quarta-feira, 4 de julho de 2012

GUERREIROS DO FUTURO (1983)


Quem viver, verá: o mundo será destruído, nos próximos anos, por uma gigantesca explosão nuclear, e em 2019 os sobreviventes desta tragédia precisarão se adaptar à vida em um planeta árido e semi-destruído. Neste ano, os edifícios e as cidades se transformaram em escombros e a face da Terra virou um enorme deserto, mas, milagrosamente, todos os automóveis estão em perfeitas condições e, pelo jeito, os postos de gasolina continuam funcionando, já que ninguém nunca fica sem combustível. Neste mundo do futuro, o maior desafio não será a falta de água ou de comida, nem a radiação da atmosfera, mas sim um grupo de mercenários frutinhas, com fetiche por ombreiras enormes e um bizarro ritual de iniciação, que varrem o deserto aniquilando os sobreviventes do holocausto sem motivo.

Assim será o nosso futuro, pelo menos na visão do cineasta italiano Enzo G. Castellari e seu irresistível trash movie "I Nuovi Barbari", lançado duas vezes no Brasil: pela Jota Home Vídeo como GUERREIROS DO FUTURO (adotaremos este nome a partir de agora) e pela Sagres como "2019 - Os Bárbaros do Futuro".


Como fã de podreiras e filmes bagaceiros, toda noite, antes de dormir, eu rezo uma Ave-Maria para o cineasta George Miller, aquele australiano que dirigiu a trilogia "Mad Max". Afinal, Miller não só deu ao mundo do cinema dois filmaços (o terceiro é fraco), mas também originou toda uma série de clones e imitações baratas feitas no mundo inteiro, do Brasil às Filipinas!

E foi na Itália que a estética "pós-nuclear" fez mais sucesso, talvez por serem produções razoavelmente baratas: não era necessário construir cenários, pois bastava usar sets semi-destruídos de outras produções; nem era necessário gastar em figurinos, pois bastava usar roupas rasgadas e sobras de outros filmes.


De uma vez só, entre 1982 e 84, pipocaram diversos filmes de ação apocalípticos na Terra da Bota, como "O Exterminador do Século 3000", "O Guerreiro do Mundo Perdido", "O Executor Final" e este GUERREIROS DO FUTURO, que é, disparado, um dos melhores (ou pelo menos mais engraçados) da safra.

O responsável pela brincadeira, Castellari, acabava de sair de uma pendenga judicial que tirou dos cinemas americanos sua produção anterior, "O Último Tubarão" (1981), acusado de ser "muito parecido" com o "Tubarão" de Spielberg. Aparentemente com um orçamento precário, que transparece o tempo inteiro na tela, o diretor fez de GUERREIROS DO FUTURO uma aventura esquisita, barata e involuntariamente cômica.


Eu nunca consegui entender até que ponto o roteiro (assinado por Castellari, Tito Carpi e Antonio Visone) é sério ou sátira ao subgênero, mas uma coisa é certa: este é um dos filmes mais gays da história. Esqueça "Top Gun", esqueça "A Hora do Pesadelo 2", esqueça Rocky e Apollo correndo e se jogando água na praia em "Rocky 3", pois aqui o nível de baitolagem é da pesada!

GUERREIROS DO FUTURO já começa a mil: nos créditos iniciais, a explosão de uma maquete super-tosca em cartolina representa o suposto fim do mundo. Na minha opinião, porém, o verdadeiro fim do mundo é o tenebroso tema de sintetizador que toca na abertura, composto pelo mestre Claudio Simonetti (sim, o ex-Goblin, em dia de dor de barriga)!


Imediatamente após os créditos, vemos alguns escombros, esqueletos (um deles veste uma bizarra roupa feminina com um espaço transparente para colocar os peitos!!!) e um letreiro informativo: "2019 A.D. - O holocausto nuclear terminou".

Dali, a câmera de Castellari corta imediatamente para uma colônia de sobreviventes do fim do mundo - na verdade, um mero acampamento com carros velhos e tendas -, onde um operador de rádio tenta encontrar sinais em ondas curtas. Os tais sobreviventes, pelas roupas e bigodões, parecem figurantes saídos de algum filme barato sobre a Segunda Guerra Mundial - tem até um velho vestido como coronel nazista!!!


Quando o operador de rádio finalmente detecta um sinal distante, prova irrefutável de que há gente transmitindo de algum lugar ali perto, o tema de sintetizador recomeça e surgem os vilões do filme, os tenebrosos Templários!

Os Templários são malvados, vestem-se de branco dos pés à cabeça, com umas ombreiras enormes tipo jogador de futebol americano, e suas roupas estão sempre limpinhas (apesar de viverem num mundo pós-apocalíptico sem máquina de lavar nem Omo). São revoltadinhos provavelmente por causa de suas roupas abichonadas, de seus cortes de cabelo grotescos e de seus carros fuleiros, porque todo mundo no filme possui carrões envenenados, mas eles dirigem umas latas-velhas que parecem aqueles velhos buggies de praia - e, ao invés de barulho de motor, emitem um som xarope tipo "bzzzzzzzzz".


Dentro da sua "missão sagrada" de exterminar todos os sobreviventes do holocausto, os malvados atacam o acampamento com suas armas que disparam laser e seus carrinhos fuleiros, mas cheios de acessórios à la James Bond. Um deles tem até uma hélice circular, tipo ventilador, que surge na lateral para decepar cabeças de imbecis que tentam fugir correndo - arma que seria completamente inútil se alguma das vítimas tivesse a inteligência de DEITAR no chão para escapar por baixo da maldita hélice!

Você sabe que está vendo um filme de Enzo G. Castellari quando, por piores que sejam os efeitos e figurinos, as cenas de ação - extremamente violentas - acontecem todas em câmera lenta, mostrando em detalhes pessoas caindo fulminadas por tirambaços ou explodidas em pedacinhos sangrentos, além de dublês virando cambalhotas, atirados ao ar por explosões!


O líder dos Templários é um gigante chamado One, interpretado por ninguém menos que George Eastman (nome de batismo: Luigi Montefiori), o assassino canibal de "Antropophagous" e vilão em incontáveis produções italianas do período. One passa o filme todo dando discursos sem pé nem cabeça que, teoricamente, justificam a matança injustificada perpetrada pelo seu grupo. Ao rasgar no meio uma Bíblia encontrada no acampamento dos ex-sobreviventes, por exemplo, ele declara, filosófico: "Livros... Foi isso que começou o Apocalipse"!

O que importa é que pelo menos os próprios Templários seguem fielmente o seu mestre, e parecem entender seus discursos desconexos, já que vibram e gritam "One! One!" em uníssono após cada abobrinha dita pelo seu líder.


One tem um braço direito, um frescão chamado Shadow, que fica uma gracinha com seu cabelo comprido amarrado em cima da cabeça num coque, tipo uma bailarina anabolizada - e é interpretado por Thomas Moore, ou Enio Girolami, irmão do diretor Castellari, pagando mico provavelmente em consideração aos laços familiares.

Ah sim: One também tem um "queridinho" entre seus soldados, Mako (Massimo Vanni), com corte de cabelo moicano e tudo mais. "Você mima ele demais!", queixa-se um ciumento Shadow, mas o líder quer Mako como seu sucessor - ou namorado, tire suas próprias conclusões. E a baitolagem está só começando...


Mas os Templários não perdem por esperar: eis que naquele mundo devastado também existe um valente guerreiro pós-apocalíptico chamado Mad Max... ou melhor, Scorpion! E interpretado por Timothy Brent (nome de batismo: Giancarlo Prete), um dos grandes nomes do cinema de ação oitentista carcamano, que apareceu também em "Tornado" e "Fuga do Bronx".

Scorpion, na verdade, é um projeto de herói: odeia os Templários, mas nunca fica claro se já foi um deles ou se era ex-namorado de One; veste uma justíssima calça de couro marrom com uma proteção ultra-gay sobre o saco, amarrada com o que parece ser um fio-dental que passa pela bunda; usa também um casaco de pele com duas ombreiras extra-large (será uma herança dos seus tempos como Templário?), e dirige um velho Dodge Charger com um crânio prateado na lataria e uma enorme abóboda de vidro (plástico?) no teto, lembrando tanto um disco voador quanto um carro alegórico de alguma escola de samba de quinta categoria!


Ah, vale destacar que o carrão de Scorpion é ainda mais incrementado que os carrinhos dos Templários. Aliás, dá um banho no Batmóvel, no Aston Martini do James Bond e no carro do Stallone Cobra JUNTOS.

Acompanhe: além da abóboda de vidro no teto, do crânio na lataria e de canos prateados que saem misteriosamente das laterais e não têm nenhuma finalidade específica, o carrão tem um painel repleto de botões coloridos, que Scorpion usa para fazer praticamente TUDO. Um botão abre o capô, outro abre as portas, outro faz a porta do lado do motorista voar para longe do carro quando um vilão gruda uma bomba na dita cuja, outro dispara mísseis, e por aí vai.


E como todo carrão tem que ter sonzeira, Scorpion também tem um rádio - que não toca nem fitas nem CDs, mas uns moderníssimos cubinhos de plástico, que provavelmente serão a mídia digital do futuro!

Em sua primeira aparição no filme, Scorpion detona meia dúzia de saqueadores que estavam roubando o que sobrou daquele acampamento destruído pelos Templários. Encontra um sobrevivente em estado lamentável (interpretado pelo diretor Castellari, em participação especial), e dá um tiro no homem para poupar-lhe do sofrimento, transformando-o também em ex-sobrevivente.


Depois, o herói dá uma passada em sua "oficina mecânica pós-apocalíptica", um trailer administrado pelo garotinho Giovani Frezza ("A Casa do Cemitério"). Além de mecânico dos bons, eis que o anônimo garoto também é um terror no estilingue, e aparentemente só sobreviveu até então porque mata seus desafetos disparando certeiras estilingadas (o filme nunca se preocupa em mostrar o quê, exatamente, ele dispara, mas os inimigos colocam a mão no pescoço, dão gritos de dor e caem mortos instantaneamente!!!).

Em seguida, quando um pelotão de Templários está perseguindo um comboio de sobreviventes (resumido a um único furgão prateado por limitações orçamentárias), Scorpion tem sua primeira chance de mostrar porque, afinal, é o herói do filme. Ele aparece do nada e salva uma garota que está vestida como assistente de mágico, com biquíni e capa púrpura - o IMDB diz que seu nome é Alma, mas ninguém nunca chama a pobre moça pelo nome durante o filme inteiro!


Ela é interpretada pela bela Anna Kanakis, Miss Itália de 1977 que depois acabou se perdendo nessas presepadas. A moça protagoniza até uma cena de sexo com o galã italiano à meia-luz, dentro de uma esquisita tenda de plástico!

Ao perceber que o herói não vai deixar que matem a garota, Shadow (aquele vilão-bailarina com cabelo em coque, lembra?) prefere discutir com Scorpion ao invés de matá-lo de uma vez: "Você também rouba e mata, não é diferente de nós!", acusa Shadow. Calmamente, o herói responde: "Eu quero viver, enquanto vocês querem exterminar todos os seres humanos para que nada mais viva na Terra".


O que me leva a uma velha dúvida: a missão de "exterminar todos os sobreviventes do fim do mundo" não desebocará neles mesmos, que também são sobreviventes, tipo a serpente que come o próprio rabo? Será que, quando acabarem seu "trabalho", os Templários vão matar um ao outro, ou simplesmente passar o resto da vida escutando os discursos de One e fazendo troca-troca?

E já que estamos falando em One, é claro que o bofe não está nem um pouco contente ao saber que Scorpion salvou a moça do extermínio. Shadow sugere matá-lo, mas One aparentemente ainda mantém uma pontinha de amor platônico e berra: "Não! Seu sangue não é suficiente... Ele tem que me dar seu orgulho, e sua alma!". Orgulho e alma??? Hmmm... Tá bom, mudou de nome...


A partir de então, GUERREIROS DO FUTURO transforma-se num festival de encontros e desencontros do herói com os Templários, que evoluem para o progressivo extermínio desses últimos e de praticamente todos os sobreviventes do apocalipse que são pegos no meio do fogo cruzado.

Lá pelas tantas, também surge o norte-americano Fred Williamson, astro de nove entre cada dez tralhas da época que precisavam de um negro mal-encarado e bom de briga. Ele, que já tinha sido dirigido por Castellari em "1990 - Os Guerreiros do Bronx", interpreta Nadir, um arqueiro que usa uma ridícula luva dourada repleta de pontas de flecha explosivas (coloridas, mais parecem luzinhas de Natal!). Detalhe: as tais pontas de flecha nunca acabam, nem se tenta explicar onde Nadir consegue repor seu arsenal...


O que interessa é que, durante os combates, Nadir perde um tempão escolhendo a ponta, atarrachando na flecha e só então disparando - e, nesse meio-tempo, nenhum vilão é esperto o suficiente para meter um tiro na fuça do sujeito! Como são explosivas, elas fazem os Templários em pedacinhos - espere só para ver o bandido que toma uma flechada no pescoço e tem a cabeça explodida em câmera lenta, mas continua pilotando sua motocicleta por algum tempo sem cabeça!

GUERREIROS DO FUTURO é um clássico instantâneo para os escolados em bagaceirices italianas, fãs de tralha diversas e adoradores de trash movies. Se você assisti-lo em turma, fica difícil segurar o riso por mais de cinco segundos: ou você gargalha com os diálogos bisonhos (e a dublagem medonha), ou com os nomes ridículos dos personagens, ou com as situações "suspeitas", ou com a roupa ultra-fashion da galera, ou com os carros sucateados do futuro, ou com a sonoplastia bagaceira... Enfim: não faltam motivos para rir do filme!


Tudo é inconsistente: num mundo devastado por uma explosão nuclear, os sobreviventes se preocupam mais em turbinar seus carros e enchê-los com traquitanas do que em tentar reconstruir cidades (o tempo todo vemos os sobreviventes vivendo como nômades ou em acampamentos fuleiros, mas o filme nunca mostra de onde eles tiram água, comida e gasolina, por exemplo).

Outra coisa engraçada é que, no mundo devastado, não existem cidades, hospitais, postos de gasolina ou supermercados (enfim, não existe prédio algum!), mas mesmo assim todos os sobreviventes têm um suprimento ilimitado de gasolina, maquiagem (para as mulheres, sempre com o rosto absurdamente pintado) e ombreiras (para heróis e vilões). Tanto heróis quanto vilões passam o dia todo zanzando com seus carros, os primeiros procurando os sobreviventes e os segundos caçando sinais de rádio, mas nenhum deles fica sem gasolina em momento algum. Vai ver que os automóveis do futuro são movidos a ar...


Ah, e não se preocupe com essa história dos sinais de rádio: apesar de ser um dos detalhes mais interessantes do roteiro (haverá ainda um resquício de civilização no mundo pós-apocalíptico?), GUERREIROS DO FUTURO termina num massacre onde quase todos morrem, e não resta praticamente ninguém para continuar seguindo os sinais de rádio!

E aí o roteiro nem se preocupa em explicar se realmente ainda existia algum resto de civilização transmitindo para reagrupar os sobreviventes, ou se os sinais eram simplesmente uma armadilha dos Templários para atrair suas vítimas.


E é impossível não citar a cena mais sem-noção do filme, aquela pela qual GUERREIROS DO FUTURO é infamemente reconhecido: lá pelas tantas, Scorpion é aprisionado pelos Templários e obrigado a passar pelo ritual de "iniciação" das bonecas antes de morrer.

O tal ritual é a maior prova de que os os vilões gostam de queimar a rosca: enquanto Shadow força Scorpion a ficar de quatro, One "faz o serviço" no fiofó do nosso herói, numa cena que parece ter sido tirada de "Amargo Pesadelo" - e não consigo lembrar de nenhuma outra aventura em que o herói é sodomizado pelo vilão ao invés de ser simplesmente torturado ou surrado! Assista à "iniciação" no vídeo abaixo, se tiver coragem:

Veja ANTES de decidir juntar-se aos Templários!



Além dos seus habituais tiroteios e explosões em câmera lenta, Castellari ainda aproveita para homenagear os velhos tempos como diretor de western spaghetti. O filme todo tem um climão de faroeste futurista. Os ataques dos vilões, por exemplo, lembram os ataques de índios a caravanas nos filmes de Velho Oeste, com os carros dos bonzinhos adotando uma formação em círculos para se defender.

Porém o momento de maior referência ao western acontece quando Scorpion surge para o duelo final de "quem saca primeiro?" com One, vestindo um poncho marrom (à la Clint Eastwood na Trilogia do Dólar, de Sergio Leone). Neste momento, até a música de sintetizador de Simonetti assume um tom de western. One tenta matar Scorpion a tiros, mas, por baixo do poncho, o herói veste uma afrescalhada armadura indestrutível, citação direta a uma cena idêntica em que Eastwood vestia uma placa de ferro por baixo do poncho para escapar dos tiros do vilão, no clássico "Por um Punhado de Dólares". Só esta brincadeira já vale o filme inteiro.


Cineasta experiente, o velho Enzo também utiliza uma série de divertidos subterfúgios para fazer seu pequeno filme parecer maior do que realmente é: o fato dos vilões utilizarem roupas brancas padronizadas e capacetes de motoqueiro (como uma versão trash dos Storm Troopers de "Star Wars") facilita a reutilização dos mesmos figurantes pelo menos umas dez vezes, já que os anônimos Templários mortos em uma cena podem voltar em outras sem que se saiba a identidade.

E muita atenção para perceber um inteligente truque de montagem: numa das cenas do cerco dos Templários ao acampamento de sobreviventes, a câmera passa por dezenas de vilões em seus carros e motos, depois passa por algo que bloqueia a visão da câmera e, neste momento, Castellari aproveita para fazer um corte imperceptível e rearranjar todos os figurantes e veículos DO OUTRO LADO, fazendo parecer que há muito mais gente na cena do que existe na verdade!.


GUERREIROS DO FUTURO também está coalhado de momentos antológicos pela sua extrema imbecilidade, mas vou destacar apenas dois deles para não me alongar demais:

Quando Scorpion é perseguido por Mako em seu carrinho com hélice mortífera, Nadir aparece para salvar o herói com suas fechas explosivas. Não, ele não explode o carro do vilão, o que seria muito fácil: ele explode um buraco no chão onde Scorpion se atira para escapar da hélice!

A outra: quando Scorpion é aprisionado e torturado pelos Templários (aliás, o nosso herói parece precisar de ajuda em tempo integral!), os bandidos amarram-no a uma corda e começam a arrastá-lo com seus carros. Nadir aparece novamente para salvar o dia, mas, ao invés de soltar Scorpion de uma vez, ele fica uns cinco minutos disparando suas flechas NOS OUTROS VILÕES, e não naquele que arrasta o herói - que, assim, continua sendo dolorosamente arrastado!!!


Seja como for, amiguinhos, 2019 está logo aí. Portanto, preparem seus estoques de ombreiras e de gasolina, encham seus carros de equipamentos desnecessários que possam ser acionados com um botãozinho colorido e decidam-se por um dos lados do conflito: desmunhecar e entrar para os Templários (o ritual de iniciação não é dos mais agradáveis), ou virar crente e correr atrás de sinais de rádios inexistentes? Você decide!

Mas, pelo menos na visão de Enzo Castellari, o nosso futuro já está bem definido: baitolas ou crentes, seremos todos uns imbecis dirigindo veículos caindo aos pedaços, mas repletos de acessórios (tipo os Chevettes tunados dos dias atuais), e nos mataremos até restar dois ou três. Logo, nada muito diferente dos dias de hoje - só faltam mesmo as ombreiras...

Trailer de GUERREIROS DO FUTURO



*******************************************************
I Nuovi Barbari / Warriors of the Wasteland
(1983, Itália)

Direção: Enzo G. Castellari
Elenco: Giancarlo Prete (aka Timothy Brent), Fred Williamson,
George Eastman, Giovanni Frezza, Anna Kanakis, Ennio
Girolami, Massimo Vanni, Iris Peynado e Zora Kerova.

19 comentários:

Anônimo disse...

Ese filme me faz lembrar um outro, que cometia a pachorra de mostrar motoqueiros punks oriundos de Atlântida ou algo assim.

Paulo Roberto disse...

Cara, quer dizer que o futuro pós-apocalíptico a moda será ombreiras, muito, branco, prata e dourado... Não posso esperar rsrs, só pulo fora na "iniciação", sinto pena do Ed Wood perdeu seu posto de pior diretor, cara que coisa fuleira...Tenho que assistir rs.

Anônimo disse...

Esses vilões efeminados me fizeram lembrar de outros vilões boiolas. Os da pornochanchada "Kung Fu contra as bonecas", que mostravam cangaceiros se maquiando. hahahaha

Paulo Geovani

Flepas disse...

Cara, release sensacional pra mais um clássico italiano. Ri muito e já providenciei minha cópia. O mais legal é que tem legenda disponível, o que geralmente é difícil (achei no Legendas.tv). Valeu cara, sou fã do seu blog!

Tonino disse...

Ei Felipe, é verdade que esses filmes italianos eram todos dublados,tanto na língua local com em outras línguas? Ouvi dizer que o áudio era muito ruim por isso eles dublavam.

M disse...

Putz. Eu assisti essa bagaça no cinema.

Totó disse...

"e não consigo lembrar de nenhuma outra aventura em que o herói é sodomizado pelo vilão ao invés de ser simplesmente torturado ou surrado!"

Já comeram o Coronel Trautman também em "The Rape of Richard Beck", um telefilme que passou na Band há muitos anos. Eu era moleque quando vi essa porra e fiquei chocado. No filme, Richard Crenna é um policial que fazia pouco das vítimas de estupro e, por ironia, é enrabado por dois meliantes num esgoto. Só não me lembro do título em português. Alguém lembra?

Anônimo disse...

Ricardo Lira

Acho que esta pérola passava na sessão das dez no SBT, se eu não me engano. "O Último Tubarão", "Os Caçadores de Atlântida" e "Keruak" eu tenho certeza que passavam...

Alias "Keruak" passava até no Cinema em Casa (aqueles filmes que o SBT exibia a tarde para competir com a Sessão da Tarde da Globo)todo cortado é óbvio. Mas eu lembro que no ínicio dos anos 90 aquelas comédias adolescentes que tinha cenas de peitos, digo de nudez passavam sem cortes a tarde 'para nossa alegriaaaaaaaaaaa...'

Bons tempos que não voltam mais.

Anônimo disse...

Esse filme parece um vídeos game gigante.

Álvaro Borges disse...

Grande Felipe,
Cara aproveitando todo o alvoroço em cima do reboot do Homem-Aranha pq vc não tira da gaveta aquele post sobre o Homem-Aranha da Cannon?

Abraço!

Allan Verissimo disse...

E graças a Deus, o Mad Max vai voltar no ano que vem, e mais uma vez sobre a direção do George Miller.

Anônimo disse...

Odeio refilmagens. Esse pessoal de Hollywood anda muito sem criatividade.

Paulo Geovani

Roberto Queiroz disse...

Que coisa maravilhosa é o cinema trash. Onde encontro essa relíquia para baixar?

Tonino disse...

Responda minha pergunta, Felipe, senão eu choro.

Felipe M. Guerra disse...

Calma, TONINO. Até onde eu sei, os filmes italianos eram dublados (em inglês) para serem lançados no mercado norte-americano como se fossem filmes produzidos nos EUA mesmo, por causa daquela velha lenda de que os ianques não gostam de filmes estrangeiros e nem de ler legendas. Inclusive muitos diretores e atores usavam pseudônimos em inglês para disfarçar melhor, como Anthony M. Dawson (Antonio Margheritti) e Vincent Dawn (Bruno Mattei). O próprio Giuliano Gemma era creditado como "Montgomery Wood" em seus primeiros westerns, antes de ficar famoso com o nome de batismo. Mas já vi vários filmes com o áudio original em italiano e não percebi maiores problemas.

Anônimo disse...

Líryan

Na boa, enquanto eu lia eu pensava que a coisa da sodomia no ritual de iniciação fosse só metafórica! Mas vendo o a coisa, que é isso! (risos)

Sem falar que, a melhor parte, é a "resistência" do Scorpion ao ato... Na boa, dois fios de nylon segurando o cara e ele lá, todo arrebitado, facilitando o serviço! (risos) Isso vale o filme! Sem comentar a cara impagável do vilão cabeludo!

Mais uma ótima resenha Felipe! Parabéns mesmo por seu blog cara.

Tonino disse...

Valeu, Felipão. Ei, tu lembraoper do "Olhos do Terror", que sempre passava no SBT no começo dos anos 90? Aquele do assassino com roupa de motoqueiro, lembra? Gostaria de ver, que sabe uma dia, um artigo aqui sobre ele. Tchau, meu jovem.
http://www.youtube.com/watch?v=SSXHeY1wKT8

Anônimo disse...

Ah, esta procurando sobre um outro filme que se chamava "O Guerreiro do Futuro" (no singular mesmo), e achei esse. Nunca assisti, um amigo de classe da 7ª serie em 1988 me falou de um filme que se passava depois de uma guerra nuclear onde tinha um menino com estilingue que lançava bombas e o homem do arco e flecha.
Realmente o figurino parece projetado demais para parecer restos da civilização.
Naquele tempo eu morria de medo quando o Ronald Reagan ia se encontrar com o Gorbachev da URSS, eu pensava: E agora? E se começar mesmo uma guerra nuclear? Eu assistia documentarios no globo reporter com comentarios do tipo: Os que sofrerão menos, serão os que morrerem primeiro, porque quem sobreviver a, fogo, radiação e gelo, morrerá de fome...
Adailton

Leonardo Peixoto disse...

Mas que futuro Enzo G Castellari imaginou pra gente , né ?