segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

GYMKATA - O JOGO DA MORTE (1985)


Imagine, só por um minuto, que você é o chefe da "SIA" (Special Intelligence Agency!!!) e precisa despachar um agente para defender todo o mundo ocidental numa missão arriscadíssima, repleta de espiões, traições, ninjas e perigos. E aí, quem você escolheria para a missão? Jack Bauer? Os Boinas Verdes? O agente 007? John Matrix e Stallone Cobra?

Digamos que todas essas são ótimas opções. Mas que tal ser ousado e original, escolhendo um decadente campeão de ginástica olímpica (!!!), para então treiná-lo em karatê (em algumas poucas semanas) e finalmente enviá-lo para arriscar o pescoço e a segurança de todo o Ocidente?

Pois é exatamente essa a opção do chefão da SIA em GYMKATA, um impagável e hilário filme de ação dos anos 80 que começa absurdo desde a premissa - afinal, se um campeão de ginástica olímpica pode mesmo ser tão letal quanto é mostrado nesse filme, então nossa Daiane dos Santos seria uma autêntica arma de destruição em massa! (Sorte que o Bush tinha birra com o Iraque e não notou...)


GYMKATA foi dirigido por Robert Clouse em 1985. Mais conhecido por ter assinado dois sucessos estrelados por Bruce Lee ("Operação Dragão" e "O Jogo da Morte"), Clouse ficou marcado como diretor de artes marciais, mas naqueles tempos encontrava-se em tempos de vacas magras.

Aí algum espertalhão teve a idéia de tirar o sujeito da aposentadoria e dar-lhe mais uma aventura de artes marciais, mas com essa idéia estapafúrdia de ter um ginasta como herói, no lugar de um lutador "de verdade".

Essa "honra" coube a Kurt Thomas, um ginasta igualmente decadente na época, e que havia ganhado várias medalhas de ouro em competições mundiais de ginástica nos anos 70 - mas nunca chegou a participar das Olimpíadas, sua grande frustração.


GYMKATA é o primeiro e único filme de Thomas como protagonista (algo plenamente justificável, considerando sua atuação sofrível), e sua "carreira" se encerrou com apenas mais uma participação, agora como coadjuvante, numa produção obscura de 2003.

Além de péssimo ator, Kurt Thomas tem tudo de ruim: é feio, desengonçado, tem cabelo mullet e é nanico demais para convencer nas inúmeras cenas de ação do filme (nossa, isso ficou parecendo crítica do Rubens Ewald Filho!). A batata-quente ficou nas mãos do diretor de fotografia, que na maior parte do tempo filma o "ator" de baixo para cima, tentando "aumentar" seu tamanho.


A história é inspirada no livro "The Terrible Game", escrito por Dan Tyler Moore em 1957, e filmada na Iugoslávia, que aparece transformada num fictício país chamado Parmistão. Ali, uma pequena vila realiza uma dura prova conhecida como "O Jogo", em que campeões do mundo inteiro precisam superar uma série de provas enquanto são implacavelmente perseguidos pelos melhores guerreiros parmistanenses.

Quem chegar ao final do Jogo tem o direito de fazer um desejo (?!?) ao rei do Parmistão. Quem ficar pelo caminho, morre. Simples, não? Ah, creio que seja relevante informar que, em 900 anos, "O Jogo" não teve nenhum vencedor. Mas eles continuam tentando! Logo, sejamos otimistas...


Eis que a SIA pretende enviar um representante norte-americano para vencer o Jogo e usar seu desejo (hahahaha, não consigo não rir disso...) para adquirir a autorização do rei do Parmistão para instalar um sistema de satélites de defesa no país - mas pode esquecer isso, são apenas burocracias do enredo.

E o que o governo norte-americano faz? Recruta o atleta Jonathan Cabot (Thomas), cujo pai - um agente secreto - foi considerado desaparecido no Parmistão há algumas semanas. Cabot passa alguns dias sendo treinado por especialistas em artes marciais ao estilo Pai Mei em "Kill Bill", e desse treinamento nasce a tal "gymkata": uma mistura das habilidades de Jonathan como ginasta com os movimentos do karatê. Acredite, os caras levam isso a sério no filme!


Nesse meio-tempo, também, o jovem agente secreto ginasta apaixona-se pela Princesa Rubali (Tetchie Agbayani), filha do rei do Parmistão.

Após uma série de perigos envolvendo traidores e espiões, que são facilmente vencidos por Jonathan com seus movimentos de gymkata (hahahaha), a comitiva norte-americana finalmente chega ao Parmistão, onde vários campeões mundiais preparam-se para o jogo.

Aí, nosso herói descobre que sua amada está prometida em casamento para Zamir (Richard Norton, estrela de vários filmes de ação classe C da época), um dos melhores guerreiros do país, além do líder do time que irá caçar (e tentar matar) os participantes do Jogo no dia seguinte. Será que tendo Jonathan como rival pelo coração da princesa ele vai levar a coisa para o lado pessoal?


GYMKATA foi um fiasco na época do seu lançamento, e não é difícil imaginar o porquê. Com o tempo, entretanto, ganhou certa fama cult, justamente pela sua ruindade, entrando sempre em destaque nas listas de piores filmes de todos os tempos.

O auge da popularidade dessa divertida bomba veio em 2006, quando, nos EUA, a Warner Bros. e a Amazon.com fizeram uma enquete na internet para que cinéfilos do mundo todo escolhessem algum título ainda inédito do catálogo do estúdio para ser lançado em DVD. Pois GYMKATA ganhou de lavada, recebendo seu próprio disquinho em 2007.


A verdade é que o filme de Clouse é divertidíssimo - pelos motivos errados, óbvio. Some a péssima atuação de Kurt Thomas com o absurdo da situação toda (um ginasta karateka?), mais a história bisonha (como engolir esse lance do "desejo"... hahahaha... para quem vencer um jogo estúpido de resistência?) e a quantidade colossal de buracos no roteiro e situações forçadas, e pronto: temos um candidato a clássico instantâneo do FILMES PARA DOIDOS!

Só para o leitor ter uma ideia dos furos do roteiro: durante o Jogo, Jonathan enfrenta a fúria do rival Zamir, que quer matá-lo a qualquer custo. Mas não parece.


Quando os competidores precisam escalar uma corda até o topo de uma fortaleza, por exemplo, Zamir e seus guerreiros derrubam vários dos participantes com flechadas certeiras. Pois quando Jonathan está no meio da escalada, Zamir resolve não usar as flechas (que significariam morte certa), mas sim incendiar a corda por onde o rapaz sobe (!!!). Desnecessário dizer que o herói escapa, né?

Mais adiante, nova estupidez: os competidores precisam agarrar-se a uma corda para atravessar um penhasco enorme. Novamente, Zamir e seus guerreiros usam flechadas certeiras para derrubar todos os outros participantes. Mas quando Jonathan está no meio da travessia, o que faz seu rival? Descarta as flechas mortais (óbvio) e corta uma das extremidades da corda, esquecendo que o ginasta poderá utilizá-la como "cipó" e brincar de Tarzan para balançar-se até o outro lado do penhasco! Dã...


E nada pode preparar o espectador para os 20 minutos finais de GYMKATA, quando Jonathan enfrenta a última etapa do jogo: atravessar uma vila-fantasma sendo atacado por seus moradores.

Maltrapilhos e armados com machados e forcados, os caras parecem zumbis ou fantasmas, e inclusive agem como tal, numa cena que parece saída de algum filme de horror barato - e que destoa totalmente do clima até então! Tem até um sinistro sujeito com duas caras, como você pode ver na foto abaixo:


Embora Robert Clouse tenha dirigido o filme "a sério", às vezes ele solta umas evidências de que parece estar levando a coisa meio na brincadeira, como se aquilo fosse uma sátira ao gênero, e não uma aventura convencional.

Evidência número 1: Um personagem explica a Jonathan que ele irá viajar para "Karabal, no Mar Cáspio". Um segundo depois, a cena corta para um navio no mar com a legenda repetindo literalmente o que o sujeito falou: "Karabal, on the Caspian Sea"!


Evidência número 2: Jonathan sempre se dá bem nas cenas de perigo porque seus inimigos são muito burros. Por exemplo, eles preferem descarregar a munição das suas metralhadoras em paredes e garrafas, e depois ficam sem balas para acertar o herói!

Evidência número 3: Sempre que alguém cai de um penhasco ou de uma grande altura, a sonoplastia usa efeitos de desenho animado (aquele TUMPF! exagerado de quando o Coiote se estatela no desenho do Papa-Léguas).


Mas verdade seja dita: trash involuntário ou não, GYMKATA nunca é chato. Pelo contrário, é um filme de ação movimentadíssimo, em que acontece um tiroteio ou perseguição seguida de luta a cada cinco ou dez minutos.

Se Kurt Thomas não convence como ator, até que ele vai muito bem como lutador de "gymkata" (hahaha), embora suas habilidades como ginasta se resumam a dar pulinhos e piruetas bem boiolas por cima dos inimigos.

Somente no final é que o herói começa a mostrar uns movimentos realmente legais, tipo umas tesouras voadoras e malabarismos sobre um "cavalo" improvisado (o aparelho de ginástica, não o animal). Essa cena, sozinha, já vale o filme todo, e como eu sou camarada vou até postar aqui para vocês conferirem:

Como vencer uma vila inteira com ginástica olímpica
(Mas eles precisam atacar um de cada vez!)



E depois que você esquece que a tal "gymkata" (hahaha) não passa de uma baita estupidez, até que as cenas de luta são bem interessantes, além de bem filmadas e coreografadas, com a câmera abrangendo o cenário e os atores de corpo inteiro fazendo seu showzinho, sem os closes estapafúrdios e cortes rápidos que estragam as cenas de ação nos filmes atuais.

Além disso, a coisa toda tem aquele climão de aventura pobre do 007, com perigos e traições em países exóticos, inimigos exagerados, tiros e pancadarias. E, claro, as habilidades sobrenaturais do herói, capaz de vencer 30 inimigos sem disparar um único tiro, apenas com sua "gymkata" (hahahaha).


Visto com o devido clima e humor, GYMKATA é um filme bem divertido, que merece ser redescoberto por uma nova geração de cinéfilos. Trash até a medula, sim, mas daquele tipo que você ri, faz piada, vibra e até se espanta com algumas qualidades que ninguém parece ter percebido.

Que sirva de lição para o governo brasileiro, também: na próxima ocupação de favela no Rio, mandem a Daiane dos Santos e a Daniele Hypólito junto com o Bope. Se as duas usarem "gymkata" contra a marginália, vai ser uma verdadeira chacina!


PS 1: Ao ser lançado em VHS no Brasil, GYMKATA ganhou o dispensável subtítulo "O Jogo da Morte", talvez para linkar com o conhecido filme póstumo do Bruce Lee que Clouse dirigiu. Pensando bem, podia ser pior - algo como "Operação Gymkata - O Jogo da Morte".

PS 2: Se GYMKATA tivesse feito sucesso, qual seria o próximo projeto de Robert Clouse? KARATANGO, sobre um dançarino de tango treinado em artes marciais para combater um ditador na Argentina? Ou MIMITÊ, que traria o famoso mímico francês Marcel Marceau aliando mímica e karatê contra algum terrorista europeu?

Opa, é melhor não dar ideias...

Trailer de GYMKATA - O JOGO DA MORTE



*******************************************************
Gymkata - O Jogo da Morte
(Gymkata, 1985, EUA)

Direção: Robert Clouse
Elenco: Kurt Thomas, Tetchie Agbayani, Richard
Norton, Edward Bell, John Barrett, Conan Lee,
Bob Schott e Buck Kartalian.

20 comentários:

Rodrigo Huagha disse...

o cara de duas caras é bizarro! Deu medo ; rs. Só ele dava um filme.

BOND disse...

o mais bizarro é que eu vi isso no cinema na época , nos anos 80 tudo quanto é trasheira ia pro cinema...bons tempos

lisangelo disse...

Lembro muito bem da caixinha VHS desse filme na locadora. Estava sempre no mesmo lugar. Ninguem pegava!
Felipe, dah uma conferida (se eh que voce ainda nao conferiu) no Vampirella com Talisa Soto e Roger Daltrey. Assisti ontem e ainda nao me recuperei.

Francine disse...

Eu lembro também da caixinha VHS na locadora onde eu alugava filmes. Eu nunca aluguei esse filme, depois que eu li esas resenha, me arrependo profundamente. hahahaha

lisangelo disse...

Pois eh, eu olhava a cara sorridente do sujeito na capa e ficava achando que era uma comedia. Agora que li a resenha descobri que estava certo :)

Henrique disse...

hahaha esse realmente incorpora as qualidades de um filme para doidos! E essa cena dele dando pau nos "zumbis" é muito foda!

Anônimo disse...

"KARATANGO, sobre um dançarino de tango treinado em artes marciais para combater um ditador na Argentina? Ou MIMITÊ, que traria o famoso mímico francês Marcel Marceau aliando mímica e karatê contra algum terrorista europeu?"

Hahahaha! Dizem que Robert Clouse está aqui no Brasil para filmar FUNKARATÊ - BUNDADAS MORTAIS, em que a Mulher-Melancia enfrenta um sindicato de travecos-ninjas liderados por Lacraia, bicha obcecada em pôr as mãos no testículo perdido de Roberta Close, objeto que lhe dará o poder da transmutação eterna...

Anônimo disse...

KKKKKKK, que idéia mais escrota! Mas se assim fosse, então deveriam chamar o Caetano Veloso para ser o Painho Mei, mestre e protetor da Mulher-Samambaia, além de ser o criador das bombas de purpurina cegante e do mortífero golpe do veado deslumbrado, KKKKKKK!!!!!

Carlinhos Aleluia disse...

Caetano Veloso, o Mestre da Munheca Quebrada!

pseudo-autor disse...

A Band adorava exibir esse filme tempos atrás. Aliás, teve uma fase de filmes na band sofrível, com produções do Frank Zagarino, Don "the dragon" Wilson e Lorenzo Lamas. Nessa época rolava muito Gymkata.

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Anônimo disse...

Quase da mesma época tem um filme que eu não me recordo o nome: um grupo de lutadores , cada qual em sua modalidade, são contratados para resgatar um rapaz que entrou para uma seita de fanáticos. O filme é do inicio da decada e 80 , e é meio trash (lembro da trilha sonora) e remete ao caso jim jones. Voce já comentou sobre esse filme, ou sabe o nome dele?

Fernando disse...

Felipe, faalndo em Band, o que vocÇe acha de postar aqui no blog algumas pérolas da "Sessão Kickboxer". Ali tem muito material.

lisangelo disse...

Apoiado! Tinha um Rei/Campeao/seilaoque dos Kickboxers, que era na verdade 3 (TRES!!) filmes colados... Um se passava nos dias de hoje sobre um cara que ia disputar um torneio, o outro era sobre um sujeito que tinha um golpe de mao tao poderoso que andava com a mao enfaixada. Esse e o terceiro se passavam na China antiga, mas mesmo assim colocavam umas cenas fuleiras onde tentavam relacionar as historias. O ultimo 'segmento' era sobre duas faccoes/templos rivais. Uma maravilha absoluta.

Pintim disse...

Aih, alguem lembra de um filme que tinha um indio que, sei lah por que razao, ficava com a iris dos olhos vermelhos, tipo o Bruce Banner virando o Hulk? Esse filme passava direto na extinta Sessao das 10 do SBT. Acho que tinha algo a ver com lobo...
To quebrando a cuca pra lembrar desse filme...

Desculpa se o comentario nao tem a ver com o post, mas eh que nao sei mais a quem/onde recorrer pra descobrir que filme era esse. E como aqui tem muita gente de ultra conhecimentos de filmes obscuros...

Valeu!

Para_Colorir disse...

ow Felipe!
To precisando de uns filmes, talvez voce tenha... sao estes...


Pasqualino Sete Belezas (1975) de Lina Wertmüller

Há Quanto Tempo Que Te Amo (2008) de Philippe Claudel

Estamos Todos Bem (1990) de Giuseppe Tornatore

Meu Melhor Amigo (2006) de Patrice Leconte

Abraços Partidos (2009) de Pedro Almodóvar

Tempos de Paz de Daniel Filho

i O Círculo (2000) de Jafar Panahi

A Culpa é de Fidel (2006) de Julie Gavras

O Banheiro do Papa (2007) de César Charlone e Enrique Fernández

12 Homens e Uma Senteça (1957) de Sidney Lumet

Padre Nuestro (2007) de Christopher Zalla

Filhos e Amantes (1960) de Jack Cardif

A Vida em Preto e Branco (1998) de Gary Ross

documentário Novos Lares (2009) de Radamés Vieira

História Real (1999) de David Lynch

Como era verde meu vale de Jonh Ford


manda teu email se puder.


abraço.

Rogerio disse...

Assisti essa tranqueira no cinema, nos jã longinquos anos 80,acho que em 86, por ai.
E o subtitulo Jogo da Morte já havia na época da exibição no cinema. Cara, ria muito do ridículo de algumas cenas, como a do sujeito que corta a própria mão.
Só aqui mesmo pra achar uma resenha analítica desse filme.
Cara, ri pacas...

spektro72 disse...

assisti este tal de GYMKATA achei um filme bizarro pra la forçado mas nao tinha nada para assistir na madrugada ate dei umas boas risadas a parte estranha do filme e realmente a da vila fantasma ,enfim... um filme estranho de artes -marciais para um diretor de cabarito como ROBERT CLOUSE mas na epoca assisti- o no extinto FIM DE NOITE no SBT isso 2006 ,depois o filme nao foi exibido mais ,uma pena o canais deveria exibir mas perolas com estas na suas madrugadas... é esta dificil de ver bons filmes na madrugadas nas tv´s abertas.

House disse...

Uma pergunta . Voce atende pedidos ? hehehehe, queria muito mesmo ler uma critica sua sobre Get Carter, a regravaçao, com o Stallone, acho que so eu acho um filmaço, mas ver a sua opiniapo sobre este filme ia ser otimo.

Otimo Blog cara, como os anteriores hehehe....

Anônimo disse...

hahahaha...realmente é um dos piores (senão o pior) filme de artes marciais que eu já vi! Texto muito bom!

Robson Lima disse...

Demais !!! filme daqueles que vc assiste e sai do cinema pensado que pode até voar rsrsrsrsrs, só aki encontrei esta raridade da minha saudosa adolescência, valeu !!!