segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

HOLLYWOOD BOULEVARD (1976)


Com a câmera armada no tripé e pronta para filmar, um diretor de cinema orienta seus dois atores, que estão fora do quadro: "Bobbi, esta é sua grande cena. Sua fala é a mais importante, ela representa toda a essência do filme, entendeu? Então vamos lá: Ação!". A câmera começa a rodar e os atores - um homem e uma mulher completamente pelados! - finalmente entram no quadro, ela com um facão apontado para ele, ameaçando: "Get it up or I'll cut it off!" (Levanta esse troço ou eu corto fora!).

Só esta cena simbólica já dá uma idéia do que é HOLLYWOOD BOULEVARD, comédia de 1976 perdida nas poeiras do tempo, ao mesmo tempo uma homenagem e uma sátira irônica às pequenas produtoras que, com um mínimo de recursos e condições, rodavam exploitation movies baratíssimos, repletos de sexo e violência, para exibição em drive-ins na década de 70. "Homenagem" porque o filme inclui toneladas de referências a pessoas e produções da época (inclusive cenas de outros filmes, usadas na edição); "sátira irônica" porque a história é um retrato cômico, porém bastante fiel, do que fazia a própria produtora New World, de Roger Corman, que bancou esta comédia.


Escrito por Danny Opatoshu com o pseudônimo Patrick Hobby (ele depois escreveria o ainda mais alucinado e engraçado "Get Crazy"), HOLLYWOOD BOULEVARD foi a chance que o produtor Corman deu a dois jovens colaboradores da New World para que dirigissem seu primeiro filme, desde que o fizessem em tempo recorde (10 dias) e com um orçamento minúsculo até em comparação às produções baratas rodadas por Corman na época (custou 60 mil dólares).

Os jovens colaboradores, então completos desconhecidos, eram Allan Arkush ("Rock'n'Roll High School", "Get Crazy") e Joe Dante ("Piranha", "Gremlins"). E este primeiro trabalho está no nível do que ambos fariam depois: maluco e anárquico, porém nostálgico e respeitoso ao universo em que ambos se criaram, o dos filmes classe B.

A história começa com uma ingênua garota do interior, Candy Hope (a bela Candice Rialson), chegando a Hollywood com o objetivo de tornar-se estrela de cinema. Mas ela não consegue emprego nos estúdios por ser inexperiente na área. Após participar, sem querer, de um assalto a banco, ela acaba se associando a um agente picareta chamado Walter Paisley (o eterno coadjuvante Dick Miller, aqui em raro papel principal), e, através dele, vai parar nas produções baratas da Miracle Pictures (cujo slogan é: "Se é um bom filme, é um Milagre"!!!).


Sempre sob a direção do excêntrico cineasta Erich Von Leppe (Paul Bartel, ele próprio um cineasta cult na época!), Candy acaba estrelando exploitation movies como "Machete Maidens of Mora Tau" (rodado nas Filipinas!!!) e "Atomic War Brides", que começa como um roteiro de aventura nos anos 50 e se torna ficção científica pós-apocalíptica no decorrer das filmagens!!!

Há ainda um mistério a resolver: várias atrizes da Miracle Pictures andam morrendo misteriosamente em "acidentes", como pára-quedas que não abrem e tiros de verdade disparados pelas armas de figurantes (cena que antecedeu em duas décadas a morte real do ator Brandon Lee no filme "O Corvo"). Quem será o misterioso assassino? O diretor Von Leppe? A estrela ciumenta da produtora, Mary McQueen (interpretada pela musa de Bartel, Mary Woronov)? O roteirista frustrado Patrick (Jeffrey Kramer)? Ou o produtor P.G. (Richard Doran), que costuma selecionar suas atrizes transando com elas na traseira de uma van?

O roteiro de HOLLYWOOD BOULEVARD é o que menos interessa, já que o filme na verdade é uma seqüência caótica e não-linear de piadas/homenagens ao mundo do cinema, que inclusive pode ser vista como se fossem quadros isolados, estilo "Amazonas na Lua".


Fãs de cinema em geral vão se divertir muito: a citação já começa com o título, uma brincadeira com o clássico "Crepúsculo dos Deuses" (no original, "Sunset Boulevard"). Já as tralhas da Miracle Pictures mostram cenas retiradas de "clássicos" reais da New World, como "Ano 2000 - Corrida da Morte", "The Big Bird Cage", "Sombras do Terror" e "Big Bad Mama".

O Von Leppe de Bartel (que parece estar interpretando ele mesmo) é a síntese dos cineastas exploitation. Nas filmagens nas Filipinas, ele explica às suas atrizes, vestidas com enormes decotes e portando metralhadoras: "Sua motivação é... massacrar 3.000 soldados asiáticos!", e na cena seguinte vemos as moças metralhando indiscriminadamente multidões de figurantes filipinos (em cenas tiradas de "The Big Bird Cage" e "The Big Doll House", ambos produzidos por Corman e dirigidos por Jack Hill nas Filipinas).

O mesmo Von Leppe tenta convencer Candy que uma cena sensacionalista de estupro coletivo por nativos filipinos é "o sonho de toda atriz", e não perde a pose nem quando os figurantes levam a coisa a sério demais e se recusam a atender a ordem de "corta!" do diretor!

Mais adiante, durante as filmagens de "Atomic War Brides", aparecem cenas, carros e figurinos de "Ano 2000 - Corrida da Morte", que o próprio Bartel havia dirigido em 1975 com David Carradine e Sylvester Stallone. A cena em que figurantes usam qualquer fantasia existente no depósito da produtora para criar "mutações pós-apocalípticas" é hilária, e lembra muito filme bagaceiro onde isso foi feito de verdade. Quando uma atriz reclama que uma das "mutações" não passa de um figurante com uma máscara de gorila, o produtor P.G. simplesmente coloca um capacete de astronauta na cabeça do figurante, dizendo: "Agora é uma mutação simiesca". Trata-se, claro, uma homenagem ao ridículo "Robot Monster", dos anos 50, onde o grande vilão era um gorila com um escafandro na cabeça!


Há toneladas de outras referências ao cinema barato daquela época: quando Candy, Walter e Patrick vão à pré-estréia de "Machete Maidens of Mora Tau" (num drive-in!!!), outros dois filmes são exibidos, "Zombie in the Attic" e "Moonmen from Mars" (!!!), o primeiro aproveitando cenas com Boris Karloff retiradas de "Sombras do Terror", e o segundo mostrando um ridículo e sangrento duelo entre monstros bagaceiros (asquerosamente semelhantes a um pênis e uma vagina), tirado de "Battle Beyond the Sun", ambos também produzidos por Corman.

E mais: Dick Miller interpretou um personagem chamado "Walter Paisley" em "A Bucket of Blood" (dirigido por Roger Corman em 1959), e uma sangrenta cena de assassinato a punhaladas foi dirigida por Joe Dante com inspiração confessa nos filmes do italiano Mario Bava! De tão violenta, a tal cena de esfaqueamento acabou sendo utilizada em outros filmes produzidos pela New World (posteriormente rebatizada Concorde), como "The Slumber Party Massacre" e "Vampiro das Estrelas".

Quem não é do ramo também pode se divertir com HOLLYWOOD BOULEVARD, mesmo sem pegar estas citações todas. Não tem como não rir imaginando que muitos filmes classe B da época (principalmente os da New World) realmente eram realizados da mesma forma que as produções da Miracle Pictures, e sempre estrelados por garotas ingênuas que não tinham vergonha de tirar a roupa diante das câmeras sonhando se tornar grandes estrelas de cinema.

Uma ótima cena mostra Candy e duas outras atrizes (interpretadas pelas gatas Rita George e Tara Strohmeier) revoltando-se quando um dos membros da equipe de filmagens vai espiá-las tomando banho de sol de topless - e isso que elas ficaram completamente nuas durante a maior parte das cenas gravadas momentos antes. "Se quer ver nossos peitos, vai ter que pagar a entrada!", reclama uma delas. Como todo bom filme sobre o universo exploitation, HOLLYWOOD BOULEVARD também está repleto de cenas gratuitas de nudez e violência!

Para tornar ainda mais saborosa a brincadeira, o elenco tem diversas caras conhecidas em pequenas participações. Além de todos os já citados, o diretor Joe Dante aparece como figurante numa festa chique de Hollywood, ao lado de Forrest J. Ackerman (editor da antológica revista Famous Monsters of Filmland), do roteirista Opatoshu, do futuro diretor Lewis Teague (de "Alligator" e "Olhos de Gato") e até do robô Robby, do clássico sci-fi "Forbidden Planet"!!!


Também surgem, em pequenas participações, os cineastas Allan Arkush, como um xerife; Jonathan Kaplan ("Acusados"), como o diretor de produção da Miracle Pictures, e Jonathan Demme ("O Silêncio dos Inocentes"), vestindo uma fantasia de Godzilla!!! Só estas participações já fazem de HOLLYWOOD BOULEVARD um autêntico FILMES PARA DOIDOS!

O mais irônico é que tanto Dante quanto Arkush se dedicaram de corpo e alma à produção desta sua primeira obra por pensarem que não teriam outras chances no cinema! Sorte que esta previsão pessimista não se tornou realidade: um logo saltou para os blockbusters, mas mantendo aquele climão de classe B das produções que dirigiu para Roger Corman ("Gremlins", por exemplo, é um típico filme B com orçamento classe A, e tem até Dick Miller no elenco!); o outro teve tempo de fazer uma das melhores comédias dos anos 80, "Get Crazy", antes de cair no limbo dos produtores de filmes para a TV...

PS 1: Infelizmente, HOLLYWOOD BOULEVARD ficou tão obscuro com o tempo que não há vídeos do filme no YouTube, apenas este divertido clip da música "Everybody's Doing It", por Commander Cody and his Lost Planet Airmen, que invade uma cena de romance da película. Como a música é divertida (e a interpretação da banda idem), fica como aperitivo para entrar no clima do filme.

PS 2: Várias piadas acabaram sendo reaproveitadas em outros filmes. É o caso de "Amazonas na Lua", co-dirigido por Joe Dante, onde aparece um exploitation movie produzido pela "Miracle Pictures", inclusive com a reprodução do já clássico slogan "Se é um bom filme, é um Milagre".

PS 3: Em 1988, Corman produziu e Steve Barnett dirigiu "Hollywood Boulevard 2", lançado em vídeo no Brasil como "Um Filme Muito Louco". Apesar do título original, é um remake, e não seqüência, do filme de 76. No elenco, as atrizes pornô Ginger Lynne e Tracy Lords.

Videoclip de "Everybody's Doing It"



Joe Dante fala sobre HOLLYWOOD BOULEVARD



****************************************************************
Hollywood Boulevard (1976, EUA)
Direção: Joe Dante e Allan Arkush
Elenco: Candice Rialson, Mary Woronov, Paul
Bartel, Rita George, Jeffrey Kramer, Dick Miller,
Richard Doran e Tara Strohmeier.

38 comentários:

Allan Verissimo disse...

Ué?O Joe Dante,depois de trabalhar com Speilberg nos dois Gremilins,ainda se orgulha de ter trabalhado nesse filme?
P.S:Não que Gremlins seja grande coisa...

Felipe M. Guerra disse...

Ué, eu também teria mais orgulho de ter conseguido fazer um filme de 60 mil contos produzido pelo Roger Corman do que uma superprodução de milhões de dólares apadrinhada pelo Spielberg (o que facilita bastante todos os aspectos da produção, diga-se de passagem).

Felipe M. Guerra disse...

A propósito: Spielberg tem fama de cri-cri como produtor. Pegue o caso de "Poltergeist", por exemplo: foi o próprio Steven quem dirigiu a maior parte do filme, e não Tobe Hooper, o que certamente colaborou para o aspecto "filme-família" da película. No caso de "Gremlins", o roteiro original tinha bem mais terror e mortes (inclusive um cachorro devorado pelos Gremlins), e o "queridinho" Gizmo se transformava em malvado, ao invés de dar origem a "clones". As mudanças foram "sugeridas" por Spielberg para deixar o filme mais família. Mesmo assim, gosto muito dos dois "Gremlins". Acho que são "filmes-família" um pouco mais sinistros que a média. ;-)

Allan Verissimo disse...

Gremlins 2 sofre do mesmo mal de Superman 3.Muito exagero e auto-parodia.
Tinha que ser o Spielberg para mexer o bedelho.
Tobe Hooper devia ter se achado que se deu bem com Spielberg.Que nada,o cara só decaiu depois de ter trabalahdo com ele!
Mas Spielberg já fez muito filme bom na vida...

Allan Verissimo disse...

Spielberg já mostrou para o mundo:

-uma criança sendo devorada por um tubarão;
-Indiana Jones dando um tiro de revolver em um cara armado com uma...espada;
-os nazistas derretendo;
-homens apontando armas para crianças;
-um rapaz tendo o coração arrancado;
-um advogado sendo devorado por um dinossauro;
-judeus sendo mortos por nazistas em uma competição sadica de tiro ao alvo.

O que foi aconteceu com esse Spielberg?Por que hoje ele está tão..."bundão"?

Felipe M. Guerra disse...

Spielberg só é bundão de vez em quando. Afinal, está aí "Munique", um dos melhores filmes que ele fez, para provar. Aliás, é mania falar mal do Spielberg, mas ele realmente tem uma grande contribuição para a história do cinema, e isso é inquestionável. Pena que às vezes é um mala sem alça, tipo quando apagou digitalmente as armas dos policiais no relançamento de "ET", ou nessas frescuras que faz quando é produtor.

Thales Oss disse...

"Tobe Hooper devia ter se achado que se deu bem com Spielberg.Que nada,o cara só decaiu depois de ter trabalahdo com ele!"

Oxente, e quem garante que o Hopper sempre foi um bom diretor? E se ele somente acertou em "O massacre da serra eletrica" e "Força Sinistra"? Acho o Hopper o mesmo caso do Wes Craven, so deu sorte de fazer poucos bons filmes em um monte de tralha. Nao defendendo o Spilberg, mas se ele nao tivesse intervido no trabalho do Hopper, Poltergeist seria um classico a altura da sua primeira produçao ou mais um fiasco no seu curriculo? Vamos parar 1 minuto para meditar, crianças.

Felipe M. Guerra disse...

Thales, eu também acho Hooper e Craven dois diretores bastante irregulares, que intercalam um filmaço com cinco bombas. Mas se pegarmos a trajetória do velho Tobe até virar apadrinhado do Spielberg em "Poltergeist", ele só acertou: "Massacre...", "Eaten Alive", a minissérie "Salem's Lot", "Pague Para Entrar, Reze Para Sair"... Não tem como saber se um "Poltergeist" sem a influência do Spielberg seria melhor ou pior (sinceramente, eu nunca gostei muito do filme de qualquer jeito), mas realmente ele só decaiu após esta parceria, e a fase "Cannon Films" não ajudou nada. Eu acho que o Hooper foi um sujeito que teve todas as oportunidades e não soube aproveitar.

Allan Veríssimo disse...

Spielberg já pode até ter feito bobagens como A.I,O TERMINAL,O MUNDO PERDIDO",etc.Mas já fez filmaços como TUBARÃO,a série INDIANA JONES,CONTATOS IMEDIATOS DE TERCEIRO GRAU,JURASSIC PARK,A LISTA DE SCHINDLER,MINORITY REPORT,etc.Ou seja,ele é um idolo do cinema,ao lado de Coppola,Kubrick,Hitchcock,etc.Só não gosto quando ele fica bundão as vezes.
Tobe Hopper se deu mal quando trabalhou com aqueles imcompetentes da Cannon.Afinal,quem foi o responsavel pela bobagem de O MASSACRE DA SERRA ELETRICA 2?Hopper ou a Cannon?
Sejamos francos:não vi Poltergeist,mas quem voces acham que fez o filme?O demente que fez O MASSACRE DA SERRA ELETRICA ou o melodramatico que fez A.I?
Talvez Hopper posa se redimir com BUICK 8(baseado em uma novela de Stephen King,não se esquecam).
Já Craven só vi A HORA DO PESADELO 1 e 7 e o primeiro PANICO.Gostei dos tres,embora nenhum seja perfeito.Já PANICO achei razoavel só e não sei porque tanta falação.Legalzinho,é,mas classico?

Leandro Caraça disse...

>O demente que fez O MASSACRE DA SERRA ELETRICA ou o melodramatico que fez A.I?

Ambos. Pode-se perceber que dependendo da cena, o estilo de cada um é bem perceptível.

E faça-me o favor, GREMILINS e GREMLINS 2 são duas maravilhas que provam a genialidade de Joe Dante.

Allan Veríssimo disse...

Não,senhor eu gostei de Gremlins 1 mas já o 2 eu achei que tem o mesmo defeito de Superman III.Muito exagero e auto-parodia.Não é ruim,mas o Joe Dantes acabou perdendo o fio da meada com tanta parodia.
Joe Dante é um bom cineasta.Ele também fez o legalzinho MEUS VIZINHOS SÃO UM TERROR,mas fez aquela porcaria de PEQUENOS GUERREIROS.

Felipe M. Guerra disse...

Allan, você ainda nem viu o melhor do Dante: este Hollywood Boulevard, Piranha (que ele também dirigiu produzido pelo Corman), Grito de Horror, As Amazonas na Lua, Viagem Insólita, Matinê... O homem é bom, dificilmente erra a mão. E a paródia e o exagero são as grandes qualidades dos Gremlins. Imagina o que seria sem cenas ótimas como aquela do Gremlin explodindo no microondas!

Allan Veríssimo disse...

As Amazonas na lua...foi ele que dirigiu aquele episodio que satiriza o Homem Invisivel?

Felipe M. Guerra disse...

Não, foi o Carl Gottlieb. Neste o Joe Dante dirigiu o comercial das perucas acarpetadas na cabeça dos carecas; o quadro "Bullshit or Not?", com o Henry Silva; a história do cara cuja vida é criticada na TV e o que se segue com o velório dele, e um "filme educativo" em preto-e-branco (o tal produzido pela Miracle Pictures, onde aparecem até cenas de um velho filme do Bela Lugosi!).

Allan Veríssimo disse...

Mas ele de um tempo para cá tá meio sumido do cinema.E fez aquela porcaria de PEQUENOS GUERREIROS e o questionavel LONNEY TUNES:DE VOLTA A AÇÃO.

Allan Veríssimo disse...

Vamos ver o que o Pablo Villaça acha de Piranha:
"Piranha- Já em seu filme de estréia, Dante exibia um senso de humor atípico – que, infelizmente, não envelheceu bem neste caso. (2 estrelas em 5)"

Felipe M. Guerra disse...

Pablo quem? ;-)

Cesar "Sartana" Almeida disse...

Joe Dante é uma figura excepcional. Não interessa se ele fez filmes de grande orçamento, seu coração é "Filme B" e pronto! Não conheço nenhum outro diretor que reverenciou tanto o cinema marginal. Não me venham com Tarantino, esse é um aproveitador hipócrita!

Thales Oss disse...

Oxe tu nao viu Poltergeist? Assiste e tire suas proprias conclusoes sobre o filme.

Sobre o Joe Dante, nao vi todos dele mas acho legal algumas de suas produçoes.

Leandro Caraça disse...

Bela merda o que o Villaça deixa ou não de achar.

Ronald Perrone disse...

(2)

A opinião do Villaça e cocô de cavalo não têm diferença alguma pra mim...

Allan Veríssimo disse...

Raios!Como é que Jonatam Demme,o cara que fez o filmaço O SILÊNCIO DOS INOCENTES foi participar disso?

Felipe M. Guerra disse...

Jonathan Demme, Francis Ford Coppola, Jack Nicholson e muitos outros que agora me fogem à memória começaram suas carreiras em filmes independentes produzidos por Roger Corman. E nenhum deles tem vergonha disso; pelo contrário, eles têm orgulho. Inclusive o Corman aparece numa participação especial em "O Silêncio dos Inocentes".

Bruno C. Martino disse...

Eu teria muito orgulho de trabalhar com o Corman. Sou curioso pra saber as técnicas dele pra fazer uma cena mais rápido.

Amigos, Dante é um de meus diretores preferidos. Pra mim, assim como Carpenter e tantos outros, nunca fez um filme ruim. Abaixo de suas próprias média até concordo, mas a meu ver nenhum ficou abaixo da média.

Ambos os Gremlins são muito divertidos, talvez a melhor coisa que Chris Columbus fez na vida. (E olha que eu adoro o Esqueceram de Mim! hahaha)
Looney Tunes eu não gostei da primeira vez que vi, mas depois achei divertidíssimo! Quem mais seria capaz de homenagear e apresentar às novas gerações os clássicos da SCi-Fi que Dante tanto gosta? A cena da Area 51 é clássica, de fazer inveja às citações de Tarantino! hahahaha. Achei tão legal quanto em um episódio de Bob Esponja, onde homenagearam o conto "O Coração Denunciador" do Poe.

Poltergeist pelo que sei foi o seguinte: Hooper se limitou à direção da cena e Spielberg às decisões criativas. Gosto do Poltergeist, nada contra. Spielberg é bacana, mas meio xarope às vezes. Conseguiu destruir "Guerra dos Mundos" só com aquela cena final, dentre outras coisas.

Pablo Villaça é contraditório e a tal ética que ele tanto preza é furada.

Meu sonho é dirigir um filme e colocar o Dick Miller numa ponta! hhahahahahaha

Allan Verissimo disse...

Sei,o Corma aparece como o legista,né?
Mesmo depois de O PODEROSO CHEFÃO,Coppola ainda se orgulha de Dementia 13?

Felipe M. Guerra disse...

Mas e não é de se orgulhar? DEMENTIA 13 é um filmaço! Quanto ao Corman em "O Silêncio dos Inocentes", ele interpreta um dos chefões do FBI, não o legista.

Allan Verissimo disse...

Obrigado por me alertar sobre o Corman,é que não sei como ele é.
Já sei que vou levar pedrada do senhor por escutar os seus desafetos,mas:eu não vi Dementia 13(embora pretendo ver) mas Rubens Ewald Filho deu 2 estrelas para o filme.Aqui está um link para um breve comentario sobre o filme:
http://cinema.uol.com.br/dvd/2004/01/01/demencia_13_.jhtm
Jack Nicholson sei que fez com Corman A pequena loja dos horrores(é esse o titulo?).É bom o filme?

Felipe M. Guerra disse...

Assim não dá! E esses (Villaça, Rubinho...) supostamente são os "críticos respeitados" do país! A partir de hoje, reproduções das bobagens que estes sujeitos escrevem estão PROIBIDAS aqui no blog, a não ser que seja para fazer piada em cima!

Allan Verissimo disse...

OK.Só vou comentar o que eles falam se for para piada.
Mas sem ofender,o Villaça deu 5 estrelas para o Massacre da serra eletrica do Tobe Hopper.
Agora,esse A pequena loja dos horrores do Roger Corman é bom?

Thales Oss disse...

Rubens Ewald Filho ja é demais, daqui a pouco vai ter Zé Wilker ( no quesito critico ) na jogada. Cruzes credos! =O

Thales Oss disse...

Aproposito, George Romero ta no Silencio dos Inocentes também.

Allan Verissimo disse...

José Wilker é bom ator,mas critico de cinema?Quem foi o idiota que chamou ele para comentar o Oscar?
Romero aparece em Silêncio dos Inocentes?Em que momento?

Bruno C. Martino disse...

Por favor, não falem mal de Demência 13... ;)

Esqueci de dizer que meu filme preferido do Dante é MATINÉE. Se Cinema Paradiso é uma homenagem ao Cinema, Matinée é uma homenagem ao Cinema Marginal. Aquela cena em que John Goodman explica como é a sensação de entrar num cinema pra assistir um filme sempre me emociona.

Corman tb apareceu em Looney Tunes como um cineasta.

Felipe, recentemente eu vi uma vinheta da tal Miracle Pictures com esse mesmo tagline, só não lembro onde eu vi. Pensei que tinha visto em algum trailer de filme pornô, mas vi todos os que eu tenho e não achei. Será que vi no Grindhouse?

Felipe M. Guerra disse...

Bruno, o último lugar que lembro de ter visto a vinheta da Miracle Pictures foi no final de "As Amazonas na Lua". Mas talvez o Dante e sua turma (John Landis, Allan Arkush...) tenham usado em outros filmes também, a memória é que me falha.

E ninguém aqui está ousando falar mal do excelente DEMENTIA 13, só o Rubinho, aquele cavanhaque ambulante.

Allan Verissimo disse...

Pelo que eu sei,o Pablo gosta de DEMENTIA 13,O MASSACRE DA SERRA ELETRICA e HALLOWEEN(embora ele acha que o filme envelheceu mal...)
John Landis,só vi tres filmes dele:
OS IRMÃOS CARA-DE-PAU-filmaço
TROCANDO AS BOLAS-hilario
OS IRMÃOS CARA-DE-PAU 2000-fraquinho...
Talvez o Felipe tenha um ataque quando souber que o Rubens deu 2 estrelas para O MASSACRE DA SERRA ELETRICA de Tobe Hopper,dizendo que o filme envelheceu mal..
Pronto,não vou mais falar deles.Essa foi a ultima vez.

osvaldo neto disse...

"Meu sonho é dirigir um filme e colocar o Dick Miller numa ponta! hhahahahahaha"

Somos dois!

:)

Allan Verissimo disse...

Voltando a falar de Spielberg,ele realmente já fez classicos do cinema como TUBARÃO,INDIANA JONES,E.T,A COR PURPURA,A LISTA DE SCHINDLER e mais uma duzia de filmes divertidos.Mas sejamos francos:de 2000 pra cá ele ficou terrivelmente bundão e convencional,e exemplos perfeitos disso são quando ele apagou as armas de E.T e os finais felizes forçados e horrorosos de A.I,MINORITY REPORT e GUERRA DOS MUNDOS.

Anônimo disse...

esses filmes como 'o massacre da serra eletrica' são todos muuuuuuuuuuitoo exagerados.

e é assim q tem q ser!

se a ruboca diz q envelheceu mal, então peraí até aparecer alguem com uma motoserra pra aparar aquele cavanhaque de merda dele