sábado, 21 de abril de 2012

CONDIÇÃO DE DEFESA (1985)


Se você foi moleque na finaleira da década de 80, certamente, em algum momento da sua infância, você entrou numa videolocadora e topou com a fita de CONDIÇÃO DE DEFESA da extinta Transvídeo na prateleira de ficção científica. E ficou encantado com a arte da capinha, aquele esqueleto de astronauta semi-enterrado na areia com uma estação espacial em ruínas ainda em órbita acima dele. E pensou: "Preciso ver esse filme, deve ser foda demais".

E aí você provavelmente locou o filme, reuniu a turma na sala, colocou a fita no velho videocassete do papai e sentou no sofá preparado para ver o negócio mais foda de todos os tempos... mas logo viu-se diante de mais um clássico caso de pôster/capinha muito melhor que o filme em questão. Por sinal, algo bem comum entre as produções classe B daquela era pré-capinhas photoshopadas, quando a regra era: "Se você tem um filme meia-boca, capriche no pôster!".


A bem da verdade, CONDIÇÃO DE DEFESA nem é tão meia-boca assim, só é muito diferente do que você espera por aquela capinha fantástica com o esqueleto do astronauta (que nunca aparece no filme) e a estação espacial em ruínas (que aparece muito rapidamente e não está tão em ruínas quanto no desenho da capinha).

A bem da verdade, também, esta é aquela típica produção que parece ficar melhor quando você revê depois de "velho" do que naquela primeira assistida ainda moleque, pela velha fitinha da Transvídeo ou pelas reprises no SBT, que, naquela época mágica do final dos anos 80/começo dos 90 costumava passar aventuras violentas e pessimistas, como esta, em pleno horário da tarde!


Antes de falar da obra em questão, permitam-me fazer uma rápida retrospectiva do período. CONDIÇÃO DE DEFESA foi lançado em 1985. Quatro anos antes, os australianos fizeram o clássico dos clássicos "Mad Max 2", dando origem a toda uma série de aventuras pós-apocalípticas que tomaram este filme como referência visual e estilística. Assim, durante um período de mais ou menos seis anos, cineastas norte-americanos, italianos e filipinos, principalmente, dedicaram-se a lançar cópias baratas de "Mad Max 2", com cenários pós-apocalípticos, punks, mutantes e guerreiros sem nome lutando por água ou gasolina.

À primeira vista, CONDIÇÃO DE DEFESA parece ter sido produzido para aproveitar a febre "Mad Max 2", e até tem algumas coisas em comum com a aventura australiana. Além do óbvio fato de a história se passar depois do apocalipse nuclear, aqui também temos punks e veículos construídos com sucata e design engraçado.


As "semelhanças", entretanto, param por aí, pois esta produção canadense é beeeeeem diferente de "Mad Max 2", e quem espera algo na mesma linha ficará muito decepcionado. Até porque este filme aqui tem muito mais em comum com uma outra aventura barata produzida nos EUA uns anos antes, chamada "The Aftermath" (1982), e dirigida por Steve Barkett.

Peraí, eu escrevi "muito em comum"? Generosidade minha. Na verdade, CONDIÇÃO DE DEFESA é tão parecido com "The Aftermath" que caberia até processo por plágio: em ambos, astronautas na órbita da Terra voltam ao planeta após uma guerra nuclear e encontram o mundo devastado e governado por bárbaros criminosos e/ou mutantes canibais!


O filme canadense foi escrito, produzido e dirigido por Paul Donovan, que não fez mais nada tão conhecido. Começa com um letreiro dizendo que a trama se passa "no dia depois de amanhã", e então apresenta nosso trio de protagonistas: astronautas que controlam uma estação espacial carregada de mísseis nucleares na órbita terrestre (baseada no sistema de defesa "Guerra nas Estrelas", do Governo Reagan).

O trio é formado pelo nosso herói, um nerd magricela (!!!) chamado Howe (Tim Choate, em seu crédito mais expressivo), por uma médica chamada Jordan (Kate Lynch, de "Almôndegas"), e pelo escroto, taradão e fã de filmes pornô Walker (John Walsch, único crédito), que, apesar de todas as suas "qualidades", vem a ser o comandante da missão (!!!).


Quando russos e líbios detonam a Terceira Guerra Mundial, disparando mísseis nucleares que destróem boa parte do globo, os três astronautas precisam decidir se seguem suas ordens (de disparar mais mísseis em retaliação) ou seguram as pontas. Após uma discussão, decidem que jogar mais radiação na Terra acabará com o que quer que tenha sobrado do planeta, e que o melhor é sentar e esperar para ver se há sobreviventes do confronto.

Um mês depois, Howe faz alguns estudos por computador e descobre que menos de 10% da população mundial sobreviveu às bombas nucleares, e que este percentual vai baixar mais ainda nos meses seguintes por causa da contaminação pela radioatividade. O trio resolve voltar à Terra, mas os únicos locais seguros são a Antártida, a Ilha da Páscoa e certas áreas da América Central!!!


Então, subitamente, a estação espacial recebe um estranho sinal de rádio e é atraída de volta ao planeta, sem que seus ocupantes possam reverter o comando. Preocupados, eles descarregam seus mísseis nucleares no espaço (somente uma das ogivas fica presa à nave) e entram numa cápsula de emergência, com a qual pousam em algum lugar do litoral dos Estados Unidos.

A cápsula fica enterrada na aeia, e nossos bravos heróis (alô, Bial!) precisam cavar sua saída. Mas o pobre Walker é agarrado por algo do outro lado e puxado para fora da nave. A única coisa que resta do sujeito é sua mão, cortada na altura do pulso!


Horas depois, Howe resolve fazer um reconhecimento, deixando a colega Jordan no interior da cápsula. O pobre astronauta vai descobrir que a Terra virou um lugar nada pacífico ao encontrar um grupo de canibais comendo o que restou do cadáver de Walker, à la "A Estrada"! (E por falar nele, vale dar uma olhada nesse divertido fake trailer que usa cenas de CONDIÇÃO DE DEFESA para criar uma aventura fictícia bem parecida com "A Estrada"...)

Pois eis que, como acontecera em "The Aftermath", a Terra pós-apocalipse está dominada por mutantes canibais (apelidados de "Terminais") ou por membros de uma violenta milícia. Os poucos sobreviventes que não pertencem nem a um nem a outro grupo são caçados implacavelmente por ambos, para virarem prisioneiros ou comida - dependendo do grupo em questão.


Howe encontra outros sobreviventes, como Vinny (Maury Chaykin, figurante em mais de 150 filmes, entre eles "Ensaio Sobre a Cegueira"), um fazendeiro que usa kilt escocês, e J.J. (Lenore Zann, de "Feliz Aniversário Para Mim"), uma loirinha vestida como colegial. E logo todos, mais Jordan, são aprisionados pela tal milícia.

E é quando a coisa começa a ficar trash: a tal milícia tem um campo de concentração repleto de soldados esfarrapados e prisioneiros idem. Numa reviravolta impossível de levar a sério, os sujeitos são liderados por Gideon Hayes (Kevin King, o clone de Val Kilmer), um moleque filhinho-de-papai que, sabe-se lá como, conseguiu dominar e influenciar toda aquela gente, e é obedecido cegamente por eles!


Pois foi Gideon o responsável por trazer a estação espacial de Howe e Jordan de volta à Terra, através de um gênio da informática que trabalha para ele. Tudo porque precisava das informações sobre locais livres de radiação que aparentemente só a nave contém. Quando os malvadões se apossam destes dados, a vida dos astronautas e dos demais prisioneiros passa a ser descartável. Será que eles conseguirão escapar de Gideon e seu exército e encontrar um lugar seguro no mundo devastado

Só pelo resumo da trama, já deu para perceber que quem viu ou for ver CONDIÇÃO DE DEFESA esperando pela típica cópia de "Mad Max 2" quebrou a cara ou ainda quebrará. Descontando algumas cenas esporádicas aqui e ali, a aventura canadense é praticamente desprovida de ação, e na maior parte do tempo os heróis estão aprisionados e pensando em maneiras de escapar.


Claro que não ajuda o fato de o filme ter um dos piores heróis de todos os tempos, o frágil e covarde Howe, que faz pouco ou nada de útil até a conclusão - mas pelo menos o roteiro é realista na sua transformação beeeeeem lenta de bunda-mole em vingador. Para piorar, todos os outros personagens "bonzinhos" são difíceis de simpatizar. O único sujeito interessante era o porra-louca do Walker, e o coitado é justamente o primeiro a morrer!

Mas há algo de interessante em CONDIÇÃO DE DEFESA que é justamente o suspense. Aniquilando a ação em prol de uma abordagem mais "realista", o filme consegue deixar o espectador em permanente tensão, preocupado com o destino dos protagonistas, já que nenhum deles é tão heróico quanto um Mad Max para sair na porrada com os vilões e livrar-se facilmente dos problemas do mundo pós-apocalíptico.

Inclusive, comparando com "Mad Max 2" e seus clones e imitações, CONDIÇÃO DE DEFESA tem um aspecto muito mais cru e verossímil. Aqui você não vê punks com vastas cabeleiras e roupas de couro pós-fim do mundo, mas sim pessoas sujas e destruídas pela radiação. Cenários, figurinos e figurantes são tão feios, nojentos e apodrecidos que você fica até feliz por não existir nenhuma tecnologia que permita sentir os cheiros do filme, que nesse caso aqui não seriam nada agradáveis.

Enfim, se houvesse um apocalipse nuclear, acho que o resultado seria algo bem mais próximo do que é mostrado aqui do que daquele universo fantasioso e carnavalesco de "Mad Max 2" e seus clones italianos e filipinos.

Tem uma cena que me marcou desde a primeira vez que vi, vinte e poucos anos atrás: Gideon prepara um filé para um subordinado tetraplégico, tentando forçá-lo a conseguir as informações de que necessita. E precisamos considerar que um filé grelhado, num mundo pós-apocalíptico, deve ser algo próximo do que vale o ouro hoje. Enfim, o vilãozinho de araque fica grelhando o filé até conseguir o que quer, e então joga a carne no chão repleto de lama ou merda (escolha o que achar melhor). Não satisfeito, derruba o pobre inválido de cara no mesmo chão nojento, e mesmo assim o sujeito dá umas lambidas de satisfação no filé todo sujo de lodo!

Esta é uma qualidade admirável em CONDIÇÃO DE DEFESA: o desprezo pelos personagens, já que seus realizadores não poupam nem mesmo os protagonistas de sofrimentos atrozes ou mortes cruéis. Um dos "heróis" tem um destino terrível lá para o final do filme, algo que foi de grande impacto quando vi ainda moleque. E sem esquecer o pobre Walker, o melhor personagem da primeira parte da trama, morto sem mais nem menos no retorno à Terra.


Por outro lado, o roteiro de Paul Donovan também dá um tiro no próprio pé por criar alguns personagens secundários muito interessantes, mas nunca desenvolvê-los satisfatoriamente. É o caso de Vinny, o fazendeiro de kilt que usa um tanque blindado para, com visível satisfação, atropelar e matar alguns "Terminais".

Ou mesmo o vilão Gideon: não deixa de ser curioso ter um bunda-mole como grande ditador do mundo pós-apocalíptico, mas o roteiro nunca explica satisfatoriamente como é que um adolescente conseguiu ter uma milícia sob seu comando. Infelizmente, os verdadeiros protagonistas são os bem menos interessantes Howe e J.J., e a narrativa prefere gastar tempo com eles.

Segundo o IMDB, embora Donovan tenha assinado a direção, outros dois sujeitos dirigiram cenas sem receber crédito. Um é o desconhecido Digby Cook, que, segundo o site, teria sido o responsável pelos noticiários exibidos no começo do filme; o outro, acredite se quiser, seria o americano Tony Randel, de "Hellraiser 2" e "O Guerreiro da Estrela Polar". Nos créditos finais ele aparece como "supervisor de pós-produção", mas também teria dirigido algumas cenas.

Uma olhadinha nos créditos revela outros talentos envolvidos na produção: a trilha sonora é de Christopher Young, que depois faria músicas para blockbuster hollywoodianos; o coordenador de produção é Steve Barnett, posteriormente diretor do belo filme B "Pesadelo Futuro", com Bruce Campbell; e o designer dos créditos iniciais, Ernest D. Farino, saiu daqui para trabalhar com efeitos visuais em filmes como "O Exterminador do Futuro" e "O Segredo do Abismo" (além de também ter dirigido um belo filme B, "Máquina da Vingança").


Embora não seja exatamente um grande filme, CONDIÇÃO DE DEFESA vale justamente pelo que é: uma produção barata e nostálgica que pertence a um subgênero morto há anos (as aventuras pós-apocalípticas). Também é uma tentativa de se fazer algo radicalmente diferente dos meros clones de "Mad Max 2" e suas intermináveis lutas por água e combustível no deserto.

Sem contar que passa uma importante lição de vida: por via das dúvidas, procure ser amigo daquele filhinho-de-papai bunda-mole da sua vizinhança. Vai que acontece uma Terceira Guerra Mundial e ele milagrosamente vira líder dos esfarrapados sobreviventes, como aconteceu com o sósia do Val Kilmer aqui?


PS 1: Uma rápida explicação sobre o título original, porque o FILMES PARA DOIDOS também é cultura. "Def-Con" é a sigla para "defense condition", ou "condição de defesa", uma posição de alerta usada pelas Forças Armadas norte-americanas em situações de risco de ataque. Um estágio "Def-Con 5" significa que está tudo normal, mas "Def-Con 4" já pede certas medidas de segurança. A coisa vai progredindo até o temível "Def-Con 1", que é o código para uma guerra nuclear iminente.

PS 2: O Blogger mudou o sistema de postagem e ficou uma verdadeira MERDA. Portanto, até eu me acostumar com as novas e ridículas ferramentas, as atualizações devem ser menos frequentes - já que o ato de configurar o post ficou desnecessariamente mais complicado!


Trailer de CONDIÇÃO DE DEFESA
 
 
*******************************************************  
Def-Con 4 (1985, Canadá) 
Direção: Paul Donovan (mais Tony Randel e Digny Cook) 
Elenco: Tim Choate, Lenore Zann, Maury Chaykin, Kate Lynch, 
Kevin King, John Walsch, Jeff Pustil, Alan MacGillivray, 
Donna King e Florence Paterson.

14 comentários:

Luciano Milhouse disse...

Esse primeiro parágrafo aconteceu comigo COM TODAS AS LETRAS quando eu tinha 11 anos, hahahahahahaha!!!

marcos disse...

Eu assisti esse filme diversas vezes do antigo cinema em casa do SBT. Mas naquela epoca era outro nome se não me engano. Que saudad daquela epoca, hoje em dia nem na tv a cabo vc consegue assistir esses filmes

Daniel disse...

Meu primo foi um dos que se sentiram enganados pela capa do filme.

Uma vez quando estávamos em uma locadora eu queria locar esse filme e meu primo, que já tinha visto o filme, disse "essa capa é a maior enganação. O filme é bem diferente".


ps:O link do fake trailer não funciona

Bússola do Terror disse...

Realmente eu vi esse filme no SBT, de tarde, no início dos anos 90 (no Cinema em Casa).
E é engraçado: realmente essa emissora sempre passava filmes de terror de tarde naquela época. Eu lembro que assisti lá nesse horário Um Lobisomem Americano Em Londres, A Hora do Pesadelo, O Monstro da Ilha...
Ah, bons tempos!

Felipe M. Guerra disse...

DANIEL, consertei o link do fake trailer. Desculpem pela nossa falha!

Fairchild disse...

No SBesTeira o filme já foi chamado de "Depois do Fim do Mundo", logo, tive um trabalhão ao encontrá-lo anos mais tarde, pois sempre o confundia com o "Day After - O dia seguinte", acho que um monte de fãs desta tralha tiveram problema parecido. A cena de Howe sendo jogado na cela e, em seguida se assutando ao ver o cadáver, e o soldado mijando no Vinny enquanto lia um papel me impressionaram muito quando moleque. Excelente blog, minha vida estes filmes bagaceiros.

Anônimo disse...

Alex disse...
Bons tempos em que podíamos assistir a filmes como esse à tarde na tv aberta. Éramos felizes e não sabíamos. Pararam de passar filmes assim à tarde pois dizia-se que filmes violentos incentivam a violência e estimulam negativamente as crianças. Se isso fosse verdade, hoje em dia deveríamos estar vivendo em um mar de tranquilidade, pois na sessão da tarde da Globo hoje em dia só passam filmes com bruxinhas, cachorros, macacos e outros bichos falantes.

Anônimo disse...

Esse filme foi produzido pela New World Pictures? Tá explicado pq é uma tralha.

Paulo Geovani

Diones Leal disse...

Eu vivi essa época de terror nas tardes da tv aberta, como o sbt a band e a globo exibia muitos bons filmes com esse tema também. saudade do Cine trash e o Cinema em Casa.
O foda é que também peguei um pouco essa fase de filmes bocós nas tardes da tv aberta, antes de começar a trabalhar é claro, sofri pra caralho,não entendia porque nao se exibia mais filmes bons, até que cresci e conheci os torrents :P. Abraço a todos.

Vitor disse...

Felipe, quando veremos vc falar sobre Turkey Shoot? rsrsrsrsrsr

Jaws disse...

Assisti esse filme esses dias,e gosto muito deste tipo de filme b.Tenho varios,mais oque mais gosto mesmo é que minha filha de 12 anos adora assistir esse filmes comigo.rsrs.Estou arrumando mais uma para o seleto grupo de fãns deste tipo de filme.Esta semana ela assistiu A ilha dos homens peixes e adorou.hehehe.Quanto a esse filme a trilha sonora de abertura e a propria abertura com as letras garrafais ficaram marcadas para mim.

doggma disse...

Felipe, realmente a interface nova do Blogger é um porre. Pra retornar à anterior é só ir no painel (http://www.blogger.com/home), clicar naquela engrenagem no canto superior direito e depois em "Interface antiga do Blogger".

Beleza de artigo, aliás. Também me identifiquei com o 1º parágrafo!

nightrider disse...

Assisti uma vez no Cinema em Casa,mas não lembrava mais do nome!Pode até ser um filme trash ( o que é bom),mas ao ver esses filmes atuais,prefiro mil vezes curtir uma dessas pérolas do cinema antigão!

Leonardo Peixoto disse...

É sempre bom conhecer filmes antigos ! Valeu pela viagem no tempo :)