quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Besouro Verde... e Amarelo


- Eu acho bom você resolver isso logo, Noca.
- Não vai ser fácil, coronel...
- E por quê?
- Porque ele voa!


Cada vez mais eu me convenço de uma coisa: crítico brasileiro de cinema é soda. Estou falando, claro, desses bananas que GANHAM GRANA para escrever besteira sobre filmes em jornais e revistas, e não de alguns idealistas e abnegados autores do mundo virtual que não ganham nem um puto para elaborar textos infinitamente melhores.

Fato é que toda crítica "oficial" sobre o cinema brasileiro, por exemplo, é invariavelmente igual: se o filme retrata a criminalidade urbana ou o miserê nordestino, os bananas reclamam que brasileiro só sabe contar a mesma história; agora, quando algum cineasta verde-amarelo tenta inovar e contar "outra" história, aí os bananas reclamam que é cópia do cinema de Hollywood.

Resumindo: não podemos ter filmes sobre favelas e nordestinos, porque aí é sempre a mesma coisa, e nem filmes com tiros, perseguições de carro ou lutas, porque aí estamos copiando o cinema dos outros países (não há uma "crítica banana" que não traga frases como "A perseguição de carro lembra o cinema de Hollywood", ou opiniões do gênero).


É impressão minha ou esses caras nunca estão satisfeitos com nada? Esquecem, talvez, que o bom cinema pode "canibalizar" o "cinema dos outros" e adequá-lo à sua própria realidade. Basta lembrar que alguns dos melhores westerns (um gênero tipicamente norte-americano) foram produzidos na Itália, e alguns clássicos filmes de artes marciais (coisa da cultura oriental) têm produção norte-americana, como "Operação Dragão", estrelado por Bruce Lee. Só brasileiro não pode, senão toma pau dos críticos.

Bem, tudo isso para falar sobre BESOURO, uma das mais criativas (se não únicas) tentativas recentes de se fazer um cinema brasileiro popular, voltado a outro público que não os pseudo-intelectuais. Não tem favela (embora até tenha um pouco de miséria), e é vendido como um filme brasileiro de pancadaria. Tem até mão-de-obra estrangeira na coreografia das cenas de luta: os produtores contrataram Huan-Chiu Ku, que participou de filmes como "O Tigre e o Dragão", para ajudar a dar uma "ar oriental" à pauleira brazuca.

A crítica "séria", claro, caiu matando. Porque filme brasileiro não pode parecer filme oriental, porque isso é um absurdo, porque a cultura nacional está sendo prostituída para ficar parecida com o cinemão hollywoodiano, bla bla bla. Poucos realmente se dignaram a analisar o filme considerando o que ele realmente é: uma rara tentativa de fazer uma produção de luta no país. Funciona? Considerando que é uma das poucas, funciona. Mas nem sempre tão bem como poderia.

Em 1991-92, já houve uma outra tentativa de fazer um filme de ação brasileiro na linha dos "Kickboxing" da vida. Pouca gente lembra, mas era o "A Gaiola da Morte", dirigido por Waldir Kopesky, produzido pelo Fauzi Mansur e estrelado por Paulo Zorello, que era campeão de alguma arte marcial. Descontando a pobreza da produção pré-Retomada, "A Gaiola da Morte" era um filme popular e bastante eficiente na sua proposta, no mesmo nível (se não melhor) de muita bobagem que a Bandeirantes costumava exibir nas noites de terça-feira daquela mesma época.


E quanto ao BESOURO? A idéia é originalíssima: enquanto em "A Gaiola da Morte" tínhamos um brasileiro lutando kickboxing, mas isso o Van Damme também fazia melhor lá em Hollywood, agora o filme dirigido pelo premiado publicitário João Daniel Tikhomiroff traz um montão de brasileiros, todos negros (quando foi a última vez que você viu um filme nacional em que o elenco era 90% formado por negros?), lutando/jogando capoeira, aquela luta/dança que é tipicamente nacional.

Os gringos até já tinham usado a capoeira em vários filmes de ação produzidos nos Estados Unidos, como "Esporte Sangrento" (1993), com Mark Dacascos, e "Desafio Mortal" (1996), do Van Damme, ambos trazendo como representante nacional o baiano César Carneiro, que é um mestre nessa arte. Mas BESOURO é a única produção brasileira, pelo menos que eu me lembro, a enfocar a capoeira dentro de uma proposta de filme de ação.

O roteiro de Tikhomiroff e de Patrícia Andrade (a roteirista de, ai!, "Salve Geral") começa no Recôncavo Baiano da década de 20, e diz-se inspirado numa suposta figura real - um lendário mestre de capoeira que atendia pela alcunha de Besouro (interpretado pelo estreante Aílton Carmo). Quando seu mestre (Macalé) é assassinado pelos homens do "coroné" que controla a região (Flavio Rocha), Besouro se retira para a mata, amargurado pela culpa, pois estava se exibindo em rodas de capoeira quando devia estar protegendo o mestre.

Resolve, então, se transformar numa espécie de super-herói 100% nacional, que, com a ajuda dos orixás do candomblé (como Exu e Iansã), ganha poderes sobrenaturais para lutar contra a tirania e contra a exploração dos negros, ainda forçados a trabalhar como escravos na colheita de cana-de-açúcar dos brancos, embora a escravidão já tenha sido abolida.


Embora BESOURO tenha essa cara de filme oriental de artes marciais (não falta nem o clichê do mestre assassinado), logo a trama toma rumos "brasileiros", incluindo uma cerimônia de candomblé para deixar o "corpo fechado" ("Atirando mal, todo corpo é fechado!", reclama o coronel) e o típico triângulo amoroso entre o herói e dois amigos de infância, Dinorah (Jessica Barbosa) e Quero-Quero (Anderson Santos de Jesus), incluindo uma inspirada cena em que Besouro e Dinorah fingem lutar, mas a capoeira ganha uma coreografia mais "erotizada" para que ambos possam consumar seus desejos.

Se há um grande problema na obra, é o de ficar no meio do caminho entre filme de ação popular, para o povão mesmo, e produção estilosa e "artística" para ganhar festivais de cinema Brasil afora. A fotografia é belíssima, as lutas muito bem coreografadas, os movimentos de câmera chegam a seguir o movimento de besouros e sapos por baixo d'água, e a presença dos orixás e de cenários baianos dão um brilho brasileiríssimo ao filme.

Só que às vezes todas essas firulas acabam atravancando a narrativa - que é o que importa no final das contas -, e principalmente atrasando as cenas de ação e pancadaria, a grande razão de ser da película, pelo menos considerando o trailer e o marketing.

Afinal, os caras trouxeram ao Brasil um especialista oriental e fizeram todo o marketing de BESOURO em cima disso. Eu, pelo menos, fui ao cinema esperando por um "O Tigre e o Dragão" verde-amarelo, mas o Besouro de Tikhomiroff e Patrícia Andrade é um herói muito mais "filosófico" do que casca-grossa. Na maior parte do filme, ele fica escondido dos seus inimigos no meio da floresta, treinando e em contato com seus orixás, raramente saindo no braço com os homens do coronel, preferindo inclusive agir na calada da noite para sabotar as plantações do seu inimigo.


Por isso, creio que muita gente vai se sentir enganada quando for ao cinema para ver um filme de pancadaria com poucas cenas de pancadaria, separadas por longas cenas de diálogos ou aquelas tomadas "artísticas" da belíssima paisagem natural da Chapada Diamantina. Portanto, o mais importante é saber que BESOURO não é um filme de pauleira "non-stop", mas uma aventura diferente, que tem inclusive toques sobrenaturais.

Feita esta ressalva, vamos ao que interessa: as lutas funcionam? Ô, e como! Não ficam nada a dever ao que se faz "lá fora", inclusive apelando para o uso de cabos para suspender seus atores, ajudando-os a fazer malabarismos impossíveis.

Um dos grandes momentos é a luta entre Besouro e o "ex-amigo" Quero-Quero, no meio do bosque, com ambos subindo e descendo das árvores com a mesma agilidade dos personagens de "O Tigre e o Dragão". O confronto "sobrenatural" entre Besouro e o Exu no meio de uma feira também é muito bem coreografado, já que o orixá voa para cima de telhados para escapar dos golpes do herói.


É uma pena, portanto, que o filme prepare todo o clima para uma batalha final explosiva entre Besouro e os homens do coronel, armados até os dentes para dar um fim no herói, mas o que se vê na tela é uma lutinha muito rápida, com um "anti-clímax" até surpreendente. Na minha opinião, essa foi a grande pisada-de-bola dos produtores: faltou uma pauleira de uns 15 minutos em ritmo de capoeira na conclusão, e certamente é isso que o povão que vai ao cinema também esperava.

Talvez o Besouro que está na tela não seja, afinal de contas, o "super-herói brasileiro" que todo mundo queria ver. Como eu já escrevi antes, ele é um tipo mais "na dele", reflexivo, que prefere ficar escondido apelando para o candomblé, e só luta quando não tem outra alternativa. Bem diferente daqueles heróis orientais que saem descendo o braço em tudo que vem pela frente, não é? Dá até pra brincar dizendo que, por ser um herói baiano, ele tem uma preguiiiiiiiiiiça de lutar...

Mas se o herói é imperfeito e aquém das suas possibilidades, a reconstituição de época é primorosa, e os vilões são muito bem caracterizados - inclusive agem e se vestem como se fossem pistoleiros de western. O coronel não mete medo em ninguém, mas seu braço direito, Noca de Antônia (Irandhir Santos, ator "alternativo") é a melhor coisa do filme, e rouba a cena toda vez que aparece, disparando engraçadas provocações racistas antes de finalmente tomar o troco merecido. Numa delas, ele caçoa do negro que tem medo de tomar um copo de cachaça na sua companhia: "É bom mesmo não beber, porque misturar pinga com frango preto dá macumba!".


Com alguns erros e muitos acertos, BESOURO é um filme que merece reconhecimento do público, até por ser uma das raras experiências do cinema brasileiro moderno no gênero ação - e provavelmente a primeira que representa a capoeira como algo tão letal quanto o karatê ou o kickboxing.

E o filme tem tudo que qualquer pessoa de bom gosto gostaria de ver numa produção nacional: cenas e paisagens lindas, produção classe A, pancadaria e até sexo e mulher pelada. Pode faltar um pouco de ação, mas do jeito que está já fica vários pontos acima da maioria das produções nacionais que eu vi esse ano.

Portanto, esqueça os críticos bananas, passe longe das suas críticas estéreis sobre BESOURO nos jornais e revistas, e vá aos cinemas prestigiar na tela grande esse herói negro, tupiniquim, bom de briga e voador (!!!), que certamente seria uma opção muito melhor (e mais brasileira) para representar o país no Oscar 2010 do que o escolhido oficial, aquela bomba do "Salve Geral".

É só lembrar que "O Tigre e o Dragão" ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro na sua época para perceber que talvez tenhamos perdido uma grande chance de mostrar aos gringos uma faceta da nossa cultura que eles definitivamente não estão acostumados a ver - e nem nós!

13 comentários:

Caio disse...

Pois é, seu texto é o primeiro que leio dando tanta credibilidade ao filme. Aguardadíssimo!

Luciana disse...

Oi amiga tudo bem contigo?

Li alguns trechos da postagem e concordo em algumas coisas.
Bjs com carinho

Luciana disse...

Desculpa confundi o Blog mas gostei da postagem.
Abraços

Felipe M. Guerra disse...

CAIO - Para o que o filme se propõe, acho que ficou bom. Claro, como eu disse, faltou ter mais cenas de luta, mas eu gostei do filme, é brasileiríssimo, e na sala em que eu vi o povo vibrava quando o Besouro surrava os homens do coronel!

LUCIANA - Bem que eu fiquei preocupado com o "Oi amiga"...

Cristian Verardi disse...

Abusando do trocadilho, não engoli o "Besouro", mas isso não significa que o filme seja um desastre, acho porém que seus méritos se situam nas possibilidades não aproveitadas de seu argumento e na excepcional parte técnica. “Besouro” comprova a possibilidade de se fazer um cinema de ação tupiniquim de qualidade, valorizando nossa cultura e nossos mitos, com fotografia, edição e efeitos que não fazem feio diante das centenas de produções enlatadas que chegam anualmente ao mercado brasileiro. Espero que “Besouro”, mesmo que irregular, tenha forças para suscitar aquilo que nossas toscas produções do passado não conseguiram, uma vertente nacional dedicada exclusivamente ao gênero de ação, porém, sem vergonha de se assumir como tal, e acho que faltou ao Tikhomiroff coragem para assumir isso, pois de certa forma ele se levou a sério demais, e perde um tempo precioso explorando um subplot de cunho social didático e maniqueísta, que de tão raso só prejudica o andamento da trama, ou seja, sobrou consciência social e faltou pancadaria.

Luciana disse...

rsrsrs valeu.
Abraços

artur disse...

ainda não vi O Besouro, mas acho que vai ser legal, mas até eu concordo que seria mais natural que o herói saisse metendo a porrada em todo o mundo,ainda mais que seu mestre morreu, você disse que o filme mostra muito da cultura baiana, eu sendo de Salvador não confio 100% na "cultura" que os filmes nacionais vem mostrando nos ultimos anos, ( também depois de Ó PAI Ó)mas pelo menos esse filme não tem aquele sotaque rídiculo que um monte de gente diz que a gente daqui tem, claro que tem sotaque de interior como o "coroné" mas nada além disso, não ligue pra esses crítcos, que além de tudo são mal informados, porque quem começou a fazer filmes de pancadaria foi em Hong Kong, e não em Hollywood com estão dizendo, eu queria saber também quando é que você vai postar um texto sobre a "GAIOLA DA MORTE"

Leandro Caraça disse...

>e perde um tempo precioso explorando um subplot de cunho social didático e maniqueísta, que de tão raso só prejudica o andamento da trama, ou seja, sobrou consciência social e faltou pancadaria.

Não fico nem um pouco surpreso com isso.

Fotograma Digital disse...

Felipe , um dos colaboradores do blog viu o filme e suas impressões foram as mesmas (em geral) que as suas. Boas lutas, tecnicamente muito bem feito, mas faltando "sustança" no roteiro e em algumas idéias mal desenvolvidas. Concordo quando vc diz que o crítico brasileiro em geral julga todos os filmes do mundo pelo mesmo prisma, e dificilmente se preocupa em entender o que o diretor/roteirista quis passar.
Ex: um filme do Schwarza... todo mundo sabe que vai primar pela ação/porradaria, se esse quesito o filme for bem, não a motivo para julgá-lo como um filme ruim. Acho que falta esse tipo de visão em geral a crítica.

rodolfo disse...

Vi o filme Besouro e não concordo com você, o filme é lento, chato, roteiro muito fraco entre outras

Emerson disse...

Bom, acompanho seu blog a algum tempo, mas nunca comentei, ainda não assisti o filme, mnas quero ver o quanto antes. De qualquer maneira achei muito boa a sua critica quanto aos "criticos de cinema". Isto até me lembrou de uma entrevista do Hideo Kojima (criador da serie de jogos Metal gear para o playstation) Qua quando se formou em cinema e seu filme levou bomba na faculdade ele tinha duas opções ou virar um cineastra frustrado e falar mal do trabalho dos outros ou trabalhar duro pra dar a volta por cima em outra area. Bom ele fez isto, mas no Brasil nota-se que preferem a primeira opção.

sitedecinema disse...

Outro filme americano com cenas de capoeira que dá para citar é SAVATE, do talentoso Isaac Florentine.

flaviogomes disse...

Parte boa do filme: fotografia e as coreografias da luta;

Resto: entre razoável e ruim. Os personagens são fracos e não fogem de clichê nenhum. Não fui surpreendido em momento algum.