quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

DEVASSIDÃO TOTAL - ATÉ O ÚLTIMO ORGASMO (1986)


"Sou uma pessoa muito preocupada com o homem. Com o seu estado de espírito, o seu 'modus vivendi' em função de uma sociedade falha e injusta que ele mesmo criou. Em meus trabalhos, dentro do que a atual estrutura permite, coloco em evidência esses problemas de desencontro psicológico. De deslocação, entende?"

A frase acima é creditada ao cineasta brasileiro Fauzi Mansur, um dos grandes nomes do violento ciclo sexploitation produzido na Boca do Lixo durante a década de 80. E, vendo seu filme DEVASSIDÃO TOTAL - ATÉ O ÚLTIMO ORGASMO, juro que fiquei me questionando onde estava essa sua "preocupação com o estado de espírito do homem e com a sociedade injusta": será que na cena em que uma carcereira sádica enfia a rosca de uma lâmpada ainda quente na vagina de uma prisioneira - cena mostrada em close e sem trucagens -, ou no momento em que um gorila (isso mesmo!) estupra outra prisioneira?


Brincadeiras à parte, DEVASSIDÃO TOTAL, por pior que seja (e é mesmo muito ruim), cumpre a cota de violência e perversões sexuais necessária para encontrar seu "público" no cenário sexploitation da Boca. E quem conhece um mínimo sobre as produções do gênero sabe que é preciso ter estômago forte para ver esses filmes - não só pela feiúra dos atores e atrizes e pelos asquerosos closes genitais nas cenas de sexo, mas também pela violência sexual (simulada) característica de muitos pornôs brasileiros. O que, obviamente, torna esses filmes bem pouco ou nada excitantes.

Mansur começou como um cineasta "sério", rodando comédias e dramas históricos (entre eles "O Guarani", com David Cardoso como índio!!!), antes de descambar para a pornochanchada e depois para a pornografia nos anos 80. Talvez com vergonha, costumava assinar suas obras pornôs com pseudônimos diversos, como Abdalla Mansur, Izuaf Rusnam (Fauzi Mansur ao contrário), Victor Triunfo e De Bako (foi com este que ele assinou DEVASSIDÃO TOTAL).


Hoje, o cineasta é uma figura avessa à publicidade e não gosta de falar sobre os seus filmes do passado, muito menos esses pornográficos. Dá para entender: não deve ser fácil comentar obras como "A Seita do Sexo Profano" (1985), que traz cenas quase explícitas de mutilação dos genitais, ou o chocante "Ninfetas do Sexo Selvagem" (1983), com uma cena de orgia entre os restos de uma ovelha morta de verdade em frente à câmera! (E ainda tem gente que implica com o "Cannibal Holocaust"...)

Pois em DEVASSIDÃO TOTAL, que é um legítimo WIP (Women in Prison, ciclo de filmes sobre mulheres na prisão), a famosa estrela pornô Márcia Ferro interpreta uma inocente seduzida por uma quadrilha de traficantes de escravas brancas. Prometendo bons empregos no Japão (!!!), a quadrilha atrai e aprisiona belas jovens numa ilha na fronteira do país, onde elas são "treinadas" para se tornarem prostitutas e serem vendidas a "prostíbulos do Paraguai".

Tal treinamento inclui todo tipo de abusos nas mãos da carcereira sádica, inclusive as já citadas cenas da lâmpada na vagina (fiquei o tempo todo apavorado com a possibilidade do bulbo da lâmpada quebrar no interior da pobre atriz!) e do estupro protagonizado por um gorila, o auge do mau gosto da obra.


Claro que o tal gorila não é real, e sim um mané vestido com uma ridícula fantasia de gorila, estilo "Trocando as Bolas", de John Landis. Mas é curiosa essa fixação simiesca de diversos produtores de pornôs da Boca do Lixo, algo que merecia um estudo aprofundado; afinal, macacos e gorilas também aparecem nos "clássicos" (sim, é ironia) "Alucinações Sexuais de um Macaco" (1986), de Custódio Gomes, e "Edifício Treme-Treme" (1984), de Nilton Nascimento, entre outros. Sempre interpretados por atores "humanos" (ou nem tanto) em fantasias de gorila e macaco. (Se fosse possível colocar um macaco verdadeiro para protagonizar cenas de sexo com as moças, os produtores da Boca do Lixo certamente o teriam feito!)

Mas voltando à trama: depois que todas as prisioneiras aparecem sendo violentadas, em cenas explícitas de sexo feio e mal-filmado, chegam à ilha dois náufragos (interpretados por Custódio Gomes, diretor do já citado "Alucinações Sexuais de um Macaco", e por Ronaldo Amaral, figurinha carimbada dos filmes pornôs com cavalos, como "Viciados em Cavalos" e "Meu Marido, Meu Cavalo"). Um deles se identifica como "o delegado Carlos Casado", e diz que o outro, fraco e ferido, é seu prisioneiro, Guilherme Risadinha, um marginal perigoso.


A mocinha Márcia acaba se apaixonando pelo prisioneiro durante sua recuperação, e logo descobre que ele é o delegado, e não o outro sujeito. Numa cena sádica, ela é estuprada pelo verdadeiro Risadinha na frente do seu amado - pena que "interpretação" não é o forte da estrelinha pornô da Boca, considerando sua expressão de serenidade durante todo o estupro!

Escrito por W.A. Kopezky (roteirista de vários pornôs de Mansur e diretor de "A Gaiola da Morte"), DEVASSIDÃO TOTAL divide vários elementos com "A Seita do Sexo Profano", que é do ano anterior. O principal é a narrativa do filme: as cenas foram rodadas sem captação de som direto, e por isso praticamente não há diálogos, apenas uma narradora comentando todas as cenas, na típica "narração para cego", que anuncia inclusive aquilo que estamos obviamente ENXERGANDO!

Devia ser muito mais simples fazer filmes assim, sem a necessidade de dublar os diálogos dos atores posteriormente. Por outro lado, fica extremamente tosco, principalmente a dublagem das cenas de sexo, quando gemidos absurdos ("ai, ai, ai...") são inseridos sobre as cenas inclusive quando as atrizes estão com a boca fechada, ou "ocupada" (se é que vocês me entendem).


Outro elemento em comum entre este filme e "A Seita do Sexo Profano" é a presença da atriz que interpreta Marcela, a carcereira sádica, e que no filme anterior aparecia como uma das demoníacas líderes da tal "seita do sexo profano". Não consegui descobrir o nome da moça, mas, apesar de ser muito feia, ela participa ativamente das cenas de sexo, tornando o filme ainda mais apavorante!

Com o fim da Boca do Lixo, no começo dos anos 90, os atores pornôs brazucas ou acabaram na miséria, ou morreram de fome. Os diretores não gostam de falar sobre o assunto. E assim se perde uma página muito interessante da história do cinema brasileiro. Márcia Ferro foi uma das poucas que continuou mantendo certo culto pós-Boca, e recentemente (2006), quarentona, até tentou um retorno mal-sucedido em pornôs produzidos pelo selo Brasileirinhas - um deles chamado "A Idade da Loba".

Quanto a Mansur, ele terminou a carreira fazendo filmes de terror filmados em 16mm e falados em inglês, para distribuir diretamente no mercado norte-americano. No geral, seus pornôs são muito ruins e verdadeiramente asquerosos, com gente feia, sexo feio e nada excitantes - a não ser que você seja um sádico ou doente mental que se excite vendo torturas e abusos contra mulheres.


Tudo bem que os pornôs de José Mojica Marins, Sady Baby e outros grandes nomes da Boca também traziam gente feia e sexo nojento. O diferencial é que os filmes deles eram pelo menos engraçados. Não é o caso das obras de Mansur, que se mantêm revoltantes e difíceis de ver até o fim sem o auxílio do fast foward.

Mas é sempre interessante conhecer este momento pouco lembrado e pouco estudado do cinema nacional (que muita gente, garanto, gostaria que ficasse esquecido). Os violentos pornôs brasileiros, como DEVASSIDÃO TOTAL, não fariam feio em comparação àquelas famosas obras extremas vindas do Oriente.

Por isso que eu fecho com o pesquisador Nuno César de Abreu, autor do livro "O Olhar Pornô", quando ele diz que os filmes pornôs brasileiros não excitavam, mas sim INCITAVAM! Calígula e o Marquês de Sade às vezes parecem meras crianças travessas perto das barbaridades encenadas pela Boca do Lixo no seu ciclo do sexo violento - como as lâmpadas e revólveres enfiados na vagina em DEVASSIDÃO TOTAL...


*******************************************************
Devassidão Total - Até o Último
Orgasmo (1986, Brasil)

Direção: De Bako (Fauzi Mansur)
Elenco: Márcia Ferro, Ronaldo Amaral,
Custódio Gomes, Neusa Dias, Sheila
Santos e um gorila de mentira.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Os MEUS piores de 2009

Atendendo a pedidos no post anterior (bem, na verdade foi UM pedido só...), e enquanto não bate a inspiração para voltar a escrever sobre cinema bagaceiro em geral, deixo aqui uma pequena seleção dos filmes que eu menos gostei em 2009. Alguns são confirmadinhos da crítica e do público, que certamente vão gerar certa "discutissão" nos comentários; outros são quase desconhecidos da maioria ou produções que todos concordam que são umas bombas, tipo o novo filme do Rob Zombie (igual a todos os outros que ele fez, por sinal).

Alguns da lista podem até não ser necessariamente ruins, mas apenas decepcionantes - principalmente se considerarmos a quantidade de elogios maravilhados que receberam. É o caso do "Milk", por exemplo, que achei uma obra extremamente convencional, quase um telefilme, e que de maneira alguma merecia os dois Oscars que ganhou (o de Melhor Ator foi roubado do Mickey Rourke, e o de Melhor Roteiro, para um roteiro primário e repleto de furos como o deste filme, é um absurdo!).

Bem, chega de explicações. Eis os MEUS piores do ano (em ordem alfabética, não de ruindade), e divirtam-se reclamando e me mandando à merda nos comentários:


APENAS O FIM (2008, Brasil. Dir: Matheus Souza)
Conversa nerd de 80 minutos + "hype" exagerado e injustificado + "A salvação do cinema nacional" e outra tonelada de abobrinhas escritas pela imprensa = Um longa enrolado que podia ser um belo curta.




BRÜNO (idem, 2009, EUA. Dir: Larry Charles)
"Borat" - novidade de "Borat" - criatividade de "Borat" - boas piadas de "Borat" + apelação = Uma refilmagem ruim de "Borat"




O CURIOSO CASO DE BENJAMIN BUTTON (The Curious Case of Benjamin Button, 2008, EUA. Dir: David Fincher)
"Forrest Gump" + conto curto alongado para 2h40min - maquiagem excelente - história do relógio que anda para trás = Filme de uma situação só que se arrasta de forma interminável




OS DESCENDENTES (Solos, 2009, Chile. Dir: Jorge Olguín)
"Extermínio" + "Filhos da Esperança" + montagem absurda que repete cada cena 3 vezes = 74 minutos que parecem 5 horas




EVIL THINGS (idem, 2009, EUA. Dir: Dominic Perez)
"A Bruxa de Blair" - talento - medo - suspense + 94 minutos de tédio = Alguém ainda agüenta essas falsas filmagens reais depois de "A Bruxa de Blair", "REC", "Cloverfeld", "Diário dos Mortos"...




EVOCANDO ESPÍRITOS (The Haunting in Connecticut, 2009, EUA. Dir: Peter Cornwell)
"Os Outros" + "Poltergeist" + "Amityville 2" + sustos TCHARAM! + Virginia Madsen e Martin Donovan pagando mico = A enésima tentativa frustrada do cinemão americano de copiar o cinema de horror oriental




O FIM DA PICADA (2008, Brasil. Dir: Christian Saghaard)
Folclore e misticismo nacional + cenas desconexas + ritmo titubeante = Cinema Marginal com 30 anos de atraso




HALLOWEEN 2 (idem, 2009, EUA. Dir: Rob Zombie)
Michael Myers sósia do Rob Zombie + Laurie Strode metaleira revoltada + Dr. Loomis estrelinha + cavalo branco + um final que destrói a franquia original + as "Robzombices" de sempre = Sim, Rob Zombie só sabe refazer o mesmo filme sempre, e sempre, e sempre...




MILK - A VOZ DA IGUALDADE (Milk, 2008, EUA. Dir: Gus Van Sant)
Atuações estereotipadas + roteiro primário + todos os clichês de "filmes sobre homossexualidade" = O quê? Dois Oscars para isso?




PACTO SECRETO (Sorority Row, 2009, EUA. Dir: Stewart Hendler)
"Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado" + assassino com chave-de-roda (!!!) como arma + piadinhas fora de lugar = Que saudade dos slashers toscos dos anos 80!




REBOBINE POR FAVOR (Be Kind Rewind, 2008, Inglaterra/França. Dir: Michel Gondry)
Cineasta queridinho da crítica + Jack Black sem um pingo de graça - algumas divertidas recriações de filmes conhecidos = "Comédia" de risos amarelos que não encontra nenhum público




SALVE GERAL (2009, Brasil. Dir: Sérgio Rezende)
Clichês de polícia contra bandido + episódio real mal-aproveitado + "Crash - No Limite" = Outro para a grande coleção de fiascos brasileiros indicados para o Oscar




THE SPIRIT (idem, 2008, EUA. Dir: Frank Miller)
"Sin City" + Samuel L. Jackson fora de controle + elenco de gatas desperdiçado + humor absurdo + herói apagado = Sorte que Will Eisner morreu e não viu isso...




VIAJO PORQUE PRECISO, VOLTO PORQUE TE AMO (2009, Brasil. Dir: Marcelo Gomes e Karim Ainouz)
Cenas aleatórias costuradas ao acaso + chatíssima narração em off + coleção de metáforas e alegorias "cinema-novistas" = Masturbação pseudo-intelectual para pseudo-intelectuais punheteiros




MENÇÃO DESONROSA:
* O EXTERMINADOR DO FUTURO - A SALVAÇÃO (Terminator Salvation, 2009, EUA. Dir: McG)
* MINHAS ADORÁVEIS EX-NAMORADAS (Ghosts of Girlfriends Past, 2009, EUA. Dir: Mark Waters)
* JOGOS MORTAIS 5 (Saw 5, 2008, EUA. Dir: David Hackl)
* QUASE IRMÃOS (Step Brothers, 2008, EUA. Dir: Adam McKay)
* LAID TO REST (idem, 2009, EUA. Dir: Robert Hall)
* UMA VIAGEM MUITO LOUCA (Harold & Kumar Escape from Guantanamo Bay, 2008, EUA. Dir: Hayden Schlossberg e Jon Hurwitz)
* LO SINIESTRO (idem, 2009, Argentina. Dir: Sergio Mazurek)
* PROGRAMA ANIMAL (Strange Wilderness, 2008, EUA. Dir: Fred Wold)

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Os MEUS melhores de 2009

Chega essa época do ano e é comum que todas as revistas, jornais, programas, sites e blogs elejam os seus melhores filmes de 2009. Eu nem ia fazer nada do gênero, mas como estou com o blog desatualizado há algumas semanas, resolvi tapar o buraco com os MEUS melhores de 2009.

Alguns filmes confirmados aparecem, outros que todo mundo pagou pau eu não achei grande coisa (como "Milk" e "Arraste-me para o Inferno"). Por outro lado, resolvi incluir na relação algumas obras meio "suspeitas", mas que na minha concepção débil mental são divertidas o suficiente para ficar entre as melhores do ano - afinal, cinema também é para rir, não só para chorar e "contemplar". hehehe

Este ano eu vi 196 filmes, sem contar, é claro, todos os que eu revi. E mesmo assim não vi tudo que eu queria (mas, ora bolas, ficar vendo filme não é tudo que importa nessa vida! hahaha). Alguns que não tive tempo de ver provavelmente entrariam neste "Top 2009", mas neste caso simplesmente ficarão postergados para 2009. Outros eu fiz questão de boicotar ("Anticristo", "Avatar"...), e não me arrependo nada.

Seguem, então, os MEUS melhores de 2009, com uma simplória brincadeira matemática para justificar sua presença na relação. Ah, em tempo: não existe uma ordem de preferência, optei pela alfabética para ninguém pensar que tal filme é o primeirão e o outro é o azarão. Vale explicar, ainda, que alguns são de 2008, mas eu só vi no cinema este ano.


BASTARDOS INGLÓRIOS (Inglorious Basterds, 2009, EUA. Dir: Quentin Tarantino)
Tarantino + tarantinices + Segunda Guerra Mundial + elenco fantástico + Hitler metralhado por Eli Roth = A grande obra-prima do diretor (e do ano também)




DEAD SNOW (idem, 2009, Noruega. Dir: Tommy Wirkola)
Sangue + tripas + neve + zumbis nazistas = Um "Zombie Lake" divertido




DEIXE ELA ENTRAR (Låt Den Rätte Komma In, 2008, Suécia. Dir: Tomas Alfredson)
Crianças + sangue + fotografia deslumbrante + roteiro originalíssimo = O filme de vampiros que "Crepúsculo" quer ser quando perder o cabaço




DISTRITO 9 (District 9, 2009, EUA/Nova Zelândia. Dir: Neill Blomkamp)
"A Mosca" + "Inimigo Meu" + "Missão Alien" = A ficção científica "quase B" que deu um laço em "Star Trek" e "Avatar"




DOGHOUSE (idem, 2009, Inglaterra. Dir: Jake West)
"Buddy movie" + piadas machistas + mulheres-zumbis = E quem diabos lembra de "Zombieland"?




GRAN TORINO (idem, 2008, EUA. Dir: Clint Eastwood)
Clint em auto-paródia + diálogos espirituosos + final inesperado = O filmaço que Charles Bronson estaria fazendo se estivesse vivo




GUERRA AO TERROR (The Hurt Locker, 2008, EUA. Dir: Kathryn Bigelow)
Guerra do Iraque + "Máquina Mortífera" + explosões + suspense de roer as unhas = O melhor filme de guerra em muito, muito tempo





HARRY BROWN (idem, 2009, Inglaterra. Dir: Daniel Barber)
"Desejo de Matar 3" + "Gran Torino" + Michael Caine super-cool = O filmaço que Charles Bronson estaria fazendo se estivesse vivo (Parte 2)




O LUTADOR (The Wrestler, 2008, EUA. Dir: Darren Aronofsky)
Mickey Rourke ressuscitado + Darren Aronofsky + sangue, suor e lágrimas = O grande injustiçado do Oscar 2009




MARTYRS (idem, 2008, França. Dir: Pascal Laugier)
Violência explícita + história perturbadora + 3 reviravoltas inesperadas = Um terror pesado que não sai mais da cabeça




MAU DIA PARA PESCAR (Mal Dia Para Pescar, 2009, Uruguai. Dir: Álvaro Brechner)
"Nove Rainhas" + "O Lutador" = Mais uma sova dos nossos hermanos uruguaios no país do "Salve Geral" e "Lula, O Filho do Brasil"




QUEM QUER SER UM MILIONÁRIO? (Slumdog Millionaire, 2008, Inglaterra. Dir: Danny Boyle)
Pobreza + risadas + lágrimas + amor impossível - excesso de Oscars = Um melodrama fantástico para quem não tem paciência para a novela das oito




RELIGULOUS (idem, 2008, EUA. Dir: Larry Charles)
Bill Maher afiado + piadas cáusticas com todas as religiões + líderes religiosos pagando mico = Comédia impagável sobre tema espinhoso, que obviamente passou em branco no "maior país católico do mundo"




SE BEBER NÃO CASE (The Hangover, 2009, EUA. Dir: Todd Phillips)
Adultescentes + sacanagem + Zach Galifianakis - vergonha na cara - politicamente correto = A comédia mais engraçada do ano.




VÍCIO FRENÉTICO (Bad Lieutenant - Port of Call: New Orleans, 2009, EUA. Dir: Werner Herzog)
Werner Herzog doidão + Nicolas Cage doidão + velhinhas ameaçadas com revólver = Um excelente policial com humor negro que nem dá saudade do original de Abel Ferrara




WATCHMEN (idem, 2009, EUA. Dir: Zack Snyder)
Adaptação fiel da HQ + qualidade do texto - Zack Snyder - defeitos evidentes = Um novo padrão de "filme de super-herói para adultos"



MENÇÃO HONROSA:
* INIMIGOS PÚBLICOS (Public Enemies, 2009, EUA. Dir: Michael Mann)
* THE SNIPER (Sun Cheung Sau, 2009, Hong-Kong. Dir: Dante Lam)
* SEGURANDO AS PONTAS (Pinneapple Express, 2009, EUA. Dir: David Gordon Green)
* ZOMBIELAND (idem, 2009, EUA. Dir: Ruben Fleischer)
* JCVD (idem, 2008, Bélgica/Luzemburgo/França. Dir: Mabrouk El Mechri)
* 500 DIAS COM ELA (500 Days of Summer, 2009, EUA. Dir: Marc Webb)
* A ÚLTIMA CASA (The Last House on the Left, 2009, EUA. Dir: Dennis Iliadis)
* EU, ELA E MINHA ALMA (Cold Souls, 2009, EUA/França. Dir: Sophie Barthes)
* FANBOYS (idem, 2008, EUA. Dir: Kyle Newman)