sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

DRIVE (1997)


Nesta sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012, finalmente chega aos cinemas brasileiros o filme "Drive", de Nicolas Winding Refn, grande campeão de puxa-saquismo do ano passado, idolatrado por cinéfilos do mundo inteiro como se fosse um novo "Cidadão Kane". Portanto, não fique espantado se todos os sites e blogs brasileiros estiverem falando desse negócio hoje e pelos dias vindouros.

Mas não o FILMES PARA DOIDOS, porque eu devo ser a última pessoa sobre a Terra que ainda não viu o filme - gosto de conferir essas produções mais badaladas somente depois que saem da ordem do dia. E enquanto todos os meus colegas de internet escreverão maravilhas sobre Nicolas Winding Refn, Ryan Gosling e cia., prefiro aproveitar esse humilde espaço para falar sobre um outro DRIVE...


Pois eis que, em 1997, o chinês naturalizado norte-americano Steve Wang dirigiu um filmaço que tem justamente este nome, DRIVE. No Brasil, na época do vídeo, a obra recebeu o dispensável subtítulo "Tensão Máxima". Porque, naqueles tempos, tudo era "máximo" nos cartazes nacionais de filmes de ação: "Velocidade Máxima", "Risco Máximo", "Rotação Máxima", "Fervura Máxima", "Adrenalina Máxima", e por aí vai.

Infelizmente, o DRIVE do Steve Wang nunca alcançou a mesma projeção, repercussão ou nível de rasgação de seda deste "Drive" novo do Nicolas Winding Refn - e, é bom esclarecer, os dois filmes não têm absolutamente nada em comum além do título.

Se uso a expressão "infelizmente", é porque esse fantástico trabalho de Wang pode tranquilamente ser incluído em qualquer lista dos melhores filmes de ação da década de 90.


Mas você pode viver sua vida toda e nunca dar bola para ele, já que o filme se confunde com centenas de outras tralhas feitas direto para DVD, e nem a capa, nem o resumo empolgam de primeira. O que é uma pena, porque em tempos de Zack Snyder e Paul W.S. Anderson, DRIVE é uma verdadeira obra-prima.

Só fazendo uma rápida contextualização: na segunda metade dos anos 90, o cinema de pancadaria produzido nos Estados Unidos estava meio moribundo. Se antes todo mundo engolia ocidentais como Jean-Claude Van Damme, Chuck Norris e o "ninja falso" Michael Dudikoff mostrando suas habilidades em artes marciais, a onda a partir de então era importar diretores (John Woo, Ringo Lam, Tsui Hark), astros (Chow Yun-Fat, Jet Li, Michelle Yeoh) e coreógrafos do cinema oriental (Yuen Woo Ping, Corey Yuen) para fazer filmes hollywoodianos com cara de filmes de Hong-Kong.


O problema é que estas produções metade Ocidente, metade Oriente nunca conseguiam dosar as duas culturas a contento: ou elas soavam extremamente falsas e exageradas ao colocar, por exemplo, Tom Cruise como super-karateka (em "Missão Impossível 2", de John Woo), ou desperdiçavam o potencial de astros do lado de lá, como Jet Li, eternamente perdido e sub-aproveitado em aventuras bundonas e aquém do seu talento como lutador, repletas de efeitos digitais, dublês e cenas com cabos.

E então apareceu Steve Wang como saudável exceção à regra. Curto e grosso: DRIVE é o mais perto que o cinema de ação ocidental conseguiu chegar do nível dos filmes de ação orientais, sem afetação demais nem lutas de menos.


O roteiro de Scott Phillips é redondinho e bastante eficiente. Num futuro próximo, Mark Dacascos interpreta Toby Wong, um chinês especialista em artes marciais que teve um dispositivo bio-mecânico implantado no coração, para aumentar sua força, reflexos e velocidade. Graças ao dispositivo, pode trabalhar como super-assassino para seus empregadores, os executivos da maléfica Leung Corporation.

Só que Toby cansou de ser um super-capanga da bandidagem. Ele prefere fugir para os Estados Unidos e encontrar-se com os representantes de uma outra companhia, que não só tirarão o negócio do seu peito, como ainda pagarão alguns milhões de dólares pela traquitana.


Óbvio que não será uma tarefa fácil: o chefão da Leung Corporation (James Shigeta) contratou um exército de mercenários para caçar nosso herói e levá-lo de volta para casa com o dispositivo intacto. Caçado pelos bandidos e pela polícia, Toby precisa unir-se à força com um fracassado compositor de jingles, Malik Brody (Kadeem Hardison), para chegar a Los Angeles, onde a outra organização irá livrá-lo do incômodo probleminha em seu peito.

(O título do filme vem de uma frase que o herói diz ao entrar no carro do novo parceiro: "Just relax and drive!")

Para a sorte da dupla, a super-agilidade proporcionada pelo mecanismo transformou Toby num adversário praticamente invencível, que abrirá caminho na base da porrada, enfrentando grupos cada vez mais numerosos de inimigos.


À primeira vista, DRIVE não escapa de um milhão de clichês dos filmes de ação, incluindo a dupla sem nada em comum que é forçada a unir forças para sobreviver, e que, como manda a cartilha do cinema moderno, é formada por um branco e por um negro - à la "Máquina Mortífera" e tudo o que foi feito desde então.

A diferença é que tudo no trabalho de Wang funciona como um relógio: das cenas de ação pontuais e cada vez mais impressionantes à química entre a dupla de heróis, até os bem-sacados vilões que têm personalidade própria.


Me refiro aos líderes dos mercenários, que são o fanfarrão Vic Madison (John Pyper-Ferguson) e seu parceiro Hedgehog (Tracey Walter, o capanga do Coringa no "Batman" do Tim Burton). O primeiro passa do cômico ao ameaçador em questão de minutos - e tem colhões para usar um chicote contra um negro, algo muito corajoso nesses tempos politicamente corretos!

DRIVE não é somente um eficiente filme de pancadaria, mas também uma aventura bastante divertida, repleta de citações cinéfilas e de cenas engraçadas sem apelar para a caricatura ou gritaria. Malik refere-se a Toby como "os cinco dedos da morte", lembrando o título de um clássico das artes marciais, e reclama que o parceiro improvisado não é "Miss Daisy" para ser conduzido por ele em seu carro. O herói também identifica-se como "Sammo Hung" (!!!) em determinado momento do filme.


O próprio nome Toby Wong vem de "Cães de Aluguel", do Tarantino. Lembra da cena em que Joe, o chefão dos bandidos, examina uma velha agenda e fica repetindo para si mesmo: "Como era o nome daquela garota chinesa? Toby Chew? Toby Wong?".

Lá pelas tantas, Toby e Malik chegam a um hotel de beira de estrada dirigido por uma jovem maluquinha e ninfomaníaca. Para surpresa geral da nação, a moça é interpretada por uma ainda desconhecida Brittany Murphy, dois anos depois da comédia "As Patricinhas de Beverly Hills". Brittany, que morreu em 2009, viraria estrela hollywoodiana lá por 2001, e aqui tem participação bem curiosa - não, ela não é interesse romântico de nenhum dos personagens e logo some da narrativa.


Porque não há espaço para beijinhos e romance em DRIVE, e é na hora da pancadaria que o bicho pega e o filme mostra a que veio. As cenas de ação, coreografadas por Koichi Sakamoto, mesclam diferentes tipos de luta (até capoeira, que Dacascos já havia demonstrado em "Esporte Sangrento", de 1993).

As lutas também dão oportunidades para que o herói use todos os objetos à sua disposição contra os bandidos, de cadeiras a colchões, como Jackie Chan fazia nos bons tempos.


Ao lutar num apertado quarto de hotel, Toby pula contra as paredes para tomar impulso e literalmente voar contra os inimigos; ao lutar no interior de um bar, ele se pendura de ponta-cabeça num ventilador de teto para, girando, conseguir atirar em todos os bandidos ao seu redor (!!!); não falta nem a clássica cena em que os dois parceiros estão algemados e o herói é forçado a lutar usando o próprio corpo e o do seu parceiro como "armas".

E o melhor de tudo: na maior parte do tempo, a pancadaria é fruto de muito treino dos atores e dublês, e não de efeitos de computador ou do uso de cabos para suspender os lutadores. Dacascos realmente luta pra caramba, e tem a oportunidade de demonstrar isso sem maquiagem digital. Prepare-se para um montão daquelas cenas que você assiste meio emocionado e meio apavorado, pois fica evidente que os dublês se machucam ao serem atirados contra móveis e outros obstáculos.


Também fica evidente que tudo teve que ser exaustivamente treinado nos mínimos detalhes para que os atores soubessem onde encaixar os golpes sem colocar em risco a si mesmos e aos oponentes. Porque as lutas, longas e excepcionalmente bem filmadas por Wang, utilizam-se de longos planos abertos e sem cortes, em detrimento da muito mais cômoda edição picotada de videoclipe que é uma praga do cinema moderno.

Ou seja: os caras tinham que treinar muito bem a coreografia para convencer, ao invés de gravar tudo em pedacinhos curtos e deixar a bomba nas mãos do editor. Mesmo quando exageram um tantinho os feitos do herói, as lutas de DRIVE são muito mais críveis e convincentes do que a maioria das pancadarias vistas nas produções recentes.


Quando você vê Jason Statham sentar porrada na série "Carga Explosiva", por exemplo, aquilo chega a ser cômico de tão inverossímil e forçado; já aqui é mais fácil acreditar que o herói Dacascos realmente seja capaz de vencer inúmeros oponentes, pois os confrontos, ainda que cheios de malabarismos e piruetas, são mais "pé no chão" e menos videogame.

DRIVE também resolve com criatividade um problema crônico das aventuras de artes marciais produzidas nos Estados Unidos: o fato de os bandidos nunca dispararem um tiro na cabeça do Jet Li ou do Jackie Chan ao invés de tentarem inutilmente sair no braço com eles.


Afinal, Toby tem o valioso dispositivo no seu peito que só funciona enquanto seu coração estiver batendo, e por isso os mercenários no seu encalço precisam capturá-lo vivo, mesmo querendo muito usar suas metralhadoras e bazucas para dar um fim na carreira do herói. Toby também pode ser rastreado facilmente por causa do tal dispositivo, então nunca tem a chance de se esconder por muito tempo.

Por sinal, a cena mais fantástica de DRIVE é quando o batalhão de mercenários comandado por Vic invade um hotel onde a dupla dinâmica recupera as energias. Para não correr o risco de matar a galinha dos ovos de ouro, os bandidos levam bastões eletrificados para tentar nocauteá-lo com segurança. Esperto que só, Toby tira as botas de um dos bandidos e as usa como "luvas" para poder lutar sem correr o risco de tomar choques!


Esta cena também inclui um momento impagável em que Malik usa uma serra elétrica contra um dos mercenários! É um humor negro tão sem-noção que parece até saído daquele clássico momento com Schwarzenegger na cabana de jardinagem em "Comando para Matar".

E Dacascos está F-O-D-A como herói. Aliás, um puta herói que usa punhos, pés, armas de fogo, objetos em geral e até espadas contra os inimigos, sem fazer muita distinção entre apenas nocauteá-los ou matá-los.

Esse aqui é indiscutivelmente o seu grande papel no cinema, após uma série de aventuras baratas, bombas como "Double Dragon" e participações pouco expressivas em blockbusters tipo "A Ilha do Dr. Moreau" de John Frankheimer, em que interpretou uma das criaturas. (Uma rara exceção na sua filmografia é o igualmente decente "Crying Freeman", lançado dois anos antes).


Em cada cena de ação de DRIVE, Dacascos luta como se sua vida dependesse disso, movimentando-se com tanta rapidez e agilidade que dá vontade de rever o filme inteiro em câmera lenta. Seu herói hiperativo parece um cruzamento genético do Jet Li de "Máscara Negra" com o Jackie Chan da série "Police Story".

Consta, inclusive, que o diretor Wang e o coreógrafo de ação Sakamoto espremeram o pobre do ator até o bagaço, praticamente obrigando-o a participar do máximo de cenas sem dublê que ele conseguisse encarar. Isso é mais um fator que valoriza o resultado final: se você passar as lutas em câmera lenta, vai ver que é o próprio Dacascos botando pra quebrar em 80% do tempo!


A conclusão é um verdadeiro presente aos fãs de ação: um quebra-pau que dura uns bons 20 minutos, em que primeiro nosso herói enfrenta um grupo de motociclistas (à la "O Jogo da Morte", aquele filme póstumo do Bruce Lee), e depois um "modelo avançado" que tem um dispositivo como o dele implantado no próprio corpo, mas mais moderno e garantindo alguns recursos a mais, como uma "sobre-vida" em caso de morte.

A tal "versão 2.0" é interpretada pelo japonês Masaya Katô, que já havia contracenado com Dacascos em "Crying Freeman". Bem, se o herói é um cruzamento de Jet Li com Jackie Chan, este vilão anabolizado parece o Agente Smith, de "Matrix", depois de cheirar cocaína e beber dez litros de Red Bull.

(Ah, vale lembrar que DRIVE é dois anos anterior a "Matrix", embora o modelo avançado interpretado por Katô apareça com um figurino bem semelhante aos personagens dos Irmãos Wachowski, vestindo casacão longo e óculos escuros!)


Segundo Scott Phillips declarou em entrevistas, ele escreveu o roteiro ainda no começo dos anos 90, originalmente imaginando-o como um veículo para Jackie Chan (no lugar de Dacascos) e Sylvester Stallone como sidekick (!!!). É por isso que, num momento do filme, o vilão Vic orienta um de seus homens para atirar na perna do "baixinho" e na cabeça do "altão", uma fala escrita pensando em Jackie e Stallone, já que Dacascos e Kadeem têm praticamente a mesma altura.

Pessoalmente, fico muito feliz que esse projeto para blockbuster não tenha saído do papel como o roteirista havia concebido, pois Stallone faria de tudo para ganhar mais tempo em cena e roubar o estrelato de Jackie, o que não acontece aqui entre Dacascos e seu sidekick. Além disso, grandes estúdios não sabem fazer filmes de ação e iriam substituir a ação desenfreada pela comédia, e as lutas práticas por efeitos especiais.

(Só para constar, o único encontro entre Stallone e Jackie acabou sendo na mal-sucedida comédia "Hollywood - Muito Além das Câmeras", em que eles estrelam um filme de ação fictício chamado "Trio".)


Para encerrar, DRIVE é tão competente e bem produzido que parece ter custado bem mais do que o seu real orçamento. Acredite se quiser, mas essa maravilha custou apenas 3,5 milhões de dólares - valor que não paga nem um dia de filmagens de "Os Mercenários 2"!

Superior a qualquer coisa que Jet Li ou Jackie Chan tenham feito nos Estados Unidos (o que nem é um grande feito, considerando as porcarias em que ambos se meteram), o filme também deve ter deixado Brett Ratner possesso, pois é tudo que esse zé-mané tentou fazer nos seus três "A Hora do Rush" e não conseguiu.


DRIVE é tão bom, mas tão bom, que tinha tudo para transformar Mark Dacascos em super-ídolo de ação e Steve Wang no novo nome quente do gênero. Afinal, se voltarmos a 1997 iremos constatar que não havia praticamente nada no mesmo nível sendo produzido nos Estados Unidos: os filmes de ação norte-americanos de destaque naquele ano foram "Con Air", "A Outra Face", "Velocidade Máxima 2", "A Colônia" e aquelas produções baratas rotineiras estreladas por Gary Daniels, Oliver Gruner e Don "The Dragon" Wilson.

Infelizmente, a companhia que produziu DRIVE não tinha grana suficiente para bancar um lançamento decente, e ele foi distribuído direto para o mercado de VHS/DVD, sem nunca chegar à tela grande. Para piorar, ganhou uma nova edição para americano ver, com quase 20 minutos a menos e uma abominável trilha sonora com música eletrônica.

A "director's cut" de Steve Wang, com mais desenvolvimento de personagens e trilha original que não incomoda os ouvidos, saiu em DVD somente na Europa.


Por causa disso (versão mutilada e sem lançamento nos cinemas), DRIVE acabou relegado à poeira das videolocadoras e nunca recebeu o merecido destaque, nem transformou Dacascos e Wang em grandes nomes das suas respectivas áreas, como podia ter acontecido num mundo justo e perfeito.

Pelo contrário: o diretor foi comandar episódios dos seriados "Power Rangers" e "Kamen Rider", sem nunca mais ter assinado nenhuma outra produção no mesmo nível, enquanto seu ator continuou estrelando aventuras baratas direto para vídeo.


A bem da verdade, Dacascos quase chegou lá uma segunda vez ao aparecer na aventura "O Pacto dos Lobos", de Christophe Gans, no papel de um índio bom de briga. Mas não foi muito além disso, e o mais perto que chegou do cinemão classe A foi como vilão que apanha de Jet Li no descartável "Contra o Tempo" (2003).

Ironicamente, comparar a luta afetada e mal-filmada entre Li e Dacascos nesse filmeco com qualquer cena de DRIVE é o mesmo que comparar Mozart com Michel Teló!


Por isso, repito que é uma lástima o fato de DRIVE não ter feito o devido sucesso e até hoje seja tão pouco conhecido. Pois, como já escrevi, você pode viver sua vida toda e nunca dar bola para ele.

E vou além: se dependesse de mim, novos diretores de ação seriam obrigados a assistir muitas vezes o filme de Wang para aprender como se faz cinema de ação direitinho.

Pode até ser que esse DRIVE aqui não seja tão fodão quanto o novo aí do dinamarquês, do qual todo mundo está falando maravilhas. Mas pelo menos uma coisa eu garanto: depois de vê-lo, quase tudo que foi feito em matéria de "cinema de ação" de 1997 para cá parece completamente obsoleto ou muito fraco.


Pois este é um daqueles raros filmes que, quando acaba, deixam a maior vontade de ver de novo, nem que seja só para checar as melhores lutas. E também é um daqueles cada vez mais raros casos em que você fica até torcendo para sair um "Drive 2" com os mesmos atores e realizadores. O que, infelizmente, jamais acontecerá, dada a obscuridade do original.

Alô, Stallone: o que é que você está esperando para colocar o Mark Dacascos em "Os Mercenários 3"?

Alô, grandes estúdios: o que você estão esperando para dar emprego e dinheiro ao Steve Wang?

Trailer de DRIVE



*******************************************************
Drive (1997, EUA)
Direção: Steve Wang
Elenco: Mark Dacascos, Kadeem Hardison, Brittany Murphy,
John Pyper-Ferguson, Tracey Walter, James Shigeta, Ron Yuan,
Masaya Katô, R.A. Mihailoff e Dom Magwili.

30 comentários:

Kubota disse...

De fato, é uma pena que Dacasco e Wang não caminharam ao estrelato. Drive é um daqueles filmes que tem um tesouro de qualidade escondido.

Só um detalhe: o filme Esporte Sangrento foi feito em 1993.

Drive me faz refletir o seguinte: por que um cara que luta bem de verdade não conseguiu ir para o primeiro time de ação, enquanto Jason Stathan e outros que nem lutadores são (ao que consta no IMDB Stathan é mergulhador profissional apenas) tem inúmeras oportunidades. Lamentável!! Ótimo texto!

Thiago Doido disse...

Koichi Sakamoto, que coreografou as cenas de luta desse filme, foi produtor executivo dos Power Rangers de 1999 até 2009 (segundo o imdb).

Felipe, diga só um, um filme que tenha sido bem "hypado" e que você tenha gostado de verdade.

Felipe M. Guerra disse...

KUBOTA, a data do "Esporte Sangrento" foi erro de digitação, já consertei.

THIAGO, só um? Então: "Bastardos Inglórios".

Fernando disse...

Felipe...

Assisti a esse tal "Drive" idolatrado pelo universo inteiro. Confesso para ti não achei tão ruim, mas também não o considero a última Coca-Cola do deserto. Na verdade, é um filmezinho bem com cara de Tela Quente. Inclusive não consigo entender porque um filme como esse, que irá ser transmitido exaustivamente no Telecine Action, é visto como a salvação da lavoura.

Rudemangueboy disse...

Felipe, agora você me deixou na dúvida. Aluguei com amigos esse DRIVE nos anos 90, junto com a A BALADA DO PISTOLEIRO. Foi uma sessão dupla maravilhosa, e realmente revimos os dois filmes no outro dia antes de devolver a locadora. Mas a versão das locadoras do Brasil é a mesma da versão americana? E agora o mais importante: caso você não tenha comprado o DVD europeu, AONDE você baixou essa versão extendida???

Felipe M. Guerra disse...

Eis uma boa pergunta. Eu vi a director's cut tirada do DVD importado e gravada por um amigo. Mas, pelo que pude apurar aqui rapidamente, a indicação da metragem na fita brasileira era de 100 minutos. Logo, era a versão cortada (a do diretor chega perto dos 120 minutos).

Robson disse...

O Drive de 2011 citado é realmente excelente, mas nada além do titulo tem a ver com esse aqui que aliás me foi uma surpresa enorme, qdo vi em vhs ainda nos anos 90! Na verdade eu nunca dei muita bola pro Dacascos,(embora eu adore o esporte sangrento)e além de tudo a capa do vhs desse filme era tão ruim que confesso que passei longe, porém meu tio alugou e fez questão que eu assistisse. Ele estava certo, o filme é realmente muito melhor do que parece ser! Pena mesmo que seja muito pouco conhecido e se perde em meio há tantas tralhas bem menos divertidas!!!

Anônimo disse...

Eu descobri esse Drive de 1997 na minha tenra infância, época em que eu acabar de descobrir os filmes do Jack Chan. Quando assisti a esse filme protagonizado pelo (injustiçado) Mark Dacascos, percebi o quanto aquelas lutinhas do Van Damme, Steve Seagal e afins eram cafonas.

Daniela Cecchin

Takeo Maruyama disse...

Felipe, as citações cinéfilas vão além dessas que você listou, pelo menos pra quem é mais ligado em cinema de HK. A cena em que Dacascos luta algemado em Hardison, tenta dar uma voadora e leva um tombo porque ele vai pro outro lado é igualzinho Donnie Yen e Rosamund Kwan em "Arena do Tigre 2"(Tiger Cage 2). A fuga deles ainda algemados e deslizando pelo cabo de aço me lembrou imediatamente a cena da fuga da prisão em "Police Story 3". E na sequencia final, quando um dos motoqueiros tenta atropelar Dacascos deitado no chão, ele rola até um degrau e a moto passa por cima é idêntico ao final do "Police Story".

A sua definição do Dacascos nesse filme como uma mistura do Jet Li de "Máscara Negra" e Jackie Chan do "Police Story" é perfeita! As coreografias têm a criatividade de Jackie mas Dacascos tem a leveza do Jet Li.

Felipe M. Guerra disse...

Obrigado, mestre TAKEO. Eu desconfiava da cena da moto do final de "Police Story" (meu filme preferido do Jackie), mas na dúvida achei melhor não citar. As outras referências não peguei porque não vi os filmes. Valeu pela contribuição!

J. Verneti disse...

Ótimo texto!
Pensei que fosse o único a gostar desse filmaço,lembro bem da capa do vhs lançado pela Paris Filmes.
Felipe,já que você citou outras produções da época,lembra de um com o Mickey Rourke e Danny Trejo chamado Vingança à Queima Roupa.
Podia rolar um post sobre este.
Valeu

fabio rafo disse...

Vi esse filme na Band à pelo menos dez anos, é realmente um grande exemplar do cinema de ação dos anos 90. Sou um grande fã do seu blog, ótimo texto.
Obs: não é nesse filme que um homem é morto por uma moeda lançada em sua testa?

Vinicius Menezes - VIKO disse...

Felipe, sou um grande fã do seu blog e de muitos filmes que você posta aqui...E esse é um dos meus preferidos daquela época.
Agora quanto ao Drive de 2011, talvez se decepcione, pois toda essa badalação acaba criando muita expectativa. Ainda mais se você for assistir pensando que se trata de um filme ação convencional.
Eu gostei bastante justamente porque não sabia nada sobre o filme. Fui pego de surpresa.
Mas vou ficar de olho no blog pra ler sua opinião à respeito.

Anônimo disse...

O dacascos é meio brandon lee cover,mas eu gosto dele acho q ele merecia chances melhores...

Anônimo disse...

Mundo injusto mesmo um canastrão como chuck norris vira astro de cinema e um cara fodão como dacascos não tem o reconhecimento q merece uma pena.

Anônimo disse...

Assisti um dia desses e lembro que demorei alguns meses pra perceber essa capa nas locadoras da época... Incrível é quando percebe-se o nível altíssimo desse filme depois de estar acostumado à tanta tralha "nova".
Mesmo assim, tive que me contentar com a imunda versão americana "downloadeada".
Sempre fui fã do Dacascos. Sempre o achei melhor que o Van Damme, Seagal, Chan e outros chatos.

Um filmaço!

James

zakaryx disse...

Ola Felipe.

Eu acho que a semelhança dos filmes fica somente no nome mesmo. A maioria das pessoas que não gostaram do Drive (o de 2011) foi porque foram esperando um filme de Ação. Na verdade o filme é bem mais um drama do que propriamente um thriller. Na minha opinião (de bosta) o ritmo do filme é bem semelhante aos filmes do mestre Takeshi Kitano. Explico: o ritmo do filme em geral é beeem lento e de repente "BAM", explode a violência na tela. Quando você vai ver um filme do Kitano espera um filme de ação desenfreada?
Bem, essa é a minha impresão. Espero que abra uma exceção nessa sua regra e vá ver o Drive do Refn. Gostaria de ler suas impressões sobre o filme, embora ache que ele não se encaixe no Filmes para Doidos, hehe.

Abraço.

Felipe M. Guerra disse...

Meus caros, eu não estou dizendo que um "Drive" tem a ver com o outro. Pelo contrário, tenho plena consciência de que são filmes absolutamente sem relação, tanto que até escrevi: "É bom esclarecer, os dois filmes não têm absolutamente nada em comum além do título".

Minha comparação com o "Drive" do Refn foi simplesmente porque este filme estreou nos cinemas brasileiros agora e vem sendo laureado há meses como o melhor de 2011. Considerando que todos os blogs e sites dos meus amigos e conhecidos estão falando dele desde setembro/outubro do ano passado, e pelo menos pra mim o assunto já ficou repetitivo e chato pra caralho, achei melhor escrever sobre um outro filme que só tem o mesmo nome e mais nada - uma piada interna, por assim dizer.

Eu vou ver o "Drive" do Refn em algum momento da minha vida, podem estar certos disso. Só prefiro esperar que o pessoal esqueça um pouco dele, pois todo hype é negativo, principalmente porque cria um expectativa muito grande.

E, sinceramente, eu não vejo muito a acrescentar com mais uma resenha sobre esse "Drive" mais famoso. No passado, quando filmes badalados estreavam (tipo os novos "Star Wars"), todas as revistas de cinema faziam suas capas com eles. Porém eu não vejo muita lógica quando, hoje, você entra em 30 blogs e 29 deles estão escrevendo sobre um mesmo filme, como se não existisse outro assunto...

Doc Lee disse...

A propósito de filmes de diretores orientais em Hollywood: o que tu achou de Golpe Fulminante, Felipe? Peguei o final dele um dia na Globo de madrugada e achei sensacional. O modo como o Tsui Hark fez cenas de ação daquele nível com (aparentemente) pouco dinheiro, etc.

Anônimo disse...

O Drive de 1997 com o Mark Dacascos é maravilhoso. Dessa atual safra de filmes com pancadaria eu gosto muito do primeiro Ong Bak.

Francine

Iceberg disse...

Na net é fácil achar a Director's Cut desse filme... o chato é que vem em dual-audio e não consegui tirar o áudio russo(búlgaro, tcheco, quem sabe).. e nem consegui achar legenda... alguém teria em inglês mesmo ?

Pintopix disse...

Nó, concordo contigo sobre a cena clássica de "Comando para Matar"!!

É tão clássica, que certo dia, num momento ocioso, me veio essa ideia de fazer um curtinha (coisa de um, dois minutos), dum cara saindo de casa todo feliz, após o café da manhã, dando tchau à esposa e filhos. Chega no trampo, na mansão do chefe, de repente ele nota uma movimentação e PAM! insiro a cena do shack de Schwarza com a lâmina na mão decepando o braço do mané. Fim... rsrsr
Pô, mó nada a ver, mas acho que funcionaria como humor negro e homenagem a essa cena que como tu se referiu, é clássica. Ainda mais que ninguém iria esperar o desfecho.
Mas ficou só na ideia...

Quanto ao filme em si, resenhado aqui, me interessei muito. Vou dar uma checada. Boa resenha.

E quanto ao Drive do Refn, conferi ano passado, no Cinema mesmo. Fui sem expectativa nenhuma e saí de lá vidrado. Realmente é muito bom, a puxação de saco não é gratuita.

E só uma ressalva, Felipe, mas no caso de sua crítica contra o uso dos cabos, não é um tanto equivocada, uma vez que essa técnica veio de Hong Kong e vários filmes de Li produzidos por lá mesmo, os usavam em abundância?

Eu não fiz nenhuma pesquisa, é apenas a impressão que tenho, mas o uso excessivo de cabos em Hollywood só veio depois de "Matrix", se estabelecendo de vez após o sucesso de "O Tigre e o Dragão", não?

Péricles disse...

Felipe , gostaria de ver aqui no blog a resenha de um filme sobre zumbis , no qual os protagonistas entravam num laboratório e depois ficavam jogando cerebros para os mesmos ? esse filme passava muito no Sbt! um grande abraço para o bando de "doidos"!

Anônimo disse...

Esse chinês é a CARA do Brandon Lee. rsrs

Lutelro disse...

Lembro que eu vibrava como louco a cada golpe inesperado dado por Dacascos nesse filme, principlmente na luta final quando ele começa a reagir e virar o jogo. Ele faz o helicóptero da Chun-Li sem efeitos visuais (nunca esqueci disso). A luta com os bastões de choques é uma das melhores lutas que já vi. Dacascos realmente precisava ser revisto por esse agentes bobos e sem noção. Mas preferem botar gente que num sabe brigar na tela. E num dá pra reclamar que ele é mau ator porque, ao contrário, Dacascos sempre demonstrou talento na atuação. Não é nenhum Lawrence Olivier mas cumpre bem seus papéis.

Everton (TOM) disse...

Lembrando que o filme foi lançado recentemente em dvd no Brasil na versão do diretor, pela NBO Editora, com formato de tela correto e som 5,1.
14,90 em qualquer Americanas, comprei no site da sariava por 12,90.
Produto de qualidade com preço em conta.

Rafael Medeiros Vieira disse...

Acabou de ser lançado em DVD no Brasil, e com alguns extras bacanas.

Henrique disse...

Comprei por 10 reais nas Americanas e PUTZ! FILMÃO! Só as legendas que a NBO colocou são toscas, mas a imagem tá muito boa e o som também!

SEMI disse...

Estou relendo algumas resenhas desse finado e saudoso blog e não pude deixar de comentar que foi por causa desse texto que assisti "Drive" alguns anos atrás. O DVD foi devidamente acrescentado na minha coleção e o costumo recomendar o filme para meus amigos que curtem uma boa sessão pé-na-kara.

Heitor-val Felix disse...

Mark Dacascos merece ter seus filmes descobertos mesmos os ruins(que são a maioria)pq é muito bom no q faz e muito carismático,comparando oq se tem no gênero hoje em dia