sábado, 11 de fevereiro de 2012

EXTERMINADOR 2 (1984)


"O Exterminador" (1980), de James Glickenhaus, foi um dos filmes que melhor aproveitou a figura do vigilante que mata criminosos de uma maneira tão brutal que acaba se tornando muito parecido com os vilões que combate. O resultado é quase um filme de terror estilo "Maniac" disfarçado de aventura na linha de "Desejo de Matar": mais do que um herói, ou um justiceiro, seu protagonista é um verdadeiro psicopata sedento de sangue.

Levaria apenas quatro anos para que John Eastman, o Exterminador de Glickenhaus, ganhasse uma nova aventura, dessa vez produzida pela famigerada Cannon Films, que tratou de transformar aquele exploitation-quase-filme-de-horror numa aventura barulhenta e explosiva, bem na linha das produções classe B de ação que realizava.

Assim, EXTERMINADOR 2 está separado do original por um abismo tão grande quanto o que separa, por exemplo, "Desejo de Matar 1" de "Desejo de Matar 3" - e, coincidentemente, a terceira aventura do vigilante vivido por Charles Bronson também seria produzida pela Cannon!


Robert Ginty, simpático astro de ação do terceiro escalão, está de volta como o vigilante John Eastman, que tinha sido gravemente ferido no final de "O Exterminador", mas sobreviveu e continuou limpando as ruas de Nova York. Quando reencontramos nosso "herói", ele está monitorando o rádio da polícia em busca de vilões para exterminar.

Em quatro anos, muita coisa mudou na vida de Eastman. Tudo bem, ele continua matando bandidos pelas ruas de Nova York, mas agora o faz quase como um trabalho diário, e usando um lança-chamas para facilitar a "limpeza"!


Só que nosso herói parece estar cansado de trabalhar como vigilante e aos poucos busca uma vida normal outra vez. Consegue emprego com um amigo dos tempos da Guerra do Vietnã, Be Gee (Frankie Faison), como motorista de caminhão de lixo. Consegue, também, uma bela namorada: a go-go girl Caroline (Deborah Geffner), que sonha em ser dançarina da Broadway, mas, enquanto isso não acontece, ganha uns trocados rebolando num bar fuleiro.

Parece que a coisa está entrando nos eixos para nosso amigo John Eastman, certo? Mas, no mundo do cinema, vigilantes só precisam de um pequeno empurrãozinho para voltar à ativa. E isso acontece quando uma gangue de punks espanca Caroline violentamente num parque, condenando a dançarina a ficar presa a uma cadeira-de-rodas ao invés de virar estrela da Broadway. Payback time.


Agora, reflita aqui comigo: John Eastman é um sociopata que passa a maior parte dos seus dias monitorando a frequência da polícia em busca de marginais para tostar com um lança-chamas - e consigo imaginar bem poucas coisas mais cruéis do que ser queimado vivo! Ok, tudo considerado, isso é um herói ou um vilão?

Sabendo que a linha entre os dois era bem tênue, conforme Glickenhaus já havia mostrado no filme original, os realizadores de EXTERMINADOR 2 trataram de criar bandidos ainda mais sádicos e filhos-da-puta do que o protagonista, de modo que mesmo o espectador mais pacifista vai pegar-se torcendo para que o Exterminador use logo o seu lança-chamas naqueles animais, e de preferência matando-os lentamente!


Não é brincadeira: os bandidos de EXTERMINADOR 2 estão entre os mais desgraçados e sedentos de sangue já mostrados pelo cinema de ação. São punks que se divertem espancando velhinhos e depois matando-os a tiros; que assistem, entre risadas, um piloto de helicóptero queimando vivo quando a aeronave explode; que sequestram uma garota inocente apenas para usá-la como cobaia de uma nova carga de heroína, matando-a de overdose sem cerimônia; que apunhalam lentamente uma vítima inocente e ainda comentam que adoram ver "o olhar aterrorizado da vítima enquanto morre", e por aí vai. Enfim, uns filhos-da-puta incorrigíveis que jamais poderão ser "reintegrados à sociedade", e que merecem MESMO morrer queimados vivos!


O líder da trupe é X (!!!), um sujeito hilário que parece refugo de alguma cópia italiana de "Mad Max 2". Ele se veste com umas tiras de couro, tem um penteado bizarro e fica fazendo poses de rockstar enquanto dá discursos mulambentos do tipo "Nós vamos estabelecer uma nova ordem nessa cidade. Eu sou o Messias, e vocês são os meus guerreiros!".

O que torna tudo mais engraçado é o fato de X (hahaha) ser interpretado por Mario Van Peebles, filho do cineasta Melvin Van Peebles, aqui em sua estreia no cinema. Mario conseguiu certa notoriedade DEPOIS como ator em filmes bem melhores, e também como diretor de produções "socialmente engajadas", tipo "New Jack City - A Gangue Brutal" e "Os Panteras Negras" (uma espécie de Spike Lee menos talentoso). Por isso tudo, é hilário vê-lo aqui como vilão estereotipado em sua grande estreia (sim, isso foi ironia) como protagonista.


E EXTERMINADOR 2 é mais uma daquelas aventuras que funciona pelos motivos errados. Se como cinema o filme é uma atrocidade - mal-dirigido, mal-escrito e mal-interpretado, além de uma péssima desculpa para "continuar" uma história que já estava suficientemente bem resolvida -, como trashão para ver com os amigos é uma verdadeira obra-prima, no mesmo nível do semelhante "Desejo de Matar 3", que foi realizado dois anos depois. Aliás, uma Sessão Dupla com os dois filmes seria algo inesquecível!

Se você já achava o original "O Exterminador" de uma brutalidade sem tamanho (e realmente é, um daqueles filmes "feios, sujos e malvados" como não se faz mais), saiba que EXTERMINADOR 2 é uma ode a tudo que é mais casca-grossa e violento, sem um pingo de sutileza ou "finésse". Quase todos os seus personagens são brucutus que só pensam em matar e que merecem morrer, perambulando por cenários pobres e sujos que às vezes até lembram uma aventura pós-apocalíptica.


O comandante dessa tosqueira é Mark Buntzman, em seu primeiro e único filme. Ele também roteirizou e co-produziu, e, para quem não lembra, foi o produtor do original.

Entretanto, o IMDB e vários sites informam que houve intervenções de um segundo diretor, William Sachs, de "O Incrível Homem que Derreteu" e "Galaxina". Nos créditos finais, Sachs aparece como "diretor de cenas adicionais".


A história é meio complicada e ainda não consegui averiguar o quanto da culpa de EXTERMINADOR 2 é de um ou de outro. Algumas fontes afirmam que Sachs foi o primeiro diretor contratado, mas estava conduzindo o filme numa levada mais sombria e realista, no estilo do original; foi então afastado pelos produtores, que queriam uma aventura barulhenta e absurda, e substituído por Buntzman, que fez exatamente o que vemos no produto final.

Outras fontes dizem que foi o contrário: Buntzman entregou um filme tão medíocre que Sachs foi chamado às pressas na pós-produção para gravar novas cenas e mais ação para tentar "melhorar" o resultado final.


Sabendo que William Sachs foi um célebre "consertador" de filmes alheios (ele gravou cenas adicionais para várias outras produções assinadas por outros, como "Joe" e "O Duende"), eu diria que a hipótese mais correta é esta segunda. Até porque Buntzman aparece dirigindo e comentando o filme num interessante making-of que pode ser encontrado no YouTube.

Agora, até onde chegam os "remendos" de Sachs... esse é outro mistério. Alguns sites juram que todas as cenas que mostram o Exterminador usando seu lança-chamas para matar bandidos foram gravadas depois que o filme já estava pronto, e com um dublê no lugar do astro Robert Ginty, que já tinha terminado seu trabalho e voltado para casa - o que de certa forma justifica o fato do personagem usar uma máscara de soldador que cobre o seu rosto nestas cenas!


Alegam estas fontes que Buntzman teria feito um filme mais lento, em que o Exterminador deixava de matar e só voltava à ativa no final, quando a gangue de X começava a lhe complicar a vida.

Os enxertos com o vigilante usando seu lança-chamas realmente parecem deslocados na narrativa (o herói mascarado simplesmente aparece do nada, torra os vilões e sai de cena), e nunca vemos um único take com Ginty colocando a máscara ou pegando o lança-chamas - fortes evidências para sustentar esta versão.


Buracos gigantescos na narrativa evidenciam cortes. No final, X chama John pelo nome, mas em nenhum momento do filme é mostrado como o vilão descobriu a identidade do Exterminador.

Além disso, durante toda a cena final, o Exterminador usa a tal máscara que esconde o seu rosto, como se fosse um super-herói que não pode revelar a identidade. Ou seja: a conclusão inteirinha deve ter sido refeita com um dublê no lugar de Ginty!

O próprio confronto final entre Eastman e X foi modificado: cenas do making-of mostram herói e vilão em luta corporal (foto abaixo), enquanto na conclusão "oficial" do filme eles nem chegam a ficar frente a frente! Como será que era o final original?


E há relatos de que muitas outras coisas teriam sido mudadas em relação ao corte original de EXTERMINADOR 2. Se você assistir o trailer (vídeo abaixo) logo depois de ver o filme, vai perceber que o preview tem uma porção de cenas que não chegaram ao corte final, como a explosão de uma bomba no clube onde Caroline dança.

Isso tudo apenas alimenta a mitologia de EXTERMINADOR 2: não bastasse o negócio já ser toscamente divertido, fica ainda melhor quando você reassiste tentando descobrir quais cenas foram adicionadas à montagem na pós-produção, e em que momentos Ginty foi substituído pelo tal dublê (Shane Dixon e Artie Nay interpretam o vigilante mascarado nas cenas enxertadas).

Algumas das regravações ficam bem evidentes pelo fato de o cabelo de Van Peebles mudar radicalmente: em pelo menos três momentos diferentes, o topetão armado de X vira uma singela franjinha, porque as cenas foram filmadas na pós-produção, quando Mario já tinha cortado o cabelo para estrelar o musical "Rappin' e os Selvagens", também realizado pela Cannon (dá para perceber bem a diferença de penteado, e até de figurino, nas fotos abaixo, que mostram dois momentos diferentes do filme).


A pobreza franciscana de EXTERMINADOR 2 também ajuda a aumentar o fator trash da produção: repare nos cenários toscos do night club e do consultório médico, nas gratuitas cenas de dança de Caroline (talvez uma tentativa de explorar o sucesso de "Flashdance", lançado no ano anterior) e na patética cena de sexo entre Ginty e Deborah Geffner, uma das coisas mais brochantes já filmadas.

Porém nada pode preparar o espectador para o confronto final, uma daquelas cenas de fazer o espectador rolar de rir pelo chão da sala. Pois o Exterminador transforma o caminhão de lixo do seu amigo Be Gee em tanque de guerra (!!!), blindando-o e adicionando metralhadoras de grosso calibre e lança-foguetes na fuselagem.


Epa, peraí: onde ele conseguiu as armas? Acredite ou não, Be Gee tinha tudo guardado num depósito. "Eu estava esperando o momento certo para usar", justifica ele. Chega a doer a barriga de tanto rir, e lembra até o personagem de Martin Balsam no posterior "Desejo de Matar 3", que levou duas metralhadoras para casa como "lembrança" da Guerra da Coréia. Ah, esses roteiristas dos anos 80...

E como desgraceira pouca e bobagem, o filme inteiro é embalado pela i-na-cre-di-tá-vel trilha sonora de sintetizador composta por David Spear. O troço é tão ruim e repetitivo que lembra as musiquinhas dos velhos jogos de Master System ou Nintendinho!


Não faltam, portanto, motivos para condenar EXTERMINADOR 2. É realmente uma sequência sem nenhuma razão de existir, que não leva o personagem a lugar algum, nem acrescenta nada ao que já havia sido mostrado de maneira muito mais realista por James Glickenhaus no filme original. E todos os departamentos do filme vão do ruim ao lamentável.

Mas quer saber? Aí é que está o charme desse autêntico "Filme para Doidos", uma tranqueira mais engraçada que muita comédia, e surpreendentemente divertida nesses tempos politicamente corretos em que mocinho tem que prender o bandido, e de preferência sem judiar muito dele.


Pois aqui o "herói" não quer nem saber de frescura e prepara bandido assado com seu lança-chamas, dando uma banana para os defensores dos direitos humanos e pregando, como em todo bom filme de ação dos anos 1980, que marginal bom é marginal morto.

Isso pode até colocá-lo no mesmo patamar dos vilões, mas e daí? Não tem como recriminar um cara que combate o crime com um lança-chamas e um caminhão de lixo blindado - literalmente "limpando o lixo" das ruas, numa metáfora nada sutil. Aliás, não é toda hora que se vê um herói... LIXEIRO!!!

E vamos combinar que um vigilante que mata bandidos com um LANÇA-CHAMAS é foda demais.

Pena que os tempos mudaram para pior, os filmes de ação ficaram mais fru-frus, Robert Ginty morreu e nunca veremos um "Exterminador 3"...


PS 1: Infelizmente, EXTERMINADOR 2 nunca foi relançado em DVD em nenhum país do mundo. Hoje circulam cópias tiradas de VHS, mas é preciso ter cuidado para não baixar uma das versões bastante cortadas pela censura. A fita lançada no Brasil pela saudosa América Vídeo estava intacta, mas atualmente é peça de colecionador. Na internet, fãs do filme circulam uma petição pedindo para que seja lançada em DVD também a "workprint" com a versão original, antes da gravação de novas cenas.

PS 2: Todo ator respeitado tem que começar por algum lugar, certo? Pois John Turturro, figurinha carimbada nos filmes dos Irmãos Coen e na série "Transformers", começou por aqui. Ele "interpreta" um figurante chamado "Guy nº 1", e sinceramente nunca consegui enxergar ninguém nem parecido com Turturro nas várias vezes que revi o filme. Talvez sua cena esteja entre as muitas que foram cortadas quando o filme precisou ser remontado.

Trailer de EXTERMINADOR 2



*******************************************************
Exterminator 2 (1984, EUA)
Direção: Mark Buntzman (e William Sachs)
Elenco: Robert Ginty, Mario Van Peebles, Deborah Geffner,
Frankie Faison, Scott Randolf, Reggie Rock Bythewood,
Irwin Keyes, Arye Gross e Bruce Smolanoff.


* E a quem interessar possa, eis a capinha do VHS brasileiro do filme - mais uma daquelas antológicas capas azuis com estrelinhas brancas da extinta e saudosa América Vídeo!

18 comentários:

Anônimo disse...

Eu assisti a esse filme nos meus tempos de infância em VHS, em uma época que nem mesmo o ficcionista mais alucinado imaginaria que um dia iria existir DVD e downloads.

Esse foi um dos raros filmes em que primeiro eu assisti a sequência e não o primeiro.

Também lembro que nessa época havia um filme na mesma linha de "justiceiros urbanos" e que era protagonizado por uma loira que na capa aparece vestindo uma jaqueta de couro e óculos escuros. Se alguém aí souber o título desse filme ficarei agradecida.

j spinell disse...

esse é o filme da maquina de moer carne gigante?
ou é no primeiro?

J. Luca disse...

Pô Felipe, parabéns pelo blog. TExto muito bom, como sempre. Tava me lembrando dia desses de um filme que passou no supercine (quando ainda valia a pena assistir supercine, ou seja, muitos anos atrás) chamado As Doze Condenadas. Rola uma resenha desta pérola aqui??

doggma disse...

Artigo sensacional. Lembro que o primeiro filme passava direto no SBT (e sempre me fazia esperar em vão pelo exterminador do Schwarza, que ainda não tinha visto). Bom, tenho que rever os 2 urgente.

Ps: a capa da América Vídeo dá a entender que o "herói" luta ao lado dos bandidos, hehe.

Luciano milhouse disse...

Foi um dos primeiros filmes que aluguei quando meu pai comprou um videocassete, circa 1988, lembro como se fosse ontem! Eu só tinha 11 anos e confesso que adorei... mas claro, aos olhos de um garotinho, qualquer coisa que tenha porrada e sangreira é diversão na certa (não é a toa que somente crianças ou, no máximo, pré-adolescentes, alugavam picaretagens como "Faces da Morte", hahahahahahaha!)!!!

Abração!

Robson disse...

Eu vi esse filme primeiro na televisão, mas gostei tanto que fui atrás do vhs dele, assim como do primeiro (que me desapontou por não ter o lança chamas rsrsrs), eu até customizei um boneco com uma máscara de soldador e um lança chamas!!! Tenho meu dvd que foi extraído desse vhs da américa video e ainda vejo eventualmente! E não sabia dessa história dos enxertos, achava que o filme era mal escrito e editado mesmo rsrsrs

Cantores disse...

Sou seu fã, saiba que seu blog faz a minha vida chata mais feliz.OBRIGADO!!!!

Felipe M. Guerra disse...

LUCA, já escrevi sobre "As Doze Condenadas" ainda em 2010. Eis o link da resenha: http://filmesparadoidos.blogspot.com/2010/09/as-doze-condenadas-1987.html

Aos demais, o meu muito obrigado pelos elogios e considerações! E aguardem que a próxima atualização será sobre um outro clássico filme de ação dos anos 80...

Daniel disse...

Afinal, qual o nome do herói?

No texto do Felipe está John Eastman, na capa da América Vídeo é Jimmy Long e no making off no youtube o nome é John Long.

Anônimo disse...

O caminhão de lixo representa o que o filme é: um lixo.

Paulo Geovani Freitas Ribeiro

Felipe M. Guerra disse...

DANIEL, o nome do personagem é John Eastman. Mas a Cannon trocou as bolas no marketing e rebatizou-o "Johnny Long" - só para você ver o quanto eles sabiam do filme que estavam produzindo! Está assim na capinha e no making-of, como você constatou, mas no filme usam o nome correto.

rafael domingues disse...

oi felipe sou um grande admirador teu,adoraria poder comprar copias do exterminador I e II do keruak o exterminador de aço, e alguns outros titulos q me lembram o melhor periodo da minha infancia quando eu olhava filmes com meu pai se tu puder me dar um retorno ficarei muito feliz

Felipe M. Guerra disse...

RAFAEL, eu não vendo cópias de filmes, mas você pode encontrar a maioria deles para download.

Roger - Santos/SP disse...

Fala Felipe. Cara, tem como você resenhar o filme "The Executioner, Part II"? Sempre fui curioso com a segunda-parte-de-um-filme-que-não-tem-primeira-parte. HAHAHAHA.

Anônimo disse...

O Buntzman ainda [e amigo do Peebles...ou era at[e uns anos atras, tanto que aparece rapidamente, em POSSE, o faroeste dirigido e estrelado pelo Mario.

Anônimo disse...

Como se faz para assinar o depoimento?
Depois de digitadas as palavras (que provam que a pessoa n'ao [e um robô apenas resta enviar o texto...e assim sai como vindo de alguma pessoa Anônima.

Anônimo disse...

Eu dou Minha Virgindade anal por este filme kkkkkkkkkkk Se eu fosse mulher!

spektro 72 disse...

Comentario Atrasado : O Primeiro filme é melhor esse segundo da para o gasto já trombei varias vezes com essa fita da America Video .. sei lá nunca me deu vontade de te-la minha modesta videoteca ,esse filme passou varias vezes na TV sua primeira exibição foi na Rede Globo em 16/09/1989 no Super Cine e sua última exbição na TV Aberta foi em 01/12/2001 no TV Terror na REDE TV! depois dessa data esse filme asim como tantos outra nunca mais voltaram á ser exibido na TV Aberta que já morreu ha muito tempo.