quinta-feira, 10 de novembro de 2011

NENHUM PASSO EM FALSO (1986)


(Queridos leitores, já faz meses que não resenho um filmaço apenas pelo seu fator trash/diversão - mais precisamente desde "Sonatine", em março. Portanto, resgato este texto antigo do meu aposentado Multiply para a série FILMES PARA DOIDOS POR CINEMA. Se já leu, não se preocupe: a resenha é praticamente toda nova, pois desde que a escrevi originalmente, em 2005, eu li o livro que inspirou o filme, e aqui faço as devidas comparações.)

Harry Mitchell (Roy Scheider) é um rico e bem-sucedido homem de negócios, ligado à indústria da siderurgia, dono de capital considerável graças a uma patente com a Nasa, que lhe garante uma caprichada conta bancária. Tem um carrão conversível que ele mesmo reformou em sua rica garagem e uma bonita mulher, Barbara (Ann Margret), que o ama e pretende investir no futuro político, lançando sua candidatura a vereadora. Pode-se dizer que Harry Mitchell tem tudo. Mas, como nós sabemos, quem tem tudo geralmente está querendo um algo mais.


E é assim que nosso executivo de meia-idade se envolve com Cini, uma jovem "modelo" de apenas 22 anos de idade (interpretada pela atual esposa de John Travolta, Kelly Preston). O caso extraconjugal poderia melhorar ainda mais a vida de Mitchell. Porém, como estamos em um filme de John Frankenheimer, e com roteiro do mestre da literatura policial pop Elmore Leonard, é claro que a coisa vai dar mal.

Estou falando de "52 Pick-Up", filmão baseado em livro de mesmo nome que foi publicado no Brasil na década de 1970 como "Os Chantagistas". Pior sorte teve o filme, que foi inexplicavelmente lançado por aqui com dois títulos diferentes: NENHUM PASSO EM FALSO e A HORA DA BRUTALIDADE (para aproveitar a febre de filmes com "Hora" no título, tipo "A Hora do Espanto", "A Hora do Pesadelo"...).


Depois, quando a América Vídeo lançou-o em VHS, resolveu unir ambos e ficou NENHUM PASSO EM FALSO - A HORA DA BRUTALIDADE!!!

(E caso você esteja se perguntando, o original "52 Pick-Up" refere-se a um jogo de cartas infantil bem popular nos Estados Unidos: um jogador atira um maço de 52 cartas para o alto, de maneira que elas caiam desordenadamente no chão, e o outro jogador precisa "remontá-lo" através de combinações crescente e descrescente, como no jogo tradicional de Paciência.)

Mas voltemos à vida do pobre Harry Mitchell. Logo no início do filme, quando ele se prepara para mais um encontro com Cini, tem a desagradável surpresa de encontrar no quarto de hotel não a sua gatinha loira, mas sim três homens mascarados. Um deles com um revólver na mão.


"Sente e aproveite o show", diz um dos desconhecidos, e então o trio mostra a Mitchell um vídeo amador que registra cenas do dia-a-dia do ricaço.

Aqueles bandidos o seguiram por um bom tempo, filmando momentos em que ele sai de casa, entra na empresa, sua mulher fazendo cooper e, finalmente, detalhes que comprovam a traição conjugal: Mitchell encontrando-se com Cini, levando-a para uma viagem de férias quando deveria estar numa convenção de empresários e fazendo sexo com a garota.

Os bandidos sabem que aquelas imagens podem destruir o casamento e a vida pacata de Harry Mitchell, além de arruinar as pretensões políticas da sua esposa graças ao escândalo. Por isso, pedem 105 mil dólares pelo silêncio.


O milionário convence o trio de que não pode simplesmente chegar no banco e retirar 105 mil dólares. Então, fica acertado que ele pagará em "prestações mensais", começando com uma primeira de 10 mil dólares. E, assim, Mitchell fica à mercê dos perigosos chantagistas.

Ao invés de ir direto à polícia, nosso herói resolve contar tudo ao seu advogado, Mark Arveson (o falecido Doug McClure, de "Humanoids from the Deep"). Este sugere que o executivo não ceda às pressões dos chantagistas.

Naquela noite, Mitchell volta para casa e abre o jogo com a esposa, dizendo que a traiu, que aquela foi a primeira vez, que ele estava desconfortável com o casamento, etc etc. Barbara, é claro, fica furiosa. Mas Harry sente-se aliviado, pois teoricamente arruinou o plano dos chantagistas, certo?


Errado! O que Mitchell não sabe é que não se brinca com três homens perigosos como aqueles com que se envolveu. O trio de chantagistas é formado pela nata da maldade humana, todos ligados ao submundo da pornografia. O cabeça da quadrilha é o falante e cruel Alan Raimy (o excelente John Glover, um ator que nunca recebeu a merecida atenção e aqui simplesmente rouba o filme).

Escroto que só ele, Raimy é diretor de filmes pornô amadores e proprietário de um cinema X-Rated. Seus comparsas são Leo Franks (Robert Trebor), o cagão do grupo, dono da boate de strip-tease onde Cini trabalha; e Bobby Shy (Clarence Williams III), que é a verdadeira encarnação da violência e da malvadeza, um assassino frio que matou o padrasto com 13 anos e não hesita em puxar o gatilho para resolver situações simples.


Estes três monstros acreditam que terão seus 105 mil dólares e estão até promovendo festas para comemorar o negócio bem-sucedido. O legal é que, na cena da festa, podemos ver muitos astros pornôs dos anos 80, como Tom Byron, Ron Jeremy, Amber Lynn e Sharon Mitchell, divertindo-se com os vilões.

A felicidade dos dois lados logo vai acabar. Na noite combinada para o pagamento da primeira parcela da chantagem, Mitchell passa às mãos de um dos bandidos um envelope que parece estar forrado de grana, mas na verdade só tem jornal cortado e um singelo recado.

Raimy fica puto: "Eu juro que não sei onde o mundo vai parar... Você explica honestamente como as coisas vão ser, e mesmo assim tentam te passar para trás!".


Logo, Bobby faz uma nova visita a Mitchell e o leva para um passeio. Dessa vez, o trio mostra um novo vídeo - um snuff movie.

As cenas mostram Cini sendo agarrada pelos bandidos e amarrada a uma cadeira. Em seguida, ela tem suas roupas arrancadas e uma tábua de madeira é posicionada na sua frente, sobre o peito. Para finalizar, os bandidos disparam cinco tiros na placa de madeira, direto no peito da moça, que cai morta enquanto os assassinos fazem piada: "A melhor coisa sobre Cini é que ela não apenas vive o seu papel, ela morre também!".

Em seguida, mostram a placa de madeira toda perfurada (para comprovar que não houve "efeitos especiais") e o corpo sem reação nem respiração da moça. Uma cena tétrica, ainda mais pela maneira como os bandidos tratam aquilo como se fosse a coisa mais normal do mundo...


Eles propõem uma nova chantagem: como a arma usada no assassinato era um revólver roubado da casa de Mitchell, com suas impressões digitais e tudo mais, o homem de negócios deverá pagar 105 mil dólares todo ano, até o fim da sua vida, pelo silêncio do grupo. Caso contrário, eles farão com que o cadáver da moça apareça, bem como o revólver e bem como um casaco também roubado de Mitchell, propositalmente manchado de sangue pelos bandidos.

Sem saída, o executivo só vê uma chance de escapar dessa: não pagar o que os bandidos pedem, mas sim investigar e descobrir quem são aqueles bastardos, aprender mais sobre eles e suas fraquezas. Então, numa estratégia inteligente e bem pensada, Mitchell começa a jogar um contra o outro, com complicações imprevisíveis para todos os envolvidos no caso.


Concordo com o crítico de um site norte-americano, que diz que NENHUM PASSO EM FALSO nunca fez o merecido sucesso. Claro que, comparado com outros filmaços de Frankenheimer, este não passa de um thriller comum, simplório até.

Entretanto, analisando independentemente da filmografia do cineasta, eu não hesitaria em colocá-lo entre os grandes filmes policiais dos anos 1980. Até porque ele foge do exagero e do absurdo que tornou-se marca registrada da década, principalmente quando lembramos que, no mesmo ano e pela mesma produtora, saiu "Stallone Cobra"!


NENHUM PASSO EM FALSO tem aquele clima sério e realista do cinema policial dos anos 70, com narrativa lenta que esmiuça as características dos personagens e suas relações/motivações, uma bela trilha sonora, excelentes atores representando excelentes personagens e uma trama que prende a atenção do espectador do início ao fim, complicando cada vez mais a vida do herói - de forma que o espectador fica intrigado para saber como é que ele vai se salvar daquela enrascada.

Vale destacar que a adaptação do livro "Os Chantagistas" foi feita pelo próprio autor Elmore Leonard, em parceria com John Steppling. Seu roteiro é enxuto e sem grandes malabarismos ou absurdos, embora peque na parte final por certos exageros que devem ter sido uma imposição da produtora, a célebre Cannon Films (já chego nesse detalhe).


O mesmo livro havia sido adaptado dois anos antes, em 1984, no filme "O Embaixador", também produzido pela Cannon e com direção de J. Lee Thompson. Esse não teve a participação direta de Leonard, e os roteiristas tomaram amplas "liberdades poéticas" na trama, aproveitando apenas a idéia da chantagem e transformando-a num thriller político.

Leonard, vale lembrar, é um dos mais populares autores de livros policiais dos Estados Unidos, e entre os filmaços baseados em suas obras estão "Jackie Brown", de Quentin Tarantino (baseado no livro "Ponche de Rum") e "O Nome do Jogo", de Barry Sonnenfeld (baseado no livro "Um Golpe de Sorte").


Especialista em criar universos violentos e personagens cafajestes, Leonard escreveu, em "Os Chantagistas" e NENHUM PASSO EM FALSO, uma de suas histórias mais contigas e realistas, e conseguiu passar isso para a versão cinematográfica. Na verdade, é perfeitamente possível acreditar na reação de todos os personagens, especialmente na de Harry Mitchell.

Ao contrário de um Charles Bronson, por exemplo, Mitchell não sai distribuindo tiros nos bandidos assim que descobre a identidade dos três chantagistas; pelo contrário, ele prefere deixar as mãos limpas e jogar um contra o outro. Os erros cometidos pelos personagens também são perfeitamente verossímeis, ainda mais quando seus planos iniciais não dão certo e as consequências tornam-se cada vez mais tenebrosas. Eles não parecem os típicos herói e vilão do cinema policial tradicional.


As diferenças entre filme e livro são relativamente pequenas. Em "Os Chantagistas", a esposa demora muito mais tempo a perdoar a traição do marido e aceitá-lo de volta, e também sofre mais nas mãos dos vilões do que na adaptação para o cinema (melhor não dar muitos detalhes para não estragar a surpresa). No livro, ainda, Mitchell sofre ainda mais pressão porque há um líder sindical no seu pé, fator determinante para deixar nosso "herói" ainda mais estressado e em ponto de bala.

Mas a mudança mais marcante entre "Os Chantagistas" e NENHUM PASSO EM FALSO é a conclusão: enquanto no livro Mitchell livra-se de Raimy usando a esperteza e um artifício relativamente simples (envolvendo troca de maletas), no filme ele subitamente se transforma numa espécie de McGyver e cria todo um aparato sofisticado para controlar um veículo - uma reviravolta desnecessária que, como eu falei, deve ter sido sugestão dos produtores Golan e Globus para o filme ficar mais "explosivo". Porque, como todos sabemos, os filmes deles "explodem como dinamite"!


Outro problema do filme é a maneira convencional, contida, como Frankenheimer o dirige. Você sempre espera por aquela "grande cena", e ela nunca vem.

Talvez tentando citar seus bons tempos, já que andava em fase ruim (no auge do alcoolismo e sem um sucesso comercial há anos), o cineasta até colocou uma momento ultra-gratuito com Mitchell dirigindo seu carrão em alta velocidade que nada tem a ver com a história (e anos-luz aquém daquela maravilhosa perseguição automobilística em alta velocidade vista num de seus últimos filmes, "Ronin", de 1998).

Pelo menos ele demonstra que não está pra brincadeira, e não alivia o tom pesado do livro. O filme tem poucas cenas de violência, mas, quando elas aparecem, são cruéis e marcantes. Há tiroteios violentos - principalmente pelo realismo dos tiros e ferimentos - no estilo dos mestres Michael Cimino e William Friedkin.


E não tem como não se impressionar com o desempenho dos atores que interpretam os malvados, principalmente John Glover, que não precisa apelar para expressões exageradas ou explosões de fúria para mostrar como é perigoso.

Outro destaque é a interpretação nervosa de Clarence Williams III: Bobby, o matador que ele encarna, é um sujeito tão frio que só seu olhar dá medo. O terceiro bandidão, interpretado por Trebor, é o elo fraco da corrente, um covardão de quem o espectador quase sente pena, em outra atuação monstruosa. Esses caras são VILÕES de verdade, daqueles com quem você espera nunca topar numa rua escura - nem mesmo numa bem iluminada!

Também não posso encerrar essa resenha sem destacar a beleza da modelo e cantora Vanity, que aparece como uma prostituta amante do personagem de Williams III. Ela talvez seja a única coisa bonita num filme feio, sujo e malvado - como se uma flor das mais coloridas brotasse no meio de um beco imundo e escuro.


Talvez você tenha visto NENHUM PASSO EM FALSO nas prateleiras da sua locadora nos velhos tempos do VHS, mas nunca se interessou por causa da capinha feia da América Vídeo (que mostra apenas Scheider com uma arma com Ann Margret fazendo cara de múmia logo embaixo).

A julgar pela capinha, era até de se esperar mais um filminho de ação bobo e barato feito pela Cannon. Só que todos sabemos que não se deve julgar um livro pela capa: dê uma chance a Frankenheimer e Elmore Leonard, e prepare-se para a surpresa de ver um policial de primeira linha, digno de figurar entre outras obras-primas da década de 80, como "O Ano do Dragão", de Cimino, e "Viver e Morrer em Los Angeles", de Friedkin.

Pode até ser um filme mais convencional de Frankenheimer, e pode até estar incluído entre as produções do "ponto baixo" da sua carreira. Mas esse é o bom de ser um diretor foda: até os seus trabalhos de menor brilho são uns filmaços. Ainda mais quando comparados a muito besteirol de hoje que pretende ser "filme policial"...

Trailer de NENHUM PASSO EM FALSO



*******************************************************
52 Pick-Up (1986, EUA)
Direção: John Frankenheimer
Elenco: Roy Scheider, Ann-Margret, Vanity,
John Glover, Robert Trebor, Kelly Preston,
Doug McClure e Clarence Williams III.

10 comentários:

Anônimo disse...

Esse é aquele filme que o Roy Scheider aparece fazendo musculação?

Anônimo disse...

É neste filme que, na garagem do Roy Scheider, tem um dispositivo de roldana, para subir a capota do seu conversível ??? Tem, também, uma cena em que o Roy Scheider leva os bandidos para sua empresa e faz com que um deles manuseie seus livros de contabilidade (para deixar as impressões digitais do bandido no livro) ????

Oh !!! vaga lembrabça ...

Geraldo

qualquergordotemblog disse...

Se for tão bom quanto "Viver e morrer em Los Angeles" então é um puta filme

qualquergordotemblog disse...

Essa Vanity era backing vocal do Prince igual a Sheila E. e a Apollonia Kotero que aparece em "Purple Rain".

Alexandre disse...

Gosto muito desse filme! Roy Scheider é o tipo de ator com o qual se faz um top 10 tranquilo, tranquilo... E também acho o John Glover subestimadíssimo; é um puta ator! Ele é um capeta foda em BRIMSTONE, e na minha opinião, fica pau a pau com o Louis Cyphre. E eles dois estão juntos também em O ABRAÇO DA MORTE, mas desse não me lembro quase nada.

Felipe M. Guerra disse...

"O Abraço da Morte" é um filmaço que inexplicavelmente nunca foi lançado no Brasil, nem em VHS nem em DVD, embora tenha passado nos cinemas e fosse figurinha carimbada no Corujão. Baixei esses dias para rever, em breve deverá aparecer aqui no FILMES PARA DOIDOS!

Gust@vo disse...

nudez em filmes parece normal em filmes estrangeiros

Anônimo disse...

Discordo do crítico do blog.
A Ann Margaret estava bem bonita e jovial nesta época.
Ela não está com "cara de múmia" só está séria.
O Roy Scheider em compensação já era VELHO naquela época(rsrs).
Apesar de ótimo ator, ele é quem estava com cara de múmia.
Porque mulher é obrigada a ser sempre linda e jovem e homem pode ser feio, velho que ninguém repara?
Muito machismo da sua parte, viu?!
Fato.

Marco Antonio disse...

AMO esse filme e que legal você ter resenhado o longa...discordo quanto à direção do Frankenheimer, que acho enxuta mas não convencional.
Na época do lançamento de 52PICKUP, alguns críticos norteamericanos citaram que o Glover e o ex-ídolo jovem Clarence (famoso pelo seriado MOD SQUAD) mereciam ser indicados (o que eu concordo plenamente), ao Oscar como coadjuvantes, mas pena q os dois excepcionais atores acabaram sem indicações.
O Frankenheimer supostamente tbm teve problemas com a cocaína e logo antes de realizar esse trabalho vinha de uns tempos morando na França, onde foi Chef de cozinha(!)-por sinal, ele disse um pouco antes de falecer que uma das princpais razões dele filmar RONIN foi poder trabalhar em uma das cidades que mais amava, Paris.
O astro pornô Ron Jeremy Hyatt era bem amigo do diretor e, até comentou numa entrevista há vários anos que estavas para ganhar um papel importante num próximo filme do Frankenheimer mas quando os produtores descobriram o seu trabalho ´full-time` na indústria X-rated, o barraram. Mesmo assim ele aparece uns pouquíssimos segundos num posterior filme do John, o bonzinho DEAD BANG-NA TRILHA DOS ASASSINOS.

wladimir duarte sales disse...

Tive a oportunidade de assistir este clássico do cinema no canal telecine cult às 22:00hs do dia 28 de janeiro de 2013!! É tudo o que a resenha mostra e muito mais!! O saudoso Roy Scheider impecável como sempre, mas John Glover foi genial, é lamentável que tenha sido relegado a uma ponta naquela aberração "Batman e Robin(1997)" e a um papel secundário em "Smallville", entre outros. É um ator fantástico que merecia bem mais!!!