segunda-feira, 18 de maio de 2009

OPERATION WARZONE (1988)


De todos os diretores ruins que já existiram (Ed Wood, Bruno Mattei, Al Adamson, Uwe Boll, Albert Pyun, David DeCouteau, Andrea Bianchi, Godfrey Ho, Phil Tucker e por aí vai; a lista é imensa!), o norte-americano David A. Prior sempre foi um dos meus preferidos. Quando eu era adolescente, os filmes desse cara passavam direto nas tardes do SBT, no saudoso Cinema em Casa. De tão ruins, eles eram hipnotizantes: não dava para desgrudar os olhos da quantidade de abobrinhas que Prior despejava por minuto. Ao mesmo tempo, eu ficava frustrado pensando que talvez fosse o único a conhecer o "trabalho" deste mentecapto e por isso nem tinha com quem comentá-lo - às vezes até forçava meus amigos ou irmãos a assistir alguns, como o já clássico "Deadly Prey - Extermínio de Mercenários", mesmo correndo o risco de levar um tapão na orelha.

E é nestes momentos que a internet mostra o seu valor: além de ser uma ferramenta útil para você pesquisar mais detalhes sobre a carreira e os filmes de uma nulidade praticamente obscura como o Prior, também torna-se uma maneira eficaz de comentar as bombas que ele dirigiu com outros loucos que têm o mesmo mau gosto que eu. Quem diria, descobri que existem muitos outros "fãs" de David A. Prior ao redor do globo!

Bem, queria apenas avisar que quem nunca ouviu falar em David A. Prior a partir de agora irá ouvir bastante este nome, pois graças aos torrents (outro milagre da era internética) pude fazer download e saborear novamente algumas das muitas tralhas dirigidas por este hilário cineasta, entre elas esta que se chama OPERATION WARZONE.


Eu originalmente vi este filme lá por 1992 no Cinema em Casa, mas não consigo lembrar do título nacional utilizado pela emissora do Silvio Santos (se alguém lembrar, por favor escreva nos comentários). Em VHS, o título foi uma tradução pouco original: "Operação War Zone". Feito um ano após o já citado "Deadly Prey", quando Prior filmou e lançou outros dois filmes (!!!), OPERATION WARZONE dá uma bela idéia da "obra" do diretor: é ruim e tosco até o talo, só funciona como comédia involuntária, está repleto de diálogos bisonhos que Ed Wood teria vergonha de escrever, cenas ridículas, reviravoltas desnecessárias, uma trama sem pé nem cabeça e, claro, o Vietnã como pano de fundo. Prior a-do-ra-va contar histórias sobre a Guerra do Vietnã, sempre mostrando como os soldados norte-americanos eram valorosos e como o conflito só foi perdido por razões políticas. Aham...

O filme já começa de maneira absolutamente brilhante (no mau sentido, claro), e quem não rolar de rir nos cinco minutos iniciais deve imediatamente parar de assistir, sob risco de acabar com lesões graves no cérebro. Prior nos mostra um pequeno batalhão de soldados norte-americanos no que deveria ser uma selva vietnamita, mas fica na cara que é um bosque qualquer em plena Califórnia. Apesar de a história supostamente se passar nos anos 60, todos os atores têm pinta e penteado da década de 80, inclusive o famoso mullet. E a coisa só piora: de repente surgem soldados vietcongues interpretados por meia dúzia de figurantes de olho puxado (Prior deve ter convidado os chineses da pastelaria) e até por mexicanos (!!!).


Os dois lados começam a lutar, e o ideal de "guerra" do diretor Prior é mostrar cada lado atirando sem parar, mesmo quando não estão acertando alvo algum, sem cobertura ou proteção, até que invariavelmente as muitas balas disparadas atingem alguém, puramente por sorte! É tão tosco que dá vontade de socar a TV: os caras simplesmente NÃO PARAM DE ATIRAR, mas não acertam nada!!!

Finalmente, os "vietcongues" revelam-se melhores atiradores e dizimam os americanos. Sobrevivem apenas o sargento Holt e os soldados Butler e Adams (respectivamente Fritz Matthews, William Zipp e Sean Holton, todos habitués dos filmes de Prior). O trio pica a mula rastejando por um dos túneis construídos pelo inimigo (anos antes de "Tunnel Rats", do Boll), e acabam caindo numa sala de interrogatório, onde salvam dois prisioneiros de serem mortos pelos vietcongues.

Um deles é o sargento Hawkins (John Cianetti), que explica estar numa missão especial e pede a escolta dos três soldados para chegar até seu contato. Segundo descobre-se mais tarde, Hawkins é a única pessoa que sabe onde está um grande carregamento de armas, com as quais o exército ianque poderia, veja você, GANHAR a guerra. Entretanto, alguns generais conspiradores se aliaram a fabricantes de armas pra que o conflito continue por tempo indeterminado, gerando enormes lucros para a indústria bélica (!!!).


O tal conspirador é o general George Delevane, interpretado pelo falecido Joe Spinell (esse rapaz bonito da foto aí de cima). Seu nome é o primeiro a aparecer nos créditos iniciais, mas suas cenas, somadas, não chegam a três minutos, e foram todas filmadas (provavelmente numa única tarde) numa salinha que deveria ser o Pentágono. Ah, e ele é visto quase sempre falando ao telefone, sem nunca participar da trama principal!

Se você ainda não entendeu a bomba que é OPERATION WARZONE, permita-me separar alguns "pontos altos" em tópicos, para facilitar a leitura:

* As granadas usadas por heróis e vilões têm potencial de destruição completamente diferente. Visualmente, a explosão de ambas mais parece um show de fogos de artifício do que qualquer outra coisa. Mas as granadas disparadas pelos heróis têm a capacidade de explodir casamatas e grupos de até seis soldados inimigos, enquanto as do outro lado, mesmo quando explodem ao lado dos heróis, não fazem nada além de atirá-los temporariamente no chão, sem proporcionar qualquer ferimento ou arranhão.



* A cada cinco minutos, Prior sai com alguma reviravolta completamente impossível em relação à identidade dos personagens. Isso envolve traições múltiplas, trocas simultâneas de lado (um cara que é aliado vira inimigo por um tempo e depois mostra-se aliado novamente!!!), e até identidades secretas, como o soldado raso que de repente revela ser agente secreto da CIA para o sargento que o conhece há meses.

* Os heróis normalmente acertam seus alvos, mas nunca são atingidos pelos inimigos, nem mesmo quando estão evidentemente na linha de tiro. A cena mais absurda é aquela em que um inimigo atira pelas costas em um dos personagens principais; este, além de não ser atingido, ainda vira com a maior tranqüilidade e responde ao fogo, matando seu agressor!

* Os vietcongues aparecem em menos de 10 minutos do filme, e são uns caras comuns vestidos com roupinha bege. Assim, na maior parte da história, o que vemos são soldados norte-americanos lutando entre si, já que a maior parte deles parece fazer parte do tal complô que quer manter a guerra em curso para faturar. Como os caras ficam se matando entre eles o tempo inteiro, dá até para entender como é que os EUA perderam a guerra!

* Todos os personagens precisam mostrar sua macheza trocando socos mais cedo ou mais tarde. Isso leva a uma cena hilariante em que Holt e Hawkins ficam 5 MINUTOS trocando porrada, acompanhados por uma música quase romântica e completamente fora de tom. Detalhe: apesar da violência dos sopapos, não aparece um sanguinho sequer saindo do nariz ou da boca de ambos!

* "Don't touch those spikes, if you touch them the poison will kill you immediatly!", alerta Holt, enquanto ele e os dois soldados se arrastam no túnel, e na cena seguinte os sujeitos estão encostando direto nas tais lanças pontiagudas, que dobram como se fossem de borracha (sem contar que eles poderiam facilmente ter arrebentado as estacas com suas metralhadoras ANTES de passar no meio delas!).


* No final, talvez na mais absurda das reviravoltas do roteiro, personagens que tinham morrido ao longo do filme reaparecem vivos e bem para lutar ao lado de Holt e Hawkins. Antes que você possa dizer "Puta que o pariu, mas como é que pode uma merda dessas?", saiba que não é dada qualquer explicação para tal fato humanamente impossível. A única hipótese plausível é que um feitiço vodu tenha ressuscitado os sujeitos. Talvez eles tenham simulado a própria morte antes, claro, mas não há qualquer justificativa para isso no roteiro. E outra: um deles ficou "morto" bem no meio do campo de batalha, com tiros passando sobre ele e granadas explodindo ao seu redor - ninguém poderia simular sua morte nestas condições com o risco de morrer de verdade!!!

Some-se a tudo isso os incontáveis erros de continuidade ou de filmagem (como a já clássica cena em que um soldado joga uma granada dentro de uma cabana e a explosão acontece metros ANTES do lugar onde a granada supostamente caiu!!!), e você terá uma idéia do trashão que é este OPERATION WARZONE, um filme impossível de levar a sério, mesmo que esta fosse a finalidade inicial de seus realizadores.


O roteiro foi escrito pelo próprio diretor com a ajuda do irmão Ted Prior, que normalmente é o galã dos filmes do maninho, mas aqui preferiu ficar apenas como co-roteirista e "diretor de arte". É isso mesmo, amiguinhos: se um Prior como roteirista já é ruim, imagine dois! O resultado é um verdadeiro insulto à inteligência, que provavelmente foi sendo improvisado à medida que as cenas eram gravadas (só isso justifica o excesso de "reviravoltas inexplicáveis" na trama).

Este não é, nem de longe, um dos filmes mais divertidos de Prior (o título pertence, com louvor, a "Deadly Prey"), mas mesmo assim será engraçadíssimo para quem curte assistir bombas e consegue entrar no clima e enxergar o "bright side of life", como cantava o Monty Python.

Agora, para pessoas mal-humoradas que não enxergam diversão em pérolas como essa (ou seja, uns 99% da humanidade), OPERATION WARZONE será apenas o que indiscutivelmente é: um filme pavoroso de tão ruim!

*******

APROVEITANDO A OPORTUNIDADE:

Não deixem de conferir a edição deste mês da excepcional revista virtual ZINGU, que traz um dossiê sobre Cinema de Bordas, incluindo uma looooonga entrevista com este que vos escreve e análise de suas obras PATRICIA GENNICE, ENTREI EM PÂNICO..., MISTÉRIO NA COLÔNIA e CANIBAIS & SOLIDÃO (provavelmente o trabalho mais amplo que já fizeram sobre um mequetrefe como eu). Ah, e tem também entrevistas e resenhas do trabalho de diretores de verdade, o Petter Baiestorf e o Rodrigo Aragão. IMPERDÍVEL!

*******


Trailer de OPERATION WARZONE


****************************************************************
Operation Warzone (1988, EUA)
Direção: David A. Prior
Elenco: Fritz Matthews, William Zipp,
John Cianetti, Sean Holton, David
Marriott e Joe Spinell.

10 comentários:

Allan Verissimo disse...

>um cara que é aliado vira inimigo por um tempo e depois mostra-se aliado novamente!!!

O novo INDIANA JONES tem uma trama igualzinha a essa que o senhor citou!

Gostei muito da critica, deve ser um filme bem trash no melhor estilo Ed Wood, mas só tenho uma duvida, o vhs é facil ou dificil de achar?
E, por sinal, parabéns pela entrevista, muito boa, mas com todo o respeito, eu não acho que só porque o senhor tem poucos recursos não deve levar o projeto a sério.O MASSACRE DA SERRA ELETRICA e HALLOWEEN (originais,claro)são filmes de orçamentos irrisorios e mesmo assim assustam do inicio ao fim.

Kurt Breichen disse...

Guerra, "Deadly Prey" é aquele em que sequestram a mulher do herói e no final ela acaba morrendo e ele surta e arranca fora o braço de um cara?

Felipe M. Guerra disse...

Esse mesmo Kurt, mas você não descreveu a cena em seu mais completo delírio: o herói corre em direção ao assassino da esposa, toma dois balaços à queima-roupa, não morre (nem sangra), puxa um facão, decepa o braço do sujeito (de onde não cai uma única gota de sangue), o vilão ao invés de cair no chão urrando de dor usa seu outro braço para tentar esganar herói, e o herói acaba matando-o a pancadas com o próprio braço decepado!!!! Em breve esta pérola ganhará sua devida resenha aqui.

Kurt Breichen disse...

Puta merda! É esse mesmo. Parece mentira, mas vi essa maravilha no cinema, quando era moleque (acho que tinha uns 12 ou 13 anos) - em minha cidade natal, havia uma daquelas saudosas espeluncas que só passava pornôs e "lançamentos" que já haviam saído em VHS há anos. Lembro até do pôster: como o filme tinha "extermínio" no título, tentaram fazer parecer um rip-off do "Exterminador do Futuro".

A propósito de absolutamente nada a ver com o tópico, tens idéia de onde posso conseguir legendas para "La Polizia Incrimina La Legge Assolve/High Crime", do Castellari? Estou com uma cópia do filme, só que é em italiano e eu não entendo quase nada do idioma. Mas só a perseguição de carros de dez minutos que tem no começo do filme já é mais kickass do que a maioria dos longas de ação que saem de Hollywood hoje em dia.

Anônimo disse...

oi amigos!
td bem com vcs??
venho aqui parabenizar o ótimo trabalho feito.
sucesso pra todos vcs!

sedentarios da web - seriados dublados

Luiz Alexandre disse...

Esse tenhoq ue baixar!
Outro filme "bonzão" do Prior é o Pelotão Vampiro, onde um grupo de vampiros americanos participam de guerras a séculos, sempre ao lado "do bem". HOnestamente, uma pena que não gerou continuações, divertidíssimo!

artur disse...

fala velho guerreiro, ai cara esse filme é muito louco, deve ser um daqueles filmes legais, quanto a sua entrevista no Zingu foi legal e támbem umas reportagens sua na Globo News, na Cultura e no Caldeirão do Huck.

vitor disse...

albert pyun não é tão ruim assim Felipe!eu pelo menos gostei de nemesis e cyborg!hehehehehe

Anônimo disse...

Até que pelo trailer o filme não parece tão ruim lol

Leonardo Peixoto disse...

Precisa trocar o vídeo do trailer , tem um substituto aqui https://www.youtube.com/watch?v=CckUxdUHilo .