quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

SORVETE DE LIMÃO (1978) e O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM (1982)


Desde 1978, pelo menos três gerações de pré-adolescentes aprenderam que toda mulher é ou uma vadia que só quer trepar, ou uma traidora sem coração que vai partir seu coração quando você menos esperar, graças à comédia israelense SORVETE DE LIMÃO, de 1978, e sua refilmagem norte-americana O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM, de 1982, ambas escritas e dirigidas pelo israelense de Tel-Aviv Boaz Davidson.

Claro, depois você vai crescendo e descobre que, na vida real, as mulheres não se dividem apenas nestas duas categorias mostradas nos filmes, embora existam muitas representantes de ambas as categorias zanzando por aí em busca de um coração para pisotear. Mesmo assim, é difícil não simpatizar (e até se identificar) com o protagonista das duas obras, Benzi no original e Gary no remake, devido à forma de partir o coração como os filmes terminam.


Inclusive eu nunca me esqueço da primeira vez que vi O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM. Ainda era um moleque na faixa dos 10 ou 12 anos, e quando os créditos finais começaram a subir, sobre uma imagem do protagonista dirigindo sozinho e derramando lágrimas de decepção, eu pensei comigo mesmo: "Não acredito que o filme vai terminar assim! Não é possível!".

Pois até hoje este mesmo pensamento passa pela minha cabeça toda vez que revejo o filme, motivo pelo qual já citei a conclusão de O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM como uma das mais tristes já filmadas. Além de comédias juvenis sobre sexo, tanto SORVETE DE LIMÃO quanto O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM podem ser encarados como dramas comoventes sobre um primeiro amor não-correspondido, incluindo até um caso de aborto no clímax das tramas de ambos os filmes.


E nossa "Sessão Dupla" de hoje é justamente sobre as duas versões dessa história saída da cabeça de Boaz Davidson. Como são igualzinhas (trata-se de uma daquelas refilmagens praticamente cena a cena), não havia razão para eu escrever resenhas separadas sobre cada filme, até porque iria acabar me repetindo. Sem contar que é muito divertido assistir às duas versões no mesmo dia para comparar onde as piadas e situações funcionam melhor, se em Israel ou nos Estados Unidos.

Por esse motivo, usei imagens tiradas das mesmas cenas nos dois filmes, para que o leitor possa conferir in loco como a refilmagem é fiel ao original até nos ângulos de câmera! Mas convém preparar os lenços; afinal, um coração partido dói tanto em Israel quanto nos Estados Unidos, e em qualquer lugar deste planeta.

(Uma boa dica é usar como trilha sonora da leitura este ótimo podcast da Daniela Monteiro, contendo a EXCELENTE trilha sonora dos dois filmes!)


SORVETE DE LIMÃO (1978)


Muita gente nem sabe que é o clássico do Cinema em Casa "O Último Americano Virgem" é a versão norte-americana de um grande sucesso do cinema israelense, a comédia "Eskimo Limon", popular no resto do mundo pelo título em inglês "Lemon Popsicle", e lançada em nossos cinemas em 1980 como SORVETE DE LIMÃO.

Trata-se da mesmíssima trama de "O Último Americano Virgem", mas com uma grande diferença: enquanto a versão norte-americana se passa na Los Angeles dos anos 80, mesma época em que o filme foi feito, o original tem um olhar mais nostálgico, com a trama situando-se na Israel da década de 50, nos moldes do que George Lucas fez em "American Graffiti - Loucuras de Verão" (1973).


É nesta época que acompanhamos as aventuras e desventuras de três jovens em busca de garotas fáceis e aventuras sexuais. Eles são Benzi (Yftach Katzur), que trabalha distribuindo blocos de gelo pelo bairro, numa época em que as geladeiras não eram iguais às de hoje; Momo (Jonathan Sagall, que depois teria papel de destaque em... "A Lista de Schindler"!), o comedor da turma, que passa o rodo geral nas meninas, e Yudale (Zachi Noy, de "Ninja, A Máquina Assassina"), o típico gordo atrapalhado estilo John Belushi.

(Quando o filme foi lançado nos cinemas norte-americanos, e dublado em inglês, os nomes "muito israelenses" dos três jovens foram mudados para versões americanizadas, pelas quais eles são mais conhecidos até hoje: Benzi virou Benji, Momo virou Bobbie, e Yudale passou a atender pela alcunha de Hughie!).


SORVETE DE LIMÃO começa com o trio reunido numa daquelas lanchonetes típicas dos anos 50, que tocavam rock-and-roll para animar os flertes da garotada. Os rapazes conseguem convencer duas meninas para uma sessão de cinema, mera desculpa para poderem bolinar as moças no escurinho, mas as trapalhadas começam desde cedo: sem dinheiro para comprar o ingresso, eles entram por uma porta lateral e são expulsos pelo lanterninha bem na hora em que a coisa está esquentando.

A partir de então, seguem-se várias confusões envolvendo sexo e promiscuidade, incluindo o encontro com uma prostituta daquelas em fim de carreira, que passa pediculose púbica (o popular "chato") para os três rapazes, e uma orgia com uma italiana fogosa que gosta de homens mais novos, interrompida na hora H quando seu namorado marinheiro volta de viagem. Tudo bem grosseiro, mas ainda assim engraçado, e com um olhar até meio ingênuo sobre a coisa toda.


A história muda de tom quando Benzi conhece uma garota nova na cidade, Nili (Anat Atzmon), e se apaixona por ela. Só que a moça também é cobiçada pelo pegador Momo, e o triângulo amoroso coloca em xeque a amizade entre os dois. Principalmente quando Momo tira a virgindade de Nili, e depois a abandona grávida e desamparada.

Benzi, que já tinha passado a maior parte do filme tentando fazer com que Nili abrisse os olhos e se apaixonasse por ele, resolve aproveitar a oportunidade para ajudar a moça: vende suas coisas, levanta uma grana e paga um aborto para que ela não se torne mãe solteira (suicídio social naqueles tempos repressores). Parece que a coisa vai entrar nos eixos e Benzi finalmente ficará com Nili, mas a história termina com uma cena final de partir o coração: embora seja uma comédia, não há nada sequer parecido com um final feliz, ou engraçado, em SORVETE DE LIMÃO...


Duvido que em pleno século 21 ninguém saiba como é que a história acaba (ou pelo menos como o remake "O Último Americano Virgem" acaba), mas vamos recapitular: Benzi vai à festa de aniversário de Nili com uma jóia que comprou e que lhe custou os olhos da cara, apenas para encontrá-la aos beijos e abraços na cozinha com... Momo!?! Exatamente, aquele mesmo cafajeste que semanas antes abandonou a garota depois de engravidá-la!

E sem direito a segunda chance: ao som da balada triste "Mr. Lonely", de Bobby Vinton, Benzi dá as costas para o (aparentemente) feliz casal e sai da festa com o caríssimo presente nunca entregue nas mãos, chorando, enquanto os créditos sobem devagar, sem uma última cena que redima os personagens ou pelo menos dê um mínimo de final feliz para o protagonista! Muita gente deve ter saído do cinema com a certeza de que mulher não presta...


O mais interessante é saber que a triste história de Benzi foi baseada num acontecimento da juventude do próprio diretor-roteirista Boaz Davidson, que também teve uma Nili em sua vida e também acabou com o coração partido no desfecho - motivo pelo qual ele deve ter lutado para filmar o inesperado final triste de SORVETE DE LIMÃO.

Talvez por isso, também, o enfoque no caso de aborto seja muito maior nesta versão do que no remake norte-americano (em que rápidas cenas da menina sendo preparada para a operação aparecem ao som de rock-and-roll). Aqui o processo é mostrado mais detalhadamente, quem sabe até com propósitos moralistas, tipo assustar a molecada da época para fazer sexo seguro.


Numa entrevista que consta como extra no DVD japonês de SORVETE DE LIMÃO, Davidson explica: "Quando eu era jovem, sofri com as dores da idade como todo mundo, e acho que algumas delas me acompanharam até a idade adulta, quando eu decidi voltar a elas e encerrar o ciclo, encerrar a história. O filme é baseado na minha vida: Benzi sou eu, seus pais são meus pais, os outros caras são os meus amigos da época e a garota por quem ele se apaixona é a garota por quem eu me apaixonei. Portanto, é um filme muito importante para mim".

Na mesma entrevista, Davidson assume que "American Graffiti" foi uma grande inspiração até para a escolha da trilha sonora, repleta de pérolas das décadas de 50-60, como "My Little One", de George Fenton, "Long Tall Sally", de Little Richard, "Rock Around The Clock", de Bill Haley and the Comets, "Lollipop", na voz das The Chordettes, e "Put Your Head On My Shoulder", de Paul Anka. Sabe-se lá se os israelenses pagaram direitos autorais para toda essa gente, mas a trilha é de primeira (você está escutando o DanyCast nesse momento, não está?).


SORVETE DE LIMÃO foi um grande sucesso no mundo inteiro na época do seu lançamento. Apesar de hoje ser visto (de forma preconceituosa e incorreta) como uma comédia rasteira de baixaria e mulher pelada, no final dos anos 70 o filme chegou até o circuito dos festivais de respeito, concorrendo ao Urso de Ouro no Festival de Berlim em 1978 e ao Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro em 1979!!! Digamos apenas que imitações posteriores, tipo o canadense "Porky's" (1982), jamais chegaram tão longe.

Para aproveitar o sucesso, foram produzidas nada menos de OITO continuações entre 1979 e 2001, quase todas estreladas pelo mesmo trio de atores na pele dos mesmos personagens (e sem nunca explicar como Benzi e Momo continuaram sendo amigos depois do que aconteceu na conclusão do filme original!).


Boaz Davidson dirigiu as três primeiras: "Yotzim Kavua/Going Steady" (1979), que é basicamente mais do mesmo; "Shifshuf Naim/Hot Bubblegum" (1981), que mostra Benzi voltando a se envolver com a mesma Nili do original (e se ferrando outra vez), e "Sapiches/Private Popsicle" (1983), em que os três amigos entram no Serviço Militar, mas continuam se metendo em confusões sexuais.

As sequências seguintes foram "Roman Za'ir/Baby Love" (1984), dirigida por Dan Wolman, em que Benzi se apaixona pela irmã de Momo; "Harimu Ogen/Up Your Anchor" (1985), em que Benzi e Yudale vão trabalhar como marinheiros num cruzeiro (desta vez sem Momo, pois o ator pulou fora); "Ahava Tzeira/Young Love" (1987), dirigido por Walter Bannert, reunindo outra vez os três amigos e colocando-os para trabalhar num resort de férias; e finalmente "Summertime Blues: Lemon Popsicle VIII" (1988), uma bizarra co-produção Israel-Alemanha (!!!) dirigida por Reinhard Schwabenitzky, e a última sequência a trazer os três atores principais da série (na época já acima dos 30 anos, mas ainda fazendo papel de adolescentes!).

Um nono filme foi produzido em 2001, "Lemon Popsicle 9: The Party Goes On", dirigido por
Tzvi Shissel, e com uma trama que se passa nos anos 60. Outros atores assumiram os papéis principais, já que os astros originais eram quarentões àquela altura.


Apesar de hoje a franquia ser praticamente desconhecida no Brasil, seus filmes foram muito populares nas grandes cidades nos tempos das salas de cinema de rua, e alguns também chegaram às nossas locadoras ou às telinhas via SBT. Para não se perder, confira o que chegou ao nosso país e o que permanece inédito:
* "Eskimo Lemon/Lemon Popsicle": exibido apenas nos cinemas como "Sorvete de Limão"; inédito na TV e em VHS/DVD.
* "Yotzim Kavua/Going Steady": inédito no Brasil.
* "Shifshuf Naim/Hot Bubblegum": exibido em nossos cinemas e no SBT como "Paquera e Curtição", mas lançado em VHS pela América Vídeo com um título escalafobético: "Os Americanos Virgens Agora Chupam Sorvetes" (!!!).
* "Sapiches/Private Popsicle": inédito nos cinemas e na TV, mas lançado em VHS pela América Vídeo como  "Recrutas da Pesada" (mesmo título de uma comédia estrelada por Bill Murray).
* "Roman Za'ir/Baby Love": exibido nos cinemas como "Doce Baby Love" e pelo SBT como "Amor de Menina"; inédito em VHS/DVD.
* "Harimu Ogen/Up Your Anchor": exibido nos cinemas e lançado em VHS pela América Vídeo com o título picareta "O Último Americano Virgem 2"!!! (Lembro que loquei esta fita para ver se a história realmente iria continuar do final de "O Último Americano Virgem", e obviamente me decepcionei bastante ao descobrir que era uma história completamente diferente.)
* "Ahava Tzeira/Young Love": exibido pelo SBT como "Loucuras de Verão" (mesmo nome brasileiro de "American Graffiti"!); inédito nos cinemas e em VHS/DVD.
* "Summertime Blues: Lemon Popsicle VIII": inédito no Brasil.
* "Lemon Popsicle 9: The Party Goes On": inédito no Brasil.


É comum ler por aí que "O Último Americano Virgem" teria sido influenciado pela comédia canadense "Porky's". Mas a verdade é que foi "Porky's" quem se inspirou em SORVETE DE LIMÃO. O filme de Bob Clark também trata das aventuras sexuais de adolescentes nos anos 50, e tem até algumas cenas bem parecidas com a comédia israelense.

Aqui, por exemplo, há um momento em que a garotada do colégio faz uma competição para ver quem tem o maior pinto, e Benzi e Yudale medem todos os membros da rapaziada com uma régua para eleger o vencedor. Pois a cena inicial de "Porky's" mostra justamente o looser Pee-Wee medindo o próprio pinto com uma régua e analisando o resultado num "gráfico de crescimento" que guarda debaixo da cama!


SORVETE DE LIMÃO provavelmente foi um dos precursores das comédias juvenis sobre sexo, um subgênero que seria explorado à exaustão nos Estados Unidos na década de 80, sempre mostrando jovens idiotas e tarados correndo atrás de belas garotas peladas. "Férias do Barulho", "Quando a Turma Sai de Férias" e "A Grande Encrenca" são alguns dos títulos mais conhecidos desse ciclo, que nos anos 90/2000 renderia ainda a série "American Pie".

Ironicamente, o filme israelense nem é tão safado assim - pelo menos não tanto quanto os que vieram depois, incluindo suas continuações. O nível de nudez é bem baixo, o sexo é bastante tímido, e quando um moleque espia as meninas do colégio tomando banho por um buraco na parede do vestiário, por exemplo, as garotas aparecem apenas de calcinha e sutiã. A única cena mais cabeluda é a visita dos rapazes à italiana ninfomaníaca, que aparece completamente nua. Fora isso, SORVETE DE LIMÃO é uma comédia até bem inocente para os padrões atuais.


Mas embora eu goste muito do filme de Boaz Davidson (principalmente por causa da sua trilha sonora, e da forma como as músicas casam com as cenas, uma coisa de gênio!), tenho que confessar que prefiro a versão norte-americana "O Último Americano Virgem". Talvez porque este aqui mostre um momento bem particular do seu diretor-roteirista, que teve a infância e a juventude nos anos 50, enquanto eu me identifico muito mais com a molecada anos 80 mostrada na refilmagem.

A ideia de refilmar SORVETE DE LIMÃO veio da cabeça dos primos Yoram Globus e Menahen Golan, que produziram a série original em Israel. Quando eles montaram a Cannon Films para fazer seus próprios projetos nos Estados Unidos, o remake de SORVETE DE LIMÃO foi um dos primeiros da lista, já que os originais faziam grande sucesso também nos EUA (onde eram dublados em inglês).

Inclusive "O Último Americano Virgem" seria o primeiro episódio da série "Eskimo Limon" norte-americana, mas infelizmente não fez o mesmo sucesso dos originais e acabou ficando somente neste único episódio mesmo. Portanto, vamos a ele...


O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM (1982)


Quando moleque, eu interpretava O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM simplesmente como uma comédia sobre sexo. Afinal, o filme trazia todas aquelas confusões típicas envolvendo jovens cabaços que tentam pegar meninas fáceis, piadas machistas como a competição de medir o tamanho do pinto ou o rapaz que espiona as garotas tomando banho no vestiário do colégio, e por aí vai.

Mas hoje a minha visão sobre O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM é completamente diferente: sim, o sexo e a safadeza estão lá, e em doses muito maiores que no original israelense "Sorvete de Limão". Porém o filme parece muito mais triste e melancólico do que eu me lembrava. E a conclusão... cacetada! Já escrevi no começo, mas vale lembrar que poucos finais me chocaram tanto na minha longa vida de cinéfilo quanto o desta comédia...


Concebido como o primeiro filme da série "Lemon Popsicle" norte-americana (acabou sendo o único, pois os originais faziam mais sucesso que a refilmagem), O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM também foi escrito e dirigido pelo israelense Boaz Davidson, com algumas pequenas modificações aqui e ali.

A principal delas é que enquanto "Sorvete de Limão" se passava nos anos 50, a trama aqui se desenrola na própria década das filmagens, os anos 80. Por isso alguns espectadores (eu incluso) vão se identificar muito mais com a história e os personagens.


A ambientação também mudou: sai Israel, entra Los Angeles, onde mais uma vez acompanhamos as aventuras e desventuras de três jovens em busca de garotas fáceis e aventuras sexuais. Agora eles já andam de carro (e não de bicicleta, como no original) e trabalham em pizzarias (e não como entregadores de gelo), mas, na essência, são igualzinhos às suas versões israelenses lá de 1978.

O trio agora é formado por Gary (Lawrence Monoson, que também interpretou um cabação que se dá mal em "Sexta-feira 13 Parte 4 - O Capítulo Final), um tímido entregador de pizza; Rick (Steve Antin, vilão juvenil em "Os Goonies"), o comedor que passa o rodo geral sem ligar para os sentimentos das moças ou para a possibilidade de elas engravidarem, e David (Joe Rubbo), o gordo atrapalhado versão EUA.


Se "Sorvete de Limão" começava com o trio convencendo duas meninas a pegar um cineminha, mas cheios de segundas intenções, aqui a parada é mais pesada: eles convencem três garotas assanhadas a irem até a casa de Gary (cujos pais vão passar a noite fora) para uma festa que não existe regada a drogas que não existem (eles chegam a fazer linhas de açúcar para imitar cocaína, em cena que costumava ser cortada nas exibições na TV). Rick é o único que consegue transar com uma das garotas, enquanto os amigos se ferram quando os pais de Gary voltam para casa mais cedo.

(Esta é uma das poucas cenas de O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM que não existe no original israelense. Mas o diretor Davidson pegou-a emprestada do terceiro filme da série "Lemon Popsicle", mais conhecido por aqui como "Paquera e Curtição".)


O restante do filme segue fielmente o roteiro de "Sorvete de Limão", inclusive na ordem das cenas: o concurso de maior pinto, o encontro com uma coroa ninfomaníaca (aqui latina ao invés de italiana), a transa com a prostituta que rende chatos ao trio, e até a cena em que eles roubam o carro de um amigo nerd para ir namorar na praia e acabam afundando o conversível no mar!

Como também acontecia no original, a história começa a se complicar quando Gary se apaixona por Karen (Diane Franklin, de "Amityville 2 - A Possessão"), que por sua vez está na mira do pegador Rick. Apesar dos constantes esforços do tímido virgem para se declarar à menina, é Rick quem transa com Karen. E a engravida. Aí Gary tenta resolver a situação e... o final é aquele mesmo de "Sorvete de Limão", aqui em versão ainda mais filha da puta!


Por que mais filha da puta? Bem, aqui a cena mostra Gary encontrando Karen e Rick aos beijos ao som de "Just Once", de James Ingram. A diferença em relação à conclusão do original israelense é que lá o diretor fazia questão de mostrar que a personagem da menina (Nili) percebia que tinha pisado na bola, e até ficava triste ao perceber que Benzi a pegara no flagra voltando para o outro rapaz; aqui, em compensação, Karen olha para Gary e dá um sorrisinho típico de mulher vagabunda, como se estivesse fazendo pouco caso do coração partido do protagonista.

(Você pode comparar o final dos dois filmes nos vídeos abaixo, mas convém preparar-se para o choque, porque ambos são de partir o coração!)

Cena final de "O Último Americano Virgem"



Cena final de "Sorvete de Limão"



Além de Monoson, que depois apareceu em "Sexta-feira 13 Parte 4", dois outros nomes ligados ao horror bateram cartão em O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM: o veterano Mel Welles, ator em "A Pequena Loja dos Horrores" e diretor de "A Mulher de Frankenstein", aparece como um farmacêutico, e Brian Peck faz o papel do nerd Victor. Para quem não ligou o nome à pessoa, Peck integrou o elenco dos três primeiros filmes da série "A Volta dos Mortos-Vivos", mas sempre em papéis diferentes, sendo mais lembrado como o punk Scuz no original (depois ele fez pontas como zumbis nas duas sequências).

E não dá para deixar de registrar a presença de Kimmy Robertson como Rose, amiguinha feia de Karen que acaba se apaixonando por Gary. Kimmy ficou imortalizada na cultura popular como a secretária da delegacia do seriado "Twin Peaks", e aqui já dá uma demonstração da sua voz chata, que depois seria tão marcante na série criada por David Lynch.


Ah, outra informação digna de registro: Steve Antin na vida real era gay assumido, e inclusive namorou com o famoso executivo da música David Geffen em meio aos anos 80. O cara está bem convincente como pegador no filme, mas já era homossexual na época das filmagens. Mais recentemente, Antin abandonou a carreira de ator para concentrar-se na de diretor-roteirista: foi ele que assinou o musical "Burlesque" (2010), com Cher e Christina Aguilera. Assim, do elenco do filme, foi provavelmente o que chegou mais longe.

Por sinal, alguns sites alegam que Lawrence Monoson também saiu do armário nos anos 80, o que tornaria o triângulo amoroso mostrado em O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM bem suspeito (talvez os dois moleques no fundo estivessem disputando um ao outro, e não a mocinha!). Entretanto, como não encontrei referências confiáveis de que Monoson morde a fronha, fica a dúvida no ar. Já o gordinho Joe Rubbo apareceu como gordinho trapalhão (claro!) em outra comédia adolescente sobre sexo, "Férias Ardentes" (1985), e depois abandonou o cinema para virar corretor. Dizem as más línguas que chegou a ser preso por crimes contra a Receita.


Se "Sorvete de Limão" chamava a atenção pela qualidade da trilha sonora, repleta de pérola dos anos 50-60, aqui os realizadores repetiram a dose com outra trilha maravilhosa, agora formada por sucessos das décadas de 70-80, como The Police ("De Do Do Do, De Da Da Da"), K.C. and The Sunshine Band ("That's the Way I Like It"), Oingo Boingo ("Better Luck Next Time") e REO Speedwagon ("Keep on Loving You"), entre outros.

Também vale destacar algumas poucas mudanças feitas aqui, em comparação com o original israelense. Em "Sorvete de Limão", havia mais cenas em que Benzi era cobrado por sua família para tomar jeito e dar um rumo à sua vida, que não estão aqui. Já quando os amigos iam na farmácia comprar remédio para matar chatos, eram atendidos primeiro por uma funcionária, o que deixava a situação ainda mais constrangedora. Aqui, eles já são atendidos direto por um homem, mas aparentemente a cena foi filmada igualzinho à versão israelense e depois diminuída, pois os créditos finais indicam Sylvia Lawler, que não aparece no filme, como "Assistant Druggist".


Talvez o inesperado fracasso de bilheteria de O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM possa ser explicado pelo fato de o filme ter estreado nos cinemas no mesmo ano que "Picardias Estudantis", excelente comédia dirigida por Amy Heckerling, que ficou com todos os holofotes.

Como "Picardias Estudantis" também tem um toque dramático envolvendo o aborto feito por uma das personagens (Jennifer Jason Leigh), muitos críticos da época erroneamente afirmaram que O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM era uma cópia barata do filme de Heckerling, ignorando que na verdade era remake de um filme de 1978, e portanto se alguém copiou alguém foi o próprio "Picardias Estudantis"!


Pelo menos o tempo fez justiça à comédia de Davidson, transformando-a numa espécie de clássico cult, não só pelas incontáveis reprises na TV ao redor do mundo, mas principalmente pelo fato de o filme ser muito mais interessante e maduro (acredite se quiser!) do que várias outras comédias adolescentes sobre sexo do mesmo período.

Há alguns anos, um reencontro do elenco de O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM foi realizado nos Estados Unidos, juntando no mesmo palco alguns dos atores principais e secundários do filme, e reuniu uma multidão de fãs. O moderador dos debates foi ninguém menos que o cineasta Eli Roth, de "Hostel" e "Cabana do Inferno"!


Eu já disse antes que prefiro e me identifico muito mais com O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM, embora goste bastante de "Sorvete de Limão" também, e explico o porquê: enquanto o original era uma comédia farsesca mais descarada e escrachada, aqui existe uma química legal entre os protagonistas, como se os três fossem amigos de verdade na vida real, e não apenas jovens tarados em busca de sexo.

Além disso, quem nunca passou por situações parecidas com as de Gary e sua turma? Não estou me referindo a pagar abortos para meninas mal-agradecidas, mas de aspectos específicos da trama que são bem realistas, ao contrário dos exageros e absurdos vistos em filmes como "Porky's" e, mais recentemente, "American Pie". Se na vida real ninguém enfia o pinto em tortas (ou pelo menos eu gostaria de acreditar que não), é muito fácil identificar-se com algumas das situações apresentadas na comédia de Boaz Davidson.


Nunca esqueci, por exemplo, da noite em que eu, ainda um garoto em meus 14 ou 15 anos, fui a uma festa e encontrei a menina por quem eu era apaixonado aos beijos com um amigo meu, e aí enchi a cara até não conseguir ficar de pé, voltei para casa e fiz o maior fiasco diante dos meus pais. No filme há uma cena muito parecida, quando Gary "bebe para esquecer" ao ver Rick e Karen numa festinha e depois apronta todas ao chegar doidão em casa bem na hora de uma inesperada reunião de família!

E quem nunca fez um favor para um amigo ficando com a amiga feia da bela garota com quem ele iria sair, pois as duas só sairiam juntas? Lembro, desta vez com certo desgosto, que certa vez fui um verdadeiro herói encarando um tribufú daqueles só para que um amigo meu pudesse se dar bem. Pois aqui tem uma cena muito parecida, quando Gary precisa sair com Rose à força - e na verdade ele reclama de barriga cheia, pois Rose nem é tão feia assim, e certamente é uma Gisele Bündchen perto do tribufú que EU encarei para ajudar meu amigo!


Enfim, são esses pequenos momentos parecidos com a vida de gente como a gente que fazem de O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM uma comédia romântica clássica, ora safada e sem-vergonha, ora triste e melancólica. Pena que, hoje, os filmes sobre a iniciação sexual da rapaziada sejam tão moralistas e tão cheios de dedos, tipo as continuações de "American Pie" (o primeiro até se salva por alguns momentos mais sem-vergonha).

Pois se dependesse de mim, O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM teria exibição obrigatória para a molecada nas escolas. Afinal, a forma como o filme enfoca o sexo (in)seguro e suas consequências (aqui ninguém usa camisinha ou faz qualquer menção a preservativos, ao contrário do que acontecia em "Sorvete de Limão") é muito mais eficiente na educação sexual da garotada do que qualquer aula ou vídeo institucional.

Sem contar que a conclusão ainda prepara a meninada para ser um pouquinho mais forte e insensível nas inevitáveis desilusões amorosas que virão pela frente...


Trailer de SORVETE DE LIMÃO



Trailer de O ÚLTIMO AMERICANO VIRGEM



*******************************************************
Eskimo Lemon / Lemon Popsicle (1978, Israel)
Direção: Boaz Davidson
Elenco: Yftach Katzur, Anat Atzmon, Jonathan Sagall,
Zachi Noy, Ophelia Shtruhl, Dvora Kedar, Avi Hadash,
Rachel Steiner e Yehoshua Luff.

The Last American Virgin (1982, EUA)
Direção: Boaz Davidson
Elenco: Lawrence Monoson, Diane Franklin, Steve Antin,
Joe Rubbo, Louisa Moritz, Brian Peck, Tessa Richarde,
Kimmy Robertson, Mel Welles e Phil Rubenstein.

50 comentários:

Oswaldo disse...

Parabéns! show de bola essa sua analise!

Apesar de ter 30 anos, só fui ver "O Último Americano Virgem" ano passado e achei muito bom, principalmente o famoso final. Vou tentar achar o filme original para também poder comparar com o remake americano.

Que tal fazer uma critica do filme KIDs de 1994?

abraço

Marco A. S. Freitas disse...

Não, não foram as ´más línguas´ que falaram sobre o Rubbo ter sido preso...isso consta de vários jornais dos EUA (ele, junto da m~e arrecadou dinehiro para uma suposta produção cinematográfica e o filme nunca foi feito...quem investiu ficou a ver navios)...via por mim, eu não estava chutando quando te disse isso há uns dias, Felipe.
O Antin tbm escreveu a refilmagem de GLORIA, originalmente um clássico do Cassavetes.
Gosto tanto do filme americano que ´fiz´ uma camiseta, há uns dois anos, com o cartaz do filme (tipo Silk-screen) e há umas duas semanas, falei num programa de rádio gaúcho sobre várias das canções da trilha e elogiei o excepcional astro do filme (quem tiver tempo e saco, busque o drama GABY, com a Liv Ullmann, em q ele interpreta um mexicano com paralisia cerebral...é das performances de ´deficientes´ mais realistas que eu já vi na vida...isso sem contar os momentos em q ele rouba a cena em MASK, no papel do Biker mirim q é amigo do personagem de Eric Stolz).

Anônimo disse...

Guerra, você realmente se superou.Nunca tinha ouvido falar desse filme. Até achei que fosse aquele do Jim Carrey em início de carreira. Quando vc vai voltar a fazer resumos de filmes brasileiros na década de 80 ?

Márcio

Daniel I. Dutra disse...

Podem me chamar de burro.

Mas porque diabos o filme se chama "Sorvete de Limão"?

Anônimo disse...

Será que só eu reparei na semelhança física entre os dois protagonistas dos filmes referidos?
Dá pra ver que o pessoal da Cannon queria tudo igual na refilmagem.
Eu pensava que conhecia apenas "O último americano virgem". Me enganei.
Ao ver as imagens do original, me veio uma vaga lembrança que eu já o havia assistido em algum "Corujão" ou "Sessão Comédia" da vida.
Obrigado Felipe por reavivar essa lembrança da minha vida.

Paulo Geovani

Anônimo disse...

Outro filme desse período e que segue a linha "adolescentes + sexo" é aquele "A primeira transa de Jonathan".

Rafael

Bússola do Terror disse...

Bom, eu sou um dos que não sabiam que O Último Americano Virgem era um remake.
Aliás, eu nem sabia da existência do original israelense!
Achei legal a comparação que você fez entre os 2.

Marco A. S. Freitas disse...

Um adendo>apesar do gordinho Rubbo ter, sido acusado de tentar surrupiar grana de pessoas com promessas de investimentos em filmes, o que o levou, realmente a ir em cana,junto do irmão, foi por trabalhar na ´subsidiária´ do sul da Florida, da Família Mafiosa Bonanno. Cerca de 10 pessoas, incluso o ator, foram presos por envolvimento em jogatina, extorsão, cheques falsos, venda ilegal de remédios e fraudes em planos de saúde.
-Mais uma curiosidade> o veteraníssimo ´Faz-Tudo` Mel Welles tbm trabalhou no ´processo de americanização´ (tradução/adaptação do roteiro e remontagem/reedição) do clássico seriado televisivo SPECTREMAN.

Fairchild disse...

O final é cabuloso mesmo, desacreditei quando vi o filme na época, me perguntei se estava vendo uma comédia mesmo. Valeu Felipe, não sabia que se tratava de um remake.

laurindo big boss disse...

Laurindo Big Boss: Amigo Felipe, voce começou 2013, nos brindando com dois sucessos, que a minha geração apelidava carinhosamente de"SESSÃO COCA-COLA", aonde voce se divertia vendo filmes de humor quase chulo,alguns PEITOS, BUNDAS E VAGI...,que nos divertiam, porque penso eu muitos devem ter se visto em alguma destas situações dos filmes.Na minha opinião O ULTIMO AMERICANO VIRGEM,é melhor, porém não tiro o merito de SORVETE DE LIMÃO, também muito engraçado(Boaz Davidson, tinha boa mão para estes filmes). Felipe, voce começou o ano com o pé direito(não o filme), ótima resenha...Abraço, Laurindo Big Boss.

Felipe M. Guerra disse...

Calma MARCO, que eu usei o termo "más línguas" de brincadeira, só para não precisar citar a fonte. hehehe. Interessantes suas informações sobre a prisão do gordinho, mas o cara tendo um nome mafioso desses - Joe Rubbo - nem me espanta o fato de ter sido preso por ligações com a Máfia! Quanto ao Mel Welles, realmente ele foi o responsável pela versão do Spectreman que vimos aqui no Brasil, mas falarei mais sobre essa figuraça e sua excêntrica carreira no futuro, quando resenhar o seu "A Mulher de Frankenstein"!

massega disse...

Mestre Felipe, concordo contigo qdo vc diz q esses filmes deveriam passar nas escolas.
mas Sessão da tarde hj em dia ñ pode passar Lagoa azul!!!

eduardo disse...

seo sorvete é de limão, por que no cartaz ele é rosa com 3 cerejas em cima ?????

Rogerio disse...

Quando o SBT exibiu o Último Americano Virgem a primeira vez, eu ria muito. O meu irmão mais velho tinha assistido no cinema e me alertou: tá rindo! te prepara pro final.
Eu achava que seria uma coisa MUITO engraçada, quando teve um dos finais mais tristes mesmo que tinha visto até então. NO outro dia quem tinha assistido o filme dizia: que moleca fidaputa...
P.S. Enquanto lia a resenha na minha mente tocou "Just Once".

spektro72 disse...

eu nem preciso colocar nota de alguma coisa pois a informação do nosso amigo marco a.s. freitas esta corretissima sobre MEL WELLES Logico" VERSÃO CENSURADA "Assistam a versão original SPECTREMAN parece " SEXTA - FEIRA 13 " Muito episodios com doses de sangue ate mortes macabras e tirem as duvidas de qual versão foi melhor eu ja tirei pois sou fã dele, afinal !foi primeiro tokusatsu que assisti na TV EM 1981 achei a japonesa melhor, do americano eu gosto da abertura e introdução,o nosso mestre não errou em nada dos filmes desta serie "SORVETE DE LIMÃO" os que sairão aqui no brasil tanto em Video quanto na TV tá tudo correto,gosto mais do ultimo americano virgem mesmo por que a primeira versão e inedita para mim ,PORKY'S ,A PRIMEIRA TRANSA DE JONATHAN,FERIAS DO BARULHO, FERIAS DA PESADA dentre outros, são filmes de uma decada que não vou esquecer que foram os anos 80 pós fim da censura federal. parabens, mestre felipe ! por mais esta resenha nostalgica de filmes que nunca mais serão exibidos na TV Aberta,um abraço de SPEKTRO 72, Bom 2013 para você e á todos desta comunidade.

Anônimo disse...

O Último Americano Virgem é um dos "clássicos do SBT". rsrs

E eu também não sabia que era remake, mas pelas imagens, e como citaram aí, eu acho que JÁ VI o original, e nem lembrava! rsrs

Sabe aquela sensação de Deja Vu? Então, foi exatamente isso o que eu senti ao ver as imagens do filme original aqui na resenha!

Talvez eu tenha visto tanto um quanto o outro achando que era o mesmo filme, já que as cenas foram refeitas todas iguais e os protagonistas dos dois filmes são praticamente IDÊNTICOS. rsrs

E acho que não seria fácil eu ser enganado não... eu sou um dos "otários" que na infância achava que "O Último Tubarão" era o Tubarão 4, e eu achava que "Tubarão A Vingança" era Tubarão 5.

Talvez tenha uma porrada de filmes que eu já tenha visto na infância (anos 80) e que ou achava que pertencia a alguma franquia famosa, ou por serem remakes idênticos aos filmes originais, eu não percebia a diferença. rsrs

E essa coisa do "primeiro amor traidor" também aconteceu comigo. Isso é... mais ou menos. Na verdade, a garota por quem eu era (e AINDA SOU) apaixonado nunca esteve afim de mim. Ela era minha amiga (amiga mesmo, de vir na minha casa pra gente brincar, estudar, etc...), eu é que realmente viajei na maionese achando que ela estaria me dando mole. Acontece que como ela era minha amiga ela me tratava muito bem, então eu confundi as coisas... pena que eu só percebi minha burrada anos depois, pois quando ela arranjou o primeiro namorado eu fiquei tão puto, mas tão puto, que briguei feio com ela (de xingar mesmo). Conclusão, estou há pelo menos uns 20 anos tentando reconquistar a amizade dela. kkkkkkkkkkkkkk. Parece coisa de retardado, mas é a verdade! Eu não consigo tirar ela da minha cabeça, ela já namorou uns 3 ou 4 caras, e eu ainda achando que existe alguma possibilidade pra mim. Mas a coisa que mais quero é reconquistar a amizade da garota. Porque não importa com quem ela fique, ou com quem eu fique, ela foi realmente DE FATO minha amiga algum dia. E amigos verdadeiros é coisa rara, tanto é que eu tenho pouquíssimos amigos de verdade! A maioria que se diziam meus amigos me passaram a perna!

Abraços!







Night Owl.

Expedito Paz disse...

Parabéns pelo ótimo texto, eu sou outro que não sabia que O Último Americano Virgem era uma refilmagem. Gosto demais do filme, embora sempre dê vontade de dar uns tapas na garota alma sebosa lá... quenga maldita.

Anônimo disse...

Os meus colegas leitores já citaram outros filmes em que adolescentes tentam no meio de muita confusão perder a vingindade. Mas se esquecem ou desconhecem o filme "Almôndegas 3" em que um jovem desajeitado e tímido é ajudado pelo espírito de uma atriz pornô para ser desvirginado. kkkkk

Paulo Geovani

Guilherme Araujo disse...

Nossa, eu também não sabia que "O último..." era uma refilmagem; muito menos que "Paquera e Curtição" era continuação de outra série...
Excelente artigo!

Sérgio disse...

achei o final da versão israelense muito mais triste

spektro72 disse...

este filme " Yotzim Kavua/ Going Steady" descobri hoje que tenho o filme aqui pois comprei ha um ano e meio no AMAZON.COM ele faz parte do pack" 50 MOVIE DRIVE IN MOVIE CLASSICS",outra coisa ator Joe Rubbo fez um filme " Hot Chili" 1985 Direção de Willian Sachs, passou no brasil na Sessão Fim de Noite no SBT 2007 ,titulo dele é "FERIAS ARDENTES" Eu assisti achei engraçado lembra PORKY'S dentre outros filmes da pornochanchada americana.
Spektro 72

Anônimo disse...

Sensacional análise, já tinha falar ouvido que o último americano virgem era um remake desse filme israelense, mas não imaginava que era tão idêntico até os protagonistas,cenários e angulos de camêras, como você citou na sua análise.Um Pretendo assistir o original também. valeu!

andre hard core disse...

Nem lembrava q era a mina do Amityville. Gostosinha ela né?

Anônimo disse...

Uma coisa que esqueci de dizer: Eu tava lendo sobre o que o Felipe escreveu de "quem nunca ficou com a amiga feia da mina que seu amigo quer pegar num encontro". kkkkkkkk!

Eu já paguei esse pato várias vezes, Felipe. rsrs

E eu só tive sorte uma única vez: Um amigo meu me chamou pra acompanhar a amiga da mina que ele tava pegando. E ele chegou pra mim e disse: "Pô, velho, quebra esse galho pra mim, a mina é feia mas é só por uma noite". Quando eu cheguei ao local do encontro eu vi meu amigo e duas meninas. Uma feia pra karaleo, e outra LINDA e gostosa. Eu já tava me preparando pra ficar com a feia, quando meu amigo saiu abraçado com ela. Depois que eu percebi que ele achava a mina gostosa feia e a feia ele achava bonita. KKKKKKKKKKKKK!

Sério, eu achei que o cara tava doidão ou alguma coisa assim, mas por pelo menos UMA VEZ eu peguei a menina bonita e gostosa num encontro desses! rsrs

Tá vendo como é bom existir pessoas com gostos variados??? rsrs Um dia a gente pode se dar bem! kkkkkkkkkkkkkkkkk!




Night Owl.

Leon Alves disse...

Excelnet resenha! Já tinha dado um aolhadela no seu blog, mas pelo saudosimo dos anos 80 (e eu sou muito saudosista) acabei lendo tudo.
Não sabia da existencia do original, mas lembro bem quando vi pela primeira vez no SBT (Acho que ainda chamava-se TVS). Eu era um juvenil, criado a leite com pêra, e fiquei alguns minutos estupefato, olhando para a tela.
Sobre essa "ajuda" aos amigos, de sair com a amiga feia, isso era MUITO comum nas decadas de 80 e meados de 90. Mas tb ja me dei bem, quando a amiga acompanhante era MUITO mais bonita que a menina que meu amigo ficou. hehehe...
Belos tempos!

Ferraz disse...

Freqüento esporadicamente seu blog mas a um certo tempo... Embora faça poucos comentários, (ate deixei um em 10 min para morrer, em um antigo blog) Mas Depois de ler seu resumo de 300 filmes, me senti na obrigação de Te PARABENIZAR, e tbem agradecer pelo trabalho voluntario nesse blog...
Encontrei pela 1º vez ao procurar algum comentário em minha língua sobre uma raridade que certa vez tive em mãos por 13 Reais num balaio e nunca mais voltei a encontrar o filme era "Os 5 dedos da morte" tinha cara de um "cult exploitetion" na capa mencionava Tarantino, mas não quis comprar sem antes ter mais informações... Para o meu azar... (erro q não voltaria a cometer mais tarde ao encontrar outra pérola - "O Mestre da Guilhotina Voadora")
Acabei voltando involuntariamente outras vezes ao pesquisar sobre outros filmes (10 minutos p/ morrer, Cyborg - Dragão do Futuro, Perdidos no vale dos Dinossauros e outros Western Spaguettis q não lembro o nome) ate perceber q era aqui a casa destes classicos renegados por 90% da humanidade!!! rsrs
Finalmente, como vc não possui nenhum retorno financeiro com este blog, e como eu não encontrei informação em nenhum lugar, gostaria que vc disponibilizasse alguma forma para que nós consumidores dos seus textos pudéssemos contribuir com a preservação deste espaço.

Grande Abraço
Dante Ferraz

Anônimo disse...

Com esses filmes que comecei a saber o que era bom nesse mundo. Muitas recordações da infância vieram a mente ao ler esse relato. Realmente, filmes que deveriam ser obrigatórios.

Anônimo disse...

Ricardo Lira

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR!!!!

Por que o SBT não reprisa mais estes filmes? Enquanto reprisam 'Denis - O Pimentinha' e outros filmes infantis depois das 23:00 hs a exaustão. Eu acho que ser programador da grade de filmes "antigos/reprises" no SBT deve ser o trabalho mais mole do mundo o cara reprisa esses filmes bobocas e o titio Silvio não tá nem, aí!

Abaixo assinados e mensagens para o site do SBT galera!

Vamos fazer a revolução. rsrsrsss

Belíssima resenha e a Diane Franklin era mesmo muito gata e a Anat Atzmon também para não ser injusto.

PS. Quanto ao abaixo assinado era zoação, acho que não adiantaria nada, esse povo da TV aberta caga e anda para a audiência... e não é de hoje!

Beth disse...

Muito legal, tava esperando a resenha desse filme há tempos!!! Valeu Felipe!!!!!

John Merrick disse...

Além das continuações citadas teve um spin-off em 1983,"Sababa".

De acordo com o IMDB, mostra o Yudale (Zachi Noy) se metendo em confusões no exército.

Foi escrito pelo Boaz Davidson também.

Urublu-ray disse...

Um filme brasileiro dos anos 80 chamado BANANA SPLIT, ambientado nos anos 50, usou o mesmo esquema de 3 amigos (um tímido e desajeitado, um pegador e um gordo bobão) tentando comer todas. Me lembro pouco, mas passou na extinta Manchete nos anos 90 e o nome do personagem tímido era "Cabelinho".

Adrianoconan disse...

Sou muito fã dessa série. Não conheço ninguém da minha época que não tenha ficado puto com àquele final. Nunca vi uma comédia virar um drama da metade em diante. Uma pena não ter feito o sucesso que merecia. Uma curiosidade e dica: existe um site de fã dessa série muito legal, inclusive fizeram um roteiro que interliga as partes 1 e 2, mostrando, assim, como os dois amigos fizeram as pazes. Eis o link:
http://www.lemonpopsicleforever.co.uk/

ASVideolocadora disse...

Excelente amigo!
Sou colecionador, e vi que tem um dos lemons que tu comentou que o sbt exibiu dublado, o Loucuras de Verão. Por acaso tu teria ele dublado? Ou poderia colocar uma nota no teu site, convocando as pessoas que tiverem gravações de filmes antigos em vhs para entrar em contato? Existe muito filme bom, dublado, esquecidos em gravações antigas.

Gedarepo disse...

Eu so quero saber uma coisa: Por que o filme se chama Sorvete de limão?

Eduardo disse...

Baita resenha para dois baita clássicos! Bons tempos em que, logo depois de um Chaves ou de um desenho animado, a gente conseguia ver peitos, bundas e pererecas no SBT, em plena tarde e sem essa moralidade hipócrita atual.
Gosto muito do Último Americano Virgem, mas lembro mais do "Paquera e Curtição" e do "Amor de Menina" e da sua trilha sonora matadora. Só clássicos do rock 50's e 60's. Parabéns Felipe!

Junior disse...

Belíssima resenha!

Tenho 26 anos e dessa safra lembro mais de "Paquera e Curtição".

Não sei quantos anos tinha na época que assisti no SBT, mas foi um filme bastante marcante - tanto pelas cenas de sacanagem, quanto as que o Benji tinha o coração partido.

Não creio que tenha assistido o "Sorvete de Limão" e não o achei para baixar em nenhum canto da internet (com a dublagem clássica, pelo menos), mas baixarei o "Paquera e Curtição" para relembrar daquela época.

Esse post deu uma nostalgia muito bacana!

welliton RS disse...

um filme marcante o ultimo americano virgem assisti no sbt faz muito tempo e era moleque hoje tenho 30 anos e ate hoje lembro de cenas do filme um classico realmente uma mistura de zoação da galera com cenas romanticas estou tentando baixar na internet para meu acervo pessoal.pena que hoje em dia não se façam mais filmes como este...simplismente marcante e unico.

Brenda Christine Nunes de Souza Turci disse...

Muito boa postagem!
Quem quiser ver o filme Ultimo Americano virgem acesse:

http://www.brendaemylena.com/2013/06/o-ultimo-americano-virgem.html

Participem do meu grupo no facebook de filmes!
https://www.facebook.com/groups/529685203762024/

Obrigada e estou seguindo o blog

Rodrigo Caldeira Digão disse...

Em o ultimo americano virgem, você diz que a Karen aparece rindo, como se não tivesse nem ai pro Gary, mas ela aparece com agua nos olhos, parecendo meio constrangida, e em sorvete de limão, a amiga da nili é a unica que nota que o benzi sai triste da festa. e eu tambem ouvi um boato de que Lawrence e Diane namoraram depois do filme, mas durou pouco. e quanto as atrizes Anat Atzmon e Diane franklin, Diane pode ser mais bonita, mas Anat é bem mais Gostosinha (confesso que até eu senti tesão pela Anat)

Michael Carvalho Silva disse...

Olá, meu querido Felipe M. Guerra, aqui é o Michael de novo. Estou lhe escrevendo para lhe dizer que embora "O Último Americano Virgem" seja um bom filme, creio que sua versão original "Sorvete De Limão" seja bem melhor já que eu vi alguns trechos e também o final desse filme no seu blog e no Youtube sendo que eu gostei muito dele. Quero aproveitar também para lhe dizer que o simpático gordinho e ator americano Jorge Garcia, o Hurley da famosa série de TV "Lost" é uma mistura perfeita de Peter Deluise com a própria Diane Franklin em "O Último Americano Virgem" sendo ainda que a canção romântica desse mesmo filme que me faz lembrar do Jorge Garcia toda vez que eu à ouço é a balada "Oh, No" do The Commodores talvez por causa da enorme semelhança física de Jorge com Diane. Por falar nisso, a clássica canção "Mr Lonely" do Bobby Vinton que sempre encerra os finais tristes da série "Sorvete De Limão" toda vez que o pobre personagem principal Benzi se desilude amorosamente fez parte da trilha sonora do filme "E A Festa Acabou," sequência do clássico "American Graffiti - Loucuras De Verão" do mestre George Lucas na qual a própria série "Sorvete De Limão" é inspirada e que é o tema do personagem Terry The Toad interpretado pelo baixinho Charles Martin Smith e que serviu de inspiração para o personagem do amigo nerd do protagonista Benzi na série "Sorvete De Limão." Gostaria também de lhe dizer, meu caro Felipe, que eu sempre fui apaixonado desde criança pelo Charles Martin Smith quando eu assisti no cinema aos antigos filmes que ele fez para os Estúdios Disney como "A Última Cruzada Do Fusca" e "Os Lobos Nunca Choram" e também depois que eu assisti "Os intocáveis" e eu gostaria muito que você escrevesse sobre ele aqui no "Filmes Para Doidos." Por último, só falta dizer que a atriz Yvonne Michaels que atuou em "Sorvete De Limão 2" é absolutamente linda sendo muito parecida com Kate Beckinsale e ainda mais bonita do que Anat Azmon e Diane Franklin juntas. Muito obrigado pela atenção, querido Felipe, e parabéns por esse ótimo site de cinema que é o "Filme Para Doidos." Boa sorte para você e o seu site. Tchauzinho.

Michael Carvalho Silva disse...

Mais uma coisa que eu esqueci de lhe dizer, querido Felipe. A antiga canção "Hand In Hand" do conjunto musical coreano chamado Koreana que foi o tema das Olimpíadas de Seul em 1988 sempre me faz lembrar da belíssima ariz coreana Yunjin Kim que interpretou a personagem Sun na série de TV "Lost" toda vez que eu à ouço no Youtube. Mais uma vez muito obrigado pela atenção e fique com Deus, querido Felipe. Amém.

Michael Carvalho Silva disse...

Só mais um a última coisa, querido Felipe. Eu realmente não sei se Lawrence Monoson e Diane Franklin tiveram mesmo um romance na vida real como o amigo acima havia dito, só sei que eles continuam sendo grandes amigos até os dias de hoje mais de trinta anos após as filmagens de "O Ùltimo Americano Virgem." Para encerrar, gostaria de dizer que o gordinho Jorge Garcia fez um par romântico absolutamente lindo e adorável com a bela lourinha e atriz americana Cynthia Watros na ótima série de TV "Lost," ele no papel de Hurley e ela como sua doce namorada Libby. Mais uma vez muito obrigado pela atenção e tudo de bom para você. Tchau, Felipe.

David Ayan disse...

Parabéns pela resenha. Ainda não tinha visto ninguém falando sobre esses filmes com tantas informações aqui no Brasil. Assistia muito quando era adolescente esses filmes. No sbt passava direto o Paquera e Curtição e Amor de Menina, que são, respectivamente, o terceiro e quinto filme da série. Realmente são filmes que marcam nossa adolescência não só pela sacanagem, mas também pelo final que é bem triste e chocante e faz a gente lembrar de algumas decepções amorosas. Coisas que outros filmes poderiam utilizar como o Porky's por exemplo, mas que acaba optando por não ter nenhum tipo de envolvimento mais sério entre os personagens.

MAXIMUS CESAR disse...

Eu não lembro de muitos detalhes desses filmes pois eu era muito novo na época mas lembro claramente de como me senti com esse final triste. Lembro de estar assistindo esse filme com a minha mãe(!). Cheguei aqui pesquisando justamente por esses filmes "sacanas" do cinema em casa.
Lembro de um filme que era tipo uma corrida e tinham umas equipes que eram divididas por cores, alguém lembra que filme era esse? Muito legal seu blog, vou dar mais uma "sapeada" por aqui. Abraço!

SANTOS disse...

ANOS 80 !! SAUDADES
Clube dos Cinco
Academia de Gênios
Gatinhas e Gatões
A Garota de Rosa-Shocking
De Volta para o Futuro
Star Wars
E.T. – O Extraterrestre
Dirty Dancing – Ritmo Quente
Labirinto – A Magia do Tempo
Footloose – Ritmo Louco
Flashdance
Namora de aluguel
Ruas de fogo
e muitos mais !! nos eramos feliz e não sabia :)))))))

Xiko do Couto disse...

Post manero. Quanto a passar nas escolas, acho que seria mais instrutivo que o intimidador KIDS(que assisti na escola em 95).

Well Braxton disse...

Muito bom!!!
O último americano virgem é incrivel, aquele final é foda demais.
Pena esse filme não existir em DVD aqui no Brasil, tenho o VHS mas merecia uma remasterização trilha sonora perfeita!

Chacal disse...

Lembro que em 1984,quando assisti no cinema "o último americano virgem", na última cena tinha um cara na fileira da frente que não resistiu a traição da menina e gritou: Vagabunda! e saiu do cinema sem nem mesmo ouvir a canção final do Quince Jonnes.Loucuras a parte, o filme, na minha opinião,é um clássico dos anos 80.Marcou tanto a minha juventude que vez por outra procuro saber como estão os atores do filme.A menina do filme(diane franklin) é hoje casada com um produtor de cinema e tem dois filhos que também são atores,Joe Rubbo, que era o gordinho do filme,as vêzes vejo algumas coisas sobre ele no youtube mas a informação de que ele se envolveu com coisas ilícitas e foi até preso eu não tinha.O galã do filme (steve antin)realmente assumiu ser gay um pouco depois do filme.Quanto ao Lawrence Monoson, que era o Gary no filme, nunca ouvi falar que ele é gay.Muito bom o blog, um abraço...

Ricardo Riccelli disse...

* "Sapiches/Private Popsicle": inédito nos cinemas e na TV, mas lançado em VHS pela América Vídeo como "Recrutas da Pesada" (mesmo título de uma comédia estrelada por Bill Murray).


Na verdade esse filme em que eles entram no exercito passou também no sbt DUBLADINHO, cinema em casa! existe tipo uma continuação com o sargento e o gordo meio sem graça esse sim permanece inédito.

Beto Chaves disse...

todo ano procuro informacoes sobre os atores.