AS AVENTURAS DE SERGIO MALLANDRO é simplesmente um filme indescritível, sem pé nem cabeça, uma bizarra coletânea de maluquices que só vendo para entender o porquê do (merecido) título de "filme mais débil-mental de todos os tempos".

Eu até sugeriria uma impagável Sessão Dupla dele com "Cinderela Baiana", da Carla Perez, mas aí não há neurônio que agüente o impacto...


*******************************************************
As Aventuras de Sergio Mallandro
(1985-87, Brasil)

Direção: Erasto Filho
Elenco: Sergio Mallandro, Pedro de Lara,
Alexandre Frota, Cosme dos Santos, Carla
Prestes, Mara Maravilha e Rolinha.

31 comentários:

Junior disse...

huahuahua

O pior é que eu PARTICIPEI de uma "Porta dos desesperados"!

Na época, virei celebridade no bairro!

Junior disse...

Duas perguntas:

1) Por que o Sergio Mallandro não envelhece?

2) Existe a possibilidade de vc falar sobre "Inspetor Faustão e o Mallandro" ? rsrs

Anônimo disse...

"Ganhou até revista em quadrinhos com seu nome (e histórias simplesmente ridículas, ainda mais quando relidas nos dias atuais)". Vc tem algumas guardadas Felipe? Haha, eu lembro desta revista e do bendito programa do SBT. Viva Sergio Mallandro, o rei da bizarrice.

Tio Lulu disse...

Porra, bicho, outra resenha pra f...! Esse filme é muito crassúdis! Na primeira vez que vi essa maravilha, nem saquei a improvisação do Mallandro por esse lado positivo todo. Só pensava coisas como "hahaha que filadaputa hahahahahaha carajo".

Esse roteiro é tão sacana que mal explica o motivo do Dom Pedro - esse aspirante a Big Dick Vigarista - deseja tanto ganhar o poder de fazer o bem. Aliás, falando nos vilões, cê sabe como se chama o capanga de óculos escuros? Me mijava de rir quando, ainda no começo, ele dava aquele sorriso canalha...


E as músicas... argh! A principal não me saiu da cabeça até hoje. Enquanto jogo Copas com a macacada, sempre me pego cantando... "ele é malanadro / mas também é um cara muito legal!"

Leandro Caraça disse...

Eu nunca tive a experiência de ver esse filme, mas assisti "O Trapalhão na Arca de Noé" no cinema. Outro que vi na tela grande e desafio o Felipe a resenhar é "Atrapalhando a Suate".

Brasílio-Invasor-de-Domicílio disse...

_
O troço era mais caótico do que eu imaginava.
Perto desse, o Inspetor Faustão e o Malandro (evacuado entre 1989 e 1990 e dirigido sei lá por quem) vira uma super-produção assinada pelo "visionário" Zack Snyder!
_

Felipe M. Guerra disse...

JUNIOR, e você estava desesperado??? Estava desesperado??? Então grita!!! GRITA!!!! "Inspetor Faustão e o Mallandro" deve ganhar as "páginas" do FILMES PARA DOIDOS em breve, mas sendo massacrado impiedosamente pela bomba atômica que é (nem ao menos consegue ser divertido pelo lado trash!).

ANÔNIMO, tenho os gibis do Mallandro sim, os da primeira fase, que eram da Editora Abril (depois passou para a Globo e não comprei mais). Mas os badulaques rampeiros da "Sacola do Mallandro" não sobreviviam mais que um dia e acabavam no lixo.

TIO LULU, "Ele é malandro... Tremendo cara-de-pau". Hahaha. Que absurdo! Na verdade, o improviso do Serginho no filme é uma suposição minha baseado no que se vê na tela. Duvido que no roteiro estava escrito, por exemplo, "Sergio Mallandro pisa na mãe da noiva, tira a peruca do sogro, coloca na cabeça e depois se joga sobre os outros atores".

CARAÇA, nos tempos da pirataria camelódroma de "Tropa de Elite", o documentário "Notícias de uma Guerra Particular" era vendido em algumas bancas como "Tropa de Elite 2", e "Atrapalhando a Suate" como "TRAPA de Elite"!!! hahahaha. Em breve aceitarei seu desafio!

Bruno C disse...

Rá! Ié Ié!

Putz, eu já estudei com o Cosme dos Santos, se eu soubesse que ele tava nesse filme ia fazer muitas perguntas! hahaha

Inspetor Faustão foi dirigido pelo Mário Marcio Bandarra que hoje é diretor geral da Malhação. Isso explica muita coisa! :D

Felipe M. Guerra disse...

"Dirigido" é um pouco de exagero, né Bruno? hehehehe

Afinal, o Mallandro não é "dirigível", e o Faustão é uma mala que acha que está no seu programa de TV, toda hora virando para a câmera para falar com o "espectador".

Felipe M. Guerra disse...

Sem falar que os caras conseguem fazer uma comédia sem a menor graça mesmo tendo o Sergio Mallandro e o Costinha (!!!!!!!) no elenco!

Ivo disse...

Fazia tempo que uma resenha não me deixava com tanta vontade de ver um filme.

Raphael disse...

O cara é realmente uma figura. Se ele fosse americano, com certeza estaria no filme MIB, como um daqueles aliens que vive na terra disfarçado (ou nem tanto de humano).

Eu lembro que uma vez eu e meu filho encontramos com ele no hotel em que estavamos hospedados. Eu perguntei se estava rolando uma pegadinha e ele disse:
"Tem sim ié-ié. Eu pedi pra levar coca-cola e eles levaram fanta. E tava quente. Fiquei peidando a noite inteira".
E começou a fazer barulho de pum (com a boca) no meio de todo mundo!

Todo mundo riu, menos um gordo (que devia ser gringo) que ficou achando que o Mallandro era louco.
O Serginho chegou perto da barriga dele e falou "Quando é que vai nascer? Vai nascer quando? Vai ser menino ou menina?"

Todo mundo caiu na risada (até o tal gordo) e ele ainda completou "Não conta que eu sou o pai, hein" ié-ié

Antes disso, eu achava que era só um personagem, mas vi que o cara era assim 24 horas por dia.

Marcelo disse...

Cara essa semana assisti ao seu filme Canibais e Solidão. Sou de Caxias do Sul e um amigo meu da UCS me indicou o filme. Sinceramente foi um dos filmes mais divertidos que assisti nos ultimos anos, principalmente pela criatividade e originalidade de vocês e pelo sotaque dos meus quase-conterrâneos. Mostrei o filme pra minha família que também gostou muito. É orgulho mesmo saber que tanto talento vem aqui de Carlos Barbosa, cidade natal de meus avos. Vou mostrar o filme para os meus amigos dar umas boas risadas tbm. parabens

Frederico disse...

Sergio Mallandro é um baita escroto, caras. Ele já foi acusado de estupro umas três vezes...

Matheus Ferraz disse...

Acusações devidamente refutadas, pelo que eu acompanhei na época nos jornais. Acusado não é o mesmo de culpado, mas costuma ser o bastante para muita gente perseguir um cara pelo resto vida.

JFelepe McQuade disse...

Magnífico!

JFelepe McQuade disse...

Eu tinha um amigo que sempre escrevia pra porta dos desesperados; tinha outra que dizia gostar de quanto a Xuxa ficava doente na GLobo, pq o Serginho ia substitui-la nesses dias. Mas uma coisa que espantava a minha mente de criança era ele premiar uma criança com aquela fantastica "motocrossinha" branca - eu na minha inocência pensava "mas porra, isso deve correr um bocado!"

Marlos disse...

Pra quem gosta de sofrer, esse lixo de filme está disponível, dividido em várias partes, no Youtube.

Tiago - Sumaré/SP disse...

Para quem quiser ver a demencia em toda sua glória (hahahahaha).

http://www.megaupload.com/?d=741OVOZU

Ewerton disse...

Putz, por indicação daqui baixei essa obra prima... só de zapear um pouco (tou sem tempo pra ver...) já deu pra notar a pérola q o filme é hahahaha. Putz, bem q o Serginho podia juntar uma grana e lançar o dois, com ele no comando, claro hahahahaha

Rafael Medeiros Vieira disse...

Eu tenho este filme em DVD e gosto muito, sou fã do maluco do Sergio Mallandro e tenho várias músicas dele em CD.

Outro filme que eu gosto muito e recomendo é Padre Pedro e a Revolta das Crianças, com Pedro de Lara, Zé do Caixão e Gugu (estreando no cinema).

Higor Rocha disse...

Acabei de assisti-lo e meu DEus juro que ouvi meus neuronios morrendo!!!! mas juro é dificil não rir das locururas regadas a drogas desse palhaço Sergio Mallandro... mas juro achei melhor que sonho de verão....

Luciano Cirne disse...

Cara, agora você chutou o balde, hahahahahahahahaha!!!

Pegou pesado mesmo!! Eu vi esse filme NO CINEMA, acredita nisso? Na época um tio meu era gerente de quatro cinemas daqui de Niterói (RJ) e eu sempre juntava uma galera da escola pra ir assistir de graça QUALQUER PORCARIA que estivesse passando (sem contar que eu tirava muita onda, afinal eu assistia filmes que nungiém podia ver... "Aliens - O Resgate", por exemplo, eu vi no cinema com 8 anos, quando a censura era 14)...

Só falta agora você comentar "Punks - Os Filhos da Noite" ou "Fofão e a Nave Sem Rumo"!!

Abração!

Gustavo Daher disse...

Caralho. Esse filme é uma obra-prima do cinema nacional. O Sérgio Mallandro movido a cocaína é uma coisa linda de ver. Sensacional. Perfeito. Um filme que deveria passar em todas escolas do país. Deveria sair em dvd com edição dupla e comentários do próprio Sérgio Mallandro. Sou fã confesso dessa belíssima porcaria.

Anônimo disse...

Esse filme é massa... Virou cult. Muito manêro. Ele poderia fazer um outro filme desse mesmo naipe, sem pé nem cabeça.

Pedro disse...

esse filme e tão ruim que acaba se tornando bom

sera que passou nos cinemas na época?

Gabriel disse...

Parabéns pelo Blog, eu o encontrei procurando uma crítica para o ridículo filme do Capital America de 1990. Acho seus textos fantásticos, me mijei de rir com essa resenha do filme do Sérgio Malandro, to com uma vontade imensa de ver o filme agora. Mais uma vez, parabéns. Abraço!

Tonino disse...

Meu pai comprava as revistinhas pra mim, eu me lembro. Lembro que tinha uma que o Malandro entrava numa máquina com uma goiaba na mão e depois começava a se metamorfosear em um homem-pé de goiaba (risos).Uma satira ao filme A MOsca. Você tem esse gibi com essa história, Felipe?

Felipe M. Guerra disse...

Hehehe, infelizmente não tenho. Parece ser genial.

Leonardo Peixoto disse...

Nada como ler suas incríveis resenhas em uma agradável tarde de sábado .

Augusto Cezar Lima Queiroz disse...

Pôxa! Depois de algumas faltas de opção no You Tube (hoje em alta) e companhia, dei uma passada aqui para ver se o blog ainda estava no ar e acabei lendo essa agradável resenha sobre o filme do Mallandro. Acho que li outras resenhas há mais de três anos... Bom, deveria ter uma continuação desse filme nos dias atuais, por que não? E talvez da "Cinderela Baiana" também.