quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

10.000 DÓLARES PARA DJANGO (1967)


Depois de alguns títulos bem fuleiros, finalmente chega a hora de dar uma animada na nossa MARATONA VIVA DJANGO! com a análise de uma pequena obra-prima, provavelmente o melhor dos "Sotto-Djangos": 10.000 DÓLARES PARA DJANGO, de Romolo Guerrieri (exibido em nossos cinemas com o título "Django Mata por Dinheiro"). É até uma pena que este filmaço tenha ganhado uma relação bem superficial com a obra de Sergio Corbucci, pois muita gente deve ter deixado de ver pensando algo como "Mais uma porcaria com 'Django' no título", quando não poderia estar mais longe disso.

Os próprios realizadores perceberam que tinham algo muito melhor que um mero "Sub-Django" nas mãos, já que o projeto nasceu com um título enganoso que escancarava a relação (inexistente) com o personagem de Corbucci, "7 Dollari su Django" (em tradução literal, "7 Dólares em Django"), mas no momento do lançamento os distribuidores optaram por mudá-lo para "10.000 Dollari per un Massacro" (ou "10.000 Dólares para um Massacre"). Ou seja: seguiram o caminho inverso dos ambiciosos realizadores da época, que rebatizavam seus faroestes justamente para atrair a atenção dos fãs de "Django". Claro que, no Brasil e em outros países, o nome do personagem voltou para o título...


10.000 DÓLARES PARA DJANGO também marca a estreia do croata Gianni Garko como protagonista de westerns spaghetti. Ele já fazia cinema desde 1958, tendo aparecido em épicos e aventuras "peplum" do período. Também tinha roubado a cena como o excepcional vilão do faroeste "Johnny Texas" (1966), de Alberto Cardone, em que interpretava um psicopata chamado Sartana (!!!), irmão malvado do herói encarnado por Anthony Steffen.

A interpretação de Garko em "Johnny Texas" chamou a atenção dos produtores Mino Loy e Luciano Martino, que resolveram promovê-lo a astro em dois westerns que seriam filmados ao mesmo tempo e com o mesmo elenco: "Pistoleiros em Conflito" ("Per 100,000 Dollari ti Ammazzo"), de Giovanni Fago, e este 10.000 DÓLARES PARA DJANGO, que ficou pronto e foi lançado antes.


Escrito por Ernesto Gastaldi, Sauro Scavolini, Franco Fogagnolo e pelo produtor Martino, 10.000 DÓLARES PARA DJANGO já começa brilhante: ao invés de apresentar seu personagem principal galopando pelo deserto, ou arrastando um caixão por uma estrada lamacenta, a bela cena inicial mostra o caçador de recompensas Django (Garko) deitado à beira da praia (!!!). Agora, de memória, não consigo lembrar de outro western spaghetti que comece mostrando o mar ao invés da tradicional cidadezinha caindo aos pedaços com ruas de areia...

Por alguns breves minutos, enquanto admira o vaivém das ondas, Djando comenta com o amigo deitado ao seu lado sobre as maravilhas da natureza. É quando a câmera se afasta e descobrimos que o "amigo" na verdade é um cadáver, pertencente ao último fugitivo que o caçador de recompensas matou! "Mas acho que agora seu único interesse é o Paraíso, não é?", pergunta Django ao finado, antes de colocá-lo na sela do cavalo e galopar de volta para a cidade para trocá-lo pelo dinheiro da recompensa, enquanto aparecem os créditos iniciais do filme!


Logo descobrimos que o Django de Garko é um "bounty hunter" com um estrito código de conduta: só pega serviços que valham no mínimo 10.000 dólares. Ele vive num quartinho nos fundos do estúdio do amigo fotógrafo Fidelio (Fidel Gonzáles), e nutre uma paixão platônica por Mijanou, a dona do saloon, interpretada por ninguém menos que Loredana Nusciak (que já havia "pegado" outro Django, o original).

Apresentado o herói, vamos conhecer o vilão: ele é Manuel Vasquez (Claudio Camaso, irmão mais novo e menos famoso de Gian Maria Volonté!), um bandido mexicano fugido da cadeia e que está com a cabeça a prêmio, mas custa "apenas" 2.000 dólares, então não interessa ao ambicioso Django.


Porém as coisas tendem a mudar: Manuel passou alguns anos na cadeia por culpa de um rico fazendeiro da região, Don Mendoza (Herman Reynoso). Para vingar-se, ele invade o rancho e mata todo mundo MENOS o próprio Mendoza, a quem reserva um outro tipo castigo: o bandido foge levando consigo a filha do fazendeiro, a jovem e pura Dolores (Adriana Ambesi). O pai desesperado resolve procurar pelo melhor pistoleiro da região (Django, é claro), e, após acirrada negociação, concorda em lhe oferecer a recompensa de 10.000 dólares pela cabeça de Manuel e resgate da filha.

Como Django acabou de explodir com dinamite o seu último alvo, e por isso não recebeu o dinheiro da recompensa, ele decide aceitar o trabalho para equilibrar as finanças. Deixando para trás a enfurecida Mijanou, para quem tinha prometido aposentar-se, o herói sai na pista do mexicano. Mas quando o encontra, ao invés de matá-lo, é convencido a associar-se a ele num golpe rápido e mais lucrativo: roubar uma carruagem que transporta uma fortuna em ouro. Só que as coisas acabam mal, os bandidos traem Django e, no assalto à carruagem, matam a amada do herói. Começa a tradicional busca de vingança.


10.000 DÓLARES PARA DJANGO difere-se de outros "Sotto-Djangos" bem burocráticos ou ruins (como "Django Atira Primeiro" e "Django Não Espera... Mata") principalmente pela preocupação em criar uma história melhor construída e com personagens que tenham motivações, cheios de camadas, contrastando com aquelas figuras de cartolinas que aparecem em outras imitações do clássico de Corbucci.

Aqui, cada personagem tem características bem definidas, que os tornam mais complexos que os clichês ambulantes das aventuras do gênero: Django usa sempre uma echarpe branca no pescoço, Manuel leva o coldre no ombro e saca o revólver por cima, enquanto o velho Vasquez usa na camisa as estrelas de prata pertencentes aos vários xerifes que matou ao longo de sua carreira criminosa.


Heróis e vilões também têm personalidades bem complexas. Por exemplo, o Django de Garko mais uma vez anda no fio da navalha entre o herói e o anti-herói, como Franco Nero lá em 1966. Por não caçar procurados que valham menos de 10.000 dólares de recompensa, o protagonista não apenas deixa Manuel livre na primeira vez em que lhe pedem para pegá-lo (porque vale muito pouco), como ainda comemora que, com os novos crimes praticados pelo mexicano, a recompensa pela sua cabeça começa a subir ("Acho que você tem potencial", comenta sarcasticamente o "herói" ao corrigir o valor ofertado pelo fugitivo num cartaz de "Procura-se").

Também é genial o fato do Django de Garko dormir num quarto rodeado dos cartazes com as fotos dos Procurados que constituem seu ganha-pão (e que são impressos pelo seu amigo Fidelio), como se esta fosse a única coisa que importasse na sua vida. Sinceramente, não consigo imaginar lar melhor para um caçador de recompensas!


Já o vilão Manuel é um criminoso diferente da média clichezenta dos westerns spaghetti, e especialmente dos "Sotto-Djangos". Embora a princípio sequestre a filha de Mendoza por vingança, só para sacanear o fazendeiro, mais adiante fica claro que o bandido acaba se apaixonando pela garota, e vice-versa, tornando um pouco mais complicada aquela clássica trama do "resgate da mocinha indefesa em perigo".

Os personagens secundários também agregam uma riqueza singular à história: além de Fidelio, o atrapalhado amigo fotógrafo de Django (que é um alívio cômico menos escancarado que outros do gênero), e da apaixonada Mijanou, tem um velhinho engraçadíssimo na quadrilha de Manuel, interpretado por Pinuccio Ardia. O coroa é um grande agourento, pois vive fazendo apostas CONTRA o seu "empregador" Manuel - tipo "Aposto sete dólares que Django vai aparecer e pegar todos nós", justificando assim o título inicial do filme lá na Itália, "7 Dólares em Django".


Outro personagem riquíssimo é o pai de Manuel, Vasquez, um velho bandidão aposentado interpretado (claro) por Fernando Sancho, figurinha carimbada nos faroestes italianos e justamente neste papel (mas que apareceu como um raro personagem bonzinho em "Django Não Espera... Mata"). Vasquez vive com alguns ex-colegas de crime numa cidade-fantasma no meio do deserto, constantemente assolada por ventanias e tempestades de areia, que dão um ar surreal ao cenário.

A exemplo do que o diretor norte-americano Sam Peckinpah faria em vários dos seus filmes (incluindo o clássico "Meu Ódio Será Sua Herança"), o personagem de Sancho representa os "velhos tempos", um Oeste que não existe mais, em que havia "honra" e os papéis de mocinho e bandido eram bem definidos, mas que vê no próprio filho o retrato de uma nova geração rebelde que não respeita mais nada.


Numa cena bem diferente, o aposentado criminoso apresenta a Django sua companheira (Ermelinda De Felice), uma envelhecida dançarina, inchada pelo álcool, com quem ele vive há décadas. Quando Vasquez pede que a mulher dance, e ela atende de maneira desengonçada (o que poderá parecer engraçado para certos públicos), o bandidão faz um comovente discurso sobre a implacável ação do tempo: "Há 20 anos, esta garota virou a cabeça de todos os políticos e ricos fazendeiros. Rosita, 'A Boneca', era como lhe chamavam. Você deveria tê-la visto naquela época. E o jeito que ela dançava, amigo... Vamos! Mostre ao nosso amigo como você dançava!".

Enquanto a dançarina velha e gorducha faz o possível para parecer tão sensual como era na juventude, diante de um ainda maravilhado Sanchez, os outros homens no recinto apreciam o espetáculo com um olhar triste, sem jeito até. E quando Fidelio se atreve a rir da insólita apresentação, Django lhe lança um gélido olhar de reprovação. É uma cena melancólica, do tipo que você não espera ver numa aventura de faroeste.


E toques dramáticos são constantes em 10.000 DÓLARES PARA DJANGO. No momento mais triste do filme, o herói encontra o cadáver da sua amada na carruagem atacada por Manuel e seu bando. Em vários outros "Sotto-Djangos", e mesmo lá na aventura oficial de 1966, Django também teve a esposa morta por diferentes antagonistas. Porém em todos estes filmes, e mesmo no de Corbucci, a perda da amada não passa de um simples recurso narrativo para fazer andar a trama, uma justificativa para motivar a vingança do protagonista.

Não é o caso aqui, onde vemos um Django mais humano e mais sensível, que realmente fica emocionado com a morte da amada, chegando a sofrer e chorar - algo impensável em outras encarnações do herói, como Franco Nero em "Django" ou Anthony Steffen em "Um Homem Chamado Django", que também perdem suas esposas. Assim fica mais fácil entender a guinada no roteiro, em que aquele personagem que só pensava em dinheiro subitamente parte para o "tudo ou nada" em busca da velha e boa vingança.


Toda a cena em que Django encontra o cadáver de Mijanou é exageradamente dramática, mas belíssima em sua decupagem: a amada morta encara o herói com seus olhos inexpressivos, como que acusando-o pelo seu triste destino (ela só pegou a fatídica carruagem porque brigou com Django dias antes, quando este resolveu fazer um "último serviço" caçando Manuel).

A montagem alterna planos de detalhe dos olhos acusadores da falecida (como se estivesse dizendo "Eu estou morta por sua culpa!") e dos olhos com lágrimas do herói, num momento sem igual em toda a filmografia do personagem. Aí fica impossível não entender a dor e a angústia do Django de Garko, já que Mijanou não teria morrido caso ele tivesse prendido (ou matado) Manuel ao invés de "associar-se" a ele para o roubo do ouro. E embora o filme se resolva no tradicional duelo de quem saca mais rápido, não importa quem vai ficar vivo no final, pois a vitória é amarga e todos saem perdendo.


Mesmo que seja uma aventura independente, e não uma continuação, percebe-se certo cuidado dos realizadores para linkar 10.000 DÓLARES PARA DJANGO com o filme original de Corbucci, como, por exemplo, a presença da atriz Loredana Nusciak, ou a associação do herói com bandidos mexicanos para o roubo de uma fortuna em ouro, como acontecia também em "Django". Há quem veja também uma forte influência da "Trilogia do Dólar" de Sergio Leone: a busca de vingança pela morte de Mijanou por um bandido mexicano lembraria "Por uns Dólares a Mais" (1965), em que o personagem de Lee Van Cleef queria vingar-se do vilão de Gian Maria Volonté por ter matado sua irmã; a semelhança do bandido interpretado por Claudio Camaso com o vilão de seu irmão Volonté no western de Leone ajudam a justificar esta relação entre as duas obras.

E se o Django de Garko e Guerrieri escapa da terrível punição de ter suas mãos esmagadas pelos bandidos mexicanos, inflingida ao Django de Franco Nero no original de Sergio Corbucci, por outro lado o herói enfrenta uma outra tortura bastante angustiante, quando é enterrado no deserto pelos mexicanos e fica apenas com a cabeça para fora, sofrendo com o sol forte e a sede!


Gianni Garko está perfeito como um herói mais humano e frágil (ele alegou que ainda não tinha visto o "Django" de Corbucci quando fez este filme), e é uma pena que só tenha interpretado o personagem uma vez. Se comparássemos as aventuras de Django com as de James Bond, 10.000 DÓLARES PARA DJANGO seria "007 A Serviço Secreto de Sua Majestade", e Garko o George Lazenby da série, já que o Bond de Lazenby era menos "super-herói" e coincidentemente também perdeu a mulher que amava.

Eu sempre fui um grande fã de Garko, principalmente por causa da série "Sartana". O ator tem um jeitão de quem não leva a coisa muito a sério, sempre com um olhar de fanfarrão e um sorriso cínico, mesmo quando mata 20 inimigos a tiros (só falta piscar para o espectador, lembrando que é tudo uma grande brincadeira). Ainda comparando com James Bond, Garko me lembra um pouco Roger Moore, que sempre teve uma pegada parecida em suas aventuras como 007. Em 10.000 DÓLARES PARA DJANGO, o astro consegue equilibrar muito bem sua habitual fanfarronice com a melancolia que o personagem exige. É, disparado, o terceiro melhor Django depois de Franco Nero, perdendo apenas para Terence Hill em "Viva Django!".


Na época de 10.000 DÓLARES PARA DJANGO, por ainda estar sendo "lançado" como protagonista, Garko foi obrigado pelos produtores a adotar um pseudônimo americanizado, como era comum nos westerns italianos daquele período. Assim, ele aparece nos créditos iniciais como "Gary Hudson", uma homenagem aos astros norte-americanos Gary Cooper e Rock Hudson. A partir da série "Sartana" (cujo primeiro filme é de 1968), o ator passou a assinar como "John Garko", e assim ficou internacionalmente conhecido.

Em sua longa carreira como herói no western spaghetti, Garko às vezes foi chamado para tentar dar mais personalidade a outros heróis, criados para rivalizar com os populares Django, Sartana e Trinity. Ele foi, por exemplo, Camposanto ("Cemitério", em italiano) no filme "Ainda me Chamam de Camposanto" (1971), que não vingou e não virou série, e Espírito Santo em "Espírito Santo, O Justiceiro" (1972), personagem que rendeu outras três aventuras, mas com Vassili Karis no lugar de Garko.


Já o diretor Guerrieri nunca foi tão popular quanto seu astro, apesar deste trabalho acima da média. 10.000 DÓLARES PARA DJANGO foi o quarto filme dirigido por Romolo, que é respectivamente irmão e tio dos também cineastas Marino Girolami ("Zombie Holocaust") e Enzo G. Castellari ("Vou, Mato e Volto"), e quem sabe por isso acabou ficando em segundo plano.

Ele dirigiu mais alguns poucos filmes, como o giallo "O Doce Corpo de Deborah" (1968) e a aventura pós-apocalíptica "O Executor Final" (1984), mas sempre com resultados bem distantes deste seu único "Sotto-Django". Atualmente, Guerrieri trabalha como roteirista da TV italiana.


Vale destacar que pelo menos quatro futuros diretores trabalharam nos bastidores de 10.000 DÓLARES PARA DJANGO. Um é Sergio Martino, irmão do produtor Luciano Martino, aqui creditado como diretor de produção. Ele estreou atrás das câmeras dois anos depois, em 1969, e tem uma filmografia bem eclética, com gialli ("Torso", "A Cauda do Escorpião"), aventuras baratas de ficção científica ("2019 - After the Fall of New York" e "Keruak - O Exterminador de Aço") e cultuados filmes de horror ("A Ilha dos Homens-Peixe" e "A Montanha dos Canibais").

O segundo é Tonino Ricci, que trabalhou como assistente do diretor e pelo jeito não aprendeu muita coisa, a julgar pela quantidade de divertidíssimas tralhas que o sujeito passaria a dirigir por conta própria, também a partir de 1969. Sua obra mais popular, inclusive para os brasileiros, é o terror trash "Pânico" (1976), mas Ricci dirigiu ainda uma hilária cópia de "Conan" ("Thor, o Conquistador") e paupérrimos fimes de horror sobre o Triângulo das Bermudas (o inacreditável "Bermude: La Fossa Maledetta" e "Encuentro en el Abismo").

Os outros dois são o assistente de câmera Pasquale Fanetti - que, com o pseudônimo "Frank DeNiro", virou diretor de filmes pornográficos nas décadas de 80 e 90 -, e o secretário de produção Michele Massimo Tarantini, aqui em um dos seus primeiros trabalhos com cinema, antes de dirigir "clássicos" como "Poliziotti Violenti" e "Perdidos no Vale dos Dinossauros"! Em resumo, é muito talento para um filme só, o que talvez explique o resultado muito acima da média!


10.000 DÓLARES PARA DJANGO foi uma das mais nobres e interessantes variações produzidas em cima da obra de Sergio Corbucci, e percebe-se o trabalho de todos os envolvidos para fazer algo além de uma aventura de rotina só para faturar com o nome do personagem. O mérito é principalmente do ótimo roteiro, que foge do lugar comum do gênero, e onde se percebe a valiosa contribuição de Ernesto Gastaldi, um dos grandes roteiristas italianos de todos os tempos.

É até uma pena que o filme tenha ficado associado às demais cópias de "Django", porque muitas delas são tão ruins que esta bela obra deve ter sido mal-interpretada como picaretagem de má qualidade, quando na verdade é um dos raros "Sotto-Djangos" a buscar uma abordagem original, ao invés de só tentar lucrar com um título enganoso.


Por isso, talvez seja melhor referir-se a ele pelo título italiano, "10.000 Dollari per un Massacro". Porque perto de outras bobagens produzidas com o nome "Django" no título, incluindo a única continuação oficial do clássico de Corbucci (o péssimo "Django, A Volta do Vingador"), o filme de Guerrieri é praticamente um "Cidadão Kane" - e uma pérola a ser (re)descoberta.

PS: Para fechar o conjunto com chave de ouro, a trilha sonora da cantora, compositora e pianista italiana Nora Orlandi é fantástica, e não deixa a menor saudade de Ennio Morricone, Bruno Nicolai, Riz Ortolani e outros mestres que musicavam os westerns spaghetti do período. Infelizmente, a trilha completa não está disponível no YouTube para ser apreciada, mas dê uma conferida na linda música-tema "Basta Così", cantada por Pier Giorgio Farina, clicando neste link (logo logo o Tarantino usa esta canção num próximo filme dele!).


Trailer de 10.000 DÓLARES PARA DJANGO



*******************************************************************
10.000 Dollari Per Un Massacro (1967, Itália)
Direção: Romolo Guerrieri
Elenco: Gianni Garko, Claudio Camaso, Loredana Nusciak,
Fernando Sancho, Fidel Gonzáles, Adriana Ambesi, Franco
Lantieri, Pinuccio Ardia e Franco Bettella.

11 comentários:

elemesmo disse...

Baita filme. Tem fácil em DVD, Felipe? Ou só pelo Cine Torrent?

Felipe M. Guerra disse...

Saiu em DVD pela Ocean, com qualidade de imagem bem decente.

laurindo big boss disse...

Laurindo Big Boss: Amigo Felipe, voce nos traz, um dos melhores exemplares(minha opinião), na MARATONA DJANGO. A direção Romolo Guerriere, é precisa, alem de um elenco, que reune, as velhas canastrices de sempre, porem aliadas a boas interpretações. Na época dos CINEMAS POEIRAS, era um dos meus preferidos. Gostaria de te perguntar duas coisas: O diretor ROMULO GUERRIERI,dirigiu filmes de GUERRA?; e na sua opinião, o nosso saudoso TONY VIEIRA, não daria um ótimo DJANGO? Gostaria de saber a sua opinião...Um Abraço do Amigo Laurindo Junior.

Dylan Dog a.ka.Victor B. disse...

Vi esse filme numa lista de 40 melhores spaghettis westerns,acho que vale a pena comprar o dvd da Ocean se não tiver muito caro.

Anônimo disse...

Dylan, no site Star Cine Shop tão vendendo por 9,99.

http://www.starcineshop.com.br/listaprodutos.asp?idloja=3769&idproduto=2755755&q=Dvd+10.000+D%F3lares+para+Django

Só que o site tá dizendo que tá esgotado! rsrs

E foi o lugar que achei onde tava mais barato, até agora!

spektro72 disse...

Acho que este filme eu assisti esta cena de Django estar enterrado com areia ate o pescoço.. acho que passou não tenho certeza no " BANG-BANG Á ITALIANA " na TV RECORD .. eu acho ,eu não tenho certeza ..pois já muito tempo que assisti estes western -italianos que nem lembro mais quanto filmes assisti naquele periodo as vezes a memoria nos prega cada peça. JOHN GARKO adoro ele como ator ele esta fantastico no papel de" SARTANA " Aquele passava toda a madrugada dublado com legendadas nas madrugadas na TVS-SBT legendados pela " DATA SCOPE" E outro filme que gosto dele é " 5 Para o Inferno - " Five to Hell " no papel de um oficial americano na segunda guerra junto com outro monstro do cinema KLAUS KINSKY ,Ja postado por nosso mestre Felipe aqui no site.
Abraço SPEKTRO 72
P.S - Parabens! atrasadissimo por seu aniversario Laurino Big Boss ,muitos anos de vida.

Anônimo disse...

Só vale mesmo comprar um dvd de um filme de Western Spaghetti se a imagem do filme for boa. Se não...

Paulo Geovani

spektro72 disse...

No centro de sao paulo tem muitas lojas de DVD'S com varios westerns spaghetti a venda a preços camaradas.... como disse Paulo Geovani o problema é qualidade de imagem . "PARA UM PUBLICO APAIXONADO POR CINEMA IMAGEM SEMPRE VAI SER ' X ' DA QUESTÃO "
Spektro 72

laurindo big boss disse...

Laurindo Big Boss: Ao meu AMIGO SPEKTRO 72: Obrigado pela lembrança, pelo carinho e amizade. Espero um dia conhece-lo, porem enquanto este dia não chega, fica a certeza que alem da amizade, temos algo em comum, que é O FILME PARA DOIDOS, capitaneado pelo nosso amigo FELIPE GUERRA. Valeu a lembrança, valeu mesmo!!!. Um Abraço do Amigo Laurindo Big Boss. E antes que esqueça, citei seu nome no FEED NOTICIAS, no meu FACE.

spektro72 disse...

Laurindo Big Boss...
De nada !o mesmo digo eu e dificil achar bons amigos e compartilhar algo que voce goste com eles.. o NOSSO MESTRE nos propocionou isso ao criar este blog e falar de filmes esquecidos as vezes nem lembrados e ate mesmo curiosos de assistir e tirar duvidas sobre a diga deste blog fantastico.
vou dar uma olhada no seu face,apesar que muita gente que foi na mostra " STAR WARS & ZUMBIES SPAGHETTI "perguntou se eu tinha twitter ou facebook.. respondi que não tenho nenhum dos dois... não sou chegado em midia sociais,mas Valeu Laurindo Big Boss, quem sabe nos conhecemos um dia ,afinal! o tempo não para.
Abraços
Spektro 72

Flavio Benvenuto disse...

Voce disse tudo Felipe..e muito talento em um filme so..apenas a presenca de Sergio Martino explica o por que desse "sub django" ser tao acima da media.

Quando os caras do Por Um Punhado de Euros me chamou para participar da sessao Os spaghetti da minha vida,eu fiquei em duvida entre esse e os otimos Django o bastardo e Viva Django,que sao ao lado deste,as sequencias nao- oficiais mais dignas de comparacao com o Django original.Mas a maravilhosa trilha sonora e o final apoteotico em uma cidade fantasma desequilibraram na dwcisao de incluir esse 10.000 dolares para Django como o sub Django favorito.