segunda-feira, 1 de outubro de 2012

FRITZ THE CAT (1972)


Foi a grande piada do mês (setembro/2012): o deputado federal Protógenes Queiroz (PC do B/SP), também delegado da Polícia Federal, levou o filho Juan para o cinema para ver a comédia de humor negro "Ted", dirigida por Seth McFarlane. O filme é recomendado para maiores de 16 anos, e o pequeno Juan tem apenas 11, mas isso não vem ao caso. O que vem ao caso é que Protógenes ficou chocado com o que viu na tela (um ursinho de pelúcia usando drogas e envolvendo-se com prostitutas), e, como todo bastião da moral e dos bons costumes (leia-se "censor ditatorial"), julgou que os demais brasileiros não tinham inteligência e discernimento para entender a "mensagem" do filme. Tentou, portanto, proibir sua exibição no país. E só por causa de uma comédia sobre um ursinho tarado e maconheiro...

"Acionarei os meios legais, a fim de impedir q o lixo o filme infanto-juvenil TED seja exibido nacionalmente e apurar responsabilidades"; "Não poderia ser liberado nem para 16 nem para 18 anos. Esse filme não pode ser liberado para idade nenhuma. Não deve ser veiculado em cinemas"; "#foraFilmeTED das telas do cinema brasileiro. Não aceitamos mais esses enlatados culturais americanos no Brasil"; "Fiquei chocado e indignado com esse filme. Ele passa a mensagem de que quem consome drogas, não trabalha e não estuda é feliz". Essas foram apenas algumas das asneiras ditas pelo deputado, esquecendo-se, talvez, que proibir/censurar um filme não é papel do Estado, mas sim lutar para defender toda a liberdade de expressão, e que gosto pessoal não é justificativa para vetar a exibição, apresentação, exposição e publicação de nada. Se bem que isso, no Brasil, é cada vez mais comum, e o lamentável episódio Protógenes x "Ted" é apenas mais um no país que proibiu o lançamento comercial de "A Serbian Film" ano passado (2011), alegando que incitava a pedofilia, e que quer impedir a circulação dos livros clássicos de Monteiro Lobato nas escolas por julgar que são "racistas".


Portanto, nossa postagem de hoje é uma homenagem a todos os censores travestidos de políticos, e também uma sugestão de filme para o deputado Protógenes ver com seu filho numa próxima "Sessão Família". Trata-se de FRITZ THE CAT, escrito e dirigido por Ralph Bakshi em 1972. Afinal, se o nobre político pensou que "Ted" era um filme-família só por ter um ursinho de pelúcia no pôster (sem se informar sobre seu conteúdo ou classificação etária), que mal poderia haver num desenho animado estrelado por um simpático gatinho, não é mesmo?

Bem, a verdade é que FRITZ THE CAT entrou para a história do cinema como o primeiro desenho animado a receber certificação X (proibido para menores de 18 anos, a mesma dos pornôs) nos cinemas norte-americanos. Não exatamente por ser um filme pornográfico - há insinuações de sexo entre os personagens, mas sem mostrar putaria explícita ou penetração -, e pela trama repleta de violência explícita, consumo de drogas e uma moral bem duvidosa (para dizer o mínimo), coisas que certamente deixariam nosso famoso deputado censor de cabelos em pé...


FRITZ THE CAT é a versão "live action" de um famoso personagem dos quadrinhos, criado por Robert Crumb. Vale ressaltar que o Gato Fritz não era um personagem infantil, tampouco tinha revista com seu nome nas bancas: o felino malandro estrelava quadrinhos underground, produzidos de maneira independente, e por isso mesmo isentos das restrições impostas aos gibis "comerciais" (em relação ao uso de sexo, violência, palavrões e escatologia).

Em outras palavras, Fritz e seus colegas do underground podiam fazer o que bem entendessem (ou o que seus autores dementes quisessem), e azar do leitor "sensível", já que eram quadrinhos definitivamente para adultos - inclusive pelo seu texto mais rebuscado, que propunha crítica social e conflitos internos dos bichinhos humanizados.


O Gato Fritz foi criado por Crumb em 1959, mas suas primeiras histórias seriam publicadas apenas em 1965, nas páginas da revista norte-americana Help!, que pertencia ao mesmo editor da lendária Mad, Harvey Kurtzman. Fritz the Cat era algo original no cenário da HQ porque juntava o velho (bichinhos fofinhos falando, agindo e se vestindo como gente) com o "novo" (sexo, violência e contracultura nas tramas nada infantis).

Na maioria de suas histórias, Fritz aparece como um universitário e poeta fracassado perdido em meio à cena hippie e rodeado por outros personagens animais que não passam de estereótipos ou caricaturas dos seres humanos - os policiais são porcos, os negros são corvos, uma mulher superficial é representada como uma égua, e por aí vai.


FRITZ THE CAT, o filme, surgiu da associação do animador nova-iorquino Ralph Bakshi com o produtor Steve Krantz. Foi esse último que teve a ideia de fazer a adaptação: em 1969, ele comprou um livro com as histórias de Robert Crumb, ficou maravilhado e resolveu que transformaria o material num desenho animado para adultos.

A negociação com o autor não foi exatamente tranquila, conforme explicarei mais adiante, mas Crumb acabou dando sinal verde e Bakshi ficou responsável pela adaptação. Ao invés de criar uma história original, ele preferiu juntar três velhas HQs de Fritz, formando uma única aventura longa, porém tomando algumas liberdades poéticas aqui e acolá que enfureceram tanto Crumb quanto seus fãs mais radicais.


O filme começa com uma legenda ("The 1960's"), e assume sua localização geográfica como sendo Nova York (algo que não acontecia nos quadrinhos). Fritz e dois amigos vão ao parque com violões na tentativa de faturar umas gatinhas através da música, mas descobrem que outros desocupados estão usando a mesma ideia. O "herói" precisa improvisar e fingir-se de poeta maldito para levar três universitárias desmioladas para a cama - ou melhor, para dentro de uma banheira, já que vai até o apartamento de um amigo e lá está rolando uma festinha cheia de hippies fumando maconha por todos os cantos.

Após uma rápida sessão de sexo grupal com as moças na banheira, Fritz é obrigado a fugir com a chegada de dois policiais atrapalhados (um deles dublado pelo próprio diretor-roteirista Bakshi). Ele então resolve abandonar os estudos, queimando seus livros (e, consequentemente, toda a fraternidade onde morava), e a partir disso pula de uma aventura maluca para a outra, provocando uma revolta popular no Harlem (famoso bairro negro de Nova York), caindo na estrada com a namorada Winston e, finalmente, sendo recrutado por um grupo revolucionário que pretende praticar atos terroristas para derrubar o governo!


O roteiro dividido em esquetes é talvez a maior qualidade e o maior problema de FRITZ THE CAT. Qualidade porque o personagem não teria fôlego para uma única aventura longa, visto que mesmo em sua encarnação dos quadrinhos sempre participou de histórias curtas - seria tipo o que aconteceu com Garfield no cinema décadas depois, quando o gato astro de tiras curtinhas nos quadrinhos demonstrou não ter fôlego para protagonizar uma única história longa.

Por outro lado, a adaptação das histórias de Crumb foi feita por Bakshi de maneira meio caótica (ou "de qualquer jeito", como se diz), deixando de fora alguns elementos e explicações importantes e adicionando certas bobagens que não têm muito a ver com o universo do Gato Fritz - quase todas as contribuições originais de Bakshi à trama são de lascar, o que talvez tenha enfurecido tanto Crumb quanto seus fãs.


Essa meia dúzia de momentos soltos improvisados pelo diretor-roteirista incluem funcionários de uma obra reclamando sobre os jovens daquela época, antes de dar uma mijada do alto do prédio em construção diretamente na cabeça de um hippie, e Fritz fugindo da polícia para dentro de uma sinagoga, onde ao mesmo tempo acontecem as piadas mais fracas do filme e uma das inserções mais engraçadas feitas por Bakshi (ao ver os judeus ortodoxos na sinagoga, um dos policiais burros diz: "Cabelos compridos? Usando batas? É uma festa hippie!").

Bakshi também quintuplicou a violência, que não era exatamente uma característica das historinhas do Gato Fritz. A cena da revolta popular no Harlem inclui um momento em que um amigo de Fritz, o corvo Duke, é morto com um sangrento tiro em câmera lenta. A metáfora para representar a vida do pássaro se esvaindo - bolas de sinuca entrando lentamente na caçapa, já que o personagem gostava de jogar bilhar - rende um dos momentos mais marcantes do filme.


Bakshi também colocou mais violência onde não havia. Na subtrama em que Fritz entra para o grupo revolucionário, por exemplo, há um momento em que Harriet, a égua namorada de um coelho usuário de heroína, é agredida e estuprada pelos terroristas. Na HQ, era um momento até engraçado, que evoluía para um "estupro" coletivo (pense em humor negro). No filme, vira uma cena cruel em que a pobre quadrúpede é espancada com golpes de corrente que lhe tiram um montão de sangue!

Outra liberdade poética do diretor-roteirista foi a absurda cena envolvendo um caipira dirigindo um caminhão de galinhas. Furioso com o cacarejar incessante das penosas, o sujeito simplesmente pega um pedaço de pau e espanca todas as aves até a morte, num daqueles momentos de humor negro em que o espectador acaba rindo de nervoso, mas na verdade se pega questionando o que o criador daquela piada teria na cabeça.


O importante é que, descontando essas poucas inserções de Bakshi, o estilo de desenho e os roteiros de Crumb estão todos em FRITZ THE CAT. A primeira parte do filme, em que o gato tenta seduzir garotinhas com música e depois finge-se de poeta sofredor para levá-las até o banheiro (e à banheira), foi tirada quase na íntegra da história "Fritz the Cat". O momento em que o universitário Fritz queima seus livros, vai para o Harlem, provoca uma revolta popular dos negros contra a polícia e depois cai na estrada com a Winston saíram diretamente de "Fritz Bugs Out" (no Brasil, "Fritz Cai Fora"). Finalmente, o ato final do filme, em que o gato se envolve com os terroristas, vem de "Fritz the No-Good" (no Brasil, "Fritz, O Inútil").

Bakshi faz, sim, algumas alterações aqui e ali, e inclusive os terroristas no último ato do filme foram transformados em vilões assustadores, enquanto na HQ Crumb tinha optado por uma visão mais ingênua e engraçada, com aqueles típicos revolucionários de botequim usando frases-feitas como "A máquina do establishment será arruinada" (esta inclusive é uma das grandes reclamações de Crumb sobre o filme). Mas, em linhas gerais, FRITZ THE CAT é uma adaptação bem decente da HQ, inclusive com o espírito dos quadrinhos de Crumb.


Se como adaptação é relativamente fiel, como filme o buraco é mais embaixo. Afinal, conforme eu escrevi ali em cima, ao unir as três histórias diferentes e escritas em períodos diferentes, Bakshi não conseguiu criar a linearidade que seu filme pretende mostrar. As três histórias adaptadas aconteciam num espaço de muitos anos, em que o próprio Fritz mudou junto com seu autor (durante os acontecimentos de "Fritz the No-Good", por exemplo, o gato já estava casado e com um filho pequeno!), enquanto no filme todas as suas aventuras acontecem no intervalo de alguns dias.

Só que Bakshi cortou coisas necessárias para que os não-iniciados na obra de Crumb entendessem o que se passa. Quando a gata idealista Winston entra em cena procurando pelo "herói", quem leu a HQ sabe que ela é um velho caso romântico de Fritz, mas para quem está vendo o filme esta informação não é passada em momento algum. Ao mesmo tempo, Winston diz que Fritz devia parar de perder tempo com "garotas como Charlene", um outro caso romântico do gato que apareceu no começo da HQ "Fritz Bugs Out". Como Charlene não aparece no filme, nem seu nome sequer é citado anteriormente, o diálogo torna-se completamente desnecessário!


Mas, no geral, confesso que gosto MUITO de FRITZ THE CAT, não tanto pelo conjunto da obra, mas por seus momentos isolados. É preciso levar em consideração que, hoje, é muito fácil rir de coisas como o Movimento Hippie, mas tanto os quadrinhos de Crumb quanto o filme de Bakshi tiraram sarro disso na época em que a coisa estava no auge.

E é curioso ver como muitas piadas do filme (e dos quadrinhos) continuam atualíssimas até hoje. Como quando três patricinhas branquelas ficam se desmanchando em elogios a um corvo (o negro, no universo de Fritz), usando frases como "Black is so much groovier". Na HQ original, havia até um diálogo em que um dos amigos de Fritz dizia: "É sempre assim, é só aparecer um negão!".


Outro momento divertido são as frases revolucionárias-clichê com que Fritz, um gato branco, universitário e de classe média alta, acende uma revolta popular no Harlem, gritando chavões como "São eles que mantêm os poderosos no poder", referindo-se à polícia.

Contribuindo com o lado politicamente incorreto de FRITZ THE CAT, há também o fato do simpático gatinho não ser flor que se cheire. Pelo contrário, Fritz é um universitário vagabundo que não frequenta as aulas porque sonha em viver como poeta, que adora fumar maconha e que quer comer todas as mulheres (fêmeas) que cruzam seu caminho. Em resumo, o Gato Fritz vai de encontro ao que o deputado Protógenes reclamou sobre "Ted" (que passa a mensagem de que quem consome drogas, não trabalha e não estuda é feliz), só que 40 anos antes!!!


FRITZ THE CAT foi um projeto difícil de tirar do papel. Quando Krantz e Bakshi resolveram que iriam adaptar a HQ, foram procurar Crumb em San Francisco, mas o autor não queria ressuscitar um personagem que, para ele, já tinha sido deixado de lado há anos. Crumb alegava que o Gato Fritz era seu personagem mais antigo e fora de moda, e que ele estava fazendo coisas mais atuais naquele momento.

A negociação entre a dupla e Crump foi nebulosa, e cada uma das partes envolvidas tem sua própria versão dos acontecimentos. Segundo o autor, ele nunca aprovou a adaptação para o cinema nem nunca assinou um contrato; por isso, o artista chegou a ameaçar os realizadores com processo judicial para que tirassem seu nome dos créditos do filme, depois que viu e não gostou.


O produtor Krantz, por outro lado, disse que recebeu um contrato assinado por Crumb pelo correio, e que pagou 12.500 dólares pelos direitos do personagem. Claro que, passados 40 anos, é difícil saber quem está certo e quem está errado, mas acho difícil acreditar que Krantz produziria um filme sem ter pelo menos um documento do autor permitindo o uso de sua obra.

(Para quem quiser saber mais sobre o complicado processo de transformar o Gato Fritz em filme, e as brigas entre realizadores e Robert Crumb, recomendo esse gigantesco artigo de Michael Barrier chamado "The Filming of Fritz the Cat", que foi originalmente publicado na revista Funnyworld em 1972 e está disponível na íntegra aqui.)


Um segundo problema foi com o financiamento do filme. Até porque, no começo dos anos 70, quando se falava em desenho animado no cinema todo mundo pensava nas produções inofensivas dos Estúdios Disney. Animações politicamente incorretas e com teor adulto não eram comuns como, hoje, "The Simpsons" e "Uma Família da Pesada".

Portanto, quando Bakshi e Krantz tentaram conseguir grana com a Warner Bros., e exibiram um pequeno trecho concluído de FRITZ THE CAT (justamente a cena do Harlem), os executivos ficaram pasmos. Em uma entrevista recente, o diretor Bakshi disse que vai lembrar para sempre da cara dos sujeitos ao final da exibição. Eles queriam cortar todo o erotismo do filme, fazer mudanças na história e chamar famosos para dublar os personagens. Com a recusa da dupla de realizadores, a Warner pulou fora e FRITZ THE CAT acabou sendo distribuído pela Cinemation Industries, uma pequena distribuidora de filmes exploitation.


Na estreia, mais problemas: a Motion Picture Association of America (MPAA), órgão que regula a classificação etária dos filmes nos Estados Unidos, encasquetou com o conteúdo adulto de FRITZ THE CAT e tascou-lhe um "X-Rated", ou seja, "proibido para menores de 18 anos".

Claro que já existiam desenhos animados pornográficos explícitos na época, coisa que FRITZ THE CAT não era. Um dos meus preferidos, "Eveready Harton in Buried Treasure", é de 1929! A diferença é que esses filmes não eram submetidos à MPAA para receber classificação (já eram produzidos exclusivamente para os cinemas adultos ou para exibições clandestinas). Por isso, oficialmente, o desenho do Gato Fritz foi a primeira animação a ter essa "honra".


O produtor Krantz até brigou com a MPAA para tentar baixar a classificação, pois sabia que a tarja X-Rated significava a morte comercial do seu filme. Ele alegava que sexo entre animais não podia ser considerado pornografia (!!!), mas esse nem era o ponto: as várias cenas de sexo em FRITZ THE CAT não são explícitas, não mostram penetração, portanto não podem ser consideradas "X-Rated".

Demorou algum tempo para que as pessoas percebessem que FRITZ THE CAT não era um filme pornográfico (o que certamente decepcionou parte do público), e até o Festival de Cannes de 1972 se rendeu e exibiu o filme na sua programação. Em entrevista recente, Bakshi declarou: "Hoje eles fazem em 'The Simpsons' tudo aquilo pelo que ganhamos um 'X' com FRITZ THE CAT".


No fim, a controvérsia acabou rendendo frutos: o distribuidor, especialista em exploitation e em publicidade, colocou uma frase gigante no pôster do filme, "We're not rated X for nothin', baby!", tentando atrair a curiosidade dos pervertidos interessados em ver bichinhos fofinhos transando.

Funcionou, e até hoje FRITZ THE CAT é o desenho animado independente mais lucrativo da história: mesmo tendo custado apenas 850 mil dólares, e mesmo com um lançamento bastante limitado por causa da certificação X-Rated, o filme rendeu mais de 100 milhões de dólares nas bilheterias mundiais!


Pode ter sido um sucesso comercial, mas Robert Crumb odiou. Ele assistiu o filme em fevereiro de 1972, quando estava em Los Angeles, acompanhado de outros desenhistas do underground. Seu relato sobre a adaptação (tirado do artigo supracitado de Michael Barrier): "Ele [Bakshi] me perguntou o que eu tinha achado, e eu apenas dei de ombros. Eu não sabia o que dizer. Então disse que não gostei do que ele tinha feito com a cena dos revolucionários, que aquilo me deixou puto, como ele mudou e transformou em algo que não era o que eu queria dizer. É um filme estranho, um reflexo da confusão de Ralph Bakshi. Existe algo de muito reprimido nele, algo muito mais esquisito que o meu material. É apenas esquisito, mas não engraçado".

Enfim, Crumb ficou tão puto com FRITZ THE CAT que, ainda em 1972, resolveu publicar uma nova história em quadrinhos do Gato Fritz, algo que não fazia há anos. E seria a última: o autor preferiu matar o seu personagem, com um picador de gelo cravado na cabeça por uma ex-namorada possessiva, a deixá-lo vivo para aparecer em novos filmes. A história de 15 páginas chama-se "Fritz The Cat Superstar", e tira sarro do mundo do cinema - tem até um momento em que Fritz encontra-se com produtores de cinema inescrupulosos chamados... Steve e Ralph! Qualquer semelhança com a realidade NÃO é mera coincidência...


Depois de FRITZ THE CAT, Ralph Bakshi partiu para outros projetos, mas raramente saiu da área de animação. Escreveu e dirigiu vários longas de animação, sendo que o mais famoso deles é uma ambiciosa adaptação de "O Senhor dos Anéis" produzida em 1978, com 132 minutos de duração e cobrindo a história do primeiro livro e parte do segundo. O filme contava até com vozes famosas (John Hurt dublou Aragorn e Anthony Daniels, o C3PO de "Star Wars", emprestou sua voz a Legolas), e era para ser a primeira parte de uma trilogia, mas não convenceu e ficou só no primeiro filme mesmo, deixando a aventura incompleta até Peter Jackson fazer sua versão "live action" da obra mais de duas décadas depois.

Bakshi também foi o responsável por "American Pop" (1981), desenho animado sobre uma família de músicos, que virou cult por causa da trilha sonora (com Bob Dylan, Jimi Hendrix, Lou Reed, Sex Pistols e outros), e por "Fire and Ice" (1983), animação de espada e magia lançada na esteira do sucesso de "Conan, O Bárbaro". Em 1992, ele tentou fazer uma sensual mistura de filme com desenho animado estilo "Uma Cilada para Roger Rabbit", e o resultado foi o bizarro "Mundo Proibido", com Kim Basinger como a personagem de quadrinhos que seduz seu criador (o ainda desconhecido Brad Pitt também aparece no filme). Bakshi não faz nada novo desde 1997.


De qualquer maneira, a morte de Fritz pelas mãos de Robert Crumb (e da ex-namorada possessiva com o picador de gelo) não poupou o personagem de aparecer em uma continuação. E das ruins! Em 1974, o mesmo produtor Steve Krantz fez "The Nine Lives of Fritz the Cat", em cujo material de divulgação até sacaneava o próprio Crumb: "Fritz may have lost one of his lives in the comics, but in his new movie, he has eight more lives left to go!".

Ralph Bakshi pulou fora do projeto, que desta vez foi dirigido por Robert Taylor, e o roteiro não tem nada a ver com os quadrinhos de Crumb, embora aproveite o início da HQ "Fritz the No-Good" (o gato sendo aporrinhado pela esposa). O resultado é um filme péssimo em que nada se salva, e sem a menor graça - que deve ter feito o próprio Robert Crumb parar de implicar com FRITZ THE CAT ao constatar algo realmente ruim estrelado pelo seu personagem...

PS: Destaque para a "participação especial" da silhueta de três famosos personagens Disney (Pato Donald, Mickey e Minnie), aplaudindo a intervenção do exército norte-americano no Harlem. Não bastassem todos os problemas enfrentados pelos realizadores, um processo de Walt Disney certamente fecharia com chave de ouro a lendária odisséia para realização desta animação. Mas isso milagrosamente não aconteceu.


Trailer de FRITZ THE CAT



*******************************************************
Fritz The Cat (1972, EUA)
Direção: Ralph Bakshi
Com as vozes de Skip Hinnant, Rosetta LeNoire,
John McCurry, Judy Engles, Phil Seuling, Mary Dean,
Charles Spidar e Ralph Bakshi.

23 comentários:

Rafael Medeiros Vieira disse...

Ele produziu para a TV O Retorno do Rei e O Hobbit em animação.

Felipe M. Guerra disse...

RAFAEL, o Ralph Bakshi não teve nada a ver com essas duas animações, que foram dirigidas e produzidas por Jules Bass e Arthur Rankin Jr. (e, pelo que se comenta, são ambas bem ruins).

Rafael Medeiros Vieira disse...

Troquei as bolas, rsrsrs, sorry!!!

Allan Verissimo disse...

"Piada do mês?" Já virou a piada do ano, isso sim...

E a única coisa que esse deputado conseguiu foi me fazer ficar interessado nesse "Ted"...

nightrider disse...

Tenho uma HQ com história bem legal do gato Fritz!

Bússola do Terror disse...

rsrsrs
Isso aí parece uma versão em desenho dos filmes do Sady Baby.

laurindo big boss disse...

Laurindo Big Boss disse: Felipe,ótima resenha. Assisti FRITZ THE CAT, por duas vezes em Cine Clubes e o mesmo é ÓTIMO. Não sei se voce concorda, mas todos nós, inclusive o ILUSTRE DEPUTADO, somos de alguma maneira HIPÓCRITAS. Mas o que vale, para nos, Cinéfilos, não é comentar sobre o URSO TED(ainda não vi, e minha filha quer ver, acredita nisso?), e sim apreciar não só sua ótima resenha(já falei isso!), como aqueles que puderem, assistir a este desenho adulto(nos dias de hoje será que é???) e curtir(com algumas cervejas, melhor ainda)...O Filme vale. Um Abraço Laurindo Junior.

Khalil disse...

Os personagens Disney não seriam Donald,Margarida e Mickey?
Ótima resenha Felipe!

Kuthil disse...

Hurra, a maravilhosa Magnus Opus lançou um box de luxo com FRITZ THE CAT/THE NINE LIVES OF FRITZ THE CAT/STREET FIGHT (aka COONSKIN)! Vamos todos prestigiar esses desbravadores do mercado de DVDs! Tá mais de 100 paus, mas tá de graça, gente!

Felipe M. Guerra disse...

Grande Magnus Opus, um dos muitos nomes falsos da famigerada pirateira Continental. Nunca vou entender como é que uma distribuidora que não paga os direitos aos responsáveis e lança produtos tão vagabundos (com capinhas e autorações de péssimo nível) consegue arranjar clientes para DVDs que valem R$ 1,99 e custam R$ 50,00 no varejo...

Felipe M. Guerra disse...

Grande Magnus Opus, um dos muitos nomes falsos da famigerada pirateira Continental. Nunca vou entender como é que uma distribuidora que não paga os direitos aos responsáveis e lança produtos tão vagabundos (com capinhas e autorações de péssimo nível) consegue arranjar clientes para DVDs que valem R$ 1,99 e custam R$ 50,00 no varejo...

Anônimo disse...

Felipe, dá uma olhada nesse blog e me diz o que você acha desses desenhos com esses personagens "inocentes".

http://ogritonoticias.blogspot.com.br/2010/04/desenhos-banidos-censurados-proibidos.html

Paulo Geovani

Anônimo disse...

Cara, há tempos eu tô querendo ver esse desenho. A resenha já me "abriu o apetite" pra correr atrás dessa pérola! rsrs

spektro72 disse...

FRITZ The CAT ,eu assisti o achei um pouco estranho se comparado com os hqs lancado na decada de 80, pelas revistas ,CIRCO,PORRADA a maioria da historias saiu pela revista CIRCO . eu adorava as historias deste gato..Criados pelo o genio dos hq underground ROBERT CRUMB, Lançado em VHS lá na decada de 80 pela V.T.I NETWORK VIDEO, Não e de hoje que politicos se metem em classificaçao de filmes, exemplos sempre vamos ter com o do filme "STALLONE COBRA" Que teve a sua classificação mudado de 16 anos para 18 em 1987,por causa da violencia do filme o deputado que consegui isto e claro so para sao paulo pelo o que me lembro ,pois eu tinha 16 anos e nao pude assisti-lo pois classificação havia mudando e ai nao pude assisti-lo no cinema, so em video, foi dep.estadual AFANASIO JASADJI acho que errei no sobrenome dele por favor me corrijam depois, famoso radialista policial , NOVAMENTE NOSSO MESTRE CAPRICHOU DE NOVO,PARABENS!!!

Nicolas Gianni disse...

Adoro tudo do Crumb, mas desse desenho não me lembro quase nada, apenas da morte do corvo Duke e do lance das bolas de sinuca nas caçapas, pois afinal, já vi há mais de 10 anos... Lembro-me apenas de que gostei. E estou querendo muito ver o documentário CRUMB também...

Chegou a gostar de MUNDO PROIBIDO, Felipe? Às vezes, ele parece ter aqueles climas de pesadelos surreais e absurdos, mas eu gostei.
E podemos esperar mais posts sobre animações mais adultas? Acabei de ver GOLGO 13: THE PROFESSIONAL é é ótimo e bem violento, onde o assassino Golgo

Nicolas Gianni disse...

Vixi, meu comentário saiu incompleto, hahaha!Só quis dizer que Golgo 13 enfrenta inimigos exóticos como os gêmeos assassinos Gold & Silver, e o bizarro mercenário Snake.
Adoro essas animações dos anos 80 para trás! É clichê, mas é verdade: não se fazem mais coisas assim, talvez com pouquíssimas exceções.

Chompiras disse...

Eu fui tentar me registrar nesse CINEMAGEDDON mas ele disse que nenguém pode se registrar a menos que um membro registrado me convide, então você pode me mandar um convite pra eu poder ter acesso ao site? abraço

http://filmesparadoidos.blogspot.com.br/2010/05/intrepidos-punks-1980.html

Felipe M. Guerra disse...

CHOMPIRAS, eu já mandei todos os meus convites, que são limitados para cada usuário.

Anônimo disse...

Felipe vi Ted e o filme é super engraçado!
Uma das raras boas atuações do belo Mark Whalberg e o talento de Seth Mac Farlane na direção e na interpretação do fofo e nada correto urso fizera diferença.
Estou muito curiosa pra ver Fritz The Cat, vi o trailer e parece bem legal apesar da polêmica com o Crumb e o diretor.
Eu tenho algumas observações.
Primeira: o sexo não é pior neste desenho, as cenas(pelo menos pelo trailer) parecem bem engraçadas, o que me incomodou foi algumas cenas apelativas de violência como a do caipira matando a sangue frio as galinhas e a questão de colocarem uma cena de espancamento e estupro de uma personagem feminina, mas, prefiro assistir pra tirar minhas próprias conclusões.
Outro detalhe Felipe é em relação ao seu comentário sobre a personalidade do gato, e eu
não curti seu
comentário(involuntariamente) machista.
Vc escreveu: "Fritz é um universitário vagabundo que não frequenta as aulas porque sonha em viver como poeta, que adora fumar maconha e que quer comer todas as mulheres (fêmeas) que cruzam seu caminho."
Porque "COMER" quando se trata de sexo entre homem e mulher(o que não é o caso do desenho pois os personagens são bichos, kkk)?!
Porque colocar os homens lá em cima, e as mulheres lá embaixo, como se mulher fosse "coisa", "pedaço de carne". ODEIO este termo babaca e misógino.
Como um homem inteligente vc deveria ter cuidado com o que escreve.
Tirando este vacilo gosto muito do teu blog.
Já via boa parte dos filmes que comentou.
ps: sou mulher, punk, hétero, que adora filmes de terror, suspense, trash e não tem medo de nada!

Saw

Daniel Dutra disse...

"Porque "COMER" quando se trata de sexo entre homem e mulher(o que não é o caso do desenho pois os personagens são bichos, kkk)?!
Porque colocar os homens lá em cima, e as mulheres lá embaixo, como se mulher fosse "coisa", "


A moda do politicamente correto chegou até aqui? Putz!

Enfim, o uso do verbo "comer" como gíria não tem nada a ver com inferiorizar a mulher.

A analogia gastronômica se deve ao fato de que o homem, quando se faz sexo com uma mulher, de certa forma você a está "saboreando", tal qual saboreia uma boa refeição.

Nossa amiga punk pode objetar e dizer? "Ah! Mas a mulher também não 'saboreia' o sexo, seu machista?"

Claro que saboreia. E agora explico o outro motivo para a analogia com comida:

A mulher, tal qual o prato que degustamos com nossos talheres, é o agente passivo do ato sexual por motivos óbvios (imagino que todos tenham noções básicas da anatomia dos órgãos genitais masculino e feminino para entender o porquê a mulher é a passiva), e portanto, cabe ao homem ser o ativo, assim como temos que ser o ativo na hora de cortar a carne (ela não vai parar na nossa boca por teletransporte).

Agora se isso é "colocar a mulher lá embaixo" a única conclusão possível é que nossa amiga punk, quando corta um bom bife, acredita que está "por cima" do bife.

Porém, se formos pela linha de raciocínio empregada pela nossa amiga punk, o verbo utilizado é estritamente correto e demonstra exatamente a mentalidade do gato Fritz, que não deseja qualquer tipo de envolvimento amoroso e vê as gatas como mero instrumento para desafogar a libido.

Então, quer pelo sentido tradicional que existe na conotação do verbo "comer" no contexto empregado pelo Felipe, quer por essa nova conotação que a comentarista pretende dar a essa palavra que foi utilizada metaforicamente no texto, o uso da palavra é o correto.

Ademais, não importa o quanto nossa amiga punk esperneie, ainda há a liberdade de expressão e o Felipe tem a liberdade de usar todos os termos que sua consciência permitir.

De outra forma, nossa amiga punk estaria limitando a liberdade individual e estará impossibilitando que essa expressão possa ser purificada dessa carga negativa que ela afirma conter.

Portanto, com o fim de tornar esse mundo um lugar melhor, e poupar o Felipe do trabalho de reescrever a frase, tomei a liberdade de eu mesmo reescrevê-la de uma forma politicamente correta:

"Fritz é um boêmio que não assume a responsabilidade social que é inerente a ocupação de uma cadeira em uma universidade (a saber, se preparar para construir uma sociedade mais justa e tolerante), não frequentando as aulas porque sonha em viver como poeta e não como transformador da ordem social, e que adora consumir cannabis e não demonstra agir com o respeito necessário para com o gênero feminino, objetificando-o e reduzindo-o a um mero instrumento para desafogar a libido."

Daniel Dutra disse...

Uma última questão, ainda a respeito do comentário da nossa amiga "mulher, punk, hétero, que adora filmes de terror, suspense, trash e não tem medo de nada!"

O que ela fez, ao reclamar do “machismo” do Felipe, foi simplesmente oprimir a liberdade sexual da mulher.

Explico: o que ela fez foi reafirmar a lógica patriarcal e opressora da moralidade judaico-cristã de que em um ato sexual sem amor o homem é o dominante.

Ora, a mulher conquistou a sua emancipação sexual, sua liberdade sexual. Então, toda mulher que é objetificada por um homem sem que este se valha de violência ou fraude está, na verdade, exercendo sua saudável liberdade sexual. Ela decidiu se objetificar para aquele homem em especial e resolveu ter um agradável momento de diversão e intimidade com ele.

Nossa amiga punk é mulher e bem sabe a tremenda opressão que as mulheres sexualmente plenas sofrem ao usufruir, em plenitude, dos prazeres da carne.

Então, quando ela escreve que a mulher comida é usada pelo homem, na prática ela está praticando um reforço negativo: se a mulher escolher ser sexualmente livre ela será um objeto aos olhos dos homens e das outras mulheres. Logo, a mulher não poder escolher exercer sua sexualidade plenamente e se objetificar quando bem entender na prática é que é a verdadeira opressão.

O argumento da nossa amiga punk, em última análise, contribui para a opressão sexual da mulher.

Felipe M. Guerra disse...

Hehehehe! Calma gente, calma! Para a srta. ANÔNIMA que se enfureceu com o uso da expressão "comer mulher", lhe asseguro que não tem nada de machista, quis apenas usar um termo bem coloquial e bem chulo para deixar claro que o Gato Fritz não quer nada de compromisso sério, apenas o sexo casual, apenas colecionar casos e "buracos", portanto o uso do comer. Eu acho até que já usei essa expressão ao contrário, quando foi uma mulher que comeu o cara em algum filme. Mas pode continuar frequentando o FILMES PARA DOIDOS sem nenhum preconceito ou raiva da minha pessoa, pois eu lhe asseguro que não houve nenhum machismo de minha parte no uso do termo - apenas um excesso de coloquialismo, talvez, mas com isso os leitores do blog já deveriam estar acostumados. ;-)

Anônimo disse...

excelente post!