segunda-feira, 29 de novembro de 2010

PROJETO MORTAL (1992)


Depois de assistir PROJETO MORTAL, é inevitável imaginar um fictício encontro entre o diretor John Eyres e seu roteirista Stephen Lister antes de as filmagens começarem.

Eyres, emocionado, explica a Lister a sua idéia para um novo projeto:

"Você viu aquele filme com o Bruce Willis, 'Duro de Matar'? Pois eu quero fazer algo parecido. Claro que com muitos milhões de dólares a menos, mas a mesma idéia de um sujeito preso acidentalmente num prédio repleto de terroristas. O cara errado no lugar errado, entende? Sabe, eu também gostei daquele filme em que o Stallone é congelado. Como é mesmo?... 'O Demolidor'! Por que você não escreve uma cópia de 'Duro de Matar' no futuro, com um herói que é congelado e depois descongelado, como em 'O Demolidor'?"


Então Lister senta em frente à sua máquina de escrever e inicia o trabalho no roteiro sob encomenda, mas logo o telefone toca. É Eyres novamente, falando sem parar:

"Tive outra idéia incrível: e se colocássemos um cyborg como líder dos terroristas, para fazer uma coisa estilo 'O Exterminador do Futuro'? É genial ou não é? Então, coloca o cyborg aí. Ah sim, eu também gosto muito de 'Blade Runner', então vamos fazer nosso robô igual ao Rutger Hauer no 'Blade Runner', OK? Com cabelo platinado e tudo mais. Vou correndo procurar um ator que se enquadre na descrição e trabalhe pela metade do salário do Rutger Hauer!"


Claro que dificilmente foi assim, mas poderia ter sido. Afinal, PROJETO MORTAL é exatamente isso: um "Duro de Matar" dos pobres com toques de "O Exterminador do Futuro", "Blade Runner" e "O Demolidor", além de um daqueles elencos repletos de caras conhecidas e/ou cults que só uma produção classe B (ou C, neste caso), feita direto para o mercado de VHS dos anos 90, consegue reunir.

Analisando friamente, PROJETO MORTAL é um horror - um arremedo de filme que não esconde suas fontes de inspiração, e poderia facinho ser processado por plágio de qualquer uma delas.


Mas é claro que eu não pretendo e nem vou analisar a obra de John Eyres "friamente". Lembre-se, isso aqui é o blog FILMES PARA DOIDOS; se você quer ler textos profundos sobre a sétima arte, vá procurar os textos do Merten ou do Inácio Araújo. Aqui o buraco é mais embaixo!

É óbvio, portanto, que PROJETO MORTAL é uma bagaceira; para os iniciados, porém, é mais uma daquelas porcarias divertidas, com tanta bobagem por segundo que vale o tempo perdido só pelas gargalhadas e pela quantidade colossal de situações estúpidas ou furos de roteiro.


Acompanhe: a trama se passa num futuro indeterminado, e começa com o andróide Romulus despertando em um laboratório e fugindo peladão (mera desculpa para fartos closes nos músculos do sujeito e nos seus "peitos", maiores que os de muitas ex-namoradas minhas).

Frank Zagarino, astro de filmes C de ação direct-to-video, "interpreta" o robô, com visual copiando ao mesmo tempo Rutger Hauer em "Blade Runner" e o vilão russo de Dolph Lundgren em "Rocky 4".

Ele até que manda bem, mas convenhamos que não é muito difícil interpretar um robô quando você é um péssimo ator que atua justamente de maneira robótica!


Adivinhe qual é a primeira coisa que Romulus faz após despertar? Junta um time de terroristas (não pergunte como) e assume o controle de um hospital.

Acontece que a filha do presidente dos Estados Unidos é, veja só que conveniente, ENFERMEIRA do tal hospital (mas se diferencia das demais funcionárias por usar uniforme chique, de seda!).

Sabe-se lá porque, o andróide malvadão quer trocar a filha do presidente (interpretada por Meg Foster, outra figurinha carimbada do "cine-bagaço") por vários milhões de dólares. E nem tente entender para quê diabos um robô quer dinheiro.


Pois nesse futuro de robôs peladões que atacam hospitais e pedem resgates milionários, as prisões são diferentes, estilo "O Demolidor": os criminosos são congelados eternamente, e vá saber qual é a praticidade da coisa (imagine o espaço que os picolés humanos ocuparão depois de uns 50 anos!).

Um dos condenados, o ex-jogador de futebol DeSilva (!!!), é descongelado para ajudar o FBI a encontrar a melhor entrada para invadir o hospital e libertar os reféns. É claro que os homens do FBI procuravam por outro prisioneiro - o arquiteto que construiu o prédio do hospital -, e não pelo palerma DeSilva. Mas este se aproveita do engano para ganhar a liberdade, sem saber que estará arriscando a própria pele numa missão quase suicida.


Quando todo o time de resgate (apenas quatro soldadinhos, provavelmente por limitações orçamentárias) é morto numa explosão assim que entra no hospital sitiado, resta apenas o pobre DeSilva para enfrentar os terroristas, o maléfico andróide e ainda resgatar a filha do presidente.

Como o John McClane interpretado por Bruce Willis em "Duro de Matar", DeSilva está na hora errada no lugar errado, mas ainda pior em desvantagem por não saber lutar e nem atirar como a sua fonte de inspiração.

O herói é interpretado por Martin Kove, que volta-e-meia faz o mocinho (como podemos ver também no obscuro "Olho por Olho", dos anos 80), mas geralmente é o vilão em produções como "Karate Kid", o original.


A boa notícia é que Kove consegue segurar o show com seu jeito de herói bonachão; a ruim é que o roteiro não lhe dá muitas oportunidades de imitar Bruce Willis em "Duro de Matar", além de esgueirar-se por dutos de ventilação, escalar o poço do elevador e ficar o tempo todo falando no walkie-talkie com o pessoal fora do prédio (coisas que aparentemente ele só faz porque John McClane também fazia em "Duro de Matar").

Confesso que acho interessantes estes filmes com heróis imperfeitos, que não sabem exatamente como agir numa situação como a da trama. Normalmente, os mocinhos do gênero demonstram um talento natural para sentar porrada e atirar nos malvados (além de uma mira fabulosa, mesmo quando nunca seguraram uma arma na vida).


Não é o caso do nosso amigo DeSilva em PROJETO MORTAL; pelo contrário, o cara faz cagada atrás de cagada, sendo praticamente responsável pela morte de uma refém (!!!); fica escondido covardemente a maior parte do filme, e se dá bem no final mais por sorte do que por méritos próprios, algo que torna o filme um pouquinho diferente da média.

Para o leitor ter uma idéia, a filha do presidente é muito mais "macho" do que ele, e inclusive pega uma metralhadora enorme para enfrentar os terroristas enquanto DeSilva corre e se esconde um lado para o outro!


No elenco, temos ainda um ator de respeito, Joss Ackland (o vilão de "Máquina Mortífera 2"), pagando mico como "pai" de Romulus, e ao mesmo tempo emprestando certa dignidade a essa tranqueira. Também aparece Paul Koslo ("O Portal do Paraíso", "Mr. Majestyk") como o bambambam do FBI que passa o filme todo pentelhando o herói.

O roteiro de Stephen Lister é assumidamente trash. Além de todos os absurdos já enumerados (cyborg sequestrador? filha do presidente dos EUA enfermeira?), temos dois agentes do FBI chamados WHITEside e BLACKwood, e claro que eles são um branco e um negro, respectivamente! Dá pra levar a sério?

Não, não dá. Até porque o roteiro nunca se preocupa em explicar porque um andróide indestrutível, que é uma máquina de matar ambulante, precisa de comparsas humanos para tomar conta de um hospital, ao invés de invadi-lo sozinho.


Pior: no final, revela-se que um dos personagens secundários da trama também é um cyborg. Ora, porque não o enviaram para dentro do hospital desde o começo para lutar com Romulus, deixando o confronto nas mãos de dois robôs ao invés de arriscar o pescoço de tantos seres humanos?

É bom que se diga que a presença de um andróide entre os vilões jamais se justifica, pois o robô faz pouco ou nada de diferente de um vilão "humano". Somente nos 15 minutos finais é que o diretor começa a aproveitar melhor o personagem robótico, sua resistência a tiros e superforça (capaz de atravessar paredes para agarrar os heróis, por exemplo).


Mas é muito pouco para a "máquina de matar indestrutível" que o filme anuncia. Quando Romulus é incendiado por DeSilva, eu até pensei: "Agora ele vai finalmente aparecer meio humano, meio robô". Que nada! Nunca vemos as "partes cibernéticas" do andróide, como em "O Exterminador do Futuro" e suas incontáveis imitações.

Para compensar, a capa do DVD alemão estampa uma tosquíssima imagem da cara do Frank Zagarino com um chip eletrônico "photoshopado" de qualquer jeito por cima, para passar a idéia de que ele está com metade do rosto deformado, tipo o Scharzenegger na série "Terminator"! Impagável, como você pode conferir aí embaixo:


PROJETO MORTAL tem também todas aquelas absurdas conveniências de roteiro, como quando o herói DeSilva leva uma punhalada (ou "bisturizada") na perna e simplesmente DEIXA O BISTURI CRAVADO durante longos minutos no próprio corpo ao invés de retirá-lo, somente para numa outra cena posterior arrancar a lâmina para usar como arma contra um adversário. Aham...

Com tanta besteirada, PROJETO MORTAL podia ser mais um daqueles clássicos da tosquice. Infelizmente, o diretor Eyres leva a sério DEMAIS o roteiro que tem nas mãos. Este é o grande problema do filme.

Às vezes parece que o diretor pensa estar no comando de uma superprodução hollywoodiana, tratando um filme bagaceiro e descompromissado como se fosse material para Oscar. Em algumas cenas de ação ele até consegue disfarçar o orçamento, mas é inevitável constatar que os caras tinham uma merreca para filmar.


Afinal, o hospital é um prédio de trinta e poucos andares, mas ali só estão, milagrosamente, uma meia dúzia de pessoas (sabe como é, figurantes custam caro). Mais adiante, a limusine do presidente dos Estados Unidos é vista indo em direção ao hospital, mas sem nenhum carro de escolta ou cordão de isolamento ao redor!

Quem conhece um mínimo da "filmografia" de John Eyres sabe que o sujeito é um dos piores diretores em atividade. "Octopus"? "Ripper"? "Monolith - A Energia Destruidora"? Fala sério, porra!

Como Albert Pyun, o cara não tem filmografia, mas sim ficha criminal. Se você andar com o DVD de um filme do John Eyres debaixo do braço, é capaz de ser preso pela polícia por porte ilegal de arma.


Ainda assim, PROJETO MORTAL está entre os melhores trabalhos do "cineasta", e talvez seja um dos seus poucos filmes que não é completamente intragável. No fim, fica a impressão que o resultado poderia ser bem melhor (e mais divertido) em outras mãos, mas mesmo assim você não se arrepende pelo tempo perdido - por causa do humor involuntário e das atuações de Kove e Zagarino.

Aliás, senti falta de uma emocionante luta final entre os dois; mas, ora bolas, nosso herói DeSilva não é um habilidoso lutador, nem mesmo um herói, então o confronto apressado e meio covarde é plenamente justificável.


Acredite se quiser, mas PROJETO MORTAL deu origem a uma franquia, com histórias independentes e sem relação, ligadas apenas pela figura do cyborg interpretado por Frank Zagarino (mas nem ao menos é o mesmo personagem, pois ele sempre volta depois de ser destruído no final do filme anterior).

Eyres dirigiu as duas primeiras, "Fora de Controle" (praticamente um remake do original, mas numa usina nuclear) e o melhor da série, "Projeto Mortal - O Retorno", ambas feitas em 1995; já Mark Roper comandou o quarto filme, "Caçada Sem Trégua" (1997), que é muito ruim.

Enfim, eu devo ser muito débil mental, mas confesso que me divirto com essa série do Frank Zagarino cyborg. Talvez porque, se analisados descompromissadamente, como eu fiz aqui, estes filmes se revelam muito mais divertidos e menos pretensiosos do que muitas sequências do seu "primo rico", a série "O Exterminador do Futuro".

Não sei vocês, mas eu certamente prefiro rever Kove e Zagarino suando por uma merreca do que assistir novamente o terceiro e quarto "Terminator", pastuscadas milionárias em que pouco ou nada se salva.

Trailer de PROJETO MORTAL



*******************************************************
Projeto Mortal (Project Shadowchaser, 1992, EUA)

Direção: John Eyres
Elenco: Martin Kove, Frank Zagarino, Meg Foster,
Paul Koslo, Joss Ackland, Ricco Ross, Raymond
Evans, e Robert Freeman.

14 comentários:

qualquergordotemblog disse...

Felipe, é impressão minha ou o Martin Kove é um "Tom Berenger" dos pobres? Acho os dois meio parecidos, com o mesmo jeitão de ex-fuzileiro toscão.

Tony Sarkis disse...

Felipe vale lembrar também que a Meg Foster fez a pérola do Carpenter, They Live de 1988.

Bigodinho disse...

Lembro da capinha do vhs nacional da continuação que dizia assim:
FRANK ZAGARINO É UM ROBÔ... FORA DE CONTROLE
haha!!

Daniel disse...

"Acontece que a filha do presidente dos Estados Unidos é, veja só que conveniente, ENFERMEIRA do tal hospital (mas se diferencia das demais funcionárias por usar uniforme chique, de seda!)."

Ela não estava no hospital pq tinha sofrido uma intoxicação alimentar durante uma janta? Pelo menos é o que eu me lembro do filme.

Felipe M. Guerra disse...

DANIEL, olha, tem essa possibilidade... É que eu vi o filme ainda nos anos 90 em VHS, e para escrever esse texto eu não cheguei a rever o filme inteiro, apenas dei uma passada nos "melhores momentos". Eu tenho uma vaga lembrança de a Meg Foster trabalhar como enfermeira no hospital, mas numa cena mais para o final ela troca de roupa e põe um vestido de festa, então é possível que ela fosse apenas paciente mesmo. Alguém confirma?

Anônimo disse...

Falando em paul Koslo vc bem q poderia resenhar o clássico da Sessão das 10 Os Aniquiladores

Vitor disse...

O único que vi com Frank Zagarino é o Cyborg Cop 3, que é tosquíssimo! Esse tbm pareçe ser uma tosqueira divertida, o único problema é que é meio dificil encontrar esses filmes na net.

pseudo-autor disse...

Sempre achei o Zagarino uma figura bizarra. É provavelmente um dos maiores realizadores de produções trash que eu já vi na minha vida. Não conheço esse Projeto Mortal, mas vou procurá-lo!

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Marcelo disse...

Felipe, mudando bastante de assunto. Você já assistiu O Segredo da Cosa Nostra (The Valachi Papers) com o Charles Bronson?
Te pergunto porque ontem eu assisti ( e é um filmaço!) e simplesmente não achei uma linha sobre ele em qualquer blog!

Renan disse...

Já que o primeiro comentarista citou o Tom Berenger, acho que "O Substituto"( e suas continuações bagaceiras) merecia uma postagem aqui. O que você acha da sugestão, Felipe?

Ronan Damizza disse...

Enfim achei esse filme...
A muito tempo q procuro por ele e nao lembrava o nome.
Assitia na Band quando era criança e adorava.
Procurava na net como o filme do cara fugindo nos dutos de ar e do vilão cyborg loiro, mas nunca achei.
quero ver denovo pra matar a saudades daquela época!!! o Blog é muito foda!!!
Parabens!!

Jonathan Rodrigues disse...

Puxa, lembro q vi Projeto Mortal - O Retorno em VHS, a muito tempo atrás... fiquei perdidão, era uma perseguição numa nave espacial, igualzinho à Alien, mas ao invés do malvado E.T., tinhamos o ciborgue malvado perseguido os soldados! Muita tosqueira, e pior q na época, só tinha umas quatro fitas, acabei revendo isto algumas vezes!

BAGAÇA FILMES ENTERTAINMENT disse...

Recentemente ''refilmado'' como ''SEQUESTRO NO ESPAÇO''.

Leonardo Peixoto disse...

As continuações de Projeto Mortal terão resenhas no futuro ?