quarta-feira, 30 de abril de 2014

SEM FACE (1987)


A filmografia de Jess Franco na década de 1980 provavelmente ficaria restrita às produções baratíssimas que ele fez para a Eurociné (França) e para a Golden Films (Espanha) se não fosse por René Chateau. Pois eis que este famoso exibidor e distribuidor francês - uma espécie de Luiz Severiano Ribeiro de Paris - resolveu se aventurar na produção dos seus próprios longas, e começaria financiando um filme de horror. Assim, acabou chegando ao velho Jess, graças à sua fama de fazer filmes eficientes com pouca grana.

Chateau tinha uma ideia pouco original sobre um cirurgião plástico louco que sequestra garotas para retirar-lhes o rosto e tentar devolver a face deformada da sua irmã - mais uma versão do clássico francês "Os Olhos Sem Rosto" (1960), de Georges Franju.

Franco aceitou o trabalho, mas aproveitou para exumar o cadáver do seu personagem mais famoso (o Dr. Orloff) e do seu filme mais famoso ("O Terrível Dr. Orloff", de 1961), e assim surgiu "Les Prédateurs de la Nuit", conhecido mundialmente como FACELESS e lançado em DVD no Brasil com o título SEM FACE.


O mais interessante sobre SEM FACE é que o diretor espanhol estava acostumado a trabalhar com orçamentos que iam diminuindo até quase sumir durante as filmagens, o que exigia que ele apelasse para mudanças no roteiro e/ou improvisos diversos para conseguir terminar o filme.

Aqui foi justamente o contrário: o que começou como um terror de baixo orçamento acabou se transformando numa produção de alto nível, com atores famosos (e "classudos"), cenários luxuosos e até efeitos especiais decentes. Segundo o próprio Franco, esta foi a produção mais cara que ele dirigiu em toda a sua vida, com um orçamento de alguns milhões de dólares.


Até por causa disso, muitos fãs do diretor consideram esta uma obra "menor" na sua filmografia, um trabalho menos pessoal e mais "mainstream", feito exatamente para atingir um público mais amplo - e até para comprovar que um especialista em filmes baratos e experimentais, como Jess, poderia atingir outros públicos.

SEM FACE é realmente um dos filmes mais acessíveis de Franco, ainda mais por ter sido feito numa época em que seu trabalho estava pendendo mais para o erotismo quase explícito ("Macumba Sexual", "La Mansión de los Muertos Vivientes"), sem muita preocupação em criar histórias redondinhas, com começo, meio e fim. Pois aqui Jess volta a dirigir um HORROR mesmo, e do tipo mais pesado e violento, contendo algumas das imagens mais escabrosas que ele já filmou!


O filme conta a história do Dr. Frank Flamand (Helmut Berger), um renomado cirurgião plástico de Paris cuja luxuosa clínica pratica procedimentos nada ortodoxos nas clientes ricas: numa espécie de modernização da história da Condessa Elizabeth Bathory (aquela que se banhava no sangue de virgens para manter a juventude), o Dr. Flamand aplica nas madames transfusões do sangue de jovens garotas aprisionadas nas noites parisienses, e mantidas num moderno calabouço no porão da sua clínica!

Isso, entretanto, é um elemento bem secundário da trama, e logo abandonado: o verdadeiro foco de SEM FACE é em Ingrid (Christiane Jean), a irmã do médico, que, ao salvá-lo do ataque de uma ex-paciente frustrada, acaba recebendo um banho de ácido e tem o seu belo rosto destruído!


(Um parêntese: A cena do ácido, de tão mal-feita e mal-filmada, lembra momento parecido em "Inferno Carnal", de José Mojica Marins: após receber o ácido no rosto, a atriz usa as mãos para arrancar pedaços de látex da cara, como se fosse a pele queimada se soltando do rosto, mas nada acontece com os seus dedos, que em tese também estão em contato direto com o mesmo ácido!)


Sentindo-se culpado pela tragédia de Ingrid - com quem vive uma relação bem suspeita -, o Dr. Flamand resolve tentar um "transplante de rosto", usando aquela mesma prática de sequestrar vítimas inocentes pelas ruas de Paris para tentar encontrar uma nova face para a sua irmã.

Com a ajuda da bela cúmplice e amante Nathalie (Brigitte Lahaie, ex-atriz pornô e musa do diretor francês Jean Rollin), e de um truculento capanga mudo chamado Gordon (Gérard Zalcberg), o cirurgião plástico chega à "doadora" perfeita: a modelo Barbara Hallen (Caroline Munro, musa do diretor italiano Luigi Cozzi), cujo vício em cocaína faz com que ela seja facilmente atraída e aprisionada pelos vilões.


O problema agora é como fazer para dar o rosto da bela modelo a Ingrid. Depois de uma visita ao Dr. Orloff (Howard Vernon), um polêmico médico que tentou o mesmo procedimento no passado, Flamand e Nathalie chegam ao cirurgião alemão Karl Heinz Moser (Anton Diffring), que realizou inúmeras operações ilegais durante a Segunda Guerra Mundial, e através delas desenvolveu uma técnica para a retirada/implante de faces.

Mas Flamand e cia. não contavam com um pequeno problema: Barbara, a modelo sequestrada, é filha de um figurão de Nova York, Terry (Telly Savalas!!!). Preocupado com o súbito desaparecimento da filha, o magnata contrata um detetive particular, Sam "Big Mouth" Morgan (Christopher Mitchum, filho menos famoso de Robert Mitchum), para "virar Paris do avesso" e encontrar a garota.


SEM FACE não é o "típico filme de Jess Franco", ainda mais considerando as produções tosquíssimas que ele estava fazendo naquele período. A fotografia é bonita, mas também burocrática, sem aquelas maluquices tradicionais do diretor; já a quantidade de nudez e sacanagem é mantida num mínimo aceitável, fugindo daquelas suas produções estilo "Macumba Sexual", em que os atores e atrizes passavam o tempo todo pelados.

Na entrevista que acompanha o DVD importado do filme, Franco inclusive ressalta que o produtor ficava pedindo mais nudez e cenas de sexo, mas ele preferiu se segurar por achar que seria de mau gosto colocar putaria num filme com tantos atores famosos. Até Brigitte Lahaie, que não precisava de muito incentivo para tirar a roupa nas produções em que aparecia, está completamente vestida o tempo inteiro!


Assim, a grande atração é o "gore". E o resultado é o filme mais sangrento que Franco já fez, capaz de rivalizar até com o violento "Bloody Moon". O produtor Chateau não economizou neste departamento, e contratou o técnico francês Jacques Gastineau, que tinha no seu currículo a realização de máscaras e maquiagens para "Força Sinistra" (1985), de Tobe Hooper.

O resultado é exageradamente gráfico. Lá pelas tantas, uma vítima é morta com uma seringa enfiada no olho. Isso já foi mostrado antes em outros filmes (de memória, lembro de "Halloween 2" e "Os Mortos-vivos", ambos de 1981), mas não com tanto detalhismo: Franco filma um super-close da agulha entrando lentamente num olho falso, "vazando" o globo ocular, e mantém a câmera nessa imagem incômoda durante longos segundos enquanto o sangue sobe pela agulha para a seringa!


Também fazem parte do "cardápio" tesourada no pescoço, braços cortados com faconaço, cabeça decepada com serra elétrica e broca na testa, tudo produzido a partir de efeitos práticos - sabe, aquela coisa que existia antes da computação gráfica tomar conta do departamento. Às vezes, os "bonecos" usados para as cenas violentas ficam até mais visíveis do que deveriam, mas mesmo assim o resultado convence mais do que o sangue em CGI das produções modernas.

E Franco ainda filma não uma, mas DUAS cenas de retirada do rosto de vítimas diferentes, ambas mostradas em detalhes cirúrgicos (sem trocadilho), e ambas bastante eficientes e realistas. São momentos de virar o estômago, principalmente quando uma das operações dá errado e a pele começa a rasgar na hora da retirada - e com a "doadora" ainda viva, é claro!


O sadismo rola solto em SEM FACE, que está cheio de vilões terríveis praticando atos ainda mais terríveis. Com a maior tranquilidade do mundo, como quem está fazendo uma operação de rotina, o ex-nazista Dr. Moser pede que Nathalie aplique uma injeção de anestesia na garganta de uma vítima consciente, para impedir que ela fale ou grite de dor durante a retirada do seu rosto; depois, ele mostra o rosto arrancado para a própria "doadora", com a face agora reduzida a cartilagens, músculos e olhos que se movem sem pálpebras, e comenta: "Veja só como ela (Ingrid) vai ficar linda!".


Por falar em sadismo, SEM FACE tem uma final bem longe de ser feliz, numa daquelas conclusões filhas-da-puta à la "O Nevoeiro". (SPOILERS) O "herói" Morgan finalmente chega à clínica de Flanard e entra na cela para libertar Nathalie, que está amarrada, mas o casal é surpreendido por Nathalie, que fecha e tranca a porta. Apesar do detetive largar um daqueles blefes tradicionais ("A polícia sabe que estou aqui"), é claro que o coitado se deu mal e não avisou ninguém. E aí Flanard resolve eliminar todos os vestígios das suas experiências, incluindo as duas testemunhas, construindo uma parede para cobrir a porta da cela - sepultando Morgan e Nathalie vivos, num pesadelo digno de Edgar Allan Poe! E embora a última cena do filme dê alguma esperança ao espectador, quando o personagem de Telly Savalas ouve a última ligação do detetive em sua secretária eletrônica (em que ele diz que iria investigar a tal clínica), logo fica óbvio que já não há mais tempo de resgatar as duas vítimas com vida, pois a ligação foi feita no Natal e ouvida apenas depois do Ano Novo! (FIM DOS SPOILERS)


É possível encarar SEM FACE como uma modernização (neste caso, para os exagerados anos 1980) tanto de "Os Olhos Sem Face" quanto de "O Terrível Dr. Orloff", já que há elementos bem característicos de ambos aqui.

De "Os Olhos Sem Face", além das cenas gráficas de cirurgia facial, o filme pegou emprestada a bela assistente que auxilia o médico na busca de cobaias (Alida Valli lá, Brigitte Lahaie aqui), e o fato de Ingrid usar uma máscara inexpressiva para esconder o rosto deformado (como fazia a filha do cientista no filme de Franju) ao transar com um garoto de programa.

Já do seu próprio "O Terrível Dr. Orloff", Franco resgatou não apenas o personagem-título (como veremos mais adiante), mas também a presença de um assassino mudo como capanga: em 1961, este papel coube ao antológico Morpho, que era cego; aqui, é Gordon quem assume a tarefa, e, embora não seja cego, tem as sobrancelhas raspadas, o que lhe dá um ar bem sinistro.


SEM FACE também se encaixa na longa filmografia de Franco pela maneira como sexo, morte e perversão caminham juntos e de mãos dadas: Gordon não apenas estupra as prisioneiras na masmorra do Dr. Flamand, mas também manifesta tendências necrófilas em pelo menos dois momentos (ele guarda a cabeça decepada de uma vítima e a beija!); o Dr. Flamand nunca transa com suas vítimas, preferindo apenas excitá-las para depois deixá-las aos cuidados de Nathalie, e então sai de fininho para acompanhar a irmã (paixão incestuosa?) pelo circuito fechado de TV da clínica; por fim, há referências bem tímidas a submissão e sadomasoquismo.


O mais impressionante é o elenco que Franco e seu produtor reuniram para dar vida a esses personagens tão escrotos e/ou caricaturais. São nomes e caras conhecidas que defendem seus papéis com convicção, e às vezes nem parece que estão num terror-podreira dirigido por Jess Franco!

O eterno "Kojak" Savalas aparece menos de cinco minutos (suas cenas aparentam ter sido filmadas em algumas horas, e num único cenário), mas mesmo assim convence como o pai milionário preocupado com sua única e problemática filha - ele até ameaça chorar num momento em que fala dela para o detetive Morgan.


O austríaco Helmut Berger é uma grande surpresa, já que o homem geralmente era avesso a essas presepadas e fazia um estilo mais "refinado". Tá, ele é lembrado até hoje por ter feito um coronel nazista no sexploitation/nazisploitation "Salon Kitty" (1976), de Tinto Brass, mas também foi dirigido por famosões como Luchino Visconti (quatro vezes!!!) e Vittorio De Sica!

Por isso, a participação do ator empresta um ar de sofisticação ao filme, mesmo que às vezes fique visível um certo desconforto por parte de Berger, como se tivesse percebido tarde demais onde estava metido - e talvez seja proposital o fato de ele nunca se envolver nas cenas mais "pesadas", deixando o "trabalho sujo" para seus aliados, apesar de ser o grande vilão do filme. Mas SEM FACE não arranhou a carreira mais "certinha" de Berger, que três anos depois apareceria com certo destaque em "O Poderoso Chefão III", de Francis Ford Coppola.


Outra surpresa é a veterana Stéphane Audran, atriz e ex-mulher do diretor francês Claude Chabrol, no papel da dondoca que toma a seringada no olho! Não é o tipo de cena em que você imaginaria ver esta respeitável senhora, que antes havia participado de filmes vencedores do Oscar como "O Discreto Charme da Burguesia" (1972), de Luis Buñuel, e (no mesmo ano de 1987) "A Festa de Babette"! Segundo o que Jess Franco disse numa entrevista, Stéphane aceitou participar de SEM FACE por ser uma grande fã de filmes de horror, e por isso encarou numa boa até a cena da agulha no olho! Num mundo perfeito, divertidas participações como essa seriam mais frequentes.


Até Chris Mitchum, um canastrão de carteirinha, está menos mal que de costume no papel do detetive. Ele encarna Sam Morgan como um fanfarrão que está sempre fazendo piadinhas e espancando "suspeitos", (SPOILERS) mas perde totalmente a pose na conclusão, quando, ao perceber o tamanho da merda em que se afundou, fica sem palavras e só consegue olhar desesperado através do vidro da cela, que lhe impede de estrangular a malvada Brigitte Lahaie - enquanto a moça olha de volta com uma expressão ao mesmo tempo de triunfo e de desprezo! (FIM DOS SPOILERS)


Brigitte, por sinal, está ótima como enfermeira/amante/cúmplice do Dr. Flamand, exalando sensualidade e erotismo sem precisar mostrar um único peitinho (quem quiser conferir a performance da moça "sem censura", que procure um dos seus diversos pornôs!). Confesso que nunca achei a moça grande coisa, embora ela tenha um grande séquito de fãs apaixonados, mas aqui Brigitte realmente aparece deslumbrante.

Tem até uma cena em que, vestida de enfermeira, ela segura ameaçadoramente a seringa que enfiará no olho de uma vítima, e que me lembrou muito a pose e o visual de Daryl Hannah disfarçada de enfermeira em "Kill Bill". Terá Tarantino se inspirado em SEM FACE e Brigitte Lahaie? Não seria surpresa...


Já Caroline Munro, uma atriz normalmente limitada (embora muito gostosa), é a única que não tem muito a fazer, considerando que sua personagem passa o filme inteiro aprisionada à espera do transplante de rosto. É pouco para alguém que já foi Bond Girl, Drácula Girl (em alguns filmes de vampiro da Hammer) e até a lendária Stella Star, de "Star Crash".

Mas os fãs da moça vão gostar de saber que ela aparece quase o tempo todo de pernocas de fora (e às vezes com a calcinha à mostra). Era para ter pagado peitinho, numa cena em que é estuprada por Gordon, só que a atriz arregou e convenceu Franco de que a nudez não era necessária - e, infelizmente, Caroline venceu a discussão!


O elenco secundário de SEM FACE ainda envolve algumas curiosas brincadeiras cinematográficas. A principal delas é a referência ao Dr. Orloff, novamente interpretado por um envelhecido Howard Vernon, como se o médico tivesse sobrevivido ao final de "O Terrível Dr. Orloff" e à passagem das décadas.

Esta participação especial marca a última parceria entre Franco e Vernon, que morreu em 1996. Anos depois, no péssimo "Dr. Wong's Virtual Hell", Jess "homenageou" o amigo reaproveitando cenas de arquivo dele em "La Maldición de Frankenstein" (1972).


Outra divertida referência foi ter chamado o veterano Anton Diffring para o papel do cirurgião plástico doido e assassino, já que Diffring interpretou papel muito parecido em "Circo dos Horrores" (1960), de Sidney Hayers. Neste filme, ele fazia o Dr. Schuler, um cirurgião plástico fugido da Inglaterra que se disfarçava de dono de circo na França e operava garotas deformadas para dar-lhes um novo rosto e um emprego como artistas do picadeiro. SEM FACE também acabou sendo um dos últimos trabalhos do ator, que morreu em 1989.


Por fim, uma brincadeira bastante curiosa - e que geralmente não é mencionada nas resenhas sobre o filme - envolve a participação da atriz francesa Florence Guérin como... ela mesma!!! Numa cena, o Dr. Flamand assiste cenas do filme "The Click" (1985), de Jean-Louis Richard e Steve Barnett, estrelado por Florence, e mais tarde ele e Nathalie a encontram numa boate de Paris e resolvem sequestrá-la para ser o "rosto perfeito" de Ingrid!

Pois eis que Florence é representada como uma artista fútil e estúpida, que não se importa de seguir a dupla até a clínica com a promessa de um ménage a trois (ela até aparece de lingerie e dando umas bitocas em Brigitte Lahaie). Corajosa, a atriz também encara o papel de vítima, e tem o seu rosto retirado cirurgicamente. Não consigo lembrar de outro exemplo de atriz aparecendo "as himself" em cenas tão grotescas (e queima-filme), além da participação recente de Ashlynn Yennie, também como "ela mesma", em "A Centopeia Humana 2"!


Infelizmente, SEM FACE também tem diversas derrapadas. O fato de não ser um típico filme de Jess Franco pode representar vantagem para aqueles espectadores que confessadamente não curtem a obra do diretor, mas ao mesmo tempo é frustrante para os fãs do homem, pois em nada lembra os seus trabalhos mais inspirados e esteticamente ousados.

Em sua ânsia por tentar ser mais "popular", Franco se rendeu a uma estética pasteurizada que, se não fosse pelo gore, lembraria até um episódio de série de TV daquela época. Uma das críticas estrangeiras que li foi muito feliz ao apontar que, entre uma cena sangrenta e outra, o filme parece "um episódio ruim de Miami Vice". 


O que mais trava o filme são as cenas que envolvem as investigações de Morgan, e que caem naquele manjado clichê do "detetive americano falastrão arrancando informações na pancada" (e é incrível como o "herói" agarra praticamente todas as suas testemunhas pela gola da camisa para obter as respostas de que precisa!).

Isso conduz a um desajeitado momento cômico no nível "Zorra Total", quando Morgan vai "interrogar" um afetadíssimo fotógrafo gay e acaba tomando uma coça do amante dele, um bombadão que atende pelo carinhoso nome de... Doudou?!? Os dois saem na pancada e começam a demolir a sala de estar do dono da casa, que tem exagerados faniquitos do tipo "Ai não, o meu vaso ming!!!". É o tipo de bobagem que até diverte pelo inusitado, mas que não se encaixa de maneira alguma no clima do filme.


Porém o grande problema de SEM FACE é o fato de Franco dar mais ênfase aos vilões do que às vítimas, como já havia feito inúmeras vezes na sua filmografia (só para citar dois exemplos, em "Ela Matou em Êxtase" e "Jack the Ripper"). Isso compromete inclusive o final chocante, já que o espectador não poderia se importar menos com os "heróis" - um detetive truculento e sem-graça e uma filhinha-de-papai cheiradora e estúpida. O mesmo acontece quando a personagem de Caroline Munro é estuprada: devia ser algo horrível, mas a moça é tão descartável na trama que o espectador "nem tchums" pra ela!

E tem ainda uma insuportável baladinha pop-80's, cantada pelo canadense Vincenzo Thoma, que toca umas 50 vezes, numa verdadeira lavagem cerebral (prepare-se para cantar o trecho "Destination Nowhere / A half mile to Paradise" pelo resto da semana depois de ver o filme!).


Fechando um olho (ou um olho e meio) para essas barbeiragens, SEM FACE até que é um filme bem decente, principalmente comparando com as tralhas que o diretor estava fazendo no mesmo período com um décimo do orçamento.

Mas percebe-se claramente uma falta de segurança (e até de estilo) de Jess em dirigir uma produção mais refinada, e com algo próximo de um orçamento alto (também é possível que o produtor Chateau tenha influenciado bastante no resultado final do filme).

Talvez Franco funcione melhor no improviso, sem dinheiro, e trabalhando com seu tradicional "exército de Brancaleone", aqui limitado a participações especiais de Vernon e da esposa e musa Lina Romay (numa pontinha como esposa do Dr. Orloff, e trabalhando atrás das câmeras como diretora de 2ª unidade).


Mesmo assim, sempre é interessante ver como um diretor "underground" se sai dirigindo obras endinheiradas para atingir um público mais amplo. Tudo considerado, Franco não foi tão mal: algumas das coisas que eu apontei como defeitos certamente não farão nenhuma diferença para o público médio, aquele que só espera um terror sanguinolento típico dos anos 80 e não faz a menor ideia de quem seja Jess Franco.

Durante muito tempo, inclusive, SEM FACE foi uma das obras do diretor com melhor distribuição internacional (graças ao dinheiro de René Chateau). Também foi o último filme decentemente produzido de Jess, que a partir daqui faria um mergulho sem retorno nas produções de orçamento mínimo ou inexistente (tipo "O Massacre dos Barbys", em 1996), e nos filmes dirigidos em vídeo digital no seu próprio apartamento.

Ficaria até mais digno se Franco tivesse encerrado sua filmografia por aqui, em alto estilo, sem nunca ter embarcado naquelas presepadas digitais que fez a partir dos anos 2000. Mas como fazer cinema era a vida do cineasta espanhol, parar em SEM FACE provavelmente também representaria sua morte prematura em 1987, e não 2013.

PS: Não sei como foi o retorno nas bilheterias, mas René Chateau nunca mais produziu outro filme depois desse...


Trailer de SEM FACE



*******************************************************
Faceless / Les Prédateurs de la Nuit
(1987, França)

Direção: Jess Franco
Elenco: Helmut Berger, Brigitte Lahaie, Christopher
Mitchum, Caroline Munro, Telly Savalas, Anton
Diffring, Howard Vernon e Florence Guérin.