terça-feira, 31 de agosto de 2010

O TESOURO DO OVNI (1988)


Em 1987, o diretor-roteirista Nello Rossati (aka "Ted Archer") uniu-se a Franco Nero para fazer o descartável western "Django, A Volta do Vingador", única seqüência oficial do "Django" de Sergio Corbucci, e ironicamente muito pior que todas as imitações picaretas e continuações não-oficiais.

Mas isso não vem ao caso.

O que importa é que o resultado frustrante do "Django 2 - A Missão" acabou ofuscando a parceria posterior entre Rossati e Nero, um filmeco chamado O TESOURO DO OVNI, que é tão ruim quanto a volta de Django, mas infinitamente mais engraçado e absurdo.


Trata-se de mais um autêntico FILME PARA DOIDOS: mesmo sem dinheiro para fazer qualquer coisa decente, Rossati juntou, num mesmo filme, alienígenas, cyborgs à la "O Exterminador do Futuro", conspirações universais, um tesouro asteca, o Triângulo das Bermudas, uma caravela espanhola, um disco voador, vilões nazistas, índios, soldados, assassinos e mulheres fatais!!! Tudo com um climão meio Indiana Jones, meio "Tudo por uma Esmeralda" - copiando até a locação deste último em Cartagena, na Colômbia.

Claro que o resultado de uma mistura tão indigesta só poderia ser um trashão daqueles para rir do começo ao fim. Neste caso, entretanto, as risadas se concentram da metade para o final, quando o filme vai ficando progressivamente mais maluco; a primeira parte, que tenta ser "aventura séria", é quase intragável, e exige um pouco de paciência do espectador fã de podreira cinematográfica.


Apesar do pôster que mostra Franco Nero como um aventureiro estilo Indiana Jones, e do título nacional - que parece vender uma história de caça ao tesouro -, o filme começa quase como um suspense. Franco Nero interpreta Ted Angelo, um repórter-escritor alcoólatra que está na Colômbia preparando material para seu novo livro. Isso na teoria, porque na prática ele apareça o tempo inteiro mamado de cachaça e/ou transando com a bonita camareira do hotel de quinta categoria em que está hospedado.

Logo a tal camareira, Juanita (Shirley Hernandez), surge com umas relíquias astecas encontradas pelo namorado pescador, e Angelo se surpreende com a raridade e o estado de conservação das peças. Entre elas, há um diário que relata a viagem de uma caravela espanhola desaparecida há séculos.


Mas o herói cai na burrada de mostrar o material para Heinrich Holzmann, um velho carniceiro nazista colecionador de antigüidades (interpretado por George Kennedy!!!), e a partir de então passa a ser caçado por assassinos, enquanto todos os seus amigos e conhecidos são exterminados sem dó nem piedade.

Angelo descobre que a tal caravela desaparecida está escondida numa caverna no alto de uma montanha, e que foi um disco voador que levou a embarcação até ali (?!?). Começa a elaborar uma mirabolante teoria sobre seqüestros alienígenas de navios e aviões desaparecidos (lembra do Triângulo das Bermudas?), mas não consegue tornar a história pública porque seus perseguidores estão infiltrados em toda parte.


Na verdade, como descobriremos mais tarde, os alienígenas vivem escondidos entre os humanos desde a aurora dos tempos (lembrando "Eles Vivem", que é do mesmo ano), ocupando postos de destaque e influenciando a humanidade para que não acredite na existência de vida fora da Terra.

Como o disco voador encontrado pelo herói é a peça que falta para provar o contrário, os conspiradores resolvem sumir com ele - ao invés de explodir a montanha e o OVNI para deixá-lo sem nenhuma prova...


Como escrevi antes, a primeira metade de O TESOURO DO OVNI não passa de uma aventurazinha de quinta categoria, quando o protagonista é perseguido por tudo e todos por ter descoberto o "segredo" dos aliens. Como num episódio de "Arquivo X", ou como os Homens de Preto do gibi "Martin Mystère", TODOS os personagens secundários do filme parecem fazer parte da tal conspiração e começam a correr atrás do herói para matá-lo, gerando uma série de perseguições chinfrins seguidas de tiroteios idem.

Nesta primeira metade, o pobre Franco Nero passa o tempo todo correndo, inclusive descalço sobre cactos (!!!). É somente na última meia hora que a coisa começa a ficar divertida, quando Angelo une-se a uma bibliotecária bonitinha, June (a inglesa Deborah Moore, que é filha de Roger Moore!!!), para tentar tornar pública a existência do disco voador e salvar o próprio pescoço.


Nesse momento, um cyborg de origem aligenígena cai praticamente de pára-quedas no filme, imitando Schwarzenegger em "O Exterminador do Futuro" e perseguindo nossos heróis com parte do rosto biônico aparecendo por baixo da pele rasgada (os efeitos de maquiagem até que são razoáveis).

A partir daí, o filme de Rossati segue cada vez mais maluco e involuntariamente engraçado. Afinal, nossos heróis usam um touro (!!!) para destruir o cyborg, que convenientemente usava uma camisa vermelha para atrair a fúria do quadrúpede.


Porém o auge da trasheira do filme é a revelação de que a ex-mulher de Angelo (Mary Stavin, que interpretava a vizinha gostosa em "A Casa do Espanto") é uma das alienígenas infiltradas no planeta! Sim, meus caros, nosso herói passou boa parte da sua vida transando com uma (ou um!) extraterrestre!

Para tornar a cena toda ainda mais hilária, o pobre Franco Nero capricha na expressão de "Ai meu Deus do céu, agora fodeu! Minha ex-mulher é um alien!!!", diante da insólita revelação! Um momento lindo que merece até "slide show":


Aliás, méritos para os efeitos da mutação da humana em alien, cheia de melecas e trucagens mecânicas pré-CGI. Parece inspirada em filmes como "A Mosca" (a gosma e os pedaços do corpo caindo) e "Um Lobisomem Americano em Londres" (o rosto "alargando"). Curiosamente, o ET é a cara das criaturas mostradas no posterior "Abismo do Medo".

Por tudo isso, O TESOURO DO OVNI se transforma em uma aventura bagaceira e razoavelmente divertida, bem diferente do que prometia o início insosso. Só é uma pena que os elementos mais interessantes do roteiro, como o disco voador e o navio escondidos no interior da montanha, sejam usados beeeeeeeem brevemente, talvez por contenção de recursos.


A mistureba promovida pelo roteiro também não permite que o diretor Rossati possa desenvolver satisfatoriamente as diversas idéias utilizadas. O cyborg alienígena, por exemplo, surge no filme saído do nada, quando poderia estar perseguindo os heróis desde o início; já o nazista interpretado pelo veterano Kennedy some de cena ainda na primeira parte do filme, numa participação pequena e frustrante para quem esperava ser ele o grande vilão da história.

Também contribui para o fator trash da película a direção patética de Rossati, principalmente nas cenas de ação, que nunca empolgam, e ainda trazem grosseiros erros de continuidade. No maior deles, o herói está de carona na carroceria de uma caminhonete e é visto pelo motorista de um jipe que vem atrás; porém, na cena posterior, vemos que a carroceria da caminhonete estava cheia de gaiolas com galinhas, e o protagonista estava sentado atrás delas, portanto nunca poderia ter sido avistado pelo motorista do jipe!


Felizmente, toda essa incompetência técnica é compensada com as cenas do touro contra o cyborg e da ex-mulher alienígena, que sozinhas já valem uma espiada em O TESOURO DO OVNI. Nem que seja para constatar que os italianos já haviam feito uma aventura à la Indiana Jones com ETs duas décadas ANTES de Spielberg fazer o mesmo "oficialmente" em "Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal"!

PS 1: Outro ator veterano, o austríaco William Berger, também tem participação tão rápida e medíocre quanto a de George Kennedy (será que os caras recebiam o cachê por minuto?). Ele interpreta um professor que é amigo do personagem de Franco Nero e obviamente morre por causa disso!

PS 2: O filme foi lançado nos EUA com o título picareta "Alien Terminator", tentando criar alguma relação com o "Terminator" de James Cameron e a série "Alien".

Como destruir um cyborg usando um touro



*******************************************************
O Tesouro do Ovni (Top Line/
Alien Terminator, 1988, Itália)

Direção: Ted Archer (Nello Rossati)
Elenco: Franco Nero, Deborah Moore, Mary Stavin,
William Berger, George Kennedy, Rodrigo Obregón,
Shirley Hernandez e Larry Dolgin.

13 comentários:

Thomas Alex disse...

Esse filme parecer bem divertido mesmo, será que se encontra em VHS por aí?Deve ser dificil mas vou tentar...

Vagno Fernandes disse...

Ahahahahaha, que puta história de doido mano, e essa parte que o Franco Nero leva a mão na testa é de lascar hein, ahahahaha. Esses caras se metem em cada uma...

Guerra, você consegue assistir todos esses filmes inteirinhos sem usar a tecla fast forward do controle remoto? Seja sincero, hehehe.

Thomas Alex disse...

Vagno, eu não sei com o felipe tem estomago pra assistir a esse tipo de filme sem usar a tecla fast forward do controle remoto.

Pedro Pereira disse...

Este Franco Nero entra em tantos filmes que nem consigo acompanhar. Mais um para a lista...

Artur disse...

acho que não, eu também assisto filmes assim sem problema nenhum.

Racer disse...

meu pai comprou o vhs ha muito tempo, mas eu nunca assisti.

mas, depois de ler o artigo, fiquei interessado.

alan raspante. disse...

Mais que loucura toda é essa ? hahaha. Fiquei doido para conferir, parece ser mesmoa muito bacana. Gosto dos filmes estilo "trash" mais vi tão poucos...Bem, quero ver este!

Blog maneiro!
cigarrosefilmes.blogspot.com

vitor disse...

Parece interessante!Franco Nero vai bem no meu livro independentemente da qualidade da producão em que ele esta atuando.Felipe vc já assistiu Combat Shock?

Mohamed disse...

Eu acho muito legal a iniciativa de assistir esses filmes e classificá-los.

É um trabalho sujo, mas alguém tem que fazê-lo.

Tá de parabéns.

gabriel caroccia disse...

Para curiosidade: o VHS foi lançado pela VIC Vídeo e é relativamente difícil de achar, mas achei essa bagaça por R$ 1,00 em um sebo de Curitiba.
Mesmo sem assistir dá para perceber que o filme é bem doidão! XD
Parabéns pelo artigo, Felipe!

Danilo disse...

kkkk vou ter q procurar esse filme algum dia

Leonardo Peixoto disse...

Essa mistureba deve ser muito legal :)
Se o personagem de George Kennedy tivesse sido mais desenvolvido , Heinrich Holzmann poderia ser o líder de uma organização nazista que está atrás de tecnologia alienígena para poder dominar o mundo !

JoãoDamasceno disse...

Poxa, uma pena não ter links para torrents... rsrsrs...