quinta-feira, 21 de maio de 2009

ADIOS GRINGO (1965)


Na era de ouro das videolocadoras brasileiras (fim dos anos 80 e início da década de 90), dois filmes não podiam faltar de maneira alguma na prateleira de westerns: "O Dólar Furado" e este ADIOS GRINGO, duas pérolas made in Italy que fizeram a alegria dos aficionados pelos "filmes de bangue-bangue", e criaram toda uma nova geração de admiradores (eu, inclusive). O engraçado é que nenhum dos dois é, exatamente, um western spaghetti; ambos são de uma fase "pré-spaghetti", quando os produtores italianos ainda faziam faroestes copiando o modelo norte-americano - inclusive "americanizando" os nomes de todos os envolvidos para parecer um produto realizado nos Estados Unidos. As fontes divergem, mas o western spaghetti começaria oficialmente com Sergio Leone e seu "Por um Punhado de Dólares", de 1964.

Nesta primeira fase de filmes pré-spaghetti, ainda não eram comuns os enredos politicamente incorretos, os heróis sujos, com barba por fazer e vestidos de negro, e muito menos mostrar violência explícita, mocinhos maltrando mulheres ou atirando pelas costas nos seus inimigos. Como o modelo eram os (certinhos e caretas) westerns produzidos nos EUA, os mocinhos tinham que andar ajeitadinhos e bem barbeados.


Assim, não é de se estranhar que o rosto mais representativo das obras do período tenha sido o rostinho de bebê de Giuliano Gemma, que estrela ADIOS GRINGO. Gemma também foi o grande astro desta primeira leva de bangue-bangues italianos, cujos mocinhos eram castos e gentis com as mulheres e jamais atirariam pelas costas ou armariam ciladas para os inimigos, como seus colegas do posterior ciclo spaghetti. Enfim, eram heróis naturalmente bonzinhos ou cowboys acusados injustamente que tentavam provar sua inocência.

ADIOS GRINGO foi filmado num momento áureo dos primórdios do western italiano, o ano de 1965 - mesmo ano do clássico "O Dólar Furado", dirigido por Giorgio Ferroni. Foi o estrondoso sucesso de bilheteria deste que transformou Gemma em astro do bangue-bangue: ele fez mais dois filmes ("Uma Pistola para Ringo" e "O Retorno de Ringo") antes de entrar no set de ADIOS GRINGO, a primeira produção que ele assinou com seu nome real, Giuliano Gemma, e não com o pseudônimo americanizado ("Montgomery Wood") que usou nos outros filmes até então.


E como em time que está ganhando não se mexe, os produtores praticamente reaproveitaram tudo que tinha dado certo em "O Dólar Furado": o casal principal é o mesmo, Gemma e Ida Galli, e o roteirista de "O Dólar...", Giorgio Stegani, escreve e também dirige este novo filme. As filmagens duraram apenas três semanas, com locações em Roma e em Madri, na Espanha.

A estrutura narrativa também é bem parecida com "O Dólar Furado": Gemma interpreta Brent Landers, um fazendeiro honesto que comemora a compra de uma pequena propriedade numa cidadezinha. Porém acaba se dando mal ao confiar num velho amigo mau caráter, Gil Clawson (Nello Pazzafini, usando o pseudônimo "Ted Carter"), que lhe vende uma manada roubada de um rico fazendeiro da região.

Sem saber de nada, Brent toca o gado para sua propriedade e, no caminho, cruza com o furioso verdadeiro proprietário dos animais. Este, acreditando que o mocinho é o ladrão de gado, tenta matá-lo com quatro tiros, sem sucesso; Brent então saca sua arma e atira em legítima defesa, matando o rival.


Mas é claro que quando um vaqueiro mata um rico fazendeiro, a coisa acaba em porcaria. Brent é acusado de roubo de gado e assassinato, e quase linchado pelo povo furioso, mas consegue fugir e promete voltar com o verdadeiro ladrão, o "amigo" Clawson, para provar sua inocência.

Seguindo os rastros do facínora, o herói acaba encontrando uma garota nua e amarrada no meio do deserto. Descobre que ela é Lucy Tillson (Ida Galli, com o pseudônimo "Evelyn Stewart"), que foi levada como refém após o assalto de uma diligência, e ainda estuprada e torturada por três homens.

Um deles é o próprio Clawson, a quem Brent vem seguindo; já o terceiro dos agressores é Avery Ranchester (Massimo Righi, ou "Max Dean"), filho do poderoso manda-chuva da região, Clayton Ranchester (Pierre Cressoy, ou "Peter Cross").


E se para o herói já é complicado convencer o xerife (Jesús Puente) e o médico (Roberto Camardiel, ou "Robert Camardiel") da cidade de que é um inocente injustamente acusado, mais difícil ainda será conseguir entregar à justiça os agressores de Lucy, já que o poderoso Ranchester encobre todos os atos criminosos do seu filho e tenta convencer o povo de que Brent é o verdadeiro culpado de tudo, inclusive do estupro da moça. Conseguirá nosso herói provar sua inocência e mandar para a prisão (ou para o cemitério) os verdadeiros bandidos?

Stegani, que assina direção e roteiro com o pseudônimo "George Finley", inspirou-se num livro chamado "Goodbye", de Harry Whittington, para escrever ADIOS GRINGO. Mas o filme não consegue escapar dos lugares-comuns do gênero: inocente injustamente acusado, o verdadeiro culpado sendo encoberto pelo pai poderoso, o xerife que começa odiando o herói mas depois começa a ajudá-lo, etc etc etc.

Felizmente, é bem dirigido e traz vários lances de suspense, reviravoltas e cenas de ação para fazer o espectador esquecer o quanto a história é fraquinha e, por que não?, absurda.


Além disso, o filme se beneficia de uma fotografia belíssima, assinada pelo espanhol Francisco Sempere (o mesmo do clássico do horror "Let Sleeping Corpses Lie", de Aldo Grau), que usa e abusa de lindas paisagens como montanhas rochosas (bem diferentes do que normalmente se via nos westerns norte-americanos).

Infelizmente, o poderoso "Eastmancolor" em tela larga não sobreviveu à maioria das cópias nacionais do filme, seja em VHS ou em DVD. A mais razoável das versões brasileiras, mesmo tentando manter o formato widescreen com as tradicionais faixas pretas, ainda assim corta boa parte das laterais da imagem, o que é uma pena (nos tempos do VHS vá lá fazerem esse tipo de barbeiragem, mas com a opção do "zoom" no DVD não tem mais desculpa).

ADIOS GRINGO também foi um sucesso de bilheteria na época do seu lançamento, tornando-se o terceiro filme mais visto nos cinemas italianos em 1965 (o primeiro foi "Por uns Dólares a Mais", de Leone).



Ironicamente, como o astro Gemma tinha acabado de fazer dois westerns onde interpretava um pistoleiro chamado Ringo, muita gente pensou que esta era uma cópia picareta da série, interpretando que "Gringo" seria o nome do personagem principal - quando na verdade é apenas a palavra espanhola para "estrangeiro"!

Longe da sofisticação narrativa e criativa que o western spaghetti atingiria a partir do ano seguinte, ADIOS GRINGO mantém-se como um bom passatempo, talvez inofensivo e certinho demais para aqueles que curtem o auge do ciclo, mas ideal para quem busca um bangue-bangue mais hollywoodiano, estilo John Ford ou George Stevens.

Quem lembra do tratamento dispensado às mulheres por Django, Sartana e outros anti-heróis do posterior western spaghetti certamente vai dar risada do relacionamento cheio de pudores e frescuras mantido, aqui, pelo galã Gemma com a mocinha Ida.



Mas, entre mortos e feridos, o filme funciona como um belo passatempo, até porque fica fácil simpatizar com o herói e torcer por ele. E Brent, claro, faz o tipo rápido no gatilho, despachando dezenas de malvados para o cemitério.

Numa cena que deve ter sido violenta para a época (lembre-se que ainda estamos praticamente no pré-spaghetti), o herói arremessa um enorme prego de metal contra um rival, literalmente pregando uma das mãos do inimigo na parede - seria necessária uma força monstruosa para realizar tal façanha, mas vá lá...

Bem feito, divertido e envolvente, e com o simpático Gemma no seu papel preferido de herói certinho, ADIOS GRINGO é o filme perfeito para você assistir com seu pai ou avô que prefere os westerns mais tradicionais daquele período áureo. Já os fanáticos pelo western spaghetti mais violento e amoral deverão achar tudo muito datado e inocente.

Trailer de ADIOS GRINGO


*******************************************************
Adios Gringo (1965, Itália/Espanha/França)
Direção: George Finley (Giorgio Stegani)
Elenco: Giuliano Gemma, Evelyn Stewart (Ida
Galli), Ted Carter (Nello Pazzafini), Jesús
Puente e Max Dean (Massimo Righi).

11 comentários:

Makotohell disse...

blog adiconado para o favoritos do central de horror =]

El Thomazzo disse...

O engreçado é que esses filmes com Giuliano Gemma são 'cult' entre os pesquisadores americanos de spaghetti western, que quase os desconhecem, não os listando nem entre os 10 melhores do gênero, preferindo os filmes dos Sergios (Leone, Sollima e Corbucci). Sei disso pelas trocas que fiz com colecionadores gringos no meio dos anos 90, eles não achavam esses filmes nos EUA nem por decreto, piravam quando eu dizia quem conseguia cópias destes para eles, mesmo sem ser em widescreen (ou seja, não haviam sido relançados em laserdisc no Japão, que pretensamente teria lançado todo o cânone do spaghetti). E por aqui foram 'os' filmes do gênero, tendo voltado a cartaz várias vezes, sempre lotando os cinemas do interior e dos bairros das capitais. Vai entender...

Leandro Caraça disse...

Guiliano Gemma era muito famoso no Brasil, a ponto de eu quase ser batizado como Guiliano. É sério !

Luiz Alexandre disse...

O filme reamente é fraquinho se comparado a vários outros, mas o Gemma é tão ativo que vale a pena, o cara era o grande efeito especial. A cena em que ele se levanta do chão dando aquele pulinho sem usar as mãos e acerta o malfeitor ou ele de rifle botando pra foder naquele finalzinho são demais. Além dele ser foda nos punhos tb. Existe algum filme dele dirigido pelo Castellari ou algum grande diretor de ação italiano?

Leandro Caraça disse...

O Gemma teve azar de aparecer em alguns dos mais fracos filmes do Fulci e do Corbucci. Mas também trabalhou com Tonino Valerii em dois filmes (O DIA DA IRA e O PREÇO DO PODER). E fez vários clássicos da MINHA infância : CHARLESTON, OS ANJOS TAMBÉM COMEM FEIJÃO, BEN & CHARLIE e a dobradinha SAFARI EXPRESS/ÁFRICA EXPRESS.

Felipe M. Guerra disse...

Leandro Gemma, não esqueça de outro "clássico" da infância com o astro: QUANDO AS MULHERES TINHAM RABO, onde ele "atua" ao lado da linda Senta Berger!

Todo mundo mete pau, mas eu até gosto do SELA DE PRATA, a única parceria do Gemma com o Lucio Fulci, mesmo que o filme seja infinitamente inferior aos outros westerns do Fulci.

Mas O DIA DA IRA é um clássico dos clássicos, obrigatório, e com uma música antológica.

artur disse...

ñao acho o filme fraquinho não, é um belo filme sim, e não acho que seja uum filme tão americanizado, afinal qual é o western americano em que os vilões maltratam mulheres? e mais: o filme confirma que a lei so fuciona para o pobre, na cena em que Brent se defende do rico fazendeiro o pessoal da cidade tenta lincha-lo e ja vemos ai uma crítica social a opressão das classes sociais e támbem como Ranchester, que com seu poder conseguiu manipular uma cidade inteira contra Brent e o xerife,mostrando a opressão da classes altas da sociedade e a hipocrisia, e p filme tem uma bela historia e com sequências de ação muito boa, mas pra mim o clássico dos clássico com certeza é O Dolar Furado, sei que muita gente vai dizer que é dia de ira mas O Dolar furado foi o filme que me tornou fã do ator, Adios Gringo é exelente támbem e gosto támbem da trilha sonora

Leandro Caraça disse...

Eu não acho SELA DE PRATA ruim. Mas é um dos menos interessantes daquela fase final dos spaghettis. O próprio Gemma fez o muito superior CALIFÓRNIA ADEUS naquela época.

QUANDO AS MULHERES TINHAM RABO eu assisti na adolescência, em VHS. Faz uma bela sessão dupla com o CAVEMAN com o Ringo Starr.

Outros filmes elogiados do Gemma são O LONGO DIA DE VINGANÇA (com uma trilha magnifíca do Bacalov), CORBARI e PREFEITO DE FERRO.

ass. Giuliano Cesar Caraça.

Felipe M. Guerra disse...

QUANDO AS MULHERES TINHAM RABO também faz uma sessão dupla trash inesquecível com uma comédia italiana raríssima e estupidíssima sobre a Idade da Pedra chamada GRUNT!, que era figurinha carimbada nas primeiras videolocadoras lá dos anos 80. Eu nunca mais encontrei o filme para rever e tenho até medo de baixar um troço desses, mas fica a citação para quem é das antigas e também lembra desse troço!

Leandro Caraça disse...

Acho que me lembro. GRUNT não era aquele que tinha um ovo mágico ou qualquer coisa que o valha ?

Anônimo disse...

Considero o melhor dos Western de Giuliano Gemma. Ainda mais com a presença de Ida Galli(belíssima- de o Dólar Furado)e grandiosa trilha sonora de Benedetto Ghiglia & Fred Bongusto.mlmlmarcoslima@gmail.com