segunda-feira, 16 de novembro de 2009

CINCO PARA O INFERNO (1969)


Depois de ver e rever o extraordinário "Bastardos Inglórios", novo e provavelmente melhor filme de Quentin Tarantino, dá a maior vontade de igualmente ver ou rever todas aquelas divertidas produções sobre a Segunda Guerra Mundial que influenciaram e inspiraram o diretor. Principalmente, claro, aquelas amalucadas aventuras de guerra produzidas na Itália, e que às vezes lembram mais os inconseqüentes western spaghetti do que propriamente uma visão mais "realista" do conflito. CINCO PARA O INFERNO é uma dessas bizarras aventuras, que de lambuja ainda traz vários elementos reaproveitados agora no filme do Tarantino.

O filme é assinado por um tal de "Frank Kramer", na verdade Gianfranco Parolini, que também dirigiu vários faroestes italianos do período, inclusive o primeiro da série Sartana ("Se Incontri Sartana Prega per la Tua Morte", de 1968). Parolini manteve o espírito dos "spaghetti" também nesta aventura de guerra. Inclusive reaproveitou o ator Gianni Garko (creditado "John Garko"), que ficou imortalizado como os pistoleiros Sartana e Camposanto em uma série de bangue-bangues à italiana. Ainda novinho e sem bigode, Garko aqui está a cara do Thomas Jane!


Os primeiros 15 minutos de CINCO PARA O INFERNO são pura sátira e comédia-pastelão, quase lembrando algum filme da dupla Terence Hill e Bud Spencer na Segunda Guerra Mundial - inclusive a música-tema, em tom de farsa, parece anunciar uma comédia. Basicamente, as cenas iniciais mostram o tenente Aldo Raine, ou melhor, Glenn Hoffmann (Garko), circulando de jipe por uma base de treinamento de soldados norte-americanos, recrutando os melhores de cada batalhão para fazer parte de um grupo secreto, os "Inglorious Basterds" - ops, esqueça esta última parte, que é de um outro filme.

Os selecionados são o sargento Sam McCarthy (Luciano Rossi, de "Django, O Bastardo"), um ginasta que faz acrobacias usando uma cama elástica; os soldados Johnny "Chicken" White (Sam Burke, de "Eu Sou Sartana"), que é especialista em explosivos; Al Siracusa (Sal Borgese, de "The Big Racket"), um experiente arrombador de cofres, e finalmente Nick Amadori (Aldo Canti, astro de filmes de gladiadores do anos 60, creditado como "Nick Jordan"), um gigante cujo papel, claro, é massacrar os inimigos.


O primeiro ataque do grupo de cinco homens é a uma bem-vigiada base nazista, culminando com o arrombamento de um cofre onde estariam planos secretos do Terceiro Reich. É quando aparecem os superiores dos soldados, explicando que aquilo era apenas um teste da habilidade do grupo, e elogiando aos cinco pelo sucesso da simulação.

Passada essa cena inicial mais cômica, nossos heróis finalmente recebem a sua missão verdadeira: vestidos como civis, eles precisam infiltrar-se numa bem-vigiada base nazista para arrombar o cofre onde está o temido Plano K, contendo todos os detalhes de uma ofensiva diabólica de Hitler contra os Aliados.


O problema para os heróis aparece na forma de um maligno coronel da SS chamado Hans Landa, ops, Hans Mueller, interpretado por ninguém menos que Klaus Kinski. Numa interpretação fantástica, Kinski hipnotiza o espectador com aquele seu olhar gélido, fazendo-nos lamentar o pouco tempo em cena do seu personagem.

O coronel nazista é tão mau, mas tão mau, que na sua primeira cena ele já aparece atiçando dois enormes cães contra um indefeso gatinho. Depois, demonstra ter mais apreço pelos cães da base do que pelos seus soldados. Imagine então o que ele vai fazer com os seus inimigos...


Depois daquele duvidoso início engraçadinho, CINCO PARA O INFERNO muda de tom e vira nitroglicerina pura. Os cinco agentes secretos seguem seu rumo até a base, exterminando todos os nazistas que encontram pelo caminho, e, chegando ao alvo, precisam seguir à risca um rigoroso plano para invadir o lugar e roubar os planos, onde cada um dos cinco terá um papel fundamental para ultrapassar obstáculos como a cerca eletrificada, o alarme que impede a abertura do cofre, os nazistas que vigiam a base, e por aí vai.

Só que o coronel Mueller está sabendo do ataque iminente ao seu quartel-general, pois descobriu que uma das suas oficiais, Helga Richter (Margaret Lee, de "Casanova 70"), é uma agente dupla que ajuda os Aliados.


Toda a cena do ataque à base é simplesmente eletrizante, incluindo uma boa dose de suspense - principalmente graças às tentativas de Helga de desativar o alarme do cofre no quarto de Mueller, enquanto finge seduzir o vilão. E logo o quinteto vai ter que mostrar que é bom no gatilho, cercado de soldados nazistas por todos os lados, numa fuga desesperada da base que lembra o clássico "Os Doze Condenados", de 1967.

Aliás, o filme de Parolini parece uma versão "reduzida" desta famosa aventura, apenas trocando os prisioneiros recrutados por soldados rebeldes, e, obviamente, diminuindo o grupo em sete pessoas, talvez pelas óbvias limitações orçamentárias.

Fica a dica: suporte os 15 minutos iniciais de CINCO PARA O INFERNO, que têm um tom totalmente diferente do resto do filme (imposição dos produtores, talvez?), pois a coisa só começa realmente a esquentar depois desta primeira cena - e a cena final é muito bem-feita e IMPERDÍVEL.


A música de Elsio Mancuso ("Eu Sou Sartana") nem sempre acerta o alvo (aquela trilha engraçadinha, utilizada diversas vezes ao longo do filme, é dose). Mas há um tema dramático, que embala as cenas mais "sérias" da película, que é simplesmente extraordinário, lembrando muitas composições do mestre Ennio Morricone - não se espante se uma hora dessas o Tarantino pegar emprestado para algum dos seus filmes.

Claro, que ninguém espere uma trama "tarantinesca", cheia de reviravoltas, traições e surpresas. Afinal, Parolini nada mais faz do que uma aventura de guerra simples e eficiente, a tradicional história de "men in a mission". Por isso, para quem busca ação, o filme está repleto de tiroteios, explosões e um dos maiores massacres de nazistas de todos os tempos, no ataque à base no final, quando até a cerca eletrificada se transforma em arma para extermínio em massa de vilões!


É bom ressaltar ainda que o roteiro de CINCO PARA O INFERNO, escrito por Parolini e Renato Izzo a partir de uma história de Sergio Garrone (diretor de "Django, O Bastardo"), não se preocupa muito com a lógica e só quer divertir, trazendo diversos elementos absurdos e humorísticos.

Afinal, como engolir, numa história "séria", o fato do sargento McCarthy conseguir eliminar ninhos de metralhadora apenas com as acrobacias feitas na sua cama elástica portátil, carregada de um lado para o outro pelos companheiros? Ou o fato de o tenente Hoffmann arremessar uma bola de beisebol especialmente modificada para desacordar vilões e até explodir coisas?

Já uma piada impagável do filme mostra os cinco Aliados, disfarçados como nazistas, fingindo que rezam numa pequena igreja. Duas senhoras que testemunham a cena comentam entre elas: "Até que estes nazistas não são tão ruins quanto a gente pensava". hehehehe.


O elenco é ótimo e entrega interpretações antológicas, principalmente Garko como o divertido tenente Hoffmann (adotando um estilo "fodão com bom humor" que depois veríamos Brad Pitt adaptar em "Bastardos Inglórios") e Kinski como o maléfico coronel da SS (e, mais uma vez, é uma pena que o seu personagem apareça tão pouco; quem sabe se CINCO PARA O INFERNO tivesse 2h30min, como "Bastardos Inglórios"...).

Os atores que compõem os "Cinco Para o Inferno" também conseguem compor personagens simpáticos por quem o espectador torce, lamentando o final trágico de alguns. E, como no filme do Tarantino, aqui também as (poucas) mulheres são ardilosas, fatais e atiram pelas costas...

Isso tudo, somado à direção precisa de Parolini, resulta num passatempo acima da média, um híbrido muito divertido e interessante entre filme de guerra e western spaghetti, que com certeza Tarantino deve ter visto várias vezes antes de escrever "Bastardos Inglórios". Pena que a obra permaneça quase desconhecida no Brasil, onde foi lançada há mil anos em VHS (pela Nacional Vídeo), na tradicional versão "fullscreen".


Quem sabe agora, com o sucesso do filme do Tarantino, algumas destas pérolas não cheguem ao país em DVD? Aliás, chega a ser irônico, mas o único DVD decente do filme lá fora, em edição "uncut, digitally restored and widescreen", é ALEMÃO, com o título "Todeskommando Panthersprung"!!! O disco pode ser importado via Amazon e tem áudio em alemão, italiano e inglês, além de imagem simplesmente impecável, extremo oposto da versão bagaceira disponível nos EUA, e que vem dentro de um daqueles boxes com vários filmes de um mesmo tema, todos VHS-Ripados sem qualquer qualidade.

Claro que, como no caso de "Bastardos Inglórios", é preciso ter em mente que CINCO PARA O INFERNO é um filme de guerra sem qualquer pretensão com fidelidade histórica ou realismo - está mais para "Assalto ao Trem Blindado", do Enzo G. Castellari, do que para o pretensioso "O Resgate do Soldado Ryan", do Spielberg.

O único objetivo de Parolini e de seus atores é divertir, a exemplo de outras pérolas italianas sobre o mesmo tema, e não tentar ser real ou fiel aos livros de história. Até porque as páginas dos livros de história nunca disseram nada sobre nazistas sendo nocauteados por bolas de beisebol. Ou será que eu matei aula justo nesse dia?

Trailer de CINCO PARA O INFERNO


*******************************************************
5 per L'Inferno/ Five for Hell
(1969, Itália)

Direção: Frank Kramer (Gianfranco Parolini)
Elenco: John Garko (Gianni Garko), Klaus
Kinski, Luciano Rossi, Margaret Lee, Sal
Borgese e Sam Burke.




#########################################

UM ANO (e um mês) DE FILMES PARA DOIDOS!

Confesso a vocês, queridos leitores, que sou péssimo para recordar datas de aniversários, embora minha memória guarde dados tão inúteis quanto os vários pseudônimos usados por Bruno Mattei ou os nomes dos figurantes de filmes de ação bagaceiros produzidos na Indonésia.

Acreditem ou não, eu não consigo lembrar nem mesmo o dia do aniversário dos meus pais (só lembro o mês!). Talvez eu esquecesse o meu próprio aniversário, caso ele não caísse num feriado nacional, 7 de setembro.

E foi por esse meu crônico problema com aniversários que deixei passar a comemoração de 1 ANO DE FILMES PARA DOIDOS, no dia 10 de outubro (o presente para os leitores acabou sendo o meu comentário sobre "Bastardos Inglórios", postado na véspera, dia 09/10).

Bem, o que dizer quando um blog criado meio na brincadeira completa 1 ano de existência e, por incrível que pareça, ainda mantém um grupo de leitores fiéis? Talvez um "muito obrigado" por prestigiarem minhas mal-traçadas (e intermináveis) linhas, e a garantia de que continuarei por aqui mais um bom par de anos, sempre escrevendo sobre aqueles filmes que ninguém parece muito interessado em comentar.

Não sei se isso é motivo de orgulho ou não, já que não tenho comparativos, mas neste 1 ano de existência, os noventa-e-poucos posts do FILMES PARA DOIDOS foram visitados (e lidos, talvez) por mais de 115 mil pessoas. Vá lá que a maioria deve ter sido atraída por tags como "X-Rated" e buscas tipo "maconha em Amsterdã", mas o que vale é o número!

Portanto, encerro essa comemoração atrasada de aniversário no ritmo de CINCO PARA O INFERNO, deixando aqui um "muito obrigado" também do Gianni Garko para todos aqueles que acompanham religiosamente (e pacientemente) o FILMES PARA DOIDOS.


1 ano combatendo o ANALFABETISMO FUNCIONAL!!!

24 comentários:

Pedro Pereira disse...

Muitos parabéns por isso. Tenho que te agradecer o destaque que deste a alguns filmes que desconhecia à data.

Este últimos por acaso revi não há muit o tempo e gosto bastante. Parolini mantém o estilo frenético das suas obras mais reconhecidas (Sartana e Sabata), de onde recupera inclusivé a maior parte dos actores, e o filme ganha por isso. É quase como estar a ver um spaghetti em que os cavalos foram substituídos por jipes e motorizadas e tanques.

Marcos disse...

Parabéns pelo aniversário (atrasado) do blog.

Anônimo disse...

Parabens e muito sucesso, continue postando filmes esquecidos, quero agradecer pois lendo seu blog me recordo com saudades de uma epoca que não volta mais
fabio gomes-sp

artur disse...

fala Felipe, parabéns por mai um ano de blog, e não se preucupe, também quando eu puder vou escrever filmes em que ninguém parece interessado em comentar, estou para escrever Fuga do Bronx,qur alías é melhor que Guerreiros, caso raro este não? em que o segundo é melhor do que o primeiro, puxa cara, ainda não vi esse, mas sempre vejo e re-vejo o trailer no Youtube, vou ver se acho uma cópia por ai, ou esperar alguém postar no Youtube, abraços e muito anos de FILMES PARA DOIDOS.

Allan Veríssimo disse...

Parabéns, Felipe, pelo ano de aniversário do Blog. No inicio, eu pensava que iria ser uma coisa pequena, mas quem diria que há tantos cinéfilos brasileiros que gostam de filmes alternativos? Graças a eles e principalmente a você, esse blog cresceu e agora todos nós podemos comentar sobre os filmes injustamente esnobados pelos ditos "criticos especializados". Parabéns e obrigado, Felipe.

Ryunoken disse...

Parabéns e muita bilheteria para o FpD!

Luciana disse...

Parabéns pelo Blog

Abraços

Luciana

Osvaldo disse...

O primeiro aninho ninguém esquece. :)

parabéns!

Vitor disse...

parabéns!acompanho seus artigos desde do início do boca do inferno. Devo dizer que muitas bagaceiras do bem (como os filmes do bruno mattei) conheci graças a eles. esse filmes para doidos tá muito bom, continue com o bom trabalho, pq comentar blockbuster onde as informações pipocam na net é fácil. agora falar com tanta paixão de filmes que muitas vezes tem orçamentos irrisórios, porém sao criativos e divertidos não é pra qualquer um.

sucesso!

vitor disse...

Esse filme é muito divertido!O final com a cena da cerca elétrica é algo para ficar na mente de qualquer fã de filmes de ação.

Leandro Caraça disse...

Mil felicitações ! Até o tal crítico-que-não-se-pode-aqui-mencionar deve estar comemorando.

Pena que não dei a devida atenção ao "Cinco para o Inferno" quando assisti em VHS muito tempo atrás. Faça mais resenhas de filmes do Parolini, Felipe.

Felipe M. Guerra disse...

Já programei uma série de resenhas dos filmes do Sartana, incluindo o clássico do Parolini, para breve.

Edu Aurrai disse...

Guerra, to mandando uma homenagem no meu blog a você, o barato é novo, mas acredite, é sincero.

Só to postando esse para avisar e dizer que é por homenagem mesmo cara, curto o seu trabalho.

Abç.

Anônimo disse...

Juarez felicita pelo ano do blog e tem uma pergunta. Por que não se pode falar no Pablo Villaça aqui?

Felipe M. Guerra disse...

EDU - Obrigado pela homenagem, achei que ninguém mais lembrava dessas maratonas de artigos. Inclusive há algum tempo estou querendo atualizar os das séries Sexta-feira 13 e A Hora do Pesadelo, para complementar e corrigir informações. Mas vai ficar para o futuro, pois outros dossiês estão no caminho (o próximo deve ser sobre a série Halloween).


ANÔNIMO - Porque críticos metidos a besta como ele (não fala o nome, não fala o nome!!!), REF e outros que é melhor nem citar já têm espaço que chega na mídia para ficar falando bobagem. Por isso eu acho que essas bobagens não precisam ficar contaminando os blogs dos outros.

Edu Aurrai disse...

Opa! Demorou. Depois do fim do Myers.net não tem mais nada de memorável na rede a respeito da franquia. Principalmente o impressinoante sexto filme. Prova que meia dúzia de cenas podem fazer uma puta diferença no resultado.

Abç

dri disse...

Putz Felipe, sou silenciosa e nunca comento (ah, a timidez!), mas sou uma leitora voraz do seu blog e com esse aniversário o mínimo que posso fazer é sair do silêncio e não apenas te parabenizar, como agradecer veementemente que o blog exista e deseje que continue a mantê-lo até o fim dos tempos.
Sem mencionar que esse screencap do Kinski fez com eu ganhasse o dia, o mês, e o resto do ano. É um filme que ainda não vi, mas que certamente correrei para ver graças ao seu texto.

Gaucha disse...

Parabens pelo blog... Excelente... Mas apenas um detalhe... onde consigo baixar esse (e outros ) filme
pois não se acha em locadoras.
Abraços

Pedro Pereira disse...

:P

http://filmesdemerda.tumblr.com/post/1015621009/five-for-hell

Antonio Carlos disse...

Eu considero esse filme muito bom.Gostaria muito de baixa-lo mas nao consigo.

Pastorelli disse...

Você não tem nada sobre "Assim Nascem os Heróis, de Robert Aldrich?

Rodrigo 1176 disse...

Felipe,comente sobre o filme Yeti o monstro do seculo xx (1977)também do Frank Kramer.Um abraço.

Anônimo disse...

eu queria saber se vc. conhece um filme de guerra chamado se de Oito homens de aço.Guilherme p.pte/sp

Leonardo Peixoto disse...

Que o Filmes para Doidos tenha muitos anos (e meses) de atividade no futuro !