segunda-feira, 31 de outubro de 2011

KINJITE - DESEJOS PROIBIDOS (1989)


Último filme da lucrativa parceria entre o astro geriátrico Charles Bronson, o veterano cineasta J. Lee Thompson e a produtora Cannon Films, o interessante policial KINJITE - DESEJOS PROIBIDOS é bem acima da média, ainda mais para os bunda-molísticos padrões atuais. Mas, verdade seja dita, poderia ser um filme bem melhor sem estes envolvidos (Bronson, Thompson e Cannon).

Claro, sempre é bom ver uma aventura barata e inconsequente produzida pela Cannon e dirigida pelo experiente Thompson - que, à época, já tinha tocado o "Foda-se" e assumia o que viesse pela frente, de "Desejo de Matar 4" a "Os Aventureiros do Fogo", cópia pobretona de Indiana Jones estrelada por Chuck Norris. E sempre é bom ver o velho Bronson na sua milésima interpretação de policial durão.


Porém, uma sensação de estranheza permeia cada minuto de KINJITE, fazendo com que você às vezes se pergunte: "Mas peraí, que filme é esse que eu estou vendo?".

Eu aposto que o roteiro escrito por Harold Nebenzal era para ser originalmente um drama sério e pesado sobre o submundo da pornografia e da prostituição, na linha de "Hardcore", de Paul Schrader. O próprio trailer do filme já passa essa idéia.


Só que, provavelmente, o tal roteiro ambicioso acabou caindo nas mãos da Cannon, e o "drama sério e pesado" foi transformado em mais uma aventura corriqueira de Charles Bronson, pulando as partes mais interessantes para concentrar-se nos tiros e explosões - artifícios desnecessários diante da interessante história que está sendo narrada.

Bronson interpreta Crowe, um policial de Los Angeles especializado em casos de prostituição de menores de idade. Ele trabalha no departamento há anos, já viu de tudo um pouco e está prestes a explodir.


O filme já começa a todo vapor, com Crowe e seu parceiro Eddie Rios (Perry Lopes, que ironicamente foi inimigo de Bronson em "Desejo de Matar 4") irrompendo num quarto de hotel onde um milionário sacia suas fantasias depravadas com uma menininha de 15 anos. O "encontro romântico" foi agenciado pelo cafetão Duke (Juan Fernández), especializado em "fornecer" garotinhas menores de idade para ricaços pedófilos.

Crowe quer que o cidadão pego no flagra denuncie Duke, para que possam colocar o bandidão atrás das grades. Diante da recusa do homem, o herói agarra um imenso vibrador que o pervertido trazia numa maleta e diz: "Agora vou te mostrar como a garotinha iria se sentir".


(Embora a cena corte a partir dali, com os gritos desesperados do pedófilo, qualquer pessoa em sã consciência imagina o que Crowe fez com o sujeito! E se Charles Bronson já era perigoso com um REVÓLVER na mão, imagine com um consolo gigante!)

Naquela noite, o policial durão volta para casa com a cabeça pesada, achando que o fato "vibrador enfiado no rabo de milionário pedófilo" pode trazer problemas para ele no departamento. Mas encontrará outras preocupações no seu próprio lar, doce lar: sua filha adolescente, Rita (a gatinha Amy Hathaway), aos amassos com um atleta da escola.


Crowe reclama com a esposa Kathleen (Peggy Lipton, da série "Twin Peaks") sobre o acontecido, dizendo que a filha não tem idade para ficar fazendo essas coisas. E nesse momento já surge a primeira evidência de que esse é um herói nada convencional: acontece que o sujeito nutre uma paixão proibida pela garotinha, um ciúme obsessivo de qualquer outro homem que se aproxime dela.

Sem formas "legais" para prender Duke, o tira resolve dar uma prensa no cafetão para ele "se ligar". Certa noite, calça o bandido com seu revólver e o leva para um voltinha. É quando acontece uma das grandes cenas de KINJITE. O cafetão tenta negociar: "Quanto você ganha como policial num ano? Olha só, te dou este relógio de ouro com diamantes, que vale 25 mil dólares, se me deixar em paz". Crowe fica puto. Ele devolve o relógio para o bandido e aponta a arma para a sua cabeça: "Você vai engolir este relógio, senão te estouro os miolos". E não é que o cara, cagado de medo, engole mesmo o troço? Com um sorrisinho de satisfação, Crowe sai do Cadillac do cafetão falando: "Agora, para olhar as horas, você só precisa enfiar a cara no próprio rabo".


Paralelamente, começa a desenvolver-se um drama secundário: um executivo japonês chamado Hiroshi Hada (James Pax), casado com uma esposa que trata como escrava e com quem tem duas filhas pequenas, é transferido de Tóquio para Los Angeles. Hiroshi é aquele típico oriental reprimido por uma sociedade que exige trabalho e submissão. Sua válvula de escape são fantasias sexuais sórdidas com colegiais e mangás pornográficos que apavoram sua esposa.

Uma noite, voltando para casa, o japa vê um homem masturbar uma garota desconhecida no metrô. Quando comenta o fato com um amigo no dia seguinte, este lhe explica o acontecido: "É natural que a moça não tenha pedido ajuda: ela não suportaria a humilhação de assumir em público que estava sendo molestada".


Chegando a Los Angeles, Hiroshi pega um ônibus e dá o azar de cruzar justo com a filha de Crowe e suas amiguinhas. Bêbado, tenta repetir o que viu no metrô de Tóquio e enfia a mão por baixo da saia de Rita. Como estamos nos EUA, e não no Japão, a moça não tem a menor vergonha de gritar e pedir ajuda, forçando o executivo a fugir dali.

Aí o bicho pega. Crowe, que já não era muito chegado nos japas (adicione "racista" à lista de defeitos do nosso herói nada perfeito), passa a demonstrar um racismo aberto, quase ódio mortal por asiáticos. Numa cena que hoje nem seria filmada, nosso "herói" aparece dando um discurso sobre como os "amarelos" estão tomando conta da América e roubando os "melhores empregos" dos "verdadeiros americanos". Lembre-se: ele é o herói do filme!!!


Uma reviravolta na história se inicia quando Fumiko (Kumiko Hayakawa), a filha pequena de Hiroshi, é seqüestrada por Duke, estuprada, viciada em heroína e obrigada a se prostituir.

Hiroshi denuncia o seqüestro à polícia e, ironicamente, Crowe fica responsável pelo caso - sem imaginar que foi aquele homem que tentou molestar sexualmente a sua filha no ônibus. Inicia-se, então, um verdadeira rota de colisão entre o trio central de personagens: Crowe, Hiroshi e Duke.


Vamos concordar que é preciso ter coragem para filmar uma história que toca em tantos tabus, como pornografia, prostituição, pedofilia, uso de drogas, incesto, racismo e as taras sexuais de um oriental que se excita bolinando estudantes de um colégio de freiras!

Logo, KINJITE poderia render um filmaço se, como eu escrevi lá no começo, não tivesse sido talhado para ser só mais uma aventura escapista da Cannon Films.

Porque, assim, o que poderia ser um retrato cru e violento do submundo das perversões sexuais logo se transforma num policialzinho de rotina, incluindo todos aqueles sopapos, tiroteios e explosões que se espera de uma produção B estrelada por Charles Bronson.


Mas não vou ser injusto: o filme ainda é bastante perverso ao tratar dos "kinjites", palavra oriental para definir "temas proibidos", ou "tabus" - aqui no Brasil virou "Desejos Proibidos" mesmo.

Tudo bem, Thompson dirige no piloto automático e Bronson não convence 100% como "herói de ação", sendo constantemente substituído por um dublê. Entretanto, ainda assim há um belo filme querendo sair desse negócio. Fico imaginando o que um cineasta como David Fincher faria com o mesmo roteiro nas mãos.

Aliás, o acabado Bronson está tão absurdo como policial-herói (alguém realmente acredita que um velhinho de 67 anos seja o melhor tira de Los Angeles?) que suas "cenas de ação" chegam às raias da comédia involuntária.


E não tiveram a menor sutileza em usar um dublê o tempo todo, muitas vezes sem escondê-lo apropriadamente, como revela a imagem acima (o sujeito parecido com Jackson Antunes DEVERIA ser o Charles Bronson...).

Se é convencional no seu desenvolvimento, pelo menos KINJITE reserva algumas boas surpresas. Uma delas é não poupar o espectador de ver a brutalização sofrida por Fumiko quando ela é seqüestrada por Duke.


Não acontece nada semelhante a um "Serbian Film", mas as cenas implícitas incomodam e enojam o espectador, que vê o asqueroso Duke entrando com Fumiko em seu quarto e mais tarde saindo todo suado e fechando o zíper - e para piorar, ainda manda mais dois de seus capangas entrarem no quarto para "continuar o serviço".

Outra surpresa interessante é que o grande vilão não tem o mesmo fim violento de outros antagonistas de Charles Bronson. Pelo contrário: Crowe encontra uma forma bem mais apropriada para castigar o meliante, fazendo-o provar do seu próprio remédio.


Embora seja considerado um filme menor de Bronson, mesmo considerando a sua filmografia "classe B", KINJITE merece ser redescoberto por todos esses fatores já destacados, e também pela excelente caracterização de Juan Fernández como Duke, um vilão realmente asqueroso, daquele tipo que deixa o espectador com vontade de chutar a TV. Seu capanga é interpretado por Sy Richardson, negão com olhar tão psicótico que faria Samuel L. Jackson se mijar nas calças (figurinha carimbada nos filmes de Alex Cox).

Outra interpretação de tirar o chapéu é da atriz-mirim Kumiko Hayakawa como a desafortunada Fumiko. É um pecado que a menina só tenha participado desse filme, pois tinha muito potencial. Observe a transformação da pequena de menina inocente em prostituta à força para perceber a injustiça que foi sua aposentadoria precoce. Principalmente quando Fumiko pede desculpas aos policiais pelo trabalho que deu, cena que só não é mais tocante porque o diretor não estava pra viadagem.


Vale destacar que o eterno mal-encarado Danny Trejo aparece em cena durante cinco segundos como um presidiário estuprador.

Infelizmente, a ênfase no duelo final entre Crowe e Duke acabou com uma situação que tinha potencial: perto da conclusão, Hiroshi vai até a casa de Crowe para agradecê-lo pelos seus esforços no caso. É o típico momento "algoz encontra a sua vítima sem saber", visto em filmes como "A Fonte da Donzela" e "Last House on the Left". E embora a filha do herói reconheça Hiroshi como o homem que a molestou no ônibus, a coisa fica por isso mesmo e Crowe nunca tem o confronto com Hiroshi que o roteiro ameaça...


O próprio ciúme doentio e possessivo que Crowe sente pela filha é esquecido quando as balas começam a voar. Em um momento da trama, um padre chega a alertar o policial: "Ela é sua filha, não sua esposa". Mas falta coragem para dar um desfecho apropriado ao drama.

No fim, KINJITE - DESEJOS PROIBIDOS pode ser encarado como um divertido policial classe B, e bem mais corajoso do que a média do período em que foi feito.

Também é o último filme de J. Lee Thompson, falecido em 2002. Ele merecia um tributo melhor do que esse, assim como o roteiro pesado de Nebenzal pedia por um outro diretor e uma outra abordagem. Alguém se habilita a fazer um remake disso?

Trailer de KINJITE - DESEJOS PROIBIDOS



*******************************************************
Kinjite (1989, EUA)
Direção: J. Lee Thompson
Elenco: Charles Bronson, Perry Lopez, Peggy Lipton,
Juan Fernández, James Pax, Sy Richardson, Nicole
Eggert, Amy Hathaway e Marion Yue.

16 comentários:

André Luis Cavallini Ferreira disse...

Muito bom o texto, Felipe. E fazia tempo que eu não ouvia falar desse filme. Charles Bronson coloca no chinelo esse monte de pseudo-heróis modernos que tentam ser politicamente corretos e acabam sendo é muito chatos. Primeiro texto que leio do seu blog e agora fiquei com vontade de ler mais. Abraço! André

Alex disse...

Bom texto, mas já tinha lido-o no seu multiply. Gosto muito desses filmes mais pesados estilo "Law and Order SVU + Boca do Lixo": KINJITE, CRUISING, 8MM (no qual muitos adoram meter o pau), etc. KINJITE, com certeza, poderia ter rendido num filme muito mais complexo, mas mesmo assim é um bom filme, um guilty pleasure. Ah, um William Friedkin dirigindo essa porra...
Um outro detalhe é que o padre no qual o Bronson vai se aconselhar é justamente Bill McKinney, o caipira estuprador do DELIVERANCE, hahaha!
Felipe, rola um texto sobre o CRUISING?

Pedro disse...

Olá Felipe tudo beleza? Seu blog é excelente,sempre acompanho as resenhas e me já me diverti muito assistindo varias pérolas aqui recomendadas. Esses dias por acaso vi dois filmes que merecem estar aqui: the car(1977) e maximum overdrive(1986)Abraço

Andreza disse...

Felipe, só por curiosidade, por que você mudou os dias de postagem? não eram, normalmente, feitos na sexta?

Felipe M. Guerra disse...

ANDREZA, tenho mantido a média de uma atualização a cada cinco dias sempre que possível. Mas a rotina e o corre-corre não permitem que seja sempre na sexta. Seja como for, pode ter certeza que toda semana tem texto novo aqui! Compromisso do FILMES PARA DOIDOS com seus leitores.

Melissa disse...

Oi, Felipe,

Amo o seu blog e gostaria de sugerir duas pérolas trash:
Ruas Selvagens (com a Linda Blair) e A Maldição de Samantha.

Abraços,

Melissa

Anônimo disse...

Minha nossa... não consigo parar de rir com essa foto do Bronson com o pau na mão... hahahahahahahahaha

Andreza disse...

Sempre bom ler suas análises. Posso sugerir uma maratona de filmes Giallo?

Fernando disse...

Não é o melhor filme com o Charles Bronson, mas é uma boa história.

Arthur disse...

mas ai é que tá felipe, você esperava o que com Charles Bronson atrás de cafetões de garotinhas? no mais, passava a borracha nesses tabus e mudaria o nome do filme.

Maurício disse...

Bem, não sou muito fã do Bronson. Primeiro por causa de uma piadinha que ele fez uma vez sobre o Brasil (mas deixa isso pra lá). E segundo porque eu não gostava mesmo das interpretações dele. Como você mesmo disse, as interpretações dele como policial durão são incontáveis e acabaram estigmatizando muito ele.
Mas gostei desse filme que você mostrou aqui. E essa cena do vibrador acaba virando, involuntariamente, uma cena cômica.haha
Bem, mudando de assunto, queria fazer uma pergunta que acho que só você pode responder, porque não vi referência a isso em nenhum outro site.
Ocorre que, na semana passada, vi um post sobre o Oásis Minniti em outro blog. Mas o administrador desse blog não soube dizer por onde ele anda atualmente, pois não há registro disso na Internet. Aí me lembrei de já ter visto algo relacionado a isso aqui no eu blog, dei uma fuxicada nos seus arquivos e vi que no post sobre o filme Império do Sexo Explícito você menciona o Minnti como "falecido". Então, queria saber se ele morreu mesmo, pois nenhum outro site menciona nada sobre isso.

Felipe M. Guerra disse...

MAURICIO, no ano passado um pessoal fez uma pesquisa para um documentário sobre os 30 anos de "Coisas Eróticas", e foram eles que confirmaram que o Minniti está comendo capim pela raiz. Aliás, esse foi o destino de vários astros e estrelas da Boca do Lixo, que com o fim do pornô sumiram sem deixar vestígios e morreram no anonimato (Walter Gabarron e Osvaldo Cirillo também já partiram). O anão Chumbinho, por exemplo, até hoje ninguém sabe ao certo se está vivo ou se está morto. Para ler mais sobre esse documentário: http://www.botecosujo.com/2010_06_01_archive.html.

Maurício disse...

É?! Bem, eu até supunha mesmo isso, pois ele já sumiu há tanto tempo, não é mesmo?
Mas como eu disse, só aqui no seu blog é que eu tinha encontrado a informação de que ele tinha morrido. No resto da Internet, realmente não vi nada mencionando isso.
Bem, valeu por responder! Obrigado!

Rudemangueboy disse...

caramba! adoro esse filme, não perdia quando ele passava no domingo maior... esse é um que eu nunca vi vi legendado (assim como o último dragão "quem é o mestre leroy?"), mas vou dar uma baixada, já que o DVd nacional não tem extras, ler essa critica deu uma saudade.

Com relação a sua critica, acho que a intenção do filme com relação ao senhor hiroshi e Bronson ficou bom como terminou, sem punição.

Raimundo Gilson disse...

Muito bom! Tinha este filme gravado em VHS, de uma transmissão da Globo. Meu pai sempre curtiu estes filmes policiais no estilo do Charles Bronson. Aprendi a curtir estes filmes com ele. Pena que estes filmes sumiram, ainda outro dia ele perguntou. (spoiler) A cena do suicídio da menina é tão bizarra quanto a do estupro, mesmo não sendo tão impactante (fim do spoiler)

João Ferreira disse...

Vou ver se acho esse filme pra assistir. Tudo bem que até poderia ser uma produção mais "relevante", mais "denunciadora", mas se não fosse a intervenção dos israelenses da Cannon, não teríamos um típico "Filmes pra Doidos".