domingo, 21 de março de 2010

MISSÃO COBRA (1986)


"Cobra Mission"... Não sei exatamente por que, mas sempre adorei este título. E assim como o Tarantino se apropriou do título "Inglorious Bastards" por gostar muito da obra do Enzo G. Castellari, o dia em que eu fizer um filme de ação e guerra também vou batizá-lo "Cobra Mission". Claro que isso não quer dizer que a produção barata italiana originalmente batizada com ele seja um clássico do gênero. Ou mesmo um bom filme.

Estamos nos anos 80. Os mesmos italianos que deixaram bem mais interessante um gênero tipicamente norte-americano (o western) agora tentam fazer o mesmo com os filmes sobre uma guerra tipicamente norte-americana, a do Vietnã. E tome produções baratas e repletas de tiros e explosões, copiando de "Rambo" a "Apocalypse Now", normalmente rodadas a toque de caixa nas selvas filipinas por diretores tão diferentes quanto Antonio Margheritti e Bruno Mattei.

MISSÃO COBRA foi inspirado principalmente por "Rambo 2 - A Missão", mas traz ainda um toque de "Braddock - O Super Comando" e "De Volta para o Inferno", aquele filme do Ted Kotcheff em que Gene Hackman liderava um pelotão de mercenários de volta ao Vietnã para resgatar seu filho prisioneiro de guerra.


A boa notícia é que essa produção de 1986 tem uma contagem de cadáveres mirabolante (semelhante à de "Rambo 4", feito 22 anos DEPOIS) e inúmeras cenas de explosões de praticamente todo tipo de veículo (caminhões, helicópteros, barcos...). É estrelada por Christopher Connelly ("Os Caçadores de Atlântida"), John Steiner ("Tenebre"), Manfred Lehmann ("Casablanca Express") e Oliver Tobias ("Mata Hari"). E tem pequenas participações de gente como Donald Pleasence, Gordon Mitchell, Ennio Girolami e até do diretor Enzo Castellari, aqui como ator. Também tem uma eficiente trilha sonora composta pelo especialista Francesco De Masi (uma de suas últimas, por sinal).

Quantas boas notícias, não é? Bem, agora vem a má: MISSÃO COBRA é dirigido pelo péssimo Fabrizio De Angelis, usando seu habitual pseudônimo Larry Ludman.

Como produtor, De Angelis foi responsável por alguns dos grandes filmes italianos dos anos 80, de "Zombie" e "The Beyond", do Lucio Fulci, a "1990 - Os Guerreiros do Bronx" e "Fuga do Bronx", do Castellari.

Como diretor, entretanto, o sujeito é uma nulidade, que só ganhou certa fama por ter dirigido a trilogia "Thunder" (aquela com Mark Gregory interpretando um índio metido a Rambo). O trabalho do homem vai do regular ao ridículo, e é claro que um especialista em ação faria a diferença no comando de MISSÃO COBRA. Ainda assim, pelo menos neste caso a ruindade geral do filme acaba transformando-o num passatempo bastante divertido.


Antes de mais nada, você precisa esquecer todas as leis da física e da lógica. Este é um daqueles filmes em que helicópteros explodem no ar, mas não são vistos caindo no chão; em que quatro homens de pé disparando metralhadoras, sem qualquer tipo de cobertura ou escudo, conseguem detonar um batalhão de 40 soldados sem tomar um mísero tirinho de raspão; em que granadas demoram de 3 segundos a 10 minutos para explodir, dependendo do tempo que o herói precisa para escapar do local da explosão, e por aí vai. Sabe, todas estas bobagens que você comenta em voz alta e entre risadas quando assiste ao filme com um grupo de amigos ao redor...

MISSÃO COBRA começa apresentando nossos "heróis": quatro fracassados veteranos do Vietnã cuja vida não vai nada bem. Roger Carson (Connelly) é um panaca casado com uma megera rica, e cuja única alegria consiste em jogar "Enduro" no seu velho videogame Atari (!!!); James Walcott (Steiner) é um perdedor que precisa empenhar suas medalhas conquistadas na guerra para faturar uma graninha; Mark Adams (Lehmann) é um homem que vive de bar em bar de beira de estrada, comendo as proprietárias em troca de uns trocos; e Richard Wagner (Tobias) está internado num hospital psiquiátrico, fingindo-se de louco para poder ganhar comida e hospedagem grátis!!!


Certo dia, Roger, James e Mike se encontram no casamento da filha de Roger. E, enquanto tomam uns tragos num boteco, descobrem pela TV que um prisioneiro norte-americano dos tempos da guerra conseguiu escapar de um campo de concentração no Vietnã (onde estava preso desde os anos 70) e voltar para os EUA. Curioso, o trio vai visitar um velho amigo da época, o major Morris (interpretado por Castellari), que está obcecado com a idéia de resgatar todos os prisioneiros norte-americanos que ainda estão apodrecendo nos campos de concentração vietnamitas.

E assim, sem mais nem menos, nossos heróis quarentões resolvem tirar o parceiro Mark do hospício e voltar para o Vietnã para tentar ganhar a guerra que seu país inteiro perdeu da primeira vez. E quando escrevo "sem mais nem menos", é porque é assim mesmo: o filme corta de uma cena em que um deles diz "Devíamos ir ao Vietnã dar uma olhada nestes campos de prisioneiros", para outra cena em que os quatro já estão em Saigon e prontos para a guerra, como se fosse a coisa mais simples do mundo (e vai saber de onde os fracassados tiraram o dinheiro para bancar a viagem e todas as despesas da operação...).

O mais engraçado é que o quarteto de veteranos nem ao menos tem um plano: eles não sabem onde ficam os campos de prisioneiros, não têm armas nem equipamentos, e muito menos apoio do exército para tocar adiante sua pequena operação - ao contrário do Rambo, por exemplo. Mesmo assim, tudo é facilitado para os caras no momento em que eles pisam no Vietnã. Primeiro, ganham uma grana preta de um ex-combatente que agora é proprietário de um cassino (!!!).


Depois, topam com um padre francês chamado Lenoir (Pleasence), que guarda um arsenal completo no porão da igreja (!!!) e, pelo visto, estava só esperando um grupo de desocupados aparecer para lhes entregar as armas. Para facilitar ainda mais, Lenoir também conhece bastante a região e até a localização dos campos de prisioneiros!!! Assim até eu...

O restante de MISSÃO COBRA é rotina: os quatro amigos perambulando pela selva e detonando inimigos com a maior facilidade. Eles chegam a um dos campos e conseguem libertar boa parte dos prisioneiros, entre eles o jovem Mike (que é interpretado por ninguém menos que Ethan Wayne, filho de uma das lendas do cinema americano, o eterno John Wayne!!!). Milagrosamente, apesar de os caras estarem presos há 10 anos, sendo torturados e agredidos de tempos em tempos, eles estão em perfeitas condições físicas para sair correndo e atirando de volta nos inimigos!

Com os vietcongues em seu encalço, nossos heróis passam o restante do filme metralhando e explodindo o que quer que apareça pela frente, enquanto quase todos os prisioneiros resgatados vão perdendo a vida pelo caminho (!!!), até restar apenas Mike. É então que o diretor De Angelis termina a trama de forma surpreendente (e totalmente debilóide), numa conclusão pessimista e trágica que é de deixar qualquer ser humano com vontade de dar um chute na TV!


Apesar de algumas tentativas de seriedade e de crítica social, felizmente, na maior parte do tempo, MISSÃO COBRA é apenas uma bobagem divertida. Nossos heróis são completos mentecaptos sem estratégia, que conseguem tudo na sorte - e também pelo fato de seus inimigos serem ainda mais burros. Uma cena histórica mostra o personagem de John Steiner posicionando-se na saída de uma casamata e mandando chumbo nos soldados que tentam correr por ali. E eis que, mesmo depois que os primeiros dez ou vinte caem fulminados pelas rajadas de metralhadora, os inimigos restantes continuam vindo correndo PELO MESMO LUGAR, somente para morrer como moscas e cair por cima dos cadáveres dos companheiros que tentaram passar pelo mesmo caminho, ao invés de voltar e buscar uma rota alternativa!!!

Porém o ponto alto da película é a forma como um dos heróis morre, não por causa das incontáveis rajadas de metralhadora dos inimigos, nem pelas muitas explosões, mas sim por culpa de um rabo-de-saia - uma prostituta que queria vingança pelas marcas de queimadura que cobrem seu corpo, provocadas pelo napalm jogado pelos americanos nos tempos da guerra! O mais incrível é a forma como o rapaz seduz sua futura algoz: simplesmente se aproxima da moça e larga um papo do tipo "Você me lembra uma garota que comi em Saigon e que logo depois morreu num bombardeio"!!!! hahahahaha.


Christopher Connelly, para mim, sempre foi um dos mais carismáticos atores destas tralhas italianas, ao lado de David Warbeck e Timothy Brent. Aqui, infelizmente, o roteiro não lhe dá muitas oportunidades. Já os veteranos Pleasence e Mitchell aparecem em duas cenas cada (o último como um general malvado que explica o "acordo" dos EUA com o Vietnã para manter os prisioneiros de guerra por lá); juntas, estas cenas não somam 5 minutos no total. E o finado John Wayne deve ter se revirado no túmulo com o desempenho do filho, que, além de não atuar, nem mesmo se envolve nas cenas de ação (pior é que o marketing da película exaltava justamente a presença do "filho de John Wayne" no elenco!!!).

É claro que existem filmes italianos de guerra (e especificamente sobre a Guerra do Vietnã) muito melhores do que este. Só para arrematar, cito um dos meus preferidos: "The Last Hunter", do Antonio Margheritti. Mesmo assim, MISSÃO COBRA é uma hilária e divertida aventura de guerra com o maior climão trash.


Só fico pensando o que é pior para os americanos: terem levado o maior laço na verdadeira Guerra do Vietnã (mesmo possuindo muito mais tecnologia e armamento que os pobres vietcongues que combatiam), ou terem que agüentar, até hoje, estas bisonhas e delirantes aventuras que insistem em mostrar seus soldados como heróis invencíveis, que sozinhos poderiam ter ganhado a guerra...

PS 1: O filme teve uma seqüência em 1989, dirigida por Camillo Teti. Entretanto, apesar do nome "Cobra Mission 2", não tem absolutamente nada a ver com o original, além do fato de também ser produzida por Fabrizio De Angelis.

PS 2: Quem foi criança/pré-adolescente no início dos anos 90 certamente tem boas recordações de um antiquíssimo jogo de RPG para computador chamado, justamente, "Cobra Mission". Ele marcou época pelo seu farto teor pornográfico, já que o jogador (normalmente recém-ingresso na puberdade) dividia a matança de inimigos com momentos em que precisava seduzir e satisfazer belas moças na cama! Ah, como era boa a juventude naqueles tempos politicamente incorretos...


*******************************************************
Cobra Mission/Operation Nam (1986, Itália)

Direção: Larry Ludman (aka Fabrizio De Angelis)
Elenco: Christopher Connelly, Oliver Tobias,
John Steiner, Manfred Lehmann, Ethan Wayne,
Donald Pleasence, Enzo G. Castellari,
Ennio Girolami e Gordon Mitchell.

11 comentários:

Matheus Ferraz disse...

Comprei o VHS do Cobra Mission 2 por um real, mas acabei com medo de assistir depois que descobrir que era do mesmo diretor que fez aquele desenho do Titanic.

Outra preciosidade da época é o Strike Commando do Bruno Mattei...

Anônimo disse...

Em Inglorious Bastards, o Sgt. Donny Donowitz "O Urso Judeu", usa o nome de Antonio Margheritti, e é descrito como um talentoso cineasta italiano na cena do cinema.

Matheus Ferraz disse...

Ah, e no dia que EU fizer meu filme de guerra (sonho distante...) vou roubar o título "Calígula reencarnado como Hitler", uma dos títulos mais escabrosos que eu já vi.

Stephanie disse...

aah, obrigada pelo elogio! apesar de achar que não mereço tanto hahaha

beijos

Thomas Alex disse...

Christopher Connelly, também foi o vilão do filme Django:A Volta do Vingados a única continuação oficial do clássico western itáliano.

Devo confessar que o Christopher Connelly, chamou mais a atenção no filme do o proprio Franco Nero.

Skl disse...

Felipe vc ainda esta nos devendo um "review" do filme Avatar! Estou muito curioso para ler sua crítica ;)

Abraços!

Felipe M. Guerra disse...

SKL, não vou me esquivar da responsa, mas ficará para um futuro próximo, pois tenho outras coisas para publicar antes.

P. F. Paiva disse...

Realmente, "Cobra" é uma palavra que combina com tudo, sempre fica bem.

E o jogo não é Enduro, e sim Pole Position =/

Felipe M. Guerra disse...

Tem razão, PAIVA, é o Pole Position! O Enduro não tinha aquela barra vermelha na parte superior da tela!

Que furo...

artur disse...

"uma das lendas do cinema americano, o eterno John Wayne!!!"

valeu pela menção Felipe, Jonh Wayne é o meu ator favorito.

Leonardo Peixoto disse...

Pena não ter trailer :(