quinta-feira, 25 de outubro de 2012

ZOMBIETHON - A HORA DOS ZUMBIS (1986)


Naqueles hoje longínquos anos 80, quando você tinha que depender da boa vontade das distribuidoras para que os filmes chegassem aos cinemas e videolocadoras brasileiras, a vida de cinéfilo não era nada fácil. Para fãs de horror, então, era um verdadeiro pesadelo: clássicos essenciais, como "O Massacre da Serra Elétrica" e "Zombie - O Despertar dos Mortos", só saíram em vídeo por aqui quase 20 anos depois de seu lançamento original!

Claro, eram outros tempos, e ninguém imaginava que um dia fosse existir algo como a internet, e com ela a capacidade de poder baixar em poucas horas qualquer filme - inclusive um que acabou de estrear nos cinemas, às vezes meia hora após sua primeira exibição!!! E como na década de 80 isso era ficção científica, muitos cinéfilos (inclusive eu) tiveram seu primeiro contato com obras de Jess Franco, Lucio Fulci, Riccardo Freda e Jean Rollin graças a uma bizarra produção chamada ZOMBIETHON - A HORA DOS ZUMBIS, lançada em nossas locadoras pela extinta Top Tape.


ZOMBIETHON é uma daquelas doideiras que o mercado de VHS de vinte-e-poucos anos atrás permitia: não é exatamente um filme, mas sim uma colagem de imagens de sete produções obscuras, quase todas europeias (italianas e francesas), sobre mortos-vivos. Verdade seja dita, alguns desses filmes sequer têm mortos-vivos, mas foram incluídos na coletânea de qualquer jeito!

O desavisado que fosse seduzido pela (linda) arte da capa nem imaginava o que estava por assistir. O título mais ou menos entrega que se trata de uma maratona de filmes de zumbis (Zombie + Marathon = Zombiethon... Dã!!!), mas a maneira como é apresentada esta "maratona" é simplesmente hilária: as "melhores cenas" dos sete filmes são exibidas no esquema "corte seco", com saltos na trilha sonora e tudo mais, e o editor deixou algumas partes que não são exatamente "melhores cenas" e tampouco têm zumbis, mas mostram bastante mulher pelada (como Olga Karlatos banhando-se em "Zombie", abaixo).


No filme, não há nenhuma informação relevante que identifique para o espectador quem fez, quem produziu ou quem aparece nessas sete produções selecionadas, além da cartela de título de cada uma delas - e, nesse caso, com o título em inglês, o que certamente deve ter dado um nó na cabeça de muito cinéfilo naqueles tempos pré-IMDB, quando as fontes de pesquisa sobre cinema eram escassas e incompletas.

Para tornar tudo ainda mais excêntrico, pequenas vinhetas envolvendo zumbis e garotas gostosas foram filmadas em Super-VHS por Ken Dixon, e esses trechos foram inseridos para separar uma colagem de cenas alheias da outra. Se é difícil de entender lendo, ver a bagaça é uma experiência muito mais surreal!


As produções "homenageadas" com a reutilização de suas melhores cenas são, em ordem de exibição: "Zombie" (Itália, 1979), de Lucio Fulci; "Zombie Lake" (França, 1981), de Jean Rollin; "Oasis of the Zombies" (França, 1982), de Jess Franco; "Murder Obsession / Follia Omicida" (Itália/França, 1981), de Riccardo Freda; "La Vie Amoureuse de L'Homme Invisible" (França/Espanha, 1970), de Pierre Chevalier; "A Virgin Among the Living Dead" (França/Itália, 1973), de Jess Franco, e "The Astro-Zombies" (EUA, 1968), de Ted V. Mikels.

O IMDB informa que também aparecem cenas do clássico "White Zombie", de 1932, mas não vi nada nem remotamente parecido com "White Zombie" nessa colagem, então deve ter sido delírio do site.


Analisando a seleção, o digníssimo leitor do FILMES PARA DOIDOS pode até questionar os critérios para a escolha. Seriam essas as obras mais representativas da cinematografia morta-vivente? Cadê os filmes de George A. Romero? Ou, para ficar só nos europeus, cadê os mortos cegos do espanhol Amando de Ossorio? E os outros filmes de zumbis dirigidos pelo Fulci ("Pavor na Cidade dos Zumbis", "A Casa do Cemitério" e "The Beyond")? E "Let The Sleeping Corpses Lie", de Jorge Grau? E as trasheiras tipo "Hell of the Living Dead", do Bruno Mattei, e "Nightmare City", do Umberto Lenzi? E por que pegaram o pior filme de zumbis do Rollin ao invés do seu muito superior "The Grapes of Death"?

A verdade é que não houve seleção alguma, muito menos um mínimo de bom senso. ZOMBIETHON foi produzido para lançamento em VHS pela Wizard Video, uma pequena distribuidora norte-americana que pertencia, veja você, ao mítico produtor classe B Charles Band! A Wizard começou suas atividades em 1981, e foi a responsável por colocar no mercado dos Estados Unidos as fitas seladas de "O Massacre da Serra Elétrica", "A Vingança de Jennifer", "Zombie" e muitos outros clássicos do horror.


Assim, esta "coletânea" simplesmente traz cenas de filmes cujos direitos de distribuição pertenciam a Band e sua pequena companhia, e não exatamente as obras mais famosas ou representativas envolvendo mortos-vivos, como o espectador desavisado pode ser levado a crer pela proposta. E não, eu não sei se os direitos de distribuição autorizavam a empresa a remontar filmes alheios.

O que sei é que a Wizard Video foi responsável por diversas outras picaretagens do mesmo nível. Em 1985, por exemplo, a empresa lançou um "filme" chamado "Prisioneiras da Ilha Selvagem", que nada mais é do que uma remontagem de duas produções ítalo-espanholas obscuras do começo da década ("Escape From Hell" e "Orinoco: Prigioniere del Sesso", ambas dirigidas por Edoardo Mulargia), com mais cinco minutos de cenas originais no começo e no final, filmadas nos Estados Unidos e sem relação alguma com o resto, onde aparecem atores conhecidos como Linda Blair e o mágico-humorista Penn Jillette!


Enfim, Band e a Wizard Video logo perceberam que era rápido e lucrativo investir em "coletâneas temáticas" contendo as supostas melhores cenas dos filmes que distribuía (no juízo deles mesmos, é claro). Desse jeito, era muito fácil ter um novo longa-metragem completinho para vender às locadoras, geralmente filmando uns cinco minutinhos de cenas novas para costurar as outras já prontas.

E isso também acabava funcionando como marketing: quem assistia uma dessas coletâneas e gostava das cenas de algum dos filmes apresentados, depois voltava à locadora em busca da fita deste filme, e Band e cia. lucravam ainda mais! Simples e eficiente, não? Ah, se essas pessoas soubessem que um dia teríamos YouTube para conferir as melhores cenas dos filmes...


Além de ZOMBIETHON, a Wizard Video produziu outras três coletâneas: "The Best of Sex and Violence", de 1981, com cenas de "Armadilha Para Turistas", "A Vingança de Jennifer" e filmes eróticos softcore; "Famous T & A", de 1982, um suposto "documentário" mostrando cenas com atrizes famosas nuas (como Ursula Andress em "A Montanha dos Canibais", Claudia Cardinale, Nastassja Kinski e outras musas), e finalmente "Filmgore", de 1983, dessa vez compilando mortes sangrentas tiradas de "Banquete de Sangue", "O Massacre da Serra Elétrica", "O Assassino da Furadeira" e outras produções alheias.

ZOMBIETHON foi a última aposta da Wizard nesse estilo, já em 1986, quando a companhia ia mal das pernas (ela encerrou suas atividades no final daquela década). Não é nenhuma surpresa o fato de as quatro coletâneas serem creditadas ao mesmo responsável: Ken Dixon.


Em sua filmografia como diretor, Dixon tem apenas duas produções bem obscuras feitas nos anos 70, antes de jogar-se de cabeça na realização dessas antologias de melhores cenas para a Wizard Video. Talvez como uma espécie de compensação, Charles Band depois foi produtor executivo do último longa dirigido por Dixon, o inacreditável "Rebelião nas Galáxias", de 1987 - esse totalmente filmado por ele, sem cenas alheias costuradas no meio. Desde então, Ken Dixon mergulhou de volta na obscuridade.

O curioso é que o sujeito demonstra certo talento nas vinhetas que filmou para ZOMBIETHON. Percebe-se, inclusive, que Dixon se inspirou na obra de alguns dos diretores "homenageados", como Franco e Rollin, já que suas cenas se resumem a belas garotas em trajes sumários ou fetichistas (tipo roupinha de colegial) sendo perseguidas por zumbis e correndo para buscar abrigo num cinema, igualmente povoado por mortos-vivos, e onde está sendo exibida a tal maratona de filmes de gênero.


Não há nenhum desenvolvimento de personagens ou de suas ações nessas vinhetas e elas só servem mesmo como uma maneira criativa de dividir as cenas dos outros filmes para não virar bagunça, já que estas são a grande atração de ZOMBIETHON. Logo, as garotas perseguidas sequer têm nomes (nos créditos, são identificadas simplesmente como "Zombie Magnets"), e os mortos-vivos também pipocam do nada, sem muita justificativa.

Mesmo assim, alguns momentos são bem divertidos, principalmente os que se passam no cinema - como aquele em que o projecionista zumbi corta o próprio dedo ao invés do pedaço do rolo de filme; ou o morto-vivo que arranca a cabeça do cadáver muito mais alto sentado na sua frente, que está atrapalhando a sua visão!


As maquiagens de Joe Reader e David Lady se resumem a umas máscaras imóveis e inexpressivas, que parecem ter sido compradas numa loja de fantasias de Halloween. Lá pelas tantas, aparece até um absurdo e injustificável "zumbi futurista" (!!!), mais para robô do que para morto-vivo, e cujo traje deve ser sobra de algum filme bagaceiro de ficção científica, reaproveitado aqui para cortar despesas.

Posso estar sendo generoso demais, mas Dixon às vezes até mostra um pouco de potencial para fazer seu próprio filme de zumbis, como no momento em que um morto-vivo emerge da areia da praia (cena provavelmente inspirada em "Oasis of the Zombies", de Jess Franco). Os efeitos bagaceiros não ajudam, mas mesmo assim o diretor tentou criar algum clima. Será que ele tinha pretensões de fazer o seu próprio zombie movie? Ficou só no sonho mesmo.


O bizarro da coisa toda é que como ZOMBIETHON não traz nenhuma informação sobre as pessoas responsáveis pelas cenas dos filmes exibidos, e foi lançado numa época em que fontes de pesquisa eram bem limitadas, muita gente pode ter pensado que o próprio Ken Dixon foi o responsável por tudo. Até porque o único crédito que aparece é "Produced and directed by Ken Dixon", tirando o mérito de Fulci, Franco, Rollin e dos outros!

Outro detalhe que prejudicava a pesquisa posterior: foram usadas as cenas dubladas em inglês (escondendo a língua original e a procedência dos filmes), e as cartelas com títulos norte-americanos, alguns bem alternativos. Muita gente deve ter suado para encontrar "Murder Obsession / Follia Omicida", pois aqui o filme de Freda foi rebatizado apenas como "Fear"; já "La Vie Amoureuse de L'Homme Invisible" aparece como "The Invisible Dead"!


Como já escrevi lá em cima, o maior problema da bagaça é que, num filme chamado ZOMBIETHON, pouquíssimas das obras "homenageadas" realmente são sobre zumbis e mortos-vivos. Inclusive algumas só aparecem porque eram distribuídas pela Wizard Video e a empresa queria divulgá-las, mesmo penando para forçar uma ligação mínima com o tema da coletânea.

Mortos-vivos MESMO, só em "Zombie", "Zombie Lake" e "Oasis of the Zombies". Nas cenas de "Murder Obsession" vemos um único zumbi perseguindo uma moça seminua no que parece ser uma cena de pesadelo, mas a falta de cadáveres ambulantes é compensada por violentos assassinatos com machado e motosserra. "La Vie Amoureuse de L'Homme Invisible" é sobre um homem-gorila invisível (fotos abaixo), e o mais perto de um morto-vivo aparece quando um casal vai roubar uma sepultura. Já "The Astro-Zombies" é sobre um alienígena assassino e um cientista louco interpretado por John Carradine, e totalmente "zumbi free".


Porém o caso mais curioso é o de "A Virgin Among the Living Dead": o filme original, dirigido por Franco, chamava-se "Christina, Princesse de L'Érotisme" e não tinha zumbis, puxando mais para o terror gótico e para o erotismo softcore. Alguns anos depois, o produtor Marius Lesoeur, da Eurociné (que detinha os direitos sobre a obra), pagou uma graninha para que Jean Rollin filmasse, num único dia, 20 minutos de cenas com mortos-vivos, que foram incluídas na montagem original para que o filme pudesse ser relançado nos cinemas com o nome "A Virgin Among the Living Dead"!!!

Como são essas cenas (tosquíssimas) filmadas por Rollin que aparecem em ZOMBIETHON, cabe ao diretor francês, e não a Jess Franco, a "honra" de estar representado por duas obras diferentes na coletânea da Wizard Video (suas cenas bastardas para "A Virgin Among the Living Dead" e suas cenas oficiais para "Zombie Lake").


Se nos Estados Unidos estas antologias da Wizard funcionavam para atiçar a curiosidade do espectador e levá-lo às videolocadoras em busca dos filmes completos, aqui no Brasil ZOMBIETHON teve um papel ainda mais importante e fundamental: durante uns 15 anos, pelo menos, essa seleção de melhores cenas era a única maneira de os fãs de horror conhecerem as produções apresentadas, pois nenhuma delas foi lançada em vídeo no país - e a maioria permanece inédita até hoje, em DVD.

Tenho um carinho especial por ZOMBIETHON justamente por causa disso: foi graças a ele que vi, pela primeira vez, as fantásticas imagens do "Zombie" de Fulci, especialmente a luta aquática do zumbi com o tubarão e a violenta imagem do olho de Olga Karlatos sendo perfurado num pedaço de madeira (fotos abaixo). Aí depois você saía atrás dos filmes completos e não os encontrava, o que era bastante frustrante. Por outro lado, quem poderia prever que logo teríamos internet e download de alta velocidade à nossa disposição?


Hoje, produções tipo ZOMBIETHON valem somente pela nostalgia. Se em 1986 era muito difícil você encontrar os filmes "homenageados", hoje você pode comprar ou baixar tranquilamente edições luxuosas em DVD e blu-ray, com imagem e som remasterizados e em widescreen. Alguns dos filmes inclusive foram lançados em DVD no Brasil ("Zombie" pela Works e "Oasis of the Zombies" e "Zombie Lake" pela Vinny Filmes, todos em edições bem pobrinhas e indignas).

Assim, não tem mais muito propósito você ver uma bagaça como essa, que além de não trazer os filmes na íntegra, ainda traz versões porcas, com imagem ruim, dublagem em inglês e formato em tela cheia que corta as laterais. Sem contar que os FINAIS de alguns dos filmes são mostrados, estragando a surpresa de quem não viu as obras completas. Se em 1986 você não tinha muita opção além disso, hoje já tem - e muitas. Portanto, ZOMBIETHON só serve mesmo para aliviar aqueles ataques de saudosismo, quando você quer se lembrar de como eram os tempos do VHS.


Por outro lado, se em teoria o que vemos aqui são as "grandes cenas" dos filmes escolhidos (algo em torno de 5 a 15 minutos por obra homenageada, dependendo da quantidade de zumbis em cada uma delas), ZOMBIETHON pode ser uma boa alternativa para você sacar as melhores partes de bombas como "Zombie Lake" e "The Astro-Zombies", poupando seus neurônios da triste experiência de encarar os filmes inteiros!

PS: Além dessas antologias de "melhores cenas" e das remontagens picaretas de filmes alheios, a Wizard Video também foi uma das primeiras companhias a se aventurar no desenvolvimento de jogos para Atari baseados em filmes - nesse caso, filmes de horror! Inclusive foi a Wizard que fez os clássicos jogos inspirados em "Halloween" e em "O Massacre da Serra Elétrica", e que na época eram proibidos para menores de 18 anos! Mas isso é assunto para outra postagem...


*******************************************************
Zombiethon (1986, EUA)
Direção: Ken Dixon (e, não-creditados, Lucio Fulci,
Jean Rollin, Jess Franco, Riccardo Freda, Pierre
Chevalier e Ted V. Mikels)
Elenco: Karrene Janyl Caudle, Tracy Burton, Paula
Singleton, Janelle Lewis, Randolph Roehbling e
Chuck Spero (além do elenco original dos sete filmes
apresentados).


*****

Essa postagem foi uma justa e tardia forma para divulgar a Mostra Spaghetti Zombies 2.0, que desde a semana passada está apresentando os mortos-vivos do cinema de horror italiano aqui em São Paulo (cartaz genial ao lado, criado por Leopoldo Tauffenbach).

O evento foi realizado pela primeira vez em Recife pelo meu amigo Osvaldo Neto, do blog Vá e Veja, e recebeu uma edição "revista e ampliada" aqui em São Paulo com a colaboração de Eduardo Santana, diretor do CineFantasy.

Boa parte do filé mignon já foi servida, mas ainda serão exibidas maravilhas como "A Terceira Porta do Inferno", de Claudio Fragasso (sexta, 26/10, 16 horas), "Nightmare City", de Umberto Lenzi (sexta, 26/10, 18 horas), "Hell of the Living Dead", de Bruno Mattei (sábado, 27/10, 16 horas), e o inacreditável e hilário "Le Notti del Terrore", de Andrea Bianchi, lançado em VHS no Brasil como "A Noite dos Mortos-Vivos" (sábado, 27/10, 18 horas). Tudo com entrada franca, na Biblioteca Viriato Corrêa (Rua Sena Madureira, 298 / Perto do Metrô Vila Mariana).

16 comentários:

Marcelo Gama disse...

Belo post nostálgico, Guerra!
Vi ZOMBIETHON, deve ter muito mais de 20 anos... No caso, li numa "Animal" uma matéria do Niki Nixon falando sobre o ZOMBIE do Fulci, comparando-o a uma espécie de Indiana Jones do gore e foi o bastante para me deixar salivando, hahaha! Na época, realmente, não tinha saído essa pérola no Brasil, ou pelo menos, eu nunca vi, e o Nixon dizia que só se podia ver algumas cenas nessa coletânea.

Achei o VHS numa Vídeo&Cia da vida e aluguei no ato. Porra, como eu vibrei com as cenas do ZOMBIE, tanto que nem me lembro dos outros filmes na fita! Fiquei na secura e só fui ver o filme completo muitos anos depois via Putrescine e aí sim, eu comprei o DVD importado. Depois, saiu a versão da Works, que foi devidamente ignorada...
Cara, a gente penava naquela época!

Felipe M. Guerra disse...

Pois é, MARCELO GAMA, eram tempos difíceis para os cinéfilos. Lembro que muito filme raro eu só vi graças à troca de fitas VHS com colecionadores do Brasil e do mundo, e às vezes você recebia a quinta cópia da obra (cópia de cópia de cópia de cópia de cópia), mal conseguindo enxergar alguma coisa ou escutar algo distinto, e sem legendas, claro. Mas era o que havia, e foi assim que vi Cannibal Holocaust, o Star Wars Turco (sem nenhuma legenda, com áudio original em turco!!!) e tantas outras raridades da época que hoje podem ser baixadas com tranquilidade.

E aí essa geração criada a leite com pêra fica choramingando porque o filme que acabou de estrear nos cinemas caiu para download faz meia hora e ainda não tem legenda em português para ele!!! Cara, sério, não sei se choro ou se saio às ruas com uma serra elétrica...

Anônimo disse...

Falando em Jean Rollin, acho o "Fascination" um filme muito legal!!

Agora... Convenhamos, abençoada seja a internet, que traz à tona produções esquecidas pelo tempo e injustiçadas pelos arautos do bom gosto... hehehehe!!

Thiago

Dylan Dog a.ka.Victor B. disse...

Felipe,por acaso essa mostra virá para o Rio de Janeiro?

Felipe M. Guerra disse...

Eu não sei porque não me envolvi diretamente na sua organização. É preciso falar diretamente com o Osvaldo Neto, curador e idealizador da mostra.

Anônimo disse...

No IMDB, esse filme é descrito como se fosse um documentário!.

Paulo Geovani

laurindo big boss disse...

Laurindo Big Boss: Felipe, muito legal esta resenha. Assisti ZOMBIETHON, em um tempo bem distante, e voce meu amigo, me faz voltar ao tempo em que viamos esses filmes, que mesmo risiveis de tão mal feitos eram curtidos de maneira certa em um saudoso tempo. Sobre o diretor LUCIO FULCI, quais seus ultimos trabalhos?, são do mesmo nivel do famigerado ZOMBIE, entre outros?, e a bela OLGA KARLATOS(parece uma BOND GIRL), ainda filma, ou ficou mesmo na decada de 1980?. Assisti também PAVOR NA CIDADE DOS ZUMBIS e BEYOND, de LUCIO FULCI, que são melhores do que ZOMBIETHON, por isso tenho vontade de conseguir estes filmes e fazer uma pequena maratona, destes CLASSICOS TRASH(com a companhia de muitas cervejas e afins), que graças a voce podemos relembrar. Um Abraço...Laurindo Junior.

Anônimo disse...

Porra, eu baixo filme sem legenda mesmo. Se for inglês é fácil pra mim entender (qualé gente, inglês é a língua mais fácil do mundo). Se for em português, é minha lingua. Se for espanhol ou italiano eu entendo porque tem coisas parecidas com o português. Se for qualquer outra língua eu apenas vejo o filme e acabo entendendo a história mesmo sem entender porra alguma do que nego fala. Inclusive tem alguns filmes raros que baixei na internet que vinham com legendas em sueco embutidas (ou seja, não dá pra desligar) e eu rebaixei esses filmes sem essas legendas. Velho, ODEIO quando aparece letrinhas embaixo da tela num filme (a não ser que seja do próprio filme pra dizer nome de locais, ou aquela famosa frase "tantos anos depois", etc... sério, tenho ódio de legendas... não importa a língua. O filme pode tá com qualidade de VHS mastigado pelo vídeo cassete, com imagem e audio indecifráveis, se tiver legenda eu NÃO VEJO.)

Anônimo disse...

Aliás, eu só vejo filme com legenda no cinema... porque aí não tem como desligar! rsrs

Mas eu só vou ao cinema mesmo se for um filme que eu tava realmente afim de ver. Hoje em dia com os preços salgados das salas de exibições eu tenho ido com menos frequência!

E eu não baixo filmes recém saídos no cinema não... espero sair em DVD e alugo, ou se for um filme que eu não estiver com saco de ver, baixo de uma versão ripado de DVD e vejo só quando der vontade (a maioria desses eu apago).

spektro72 disse...

ACABOU ! SPAGHETTI-ZUMBIES, So um filme nao foi exibido por que teve um problema foi o ZUMBIE 4 do Claudio Fragasso, que foi trocado pelo BLACK DEMONS de UMBERTO LENZI filmado no brasil em 1991,os NIGHTMARE CITY foi interessante com o um final ( sem comentarios,para nao estragar para quem nao assistiu esta perola)O Mais engraçado de assistir fora o horrivel ZUMBIE 3 de Bruno Mattei foi filme " HELL OF LIVING DEAD" ou " PREDADORES DA NOITE" DE Bruno Mattei ,que de noite ( So no titulo portugues noite mesmo no filme so a cena final) o filme se passa na papua nova guine com cenas de manada de elefantes africanos na asiavarias tomadas de passaros,macacos pulando de galho em galho, parce ate que nosso diretor andou pegando umas cenas " NATIONAL GEOGRAFIC" Para colocar no filme a trilho do filme é fantastica inclusive quando ha o massacre na cena da embaixada a musica tema de força de elite policial é do extinto " GLOBO CIDADE" Noticiario de flash dos acontecimentos em sua cidade isso no anos 80,Assistindo o filme na hora me bateu um bom titulo para ele " S.W.A.T Contra Zumbies" ou "Atrapalhada Suate Versus Zumbies" So filme mesmo manda uma força policial no lugar do exercito resolver a situaçao. eita,bruno mattei!foi uma otima amostra espero que aja outras pois temas nao faltam.. filmes apocalipicos,de tubarao, de crocodilos,filmes Iguais á CONAN - O BARBARO ..( Claro! versoes italianas deles para darmos boas risadas)
abraços SPEKTRO 72

Lucas disse...

Hey Felipe, assunto meio off do seu texto, mas ainda é possível conseguir dvd do Canibais e Solidão? obrigado

Felipe M. Guerra disse...

LUCAS, eu pretendo reeditar "Canibais & Solidão" de maneira mais profissional em 2013.

spektro72 disse...

o nosso mestre, falou deste filme " ZUMBIETHON" que mistura compilacao de filmes de zumbies sessao de cinema , tem um filme que passou no FIM DE NOITE do SBT no começo de 90, chamado " INVASÃO DA TERRA " que alienigenas invadem uma cidade em promovem uma sessao de cinema ,que mistura varios filmes antigos de ficção cientifica dos anos 50 e 60,um filme parecido com este citado por ti,mestre! abraço de SPEKTRO72

André de Mello disse...

Já que mencionou o Reblião nas Galaxias, demorô pra soltar uma resenha desse. Acho esse filme muito FODA!

Osvaldo Neto disse...

Felipe, muito obrigado pela sua presença lá no debate e por esse texto sobre uma "pérola escondida" dos bons tempos das aventuras pelas prateleiras empoeiradas das locadoras de VHS. Grande abraço. :)

Leonardo Peixoto disse...

O final do post mostrou que a Itália é um terreno fértil para pérolas cinematográficas , espero ver mais de Spaghetti Zombie por aqui .