quarta-feira, 15 de abril de 2009

OS CLONES DE BRUCE LEE (1977)


A carreira cinematográfica do astro chinês Bruce Lee foi relativamente curta, se começarmos a contar da sua primeira aparição com papel principal na tela grande (em "O Dragão Chinês", de 1971) até sua morte prematura em 1973. A bem da verdade, ele só participou de quatro filmes completos ("O Dragão Chinês", "A Fúria do Dragão", "O Vôo do Dragão" e "Operação Dragão"), e filmou uns 15 minutos de outro antes de bater as botas (este foi completado com a ajuda de dublês após sua morte, transformando-se em "O Jogo da Morte").

Mas Bruce Lee é um daqueles casos raros em que a lenda é maior que o homem. Só isso pode explicar a existência de pelo menos 48 filmes com "Bruce Lee" no título, sabendo-se que ele atuou oficialmente em apenas quatro - ou cinco, com muita boa vontade.

Nos primórdios do FILMES PARA DOIDOS, eu resenhei uma pérola trash chamada "Bruce Lee Fights Back From the Grave", e lá expliquei sobre a brucesploitation, a exploração da fama do falecido Bruce Lee em uma série de filmes bagaceiros estrelados por sósias do astro, apropriadamente batizados como Bruce Le ou Bruce Li. Estes filmes normalmente eram vendidos como produções estreladas pelo verdadeiro Bruce Lee. Além de sem-vergonhice da grossa, a tática era inquestionavelmente mórbida: imagine família e amigos do falecido ator sendo obrigados a engolir filmes como "The Death of Bruce Lee", que inclusive trazia uma foto do verdadeiro cadáver do ator, feita no seu funeral, num canto do cartaz de cinema!!!


Porém o golpe mais apelativo da brucesploitation foi uma preciosidade inestimável chamada OS CLONES DE BRUCE LEE (que no Brasil ainda recebeu o subtítulo "As Réplicas Mortíferas" na época de seu lançamento em VHS). Entre todos os "elogios" que já escreveram sobre o filme, estão frases como "o Monte Rushmore da brucesploitation" ou "o 'Plan 9 From Outer Space' dos filmes de ação de Hong-Kong". Acredite: todos estes "elogios" são merecidos: o "filme" é tão ruim, tão mal-feito, tão tosco, tão apelativo, tão cretino em todos os níveis que acaba se tornando engraçado. Isso, claro, se você for um apreciador de FILMES PARA DOIDOS. Caso contrário, assisti-lo será tão divertido quanto fazer uma colonoscopia com arame farpado. Nem o Uwe Boll se esforçando muito conseguiria fazer algo tão ruim.

OS CLONES DE BRUCE LEE foi cometido pelo diretor Joseph Velasco (com o pseudônimo "Joseph Kong") e pelo produtor norte-americano Dick Randall em 1977, com a intenção de faturar uns cobres no auge da brucesploitation, até porque o mercado de filmes de pancadaria made in Hong-Kong estava dando bastante dinheiro no Ocidente. Velasco já havia dirigido ele mesmo alguns filmes para aproveitar o filão, como "Bruce's Deadly Fingers", de 1976, e "Ninja Versus Bruce Lee/Return of Bruce", de 1977, ambos estrelados por Bruce Le, um dos muitos imitadores de Bruce Lee.

Este aqui, como o título já denuncia, é uma pérola da apelação, pois Bruce Lee e sua morte são citados abertamente o tempo inteiro. Além disso, o filme parte de uma idéia que não deixa de ser genial: juntar numa única produção quatro imitadores do falecido astro - Dragon Lee (aka Vyachaslev Yaksysnyi), Bruce Le (aka Kin Lung Huang), Bruce Lai (aka Chang Yi Tao) e Bruce Thai (aka ???????).


Os primeiros cinco minutos de OS CLONES DE BRUCE LEE são, ao mesmo tempo, uma aula de cinema exploitation e trash: um sósia de Bruce Lee é levado à UTI de um hospital chinês, já à beira da morte - e no caminho todas as enfermeiras suspiram coisas do tipo: "Ai meu Deus, é o Bruce Lee", para não deixar dúvidas no espectador. Em poucos minutos, provavelmente graças à inexperiência dos médicos, o pobre Bruce acaba morrendo. Era esperado, dadas as condições da UTI em que foi operado: vamos dizer apenas que a sala de cirurgia tem janelas (!!!), e com os vidros abertos ainda por cima, e não há nem mesmo um monitor de freqüência cardíaca, pois o médico escuta os batimentos do coração de Bruce Lee com um simples estetoscópio!!!! Será que o pobre coitado foi atendido pelo SUS?

Eis que surge em cena o agente Collins, do SBI (Special Branch of Investigation, olha a inteligência do roteiro!), que convoca um cientista, o Prof. Lucas, para encontrá-lo no hospital onde "Bruce Lee" acabou de morrer. Pois sem qualquer autorização da equipe médica ou da família do falecido astro, o cientista retira uma amostra de sangue e células do cadáver para, vejam só, construir clones de Bruce Lee, já que o SBI pretende utilizar estas cópias do mestre das artes marciais como agentes secretos em missões perigosas ao redor do mundo.


Calma lá, calma lá: que sentido faz clonar um conhecido e popularíssimo astro de cinema como Bruce Lee para usar como AGENTE SECRETO? Bom, claro que isso acaba não fazendo muita diferença no filme, até porque os "clones" não saem assim tão parecidos com o verdadeiro Lee (o único que tem certa semelhança física é Dragon Lee). Onde já se viu clone sair diferente do original? Ah, deixa pra lá...

Além disso, em nenhum momento do filme qualquer um dos vilões desconfia estar diante de uma cópia de Bruce Lee, mesmo quando um dos clones é mandado para se infiltrar secretamente... num estúdio de cinema que está produzindo um filme de artes marciais!!!



Prontos os clones, que atendem pelos criativos nomes de Bruce Lee One (Dragon Lee), Bruce Lee Two (Bruce Le) e Bruce Lee Three (Bruce Lai, o menos parecido do trio), o cientista faz com que eles passem por uma bateria de treinamentos de artes marciais, para poderem lutar como o Bruce Lee original. E isso inclui aulas com Bolo Yeung, que foi aluno do verdadeiro Lee e chegou a lutar contra ele no filme "Operação Dragão".

Após o treinamento, os clones são enviados para missões que soam como episódios curtos dentro do filme. Bruce Lee One é o tal enviado como agente secreto para um estúdio de Hong-Kong, onde deve investigar um produtor chamado Chai Lo, que nas horas vagas é traficante de ouro. Lo acaba suspeitando do novato e pede que seus capangas dêem um fim nele. O diretor do filme dentro do filme sugere matá-lo diante das câmeras para depois faturar horrores de bilheteria - morbidamente, o filho do verdadeiro Bruce, Brandon Lee, morreu em frente às câmeras durante as filmagens de "O Corvo", nos anos 90! Mas é claro que Bruce Lee One está preparado e, após detonar todos os assassinos, acaba pessoalmente com Chai Lo, justo quando ele estava fugindo com seu ouro (um monte de tijolos comuns porcamente pintados com tinta dourada).

Corta para a segunda missão, agora com Bruce Lees Two e Three lutando juntos contra um cientista malvado chamado Dr. Nye (Dr. No, alguém?), que não apenas tem um harém particular de mulheres nuas, como ainda pretende dominar o mundo (começando pela Tailândia!!!) usando sua fórmula que transforma homens comuns em lutadores indestrutíveis feitos de bronze (no caso, um monte de figurantes de sunguinha e o corpo coberto com a tinta dourada que sobrou da pintura dos tijolos do segmento anterior).


Para ajudar os dois clones, entra em cena um outro agente do SBI chamado Chuck, que é interpretado também por um imitador de Bruce Lee, Bruce Thai. E, embora ele não apareça oficialmente como clone no filme, ironicamente o cara é o MAIS PARECIDO com o verdadeiro Bruce Lee dos quatro! Dá pra acreditar?

Este segmento é de longe o mais trash do filme inteiro. Os homens-bronze indestrutíveis têm como único ponto fraco a ingestão de uma erva venenosa, que os heróis precisam enfiar na goela deles, rendendo cenas constrangedoras como estas aí embaixo:



Como os tais homens de bronze são apenas uns manés pintados com tinta dourada, os Bruces também acabam com as mãos e braços dourados a cada golpe que dão neles! E há uma cena sem qualquer fundamento em que Bruce Lai e Bruce Thai vão à praia de sunguinha apenas para encontrar um grupo de garotas completamente peladas, que não faz nada além de passar bronzeador no corpo em close! O termo "nudez gratuita" nunca caiu tão bem...

E eis que OS CLONES DE BRUCE LEE termina com o Prof. Lucas ficando maluco e sonhando ele próprio com a dominação mundial, no que é o terceiro e último segmento do filme. Para concretizar seu plano, e vá entender o porquê disso, o cientista resolve escolher o mais forte dos três clones para ser seu capanga, ao invés de usar o trio completo, e acaba mandando os Bruces lutarem entre si até a morte. É o ponto alto do filme: a oportunidade de conferir três imitadores de Bruce Lee, cada um com suas próprias características de luta, trocando porradas! Definitivamente, algo que não se vê todo dia...


Infelizmente, como filme de artes marciais, OS CLONES DE BRUCE LEE é bem fraquinho. As lutas se resumem ao tradicional "bate-bloqueia-bate", e após as duas ou três primeiras pancadarias o repeteco perde toda a graça. E olha que é um festival de surras e porradas: há uma luta a praticamente cada cinco minutos! Claro que a história poderia ter ficado interessante se enfocasse detalhes como a forma de pensar e o sentimentos dos clones. Exemplo: Como eles se sentem sendo cópias de um astro morto? Quanto das memórias de Bruce Lee eles tinham, se foram obrigados a reaprender a lutar? Mas é óbvio que não era esta a proposta do filme.

Assim, o melhor de tudo é o clima trash dessa aventura pobre e tosca. Começa com os supostos clones, que tentam imitar Lee nos mínimos detalhes, dos gritinhos afeminados durante as lutas ao cacoete que Bruce tinha de ficar coçando o nariz enquanto provocava os rivais. Também tem uma cena impagável em que três imitadores do astro (Bruce Le, Bruce Lai e Bruce Thai) aparecem em cena juntos usando óculos escuros de modelo igual ao do verdadeiro Bruce, o que só serve para confundir mais o espectador, que não sabe quem é quem. Isso sem contar os erros à la Bruno Mattei. Lá pelas tantas, por exemplo, uma mulher completamente nua puxa uma faca do nada para atacar um dos clones. Agora eu me pergunto: de onde ela tirou essa faca? (E a provável resposta chega a me dar arrepios...)



Já a pobreza franciscana da produção e da direção, com cenários horríveis e objetos de cena idem (o "laboratório" onde são criados os clones consegue ser pior que qualquer cenário já elaborado por Ed Wood), é uma atração à parte. Tanto que o filme termina abruptamente, sem qualquer desfecho para a trama e sem sequer ter créditos finais (vai ver faltou grana na finaleira da produção).

Assim, ficamos sem saber o que foi feito dos clones de Bruce Lee: será que continuaram trabalhando como agentes secretos para o SBI ou abandonaram a vida de 007 para seguir carreira como astros de cinema, na ausência do verdadeiro Bruce?

A julgar pela quantidade de filmes brucesploitation que todos eles ainda estrelariam, imagino qual é a resposta para esta pergunta...

Trailer de OS CLONES DE BRUCE LEE


****************************************************************
The Clones of Bruce Lee (1977, Hong-Kong)
Direção: Joseph Kong (Joseph Velasco)
Elenco: Bruce Le, Dragon Lee, Bruce Lai,
Bruce Thai, Jon T. Benn, Tao Chiang,
Siu-Lung Leung e Bolo Yeung.



A pedidos, a morte de Bolo Yeung

29 comentários:

Gabriel Paixão disse...

hahahaha... Eu gosto bastante Bruceploitation, mas não tenho muito saco pra assistir com frequencia, são todos muito iguais, mas esse parece ser impagável. Em casa tem Spirits of Bruce Lee, Image of Bruce Lee, The Real Bruce Lee e Return of the Kung Fu Dragon.
PS: E o que que é esse tio aí com esse sorriso colgate? Credo que medo...

Allan Verissimo disse...

Mas porque ninguém processava os produtores desses filmes?Também não há direitos autorais nos países orientais?

Kurt Breichen disse...

Parece que o direito internacional sobre propriedade intelectual, até meados da década de 80, era uma tremenda esculhambação. Só isso explica coisas como o "Terminator II", "Alien 2" e "Great White" (que ainda acho melhor que todas as sequências "oficiais" de "Tubarão").

Não sou muito chegado em brucesploitation, mas acho que vou conferir esse, pois só a premissa ridícula já me atraiu (clonar o Bruce Lee para fazer agentes secretos). Lembra uma piada do episódio "Imaginationland" de South Park, em que o exército americano abre um portal para o mundo da imaginação e envia um grupo de marines comandados por... Kurt Russell. Russell: "Ehhh... Por que é mesmo que eu vou com eles? Sou só um ator de cinema." General: "Mas trabalhou naquele filme que tem uma história meio parecida com essa. Você já tem experiência nisso."

Takeshi disse...

Essa é boa, jamais imaginei que chegassem tão longe com Bruceploitation. Quando eu era criança, assistia a estas tosqueiras acreditando estar vendo o verdadeiro Lee, nunca notei diferença. E aqueles "DVD remasterizados" digitalmente vendidos com revistas do Bruce Lee são licenciados? Pois há muitas cenas cortadas, além de um menu e apresentação bem fracos.

Ibertson Medeiros disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
A cada dia que passa me surpreendo mais com as tosqueiras que existem pelo mundo. Hilário seu post!
A luta com a ingestão de ervas deve ser muito engraçada.
Por falar no Bruce Lee, tem um filme que queria ver, de 2007: Finishing the Game, do Justin Lin, mesmo diretor de Velozes e Furiosos 3 e 4.
Um dos melhores que já vi desse subgênero, é o Dragão: A História de Bruce Lee.
E tem também o recente Ip Man, contando a história do mestre de Bruce Lee, dirigido por Wilson Yip. Muito bom esse filme, com Donnie Yen interpretando o mestre Ip. Já vai ter continuação, para 2010, onde talvez apareça Bruce Lee sendo treinado, na trama.

Kurt Breichen disse...

Holy shit! Guerra, quando disse que a próxima atualização abordaria um filme "monstruosamente ruim", não era brincadeira. Tosqueira tridestilada! Após ser atingido por este petardo da ruindade, não tenho capacidade de articular a experiência de forma racional, como vossa senhoria foi capaz. Resta-me apenas recomendar a todos que vejam este monumento à desgraça cinematográfica e listar minhas reações diante desta pérola, ao estilo "Badmovies.org":

Diálogos sucintos e inteligentes, permeados de um humor simultaneamente ácido e sofisticado que provocaria inveja em Oscar Wilde, contribuindo sempre para o progresso da trama! David Mamet fica no chinelo perto desses caras. Exemplo:
Agente: Alô, Professor Lucas, aqui é Colin, do SBI.
Professor Lucas: SBI? Ah, sim! Special Branch of Investigation. Que posso fazer por você, Sr. Colin?
Agente: Eu quero encontrá-lo.
Professor: Imagino que seja muito importante.
Agente: Muito importante, senhor.
Professor: Pode ser mais específico?
Agente: Receio que não, senhor. É questão de segurança. Altamente confidencial.
Professor: Entendo.
Agente: Mas tenho permissão para dizer o seguinte - é a respeito de Bruce Lee.
Professor: O astro de cinema?
Agente: Sim, senhor.

Professor Lucas é o filho mais idiota e menos sutil de Dr. Evil e Murder Legendre: "Hahahaha... I'll command you... I alone... You will do what I say. Your name is Bruce Lee 3". Quem desconfiaria que, numa surpreendente reviravolta, o cara acaba ficando maluco no final do filme?

É impressão minha ou parte do treinamento inclui um dos clones dançando ao som do tema do Rocky?

O treinamento inclui quebrar isopor? Dr. Manhattan porra nenhuma! Se os americanos tivessem dominada essa técnica, eles teriam vencido no Vietnã.

Os clones nunca caem. Eles levam uma pancada, dão uma cambalhota e acabam agachados.

Vá lá que efeitos sonoros em filmes kung de fu raramente primam pelo realismo, mas... caramba. Tem uma parte do treinamento em que os golpes parecem alguém de tênis molhados pisando em azulejo.

Enquanto o treinador está ocupado dando pancada num dos Bruce Lees (já desisti de saber quem é quem; que diabo é isso? Clones plurivitelinos?), o outro chega por trás e dá um chute na cara dele. O treinador, encostado na parede, sorri: "Você está aprendendo rápido". Seguindo essa lógica, se o Vitor Belfort estiver dando porradas em alguém e eu chegar, à emboscada, e acertar um pontapé nele, já estou com meio caminho andado para me tornar campeão de Ultimate Fighting?

Vilões astuciosos e eficientes, contribuindo para a tensão da trama. O diálogo entre o diretor de cinema/contrabandista de tijolos pintados e seu capanga (após desconfiarem da idoneidade do Bruce infiltrado) pode ser parafraseado da seguinte forma: Diretor: "Vamos executar o cara." Capanga: "Falou. Vou pegar uma 45 e..." "Não! Pantera Branca e Tigre Ligeiro dão conta muito mais facilmente que um balaço na cabeça!" Mais tarde, depois que o plano falha, Diretor: "Those stupid idiots!" É, colega, você tem uma moral da porra pra criticar...

Luta com os caras de faca: PQP! O Clone faz uma coreografiazinha pra tirar a jaqueta?

O agente Colin "narra" a missão contra o Dr. Ney enquanto a câmera passeia por localidades tailandesas que não tem qualquer relação com a exposição dele. Simbolismo? Pfffff....

"You don't wanna play around with THOSE girls." Claro que não. Afinal, que homem heterossexual que se preze ia querer se envolver com um bando de mulher pelada? Eca!

"Socorro! Estou sendo atacado por um bando de mulheres peladas e taradas! AAAAAAARGH!!"

Um capanga informa ao Dr. Ney que sua nova "arma" deu certo, destruindo a vegetação imediatamente. Como diabos é que o bom doutor vai conquistar o mundo destruindo vegetação? E o que isso tem a ver com os homens de bronze? E, por falar neles, finalmente alguém conseguiu superar a ruindade da maquiagem de "Zombie Lake".

O capim venenoso... pfffffffff.... HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!! O homem de bronze cai em cima do capim, começa a mastigá-lo (Por que? Resolveu aproveitar a oportunidade para fazer um lanchinho?) e assim é revelado o ponto fraco dos "super-homens" do Dr. Ney. Era esse o motivo da "destruição de vegetação"? Os homens de bronze sentem um incontrolável impulso de comer mato, mesmo que seja letal? Deve ser, porque, no confronto entre eles e os três Bruces, basta alguém socar um feixe de capim na boca dos "super-homens" que eles se apressam em começar a mastigar, morrendo instantaneamente.

Júlio César, Genghis Khan e Alexandre, o Grande, se contentavam com pouco. Esse professor Lucas, sim, é que é um poço de ambição. Todo o plano infalível dele tem por objetivo... mostrar ao mundo que ele tem o poder de controlar um cara vagamente parecido com Bruce Lee que derrotou dois outros caras que também lembram um pouco o Bruce Lee? Isso que é megalomania desenfreada.

Agora, sério, acho que a "morte" do cara que treinou os Bruces é a cena mais hilariante do filme. O cara leva uma pancada, cai se apoiando nos cotovelos, fica meio que de lado, deita de bruços, faz uma pose com o queixo encostado no chão e, subita e dramaticamente, morre. Parece que o ator não queria que o personagem morresse de jeito nenhum e o diretor ficou gritando "Morre, cacete! É agora! Morre! Morre logo! Agora!", até convencê-lo. "Infelizmente, é impossível descrever o que é a Matrix. É preciso vê-la com os próprios olhos". O escambau. Claro que é possível descrever: é uma simulação digital interativa em que um bando de gente, em coma induzido, está vivendo, achando que é a realidade (http://xkcd.com/566/). Agora, esta cena, sim, é que é impossível de ser fielmente descrita em qualquer idioma criado pelo ser humano. Só vendo com os próprios olhos. Voltei o filme naquela cena umas quatro vezes e continuo com vontade de rir toda vez que lembro.

Guerra, dá pra colocar um clipe dessa cena do blog? É mais ou menos entre 1:24:34 e 1:24:50. É fantástica. Uma das cenas mais espetaculares da história do cinema, capaz de fazer qualquer pessoa reavaliar sua vida e questionar suas convicções sobre a existência humana e a natureza do universo. Agora eu entendi por que o Coringa ficou daquele jeito...

Anny disse...

hahahaha Nossa, que filme eh esse?
Eu quero assistir, parece ser hilario!

Felipe M. Guerra disse...

> Agente: Alô, Professor Lucas, aqui é Colin, do SBI.
Professor Lucas: SBI? Ah, sim! Special Branch of Investigation. Que posso fazer por você, Sr. Colin?

- Esse diálogo expositivo é fantástico, caso contrário ninguém iria saber o que diabos significa SBI (e como se isso importasse alguma coisa; se usam o nome do Bruce Lee livremente, por que não usaram FBI também?????)


> "Não! Pantera Branca e Tigre Ligeiro dão conta muito mais facilmente que um balaço na cabeça!"

- Detalhe é que o tal Pantera Branca é simplesmente um mané que em plena luz do dia pode ser visto caminhando pelas ruas da cidade... de QUIMONO!!!


> É impressão minha ou parte do treinamento inclui um dos clones dançando ao som do tema do Rocky?

- Não é impressão. Esqueci de colocar isso no texto.


> o outro chega por trás e dá um chute na cara dele. O treinador, encostado na parede, sorri: "Você está aprendendo rápido".

- Pior: o cara acabou de tomar um chutão na cara à traição e ainda consegue sorrir de satisfação!!!


> no confronto entre eles e os três Bruces, basta alguém socar um feixe de capim na boca dos "super-homens" que eles se apressam em começar a mastigar, morrendo instantaneamente.

- Se o roteirista tivesse inventado algo mais simples, como o fato de que o contato do tal capim com a pele matasse os homens-bronze, já estaria ótimo. Mas não, o idiota teve que inventar que os vilões precisavam ENGOLIR o mato. Como é que seria humanamente possível filmar isso? Só daquele jeito tosco mostrado no filme, mesmo: os Bruces só encostam o capim na fuça dos homens-bronze e eles já saem mastigando com vontade! hahahahaha

Ah, postei a cena citada no texto, logo debaixo do trailer. Tem a luta inteira do "Bruce Lee One" contra o Bolo Yeung, para dar uma idéia da tosquice, seguida pela escalafobética cena de morte do vilão - que rivaliza com a morte do Christopher George em NINJA - A MÁQUINA ASSASSINA!!!

Ibertson Medeiros disse...

kkkkkkkkkkkkkk
A cena da morte do Bolo Yeung é hilária. O cara cai no chão, olha para frente e morre, como se o diretor dissesse: Vai porra, você está morto.

E os barulhos das pancadas também são hilários. É impressão minha ou aparecem os barulhos em cenas onde nem ocorre uma porrada?
Sem contar a coçada no nariz no começo e no final hehehe

Cristiano disse...

Ei, Felipe, só corrige a informação de que Bolo luta contra Bruce Lee em "Operação Dragão", que isso tá errado. Bolo luta contra o mala do John Saxon - inclusive, isso deixou Bolo chateado na época, pois ele queria lutar contra Lee, mas este prometeu que seria seu adversário no "Jogo da Morte" (claro que não eu pra ter essa luta...).

Abraço, e parabéns pelo blog.

Kurt Breichen disse...

> Esse diálogo expositivo é fantástico, caso contrário ninguém iria saber o que diabos significa SBI (e como se isso importasse alguma coisa; se usam o nome do Bruce Lee livremente, por que não usaram FBI >também?????)

Parece que, como Sam Spade e Philip Marlowe, Joseph Velasco segue rigidamente um código de ética muito pessoal. "Posso fazer um filme porcaria para ganhar dinheiro fácil em cima de um falecido astro das artes marciais que tinha mais habilidade no nariz do que eu tenho na família. Posso até fazer me basear num roteiro debilóide que usa a morte verídica do cara como ponto de partida para um festival de abobrinhas. Mas NEM A PAU vou desonrar o bom nome do FBI! Que tipo de picareta ordinário vocês pensam que eu sou? Tenho uma reputação a manter e uma honra a zelar!"

>Detalhe é que o tal Pantera Branca é simplesmente um mané que em plena luz do dia pode ser visto caminhando pelas ruas da cidade... de QUIMONO!!!

Não sou dado a rompantes de ufanismo, mas esse é um daqueles casos que faz você pensar: "porra, sou mais o produto brasileiro." Afinal, dá pra se intimidar quando o bandido é, por exemplo, um traficante homicida, sádico e mau encarado e que atende pelo nome de "Elias Maluco". Agora, um indivíduo que anda na rua de quimono e, voluntariamente, adota a alcunha de "Pantera Branca"... PQP, é um passo pra virar "Gatinha Manhosa".

>Pior: o cara acabou de tomar um chutão na cara à traição e ainda consegue sorrir de satisfação!!!

Código de Bushido segundo Bolo Yeung:
1) O negócio é ser covarde. Sempre que o adversário estiver desprevenido e incapaz de se defender, ataque.
2) Se foi você o alvo da covardia, não economize na cara-de-pau, a fim de evitar fazer papel de otário: sorria, finja que já estava esperando a pancada e solte uma frase feita. O importante é manter a dignidade.

> Se o roteirista tivesse inventado algo mais simples, como o fato de que o contato do tal capim com a pele matasse os homens-bronze, já estaria ótimo. Mas não, o idiota teve que inventar que os vilões precisavam ENGOLIR o mato. Como é que seria humanamente possível filmar isso? Só daquele jeito tosco mostrado no filme, mesmo: os Bruces só encostam o capim na fuça dos homens-bronze e eles já saem mastigando com vontade! hahahahaha

Hehehehe... Cara, é o que eu adoro nesse tipo de bomba. Estimula a imaginação. Você fica tentando vislumbrar em que circunstâncias alguém teve uma idéia tão teratológica e não só decidiu levá-la adiante, mas ainda convenceu um monte de gente que seria construtivo imortalizá-la em celulóide e que, além de tudo, isso seria um bom investimento. É muito fácil entender por que algum idiota achou que seria boa idéia gastar dinheiro fazendo merdas do tipo "Pearl Harbor", "Armagedom" ou "Crepúsculo". Mas eu tento, tento e não consigo visualizar o pitch que convenceu alguém a financiar um negócio desses. É intrigante. "Artes marciais são massa. Todo mundo gosta. Mas sabe o que ficaria melhor ainda? Artes marciais com uns caras pintados de amarelo-urina que só morrem se comerem um capim venenoso. Não tem como errar, senhores. É dinheiro na certa."

>Ah, postei a cena citada no >texto, logo debaixo do trailer.

Valeu. Como um evangélico recém-convertido que insiste em encher o saco de todos os seus amigos dos tempos de "pecado", sinto-me compelido a compartilhar essa cena e fomentar a sua disseminação entre o maior número possível de pessoas.

>que rivaliza com a morte do >Christopher George em NINJA - A >MÁQUINA ASSASSINA!!!

Cacete! Acho que eu já vi esse filme. É aquele em que alguém lança uma shuriken no peito do CG e ele faz uma cara de espanto, abre os braços e meio que se joga pra trás? Outro "momento mágico" do cinema-tosqueira.

Felipe M. Guerra disse...

KURT - É esta a morte mesmo. Se você olhar nos arquivos do FILMES PARA DOIDOS, tem uma resenha deste clássico do cinema e o vídeo do YouTube para poder ver e rever este momento mágico da sétima arte quantas vezes quiser.

CRISTIANO - Ops, falha nossa! E vou até deixar o erro no texto para todo mundo ver como fui burro. Realmente, o Yeung toma uns catiripapos do jovem Saxon, e não do Bruce Lee, mas que ele foi aluno do astro é verdade. Outra coisa que descobri pós-publicação da resenha é que o outro "professor" dos clones, um mané de bigodinho, também havia contracenado com o verdadeiro Bruce Lee em O Vôo do Dragão. Porra, qual é a dos caras? Atuaram lado a lado com o real e depois pagam mico contracenando com imitadores????

Kurt Breichen disse...

Guerra, ótima resenha sobre "Ninja - Máquina Assassina". Tenho que apreciar novamente esta obra. Outro exemplo irretocável de tosqueira em estado bruto. A cena do Christopher George é, de fato, ainda mais estarrecedora do que eu lembrava: ele faz uma cara de surpresa, uma pose estilo "John Travolta em 'Embalos de Sábado à Noite'"; passa uns dez segundos gemendo e enrolando, talvez com medo de se machucar quando cair; e finalmente parece concluir "ah, fodeu", dobra os joelhos e cai de qualquer jeito. E o efeito sonoro do lançamento da shuriken parece que foi tirado de um game do Atari 2600. Difícil dizer qual é a mais bisonha: essa ou a do Bolo Yeoung. Cada uma é magnífica à sua própria maneira.

Quanto aos ex-colegas do Bruce Lee de verdade, só resta recorrer à deontologia de South Park: "Son, sometimes what´s right isn´t as important as what´s profitable."

Renzo Mora disse...

Felipe:
Obrigado por ter incluído meu blog nas tuas recomendações - tenho recebido muitas visitas vindas do teu site.
Já tinha colocado teu blog no meu blogroll e sou grande fã.
Forte Abraço
Renzo Mora
http://renzomora.wordpress.com/

Leandro Caraça disse...

>É impressão minha ou parte do treinamento inclui um dos clones dançando ao som do tema do Rocky?

Lembro de quando estava assistindo um filme de kung fu na Band de madrugada e de repente a turma começa a lutar ao som do tema de HALLOWEEN.

Felipe M. Guerra disse...

E, conforme eu postei num comentário no blog do Ronald Perrone, a dublagem do clássico O DRAGÃO CHINÊS, do Bruce Lee, inclui trecho de uma música do Pink Floyd que NÃO está no som original, obviamente - e foi uma "liberdade poética" do próprio estúdio de dublagem.

Takeshi disse...

depois ainda dizem que o Spectreman que era tosco...

Takeo Maruyama disse...

É por causa de porcarias como esse Os Clones Do Bruce Lee que os filmes de kung fu old-school em geral têm má reputação entre os cinéfilos ditos "sérios". Eu gosto dos bruceploitations de boa qualidade, como Bruce Lee The Man The Myth com Bruce Li e Ninja Over The Great Wall com Bruce Le (que inclusive cheguei a resenhar no ASIAN FURY), mas lixões como Enter The Game Of Death e esse Os Clones De Bruce Lee só servem pra despertar curiosidade e depois matar o espectador de raiva!!!

Leandro Caraça disse...

Falando em bruceploitation, nós temos nossos próprio exemplar : o então lendário KUNG FU CONTRA AS BONECAS (a.k.a. BRUCE LEE VS THE GAY POWER).

Artur disse...

esses caras são uns oicaretas mesmo, nossa que tioxinho é esse que da risada com o dentes abartos? hahahahahaha

sitedecinema disse...

Apesar de ser ruim pacas, o cara antes de zombar tem que saber do que zomba...foi citado que 'cjá chamaram esse filme de 'o 'Plan 9 From Outer Space' dos filmes de ação de Hong-Kong' ", mas isso não faz sentido, pois é uma produção filipina (se eu não me engano com um pouco de grana de tailandeses).
Eu não lembrava que a sala de cirurgia do filme tinha janelas, Guerra...só rindo, mesmo.

Jeean Victor disse...

PORRA! Ainda não vi o filme, mais tipo... no trailer eles usaram a música tema do The Warriors, triste cara, filme deve ser um dos mais toscos da história do cinema mundial, se é que essa merda já foi passada em algum cinema né...

Jeean Victor disse...

E pior, essa música tema foi composta pelo Barry de Vorzon especialmente para o The Warriors! Ô galera sacana e copista dos inferno!!! "¬¬

Anônimo disse...

Esses supostos clones, não fazem nem para o café!!! Aliás, o verdadeiro Bruce lee, era muito mais rápido que as três imitações juntas.Por mais que tentem imitar o Verdadeiro, nunca vão conseguir agradar 100% ao Público, pois nenhum ser humano na sua essência é igual ao outro. Bom , eu pelo menos, prefiro assistir os Filmes de Bruce Lee umas mil vezes, do que dar moral para tais imitaçôes, é muito Fraco!!!

bruceleeolutador disse...

sabe eu amo esse filme e quero baixar so naum sei onde sou muito fa do bolo yeung e tenho o filme bloodspot dele e o van damme e quero ter mais por favor me passem um site para eu baixar esse filme valeu ...

Impacto Filmes disse...

Show de bola o blog Guerra !
Só uma correção, Bolo Yeung não enfrentou Bruce Lee no ''Operação Dragão'' este até é o unico ''defeito'' do filme.
Abraço

Dylan Dog a.ka.Victor B. disse...

Esse Bolo Yeung aí contracenou com o Van Damme em O Grande Dragão Branco ou será que foi em Kickboxer?

Anônimo disse...

Felipe, só uma coisa. Bruce Lee não era chinês, ele era americano mesmo. Nasceu em San Francisco. E mesmo assim, depois ele conseguiu também nacionalidade de Hong Kong, que apesar de ser uma Região Administrativa Especial da China (ou seja, ela faz parte da China) ainda assim não é a China em si. rsrs

jonathan ribeiro disse...

Cara que filme tosco,aquela cena do cara com a erva na boca e o sorriso de coriga daquele tio,me fizeram morrer de rir.